Início » Estudos » Estudos Bíblicos
Batalha Espiritual

É muito comum ouvirmos no meio evangélico o termo “Batalha Espiritual”; houve uma época na qual o tema virou “modismo”, soldados levantaram-se aos milhares e manuais de guerra foram escritos às centenas, detalhando ações, ensinando estratégias. A guerra foi travada, mas, poucos resultados positivos foram colhidos. Qual o motivo para tantos fracassos? Porque em alguns lugares funcionou e em outros não?
Um dos pontos importantes, geradores de fracassos é menosprezar o inimigo ou não conhecê-lo o suficiente. A Bíblia deixa claro, que o diabo é extremamente sagaz e poderoso, tem em suas mãos poder para fazer grandes feitos e conhece profundamente o ser humano. Ele conhece todas as chamadas estratégias de guerra e está devidamente preparado com o seu exercito para anular os possíveis ataques e pronto para um contra-ataque  eficaz  contra a igreja.
As histórias narradas em livros, vitoriosas, não se aplicam necessariamente em outras regiões ou cidades, o opositor já conhece os passos e está pronto para a resistência. É aconselhável ler tais narrativas, mas, fazer uso das mesmas práticas não é sábio.

 

A Batalha Espiritual, como o nome afirma, é travada no mundo espiritual e é necessário que haja homens santos e cheios do Espírito Santo, agraciados com dons (visão, revelação, profecia, etc.) para que sejam canais, através dos quais o Senhor Deus orientará o Seu exercito de servos, revelando as estratégias certas para cada ocasião, bem como, os passos do inimigo. A Batalha não é segundo a carne (“Embora andando na carne, não militamos segundo a carne.” 1Co 10.3), não é contra homens, sim, contra satanás (“Pois nós não estamos lutando contra seres humanos, mas contra as forças espirituais do mal que vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os poderes que dominam completamente este mundo de escuridão.” Ef 6.12; veja mais: Gn 3.15; 2Co 2.11; Tg 4.7).
Os servos chamados à guerrear precisam ser irrepreensíveis em suas ações, a santidade é uma qualidade imprescindível. Neste exército não há espaço para os chamados “crentes carnais”, ou desprovidos de compromisso verdadeiro com Deus. Aventurar-se na batalha com brechas é morte certa!
A recomendação de Paulo a Timóteo foi: “Este é o dever de que te encarrego, ó filho Timóteo, segundo as profecias de que antecipadamente foste objeto: combate, firmado nelas, o bom combate, mantendo fé e boa consciência, porquanto alguns, tendo rejeitado a boa consciência, vieram a naufragar na fé.” (1Tm 1.18,19). O soldado de Deus precisa manter-se firme na fé e procurar desempenhar com seriedade e zelo a missão confiada. A vigilância (“Sede vigilantes, permanecei firmes na fé, portai-vos varonilmente, fortalecei-vos”. 1Co 16.13) deve ser constante, não se contaminar com o mundo, abrindo brechas através das quais o inimigo possa tocá-lo. A oração é tão importante quanto o ar que se respira (“com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos”. Ef 6.18), se não houver vida de oração, a derrota está próxima.

 

A Batalha Espiritual engloba todos os servos que procuram vivenciar o senhorio de Cristo Jesus (Fp 1.30), não apenas alguns: “Por isso peguem agora a armadura que Deus lhes dá. Assim, quando chegar o dia de enfrentarem as forças do mal, vocês poderão resistir aos ataques do inimigo e, depois de lutarem até o fim, vocês continuarão firmes, sem recuar.” (Ef 6.13). Mas, como já foi tratado antes, é indispensável que haja compromisso e vida santa. Os soldados são capacitados e protegidos pelo próprio Senhor a desempenharem a missão (“Porque eu, o SENHOR, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, que eu te ajudo.” Is 41.13; “Ó SENHOR, meu Deus e meu Salvador, tu me protegeste na batalha.” Sl 140.7). A força vem de Cristo! (“Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças, para que, por meu intermédio, a pregação fosse plenamente cumprida, e todos os gentios a ouvissem; e fui libertado da boca do leão. O Senhor me livrará também de toda obra maligna e me levará salvo para o seu reino celestial. A ele, glória pelos séculos dos séculos. Amém!”  2Tm 4.17,18).
A vitória na guerra vem do próprio Senhor! (“Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.” 1Co 15.57). Não é à força do homem, não são objetos e recitações de textos que nos fará vencedores. Somos nesta batalha apenas soldados sob o comando do nosso General.
Leiam sobre o tema, os relatos edificam a fé e mostra o quão sério é o mundo espiritual, no entanto, não queiram imitar as ações descritas, sem a devida revelação do Senhor, serás motivo de gargalhadas para os dominadores das trevas. As estratégias de uma batalha espiritual são reveladas por Deus, são orientações únicas para cada localidade.

 

A realidade da guerra espiritual pessoal- Texto Básico: Daniel 1:1-19

INTRODUÇÃO:
Vivemos num conflito espiritual sem tréguas. Satanás não tira férias, nem folga nos finais de semana. Ele sempre está planejando contra nós,mesmo quando sofremos alguma perda. Ele não respeita o nosso luto ou sofrimento, é neste estágio de maior vulnerabilidade emocional e psicológica, que ele desfere os seus golpes malígnos. Satanás não conhece o que é luta limpa. Ele é mau, perverso e destruidor. Precisamos, portanto, conhecer os seus desígnios para que ele não leve vantagem sobre nós. (2Co 2:10b-11)
Escolhemos o livro de Daniel para mostrar com clareza as estratégias sinistras do diabo, a fim de varrer de sua memória à LEI DE DEUS, contextualizando-o à cultura babilônica.
.
1. PARTE HISTÓRICA: .
AUTOR: Daniel, membro da família real, nascido em Jerusalém, em 623 a.C., aproximadamente durante a reforma do Rei Josias e no princípio do Ministério de Jeremias. Foi levado à Babilônia, por ocasião do 1 exílio, em 605 a.C. pelo monarca Nabucodonozor que não dispunha de número suficiente de cultos para a cúpula governamental. Por isso o Rei levou jovens saudáveis, de boa aparência e de alto nível cultural. .
.
1. CENÁRIO RELIGIOSO DE JUDÁ: .
Época mais sombria do judaísmo. Todos os alicerces da sua fé pareciam ter desaparecido. A cidade escolhida por Deus fora arrasada, o Templo projetado e habitado pelo Senhor, tornara-se um montão de cinzas e o povo fora levado cativo à terra idólatra da Babilônia. Foi nesse período que surgiram as sinagogas onde os judeus adoravam e liam a TORÄ. Da fé judaica só restavam as Escrituras com as promessas da aliança do Senhor para com os antepassados. .
.
1. CENÁRIO RELIGIOSO DA BABILÔNIA: .
A religião da Babilônia centralizou-se em Bel Merodaque (Marduque) num grande templo. Ele era o senhor ou Bel (cognato de Baal), do panteão dos deuses da Babilônia. Anualmente, os sacerdotes traziam todos os deuses ou estátuas por ocasião da festa de Nisã, ao templo de Merodaque (deus supremo). .
Nabucodonozor não se mostrou apenas um gênio militar, amante do luxo, edificador de monumentos,jardins e canais, mas também um homem muito religioso. .
.
1. ESTRATÉGIAS SINISTRAS E DESTRUIDORAS DE SATANÁS: .
1. MUDANÇA DE NOMES: (Vs.7) .
Sutileza maligna: Eles precisavam de cidadania babilônica. Propósito: Varrer da memória deles o nome de "Jeová" , e consagrá-los aos deuses da Babilônia. .
DANIEL: "Deus é meu juiz" = Betessazar: "Bel proteja a sua vida" .
HANANIAS: : Jeová é gracioso" = Sadraque: "Servo de Aku" (deus lua) .
MISAEL: "Quem é igual a Deus?" = Mesaque: "Quem é igual a Aku?" .
AZARIAS: "Jeová ajuda" = Abede-Nego: "Servo de Nego = deus da sabedoria ou estrela da manhã. .
.
1. ALIMENTAÇÃO: (Vs.5-6) .
Sutileza maligna: alimentá-los com a comida do Rei .
Propósito: Fazê-los pecar contra à Lei de Deus e entorpecer a mente (Oz.4:11). .
.
1. EDUCAÇÃO: .
Sutileza maligna: Ensiná-los a cultura e a língua dos caldeus. .
Propósito: Contradizer os retos ensinos da Lei de Deus e construir sofismas (argumentos, teorias e razões da mente). .
(2Co 10:4-5) "As armas da nossa batalha espiritual não físicas (armas de carne e sangue), mas elas são poderosas em Deus, para demolição de fortalezas, refutando argumentos, teorias e razões, e todo orgulho que se levanta contra a verdade e conhecimento de Deus, levando todo pensamento e propósito cativo a obediência de Cristo" (Amp.) .
.
1. PASSOS PARA A VITÓRIA: .
1. DETERMINAÇÃO (resolução, decisão, coragem, afoiteza): (Vs.8-13) .
Resultado: Saúde e robustez (Vs.15) .
.
1. PRUDÊNCIA (virtude que faz prever e procura evitar as inconveniências e os perigos: cautela, precaução): .
Resultado: Sabedoria e inteligência 10 vezes mais (Vs.17-20) .
.
1. FIDELIDADE (mesmo em face à morte): (Dn.3 e 6) .
Resultado: A exaltação de Deus e livramento.

Com o inimigo sob os nossos pés
“O último inimigo a ser destruído é a morte” (I Co 15.26).

Não é o único inimigo a ser colocado sob os pés de Cristo. Todos o serão, a seu tempo. Mas aquele que tem desafiado o homem desde o início, será o último a ser destruído. Ao final do processo, quando “todas as cousas lhe estiverem sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as cousas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (15.28).

Palavras deste teor realizam cousas admiráveis no homem. Dão-lhe a certeza de que Deus não está parado, de que Deus não sofreu uma crise de ânimo, de que Deus não renunciou ao seu poder e ao seu propósito. Portanto, a vitória final não é hipotética nem absurda. O absurdo seria se Deus não controlasse todas as cousas e não as levasse para o final descrito na Bíblia. É aí que entra a fé – “a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” (Hb 11.1).

Ora, se Deus não é capaz de colocar sob os pés de Cristo todos os adversários e todas as cousas prejudiciais e destruidoras, que Deus é esse? Quais são os inimigos a que Pedro se refere? O apóstolo menciona apenas o nome do último a ser destruído: a morte. Na parábola do joio é possível encontrar o nome de outro, aquele que, enquanto os homens dormiam, veio e semeou o joio no meio do trigo e retirou-se. Na interpretação das figuras, Jesus diz que o inimigo que semeou o joio é o diabo (Mateus 13.24-43).

Aliás, a palavra Satanás significa adversário. Sejam quantos forem, o destino dos inimigos, dos que se opõem a Deus, está traçado pelas Escrituras Sagradas, desde o Salmo 110 – “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.” E esta passagem tem sido citada carinhosamente através dos séculos, inclusive por Jesus (Mt 22.41-46); Pedro (At 2.32-36); Paulo (I Co 15.25) e o autor da Epístola aos Hebreus (1.13).

Encorajando-vos uns aos outros
Leilão no inferno – uma ferramenta à venda – o desânimo, pois, com ela posso penetrar profundamente no coração das pessoas, esmagando suas emoções e imobilizando suas mentes.

· ENCORAJAMENTO é o antídoto mais eficaz no contra-ataque à infecção do desânimo, por isso é essencial nos muitos relacionamentos do Corpo de Cristo.
· ENCORAJE-ME – É provável que você nunca tenha feito este pedido a alguém. Mas, se pudesse falar a verdade, diria que está tremendamente necessitado de um sorriso, uma palavra de consolo, um carinho especial.
· O VALE DO DESÂNIMO – O propósito de Deus é ministrar ao seu coração ou usá-lo para encorajar a outros (termômetro ou termostato). O aprendizado de andar de bicicleta... (cena) – Deus é para nós o que somos para nossos filhos (cena). Ele é a nossa rocha, refúgio, proteção. Ele é quem nos ergue a cabeça quando estamos cabisbaixos. Ele se aproxima de nós na angústia, abraça-nos, conforta e anima, enxuga nossas lágrimas, enfim, Ele é o Consolador – Em João 14 a 16, Jesus identifica o Espírito Santo como Consolador – Português = Consolador – Grego – Parakaleo – para = ao lado de – kaleo = chamar – PARAKALEO = chamar ao lado de... para apoiar, sustentar – na época em que viveu Jesus, esta palavra era usada como termo técnico para descrever um advogado numa corte grega – alguém designado para apoiar, defender o acusado – com o passar do tempo esta palavra passou a significar alguém chamado para ajudar, aconselhar, sustentar, apoiar, encorajar – esta é uma das grandes obras do Espírito Santo em nossa vida. Em sua última mensagem aos discípulos, antes de despedir-se deste mundo, Jesus disse que enviaria alguém para substituí-Lo – Eles não ficariam órfãos. O Espírito Santo viria não somente ficar com eles, mas muito mais importante: habitaria neles. O próprio Jesus deixou-nos palavras esclarecedoras a este respeito – Jo 14.16, 26; 15.26; 16.7 – Em cada uma dessas passagens o Espírito Santo realiza um ministério específico:

1. Habita conosco para sempre 2. Ensina todas as coisas 3. Testifica de Jesus 4. Substitui a Jesus


Em resumo: O encorajador é que continua o ministério de Cristo na terra, habitando, apoiando, ajudando, motivando e dando poder aos que crêem no Senhor Jesus. Foi isto que Paulo quis dizer em sua carta aos II Coríntios 1.3-4 – Aqui Deus é chamado O Grande Consolador, Encorajador. Ele nos consola em nossas tribulações para que sejamos consoladores e encorajadores de outros que estejam passando angústias – Devemos ser parakaleos abraçando as pessoas, enxugando suas lágrimas, chorando com elas, orando, lendo a Bíblia, segurando as mãos dos irmãos,... – O próprio Jesus Cristo nos deixou exemplo para que seguíssemos Seus passos. Chorou perante o túmulo de Lázaro, mesmo sabendo que em poucos minutos o ressuscitaria – com isso, identificou-se com a imensa tristeza que recai sobre os que perdem seus queridos.

· Além do amor – 4 motivos que existem que nos devem impulsionar a exercer o ministério de encorajamento.

1. O encorajamento glorifica a Deus – Romanos 15.5-6
2. O encorajamento é uma ordem de Deus – I Tessalonicenses 5.11 – Esta é uma das maiores tarefas da Igreja. A Igreja e o lar deveriam ser hospitais para os feridos, angustiados, discriminados, desajustados e desanimados. Deus sabia que necessitaríamos deste ministério, por isso deu a ordem: “Encorajai-vos uns aos outros”.
3. O encorajamento evita o endurecimento do coração – Hebreus 3.13. Como é fácil alguém endurecer-se pelo engano do pecado e cair na armadilha de Satanás. Uma palavra de encorajamento fortalece, anima – a tendência do homem é ser crítico, áspero, impaciente. Salomão disse: “A morte e a vida estão no poder da língua (Provérbios 18.21) – Temos usado palavras de vida para retirar alguém do caminho enganoso preparado pelo diabo?
4. O encorajamento edifica o espírito do homem – II Coríntios 2.5-11 –Perdoai-o e confortai-o. Ao encorajarmos trabalhamos com pedaços de uma vida quebrada, tal qual o oleiro quando refaz o vaso partido. O encorajamento oferece uma Segunda chance. Na Igreja Primitiva o exemplo de José – Atos 4.36-37 – Barnabé – Surge o parakaleo – Paulo novo convertido – Atos 9.26-27; 11.23 – Antioquia – Viu a graça de Deus – Atos 11.25-26 – Barnabé e Paulo – Atos 13.1 – Paulo e Barnabé – Atos 13.43.
Barnabé – João Marcos – Paulo Silas – o Evangelho de Marcos... Reflita um pouco: Você conhece alguém que necessite de auxílio financeiro? Alguém que precise ser defendido de uma calúnia? Ou uma pessoa carente de aceitação e comunhão dos irmãos? Alguém que precise ser conduzido a uma posição onde possa exercer melhor seu dom? Você conhece algum “João Marcos” fracassado, cabisbaixo, que precise de uma palavra de encorajamento, uma demonstração de confiança, um abraço? – Quem sabe você poderá ser o Barnabé para esta pessoa? Vá com calma: Quero salientar vários conceitos importantes:
u. Reconhecer o poder da palavra dita a seu tempo – Provérbios 16.24; 12.25; 18.21; 15.4; 25.11 – Para ser um “parakaleo” – para segurar o assento da bicicleta precisamos usar a palavra a seu tempo.
v. Reconhecer que os necessitados de encorajamento (na maioria das vezes) desenvolvem camadas de auto-proteção por medo de serem rejeitados. Escondem-se. Fachada = hipocrisia.
w. Nossas palavras devem ser inspiradas pelo amor e direcionadas aos “temores” do outro – Hebreus 10.24-25 – A necessidade de integração – CÉLULAS.
x. Procure ouvir com atenção, sem responder precipitadamente.
y. Responda com brandura.
z. Seja sensível – Olhe para a pessoa. Relaxe, seja natural, descontraído.

Os três campos de batalha
Cap.1
O TERRITÓRIO DE SATANÁS : A REGIÃO DAS TREVAS.
Muitos cristãos perguntam se o diabo está na terra ou no inferno; se ele pode habitar em cristãos ou somente no mundo? O fato é que o diabo está nas trevas. Onde há trevas espirituais, ali está o diabo.

PREPARANDO-SE PARA A BATALHA ESPIRITUAL.
Para muitos , o termo "batalha espiritual" introduz uma nova, mas não bem recebida, dimensão em sua experiência cristã. A idéia de encarar espíritos maus em batalha é um conceito duvidoso, especialmente por chegarmos a Jesus como ovelhas perdidas, e não como guerreiros. Afinal, alguns poderão nunca iniciar uma batalha espiritual, mas todos nós precisamos encarar o fato que o diabo começou uma batalha contra nós. Portanto, é essencial para o nosso bem estar básico discernir as áreas de nossa natureza que estão abertas ao ataque satânico.

Judas nos diz: "E aos anjos que não conservaram suas posições de autoridade mas abandonaram sua própria morada, ele os tem guardado em trevas, presos com correntes eternas para o juízo do grande dia." (v.6).
O diabo e seus anjos caídos foram relegados a viverem nas trevas. Estas trevas não significam simplesmente "regiões sem luz", ou áreas privadas da luz visível. As trevas eternas às quais as Escrituras se referem são, essencialmente, trevas morais que, em última análise, se degeneram em trevas literais. No entanto, a causa não é meramente a ausência de luz, mas é a ausência de Deus, que é a luz.

É vital reconhecer que as trevas para onde satanás foi banido não estão limitadas às áreas fora da humanidade. Ao contrário dos que não conhecem Jesus, nós fomos libertos do território, ou do "reino" das trevas (Cl 1:13). Não estamos enlaçados nas trevas se nascemos da Luz. Mas, se tolerarmos as trevas pela tolerância com o pecado, ficamos vulneráveis aos ataques satânicos. Onde há desobediência voluntária à Palavra de Deus, aí há trevas espirituais e potencial para as atividades satânicas.

Por isso, Jesus exortou: "Portanto, cuidado para que a luz que está em seu interior não sejam trevas." (Lc 11:35). Há uma luz em você. "O espírito do homem é a lâmpada do Senhor..." (Prov.20:27). O seu espírito, iluminado pelo Espírito de Cristo, se torna a "lâmpada do Senhor" através da qual Ele sonda o seu coração. Há, realmente, uma irradiância santa que envolve os cristãos verdadeiramente cheios do Espírito. Mas, quando você agasalha o pecado, a "luz que está em você" é "trevas". Satanás tem acesso legal, dado por Deus, para habitar nas regiões de trevas. Temos que entender este ponto: O diabo pode trafegar em qualquer área de trevas, mesmo nas que ainda existem no coração de um cristão.

O PENEIRADOR DE DEUS
Um exemplo de satanás tendo acesso ao lado carnal da natureza humana é visto quando Pedro negou a Jesus. É óbvio que Pedro falhou. O que não vemos, no entanto, é o que estava acontecendo no mundo invisível espiritual.

Jesus profetizou que Pedro O negaria três vezes. Qualquer pessoa que estivesse observando as ações de Pedro naquela noite, poderia simplesmente concluir que a sua atitude foi uma manifestação de medo. Mas, Pedro não era medroso por natureza. Este era o discípulo que algumas horas antes havia puxado a espada contra a multidão que estava prendendo Jesus. Não foi medo humano que fez Pedro negar o Senhor; ele o fez por indução satânica.

Jesus havia avisado o apóstolo, "Simão, Simão, satanás pediu vocês para peneirá-los como trigo. Mas eu orei por você, para que a sua fé não desfaleça.. E quando você se converter, fortaleça os seus irmãos." (Lc 22:31,32). Atrás da cena, satanás havia pedido e recebido permissão para peneirar Pedro como trigo. Satanás teve acesso à uma área em trevas no coração de Pedro.

Como satanás fez Pedro cair? Depois de comer a Páscoa, Jesus disse a Seus discípulos que um deles O trairia. A Escritura, então, continua, "Eles começaram a perguntar entre si qual deles iria fazer aquilo." (Lc 22:23). Aquele era um tempo muito sombrio, mas, mesmo durante aqueles terríveis momentos lemos que " Surgiu também uma discussão entre eles, acerca de qual deles era considerado o maior" (Lc 22:24). Eles passaram de uma atitude de choque e desânimo para a interrogação de quem seria o maior entre eles! Evidentemente, Pedro , "o andador sobre as águas", o mais ousado e falador dos apóstolos, prevaleceu. Podemos concluir que a altivez de Pedro entre os discípulos o deixou com um ar de superioridade que, atiçado por satanás, acabou numa atitude de presunção e jactância. Pedro, sendo levantado pelo orgulho, estava programado para a queda.

A Bíblia nos diz que o "orgulho preceda a ruína" (Pv 16:18). O orgulho causou a queda de satanás, e ele estava usando a mesma área em trevas para causar a queda de Pedro. Lúcifer conhece muito bem, por experiência, o julgamento de Deus contra o orgulho religioso e a inveja. Satanás não poderia ,indiscriminadamente, atacar e destruir Pedro. Ele tinha que garantir a permissão do Senhor de Pedro antes de vir contra o apóstolo. Mas o fato é que o diabo pediu permissão ...e a recebeu.

SUBMETA-SE A DEUS
A armadilha que satanás usou para causar a queda de Pedro foi o próprio pecado de orgulho do discípulo. Temos que reconhecer, antes de iniciar uma guerra, que as áreas que escondemos nas trevas são as mesmas em que seremos derrotados no futuro. Geralmente, as batalhas que enfrentamos não cessam até descobrirmos e nos arrependermos das trevas que estão em nós. Para sermos vitoriosos em batalha espiritual, precisamos estar discernindo nossos próprios corações; precisamos andar humildemente com nosso Deus. Nossa primeira ação deve ser "Submeter-se a Deus." E, então, quando nós "...resistirmos ao diabo..." ele vai fugir (Tg 4:6).

A boa notícia para Pedro e para nós é que satanás nunca conseguirá permissão para destruir os santos. Mas, ele está limitado a peneira-los "como trigo". Há trigo dentro de cada um de nós. O resultado deste tipo de ataque satânico, permitido por Deus, é para limpar a alma do orgulho e produzir maior humildade e transparência em nossas vidas. Pode parecer terrível, mas Deus faz estas coisas cooperarem para o bem. A casca exterior de nossa natureza precisa morrer para que brote a natureza de trigo do homem da nova criação. Tanto a palha como a casca foram necessárias para nos proteger das rudezas desta vida. Mas, antes que Deus possa nos usar, verdadeiramente, de alguma maneira, passaremos por um tempo de peneiração.

A casca natural de Pedro era a presunção e o orgulho. Seus sucessos iniciais o fizeram ambicioso e auto-dirigente. Deus nunca poderá confiar Seu reino a ninguém que não tenha quebrado o orgulho, pois o orgulho é ,em si, a armadura das trevas. Portanto, quando satanás pediu permissão para atacar Pedro, Jesus, de fato, disse, "Você pode peneirá-lo, mas não destruí-lo". A batalha contra Pedro foi tremenda, mas havia uma medida e serviu aos propósitos de Deus.

Pedro estava ignorante das áreas em trevas que havia nele, e a sua ignorância o deixou aberto ao ataque. Mas o Senhor pergunta a cada um de nós, "Você conhece as áreas onde você é vulnerável ao ataque satânico?" Jesus não nos quer ignorantes de nossas necessidades. De fato, quando Ele revela o pecado em nossos corações, é para poder destruir as obras do mal. Precisamos entender que a maior defesa contra o diabo é manter um coração honesto diante de Deus.

Quando o Espírito Santo nos mostra alguma área que precisa de arrependimento, precisamos vencer o instinto de nos defender. Precisamos silenciar o pequeno advogado que se levanta de um quartinho escuro em nossas mentes contestando, "Meu cliente não é tão mau". O seu "advogado de defesa" defenderá você até o dia de sua morte - e se você o ouvir nunca verá o que está errado em você, e nem enfrentará o que precisa ser mudado. Para vencer na batalha, seu instinto de auto-preservação precisa se submeter ao Senhor Jesus; Jesus somente é o Seu verdadeiro Advogado.

Não podemos nos engajar em luta espiritual sem receber este conhecimento. Tiago 4:6 diz, "...Deus Se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes." Deus Se opõe ao orgulho. Este é um versículo muito importante. Se Deus Se opõe ao orgulho, e nós somos orgulhosos para nos humilharmos e admitir que estamos errados, então Deus se opõe a nós!

Tiago continua no v.7, "Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês." Geralmente, vemos este verso isoladamente, como um monumento à batalha espiritual. No entanto, é num contexto de arrependimento, de humilhação e de possuir um coração limpo que poremos o diabo para correr de nós!
Precisamos ir além da submissão indefinida a Deus; precisamos submeter a área exata de nossa batalha pessoal a Ele. Quando nos levantarmos contra o poder do diabo, deve ser com um coração submisso a Jesus.
Há um preceito que se repete neste livro. É vital que você saiba, entenda e aplique este princípio para sua futura vitória em batalha espiritual. O princípio é : A vitória começa com o nome de Jesus em seus lábios; mas não será consumada até que a natureza de Jesus esteja em seu coração. Esta regra se aplica à toda faceta da luta espiritual. Na verdade, satanás terá permissão de vir contra a sua área fraca até que você perceba que a única resposta de Deus é a semelhança de Cristo em sua vida. Quando você começa a se apropriar, não só do nome de Jesus, mas também de Sua natureza, o adversário vai se retirar. Satanás não vai continuar o seu ataque, se as circunstâncias que ele designou para destruí-lo estão agora operando para aperfeiçoar você!

O resultado da experiência de Pedro foi que, após o Pentecostes, quando Deus o usou para a cura de um coxo, um novo e humilde Pedro falou à multidão reunida. "...Por que vocês estão olhando para nós, como se tivéssemos feito este homem andar por nosso próprio poder ou piedade?" (At.3:12). A vitória de Pedro sobre o pecado e o diabo começou com o nome de Jesus em seus lábios; e foi consumada pela natureza de Jesus em seu coração. As trevas em Pedro foram dissipadas pela luz, o orgulho em Pedro foi substituído por Cristo.

Cap. 2
A FORTALEZA DOS SALVOS : A HUMILDADE
Satanás teme a virtude; tem horror da humildade e a odeia. Quando ele vê alguém humilde até se arrepia. Seu cabelo fica em pé quando os cristãos se ajoelham, pois a humildade é a rendição da alma a Deus. O diabo treme diante do humilde, porque nas mesmas áreas onde ele tinha acesso, ali está o Senhor, e satanás se aterroriza diante de Jesus Cristo.

COM QUEM VOCÊ REALMENTE ESTÁ LUTANDO?
Vamos nos lembrar que na queda do homem, no Jardim do Éden, o julgamento de Deus contra o diabo foi que ele ia "comer pó." Do homem, Deus disse, "Tu és pó" (Gn 3:14-19). A essência de nossa natureza carnal - de tudo que é carnal em natureza - é pó. Precisamos entender esta ligação : satanás se alimenta de nossa natureza terrena, carnal de "pó". Ele come daquilo que negamos a Deus.

Por isso, temos que reconhecer que a fonte de muitos dos nossos problemas e opressões não é demoníaca, mas carnal em natureza. Temos que encarar o fato de que um aspecto de nossas vidas, nossa natureza carnal, será sempre alvejada pelo diabo. Estas áreas carnais dão a satanás uma avenida de acesso para minar nossas orações e neutralizar nosso andar com Deus.

É o nosso sentido exagerado de auto-justiça que nos impede de nos olharmos honestamente. Sabemos Quem está em nós, mas precisamos saber também o que está em nós, se queremos ser vitoriosos em nossa luta contra o diabo . Portanto, seja específico quando se submeter a Deus. Não racionalize seus pecados e falhas. O sacrifício de Jesus Cristo é um abrigo perfeito da graça, capacitando todo homem a olhar honestamente para suas necessidades. Assim, seja honesto com Deus. Ele não vai Se chocar com seus pecados. Deus o amou, sem restrições, mesmo quando o pecado era total em você; muito mais Ele continuará a amá-lo, quando você busca a Sua graça para se livrar da iniquidade!

Antes de nos lançarmos em luta agressiva, precisamos reconhecer que muitas de nossas batalhas são meras conseqüências de nossas próprias ações. Para guerrear com vitória, temos que separar o que é da carne e o que é do diabo. Deixe-me dar um exemplo. Minha esposa e eu morávamos num lugar onde um lindo cardeal tinha o seu ninho. Os cardeais são muito territoriais e lutam intensamente contra cardeais intrusos. Naquele tempo nós tínhamos uma "van" com grandes espelhos laterais e pára-choques cromados. De vez em quando, o cardeal atacava os pára-choques ou os espelhos pensando que o seu reflexo era uma outra ave. Certo dia, quando observava o cardeal atacar o espelho eu pensei, "Que bobinho, seu inimigo é o seu próprio reflexo." Imediatamente o Senhor falou ao meu coração, "E assim também são muitos de seus inimigos - o reflexo de vocês mesmos."

Antes de qualquer estratégia para atacar satanás, precisamos ter certeza de que nosso real inimigo não é a nossa natureza carnal. Pergunte-se: as coisas que nos oprimem hoje, não são a colheita do que plantamos ontem?

ENTRE EM ACORDO COM SEU ADVERSÁRIO
Lembre-se do que Jesus ensinou, "Entre em acordo depressa com seu adversário que pretende levá-lo ao tribunal. Faça isso enquanto ainda estiver com ele a caminho, pois, caso contrário, ele poderá entregá-lo ao juiz, e o juiz ao guarda, e você poderá ser jogado na prisão. Eu lhe garanto que você não sairá de lá enquanto não pagar o último centavo" (Mt 5:25,26).

O que Jesus está falando aqui vai além de evitar um processo. Ele está mostrando que com este adversário e este juiz, em particular, sempre perderemos a causa e acabaremos na prisão.

Esta parábola explica como Deus vê a justiça humana. Na narrativa, o adversário é o diabo e o Juiz é Deus. Satanás, como nosso adversário, se levanta como o acusador dos irmãos diante de Deus, o Juiz de todos. A verdade que Cristo quer revelar é que quando nos aproximamos de Deus baseados em nossa própria justiça, o adversário sempre terá base legal para "nos jogar na prisão", pois as nossas justiças são "...como trapo da imundícia" (Is 64:6).

Quando Jesus diz, "Entre em acordo depressa com seu adversário," Ele não está dizendo para "obedecer" o diabo. Ele está dizendo que quando satanás acusa você de algum pecado ou falha, se ele estiver certo, mesmo que por um minuto, é vantagem para você concordar com ele sobre a sua injustiça. Se ele o acusa de ser impuro, ou de não amar, ou de não orar o suficiente e ele está certo, a chave é não argumentar com o diabo sobre sua própria justiça porque, diante de Deus, sua justiça é inaceitável. Não importa o quanto você se defenda ou se justifique, por dentro você sabe que muitas vezes as acusações do diabo contêm um bocado de verdade.

Nossa salvação não é baseada no que nós fazemos, mas no que Jesus Se torna por nós. Cristo Mesmo é a nossa justiça. Fomos justificados pela fé; nossa paz com Deus vem através de nosso Senhor Jesus Cristo (Rm 5:1). Quando satanás vem contra você, ele tenta enganá-lo ao focalizar a sua atenção em sua própria justiça. Quanto mais reconhecermos que somente Jesus é a nossa justiça, menos o adversário poderá nos atacar pelas nossas faltas.

Quando o acusador vier condená-lo por você não ter amor suficiente, sua resposta deverá ser, "É verdade, eu não tenho amor suficiente. Mas o Filho de Deus morreu por todos os meus pecados , inclusive pelo pecado de um amor imperfeito." Saia da sombra do ataque satânico e fique no brilho do amor do Pai. Submeta-se a Deus e peça que o amor e o perdão de Cristo tome o lugar de sua fraqueza e seu amor imperfeito .

Quando satanás tentar condená-lo por impaciência, novamente sua resposta deverá ser, "Sim, na minha carne sou muito impaciente. Mas porque nasci de novo, Jesus é minha justiça e através de Seu sangue sou perdoado e purificado." Vire-se de novo para Deus. Use a acusação como um lembrete que você não está diante de um trono de julgamento, mas de um trono de graça que o possibilita a, ousadamente, vir a Deus em busca de ajuda (Hb 4:16).

Portanto, a chave principal para derrotar o diabo é a humildade. Humilhar-se é recusar-se a defender a própria imagem : você é corrupto e cheio de pecado em sua velha natureza! Porém, temos uma nova natureza que foi criada à semelhança de Cristo (Ef 4:24); assim, podemos concordar com nosso adversário acerca da condição de nossa carne!

Mas não limite este princípio de humilhar-se somente quando está envolvido em luta espiritual. Este preceito é aplicável em outras situações também. A força da humildade é aquela que constroe uma defesa espiritual ao redor de nossa alma, proibindo que lutas, competições e muitas irritações da vida roubem a nossa paz .

Um ótimo lugar para praticarmos isso é em nossos relacionamentos familiares. Como marido, sua esposa pode criticá-lo por ser insensível. Uma resposta carnal pode facilmente degenerar a conversa em uma contenda. A alternativa é simplesmente humilhar-se e concordar com sua esposa. Provavelmente você era insensível. Então, orem juntos e peçam a Deus por um amor mais terno.

Como esposa, talvez seu marido a acuse de não entender as pressões que ele sofre no trabalho. Muito provavelmente ele está certo, você não sabe as coisas que temos de enfrentar. Em vez de responder com um contra ataque, humilhe-se e concorde com ele. Orem juntos pedindo a Deus por um coração cordato. Se permanecermos humildes de coração, receberemos abundantemente de Deus e satanás será desarmado em muitas frentes.
Lembre-se, satanás teme a virtude, tem horror da humildade, ele a odeia porque a humildade é a rendição da alma ao Senhor, e o diabo se aterroriza diante de Jesus Cristo.

Cap.3
DERRUBANDO FORTALEZAS
O que o homem chama de "salvação" é simplesmente o primeiro estágio do plano de Deus para nossas vidas, que é nos conformar, em caráter e poder, à imagem de Jesus Cristo. Se falharmos em ver nosso relacionamento com Deus assim, permitiremos que muitas áreas dentro de nós fiquem imutáveis. A destruição de fortalezas é a demolição e a remoção destas velhas maneiras de pensar para que a Presença de Jesus Cristo possa Se manifestar através de nós.

O QUE É UMA FORTALEZA?
"Pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; pelo contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas..." (2Co 10:3-5).

Toda libertação vitoriosa deve começar primeiro pela remoção daquilo que defende o inimigo. Ao falar de guerra espiritual, o apóstolo Paulo usa a palavra "fortaleza" para definir o forte onde satanás e suas legiões se escondem e são protegidos. Estas fortalezas existem nos padrões de pensamentos e idéias que governam indivíduos e igrejas, bem como comunidades e nações. Antes de reivindicarmos a vitória, estas fortalezas devem ser demolidas e a armadura de satanás eliminada. Então, as poderosas armas da Palavra e do Espírito podem efetivamente saquear a casa de satanás.

Mas qual é o significado bíblico de "fortaleza"? No V.T., uma fortaleza era uma habitação fortificada e usada como um meio de proteção contra o inimigo. Encontramos Davi escondido de Saul em fortalezas no deserto, em Hores (1Sm 23:14,19). Eram estruturas físicas, geralmente cavernas no alto de montanhas onde era muito difícil um ataque. Com esta imagem em mente, os escritores inspirados da Bíblia adaptaram a palavra "fortaleza" para definir as realidades espirituais que são poderosa e vigorosamente protegidas.

Uma fortaleza pode ser , para nós, a fonte de proteção contra o diabo, como é o caso do Senhor Se tornar nossa fortaleza (Sl 18:2). Por outro lado, uma fortaleza pode ser uma fonte de defesa para o diabo, onde atividades demoníacas ou pecaminosas são protegidas dentro de nós por nossos pensamentos simpatizantes com o mal. As fortalezas que primeiramente vamos expor são aquelas atitudes erradas que protegem e defendem a vida do velho eu, que freqüentemente se tornam "habitações fortificadas" de opressão demoníaca na vida de uma pessoa.

O apóstolo Paulo define uma fortaleza como "...argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus." (2Co 10:5). Uma fortaleza demoníaca é qualquer tipo de pensamento que se exalta acima do conhecimento de Deus, pelo qual se dá ao diabo um lugar seguro de influência no pensamento de um indivíduo.
Na maioria dos casos, não estamos falando de " possessão espiritual" . Este autor não crê que um cristão possa ser possuído, pois, quando uma pessoa é "possessa" por demônio, ele enche espírito da pessoa da mesma forma que o Espírito Santo enche o espírito de um cristão.

No entanto, cristãos podem ser opressos por demônios que ocupam os sistemas de pensamentos não regenerados, especialmente se estes pensamentos são defendidos por auto engano ou doutrinas falsas! O pensamento de que "eu não posso ter demônios porque sou cristão", não é verdadeiro. Um demônio não pode possuí-lo no sentido eterno e de possessão, mas você pode ter um demônio se não se arrepender de seus pensamentos simpatizantes com o mal. Sua rebelião contra Deus fornece um lugar para o diabo em sua vida.

Muitos cristãos são atormentados por inúmeros tipos de medo, e embora tenham sido aconselhados e já se tenha orado sobre eles, não houve resultados. Mais do que oração, eles precisam de libertação. A libertação, porém, não acontecerá até que o espírito de medo seja confrontado e amarrado, e a fortaleza do medo demolida.

Muitos crentes foram ensinados que por terem o Espírito Santo, não podem ser enganados. Isto também não é verdade. Uma das razões do Espírito da Verdade ter sido enviado foi por causa da facilidade de cairmos no auto engano. De fato, o próprio pensamento de que um cristão não pode ser enganado, é um engano! Quando esta mentira, em particular, permeia a mente do crente, suas idéias e opiniões se cristalizam e este permanece no estado de imaturidade espiritual em que se encontrava. Todo tipo de espíritos atacarão sua alma, sabendo que estão protegidos pela armadura dos pensamentos e doutrinas da própria pessoa!

É dificílimo quebrar o poder do auto engano religioso, pois a própria natureza da "fé" é não dar lugar à dúvida. Uma vez que a pessoa é enganada, ela não reconhece que está enganada, porque ela foi enganada! De tudo que pensamos que sabemos, precisamos saber muito bem que : podemos estar errados . Se não aceitarmos esta verdade, como seremos corrigidos de nossos erros?

Qualquer área de nosso coração ou mente que não está rendida a Jesus Cristo é um área vulnerável ao ataque satânico. E é aqui, unicamente na vida não crucificada do pensamento na mente do crente , que a demolição de fortalezas é de vital importância. Por isso, precisamos atingir o que a Escritura chama de "humildade de mente" antes que a real libertação seja possível. Quando descobrimos rebelião contra Deus em nós, não devemos nos defender ou nos desculpar. Mas, precisamos humilhar nossos corações e nos arrepender, exercendo fé em Deus para nos transformar.

Lembre-se, satanás se alimenta do pecado e onde houver um hábito de pecado na vida do crente, espere achar atividade demoníaca naquela área. O hábito de pecar, geralmente se torna o lugar de habitação do espírito que está roubando o poder e a alegria daquele crente, e aquela habitação (ou hábito) é a fortaleza.

Você pode não concordar com a idéia de espíritos malignos freqüentarem e ocuparem atitudes na vida de um crente, mas, certamente, você vai concordar que todos nós temos uma mente carnal que é uma fonte de imaginações e pensamentos vãos que se exaltam acima de Deus (2Co 10:3-5). Tratamos com o diabo ao tratar com os sistemas carnais de pensamentos, as fortalezas que protegem o inimigo.

Não há fortalezas, nem atitudes imperfeitas, nem processos de pensamentos errados na mente de Cristo. Antes de ir para a Sua morte, Ele declarou, "...o príncipe deste mundo está vindo. Ele não tem nenhum direito sobre mim" (Jo.14:30). Satanás não tinha nada em Jesus. Nós também queremos poder dizer que satanás não tem nenhuma área secreta dentro de nós, nada que possa abrir a porta de nossa alma para o mal. Quando as fortalezas de nossa mente estiverem derrubadas, embora ocasionalmente possamos cair em pecado, andaremos em grande vitória e nos tornaremos instrumentos para ajudar outros em sua libertação.
                                        
A demolição das fortalezas começa com arrependimento. Quando Jesus enviou Seus discípulos, "...eles saíram e pregaram que o povo se arrependesse. Expulsavam muitos demônios...os curavam." (Mc.6:12,13). Quanto à libertação de espíritos que infestam a mente, o arrependimento precede a libertação, e esta geralmente conduz à cura de outras áreas.

Se você já é um cristão, não importando há quanto tempo, você já teve muitas fortalezas demolidas em sua vida. Elas foram destruídas quando você se arrependeu e veio a Jesus. A libertação é sempre simples assim... quando a alma quer. Porém, sem alguma medida de arrependimento, a libertação é quase sempre impossível, pois, embora o espírito possa ser comandado a sair, se a estrutura de pensamentos do indivíduo não mudar, sua atitude errada para com o pecado receberá aquele espírito de volta.

Um aspecto do ministério de Cristo é que "...o pensamento de muitos corações será revelado" (Lc.2:35).Se você realmente andar com Jesus, muitas áreas dos processos de seu pensamento serão expostas. Haverá a graça e o poder de Deus para o capacitar a se arrepender e crer em Deus para receber a Sua virtude em sua vida. Você verá a queda das fortalezas e a chegada da vitória. Mas, devo avisá-lo que haverá a pressão de sua carne, bem como a do mundo das trevas, para diminuir ou fazer ignorado o que Deus está requerendo de você. Você pode ser tentado a render-se a um pecado simbólico ou à alguma falta menor, enquanto que o problema principal permanece bem escondido. Entenda que a energia que gastamos para manter nossos pecados em secreto é o próprio material do qual uma fortaleza é construída. O demônio com o qual você está lutando, usa os seus pensamentos para proteger o seu acesso à sua vida.
Vamos orar: Pai Celestial, há áreas em minha vida (nomeie audivelmente os pecados habituais) que eu não submeti completamente ao meu Senhor Jesus Cristo. Senhor, perdoa-me pela transigência. Eu também peço coragem para demolir as fortalezas sem relutância ou engano voluntário em meu coração. Pelo poder do Espírito Santo e no Nome de Jesus, eu amarro as influências satânicas que reforçavam a transigência (acomodação) e o pecado dentro de mim. Submeto-me à luz do Espírito da Verdade para expor as fortalezas do pecado dentro de mim. Pelas poderosas armas do Espírito e da Palavra, proclamo que cada fortaleza da minha vida está derrubada! Me proponho, pela graça de Deus, a ter somente uma fortaleza dentro de mim: a fortaleza da presença de Cristo!

Obrigado, Senhor, por me perdoar e me purificar de todos os meus pecados. E pela graça de Deus, eu me comprometo a completar esta área até que as ruínas desta fortaleza sejam removidas de minha mente! Obrigado, Pai. Em Nome de Jesus. Amém.

Cap. 4
UMA CASA FEITA DE PENSAMENTOS
Fortalezas satânicas sobre países e comunidades; há fortalezas que influenciam igrejas e indivíduos. Aonde existe uma fortaleza, ali está um padrão de pensamento induzido por demônios.

Pecificamente, é uma "casa feita de pensamentos" que se tornou um lugar de habitação para atividade satânica.

UM AVISO ANTES DA LIBERTAÇÃO!
"Quando um espírito imundo sai de um homem, passa por lugares áridos procurando descanso e não encontra, diz : Voltarei para a casa de onde saí ." (Mt 12:43,44).

Embora a natureza de um espírito imundo seja espiritual e não física, ele busca um lugar de habitação, uma "casa" onde ele possa "descansar". Jesus revelou que há uma dimensão na natureza humana que pode hospedar um espírito maligno e prover um tipo de descanso. Se é assim, temos que expor a natureza do homem e revelar o aspecto que, em nós, pode se tornar a "construção material" para um espírito se alojar.
Primeiramente, temos que entender que um demônio não pode habitar no espírito de um cristão verdadeiro. Pela regeneração, o espírito humano se torna a morada do Espírito Santo. Justamente, porque o Espírito Santo está em nós, é que discernimos as invasões do inimigo.

O aspecto da natureza humana que mais se assemelha , em substância e disposição, à natureza do mal é a vida do pensamento carnal, que é uma dimensão da alma, ou da personalidade do homem. É no pensamento não crucificado e nas atitudes não santificadas que os espíritos imundos, se mascarando como nossos pensamentos e se escondendo em nossas atitudes, têm acesso às nossas vidas.

Jesus prosseguiu, "...( o espírito imundo) chegando, encontra a casa desocupada, varrida e em ordem. Então vai e traz consigo outros sete espíritos piores do ele, e entrando passam a viver ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro." (Mt 12:44,45).

Para ser vitorioso em batalha espiritual, sua guerra tem que ser combatida de acordo com as Escrituras. Se você ignorar a necessidade de levar Cristo à alma libertada, há o perigo do último estado "daquele homem" pode se tornar "pior do que o primeiro" (Mt 12:45; 2Pe 2:20). Cristo precisa entrar e ter permissão de construir a Sua casa de justiça em todas as áreas onde antes satanás habitava. Exceto em casos de males físicos, a libertação não deveria ser ministrada a ninguém que não quisesse submeter sua vida de pensamentos a Jesus Cristo!

TIRANDO A ARMADURA DE SATANÁS
"Quando um homem forte, bem armado, guarda sua casa, seus bens estão seguros. Mas quando alguém mais forte o ataca e vence, tira-lhe a armadura em que confiava e divide os despojos." (Lc.11:22,23).

Antes de sermos salvos, você e eu éramos "possessões tranqüilas" do diabo; satanás era como um "homem forte" totalmente armado guardando o território de nossas almas. No dia de nossa salvação, porém, "Alguém mais forte", o glorioso Senhor Jesus Cristo, atacou e subjugou satanás e tirou sua armadura. As experiências do novo nascimento podem ser muito variadas no nível natural, mas no campo do espírito , uma luta muito semelhante foi travada e ganha para cada um de nós. Se pudéssemos ter enxergado no mundo espiritual, teríamos observado o Espírito Santo trabalhando com os anjos de Deus para destruir a primeira linha de defesa do inimigo, sua "armadura". O que era, exatamente, esta armadura que protegia o diabo e nos mantinha fora da salvação? A armadura em que os demônios confiam, consiste de nossos próprios pensamentos , atitudes e opiniões que concordam com o mal.

O que Jesus descreve como "armadura", o apóstolo Paulo classifica como "fortalezas" (2Co 10:1-4). É importante reconhecer que, ao falar de fortalezas, o apóstolo está se dirigindo à igreja! É tolice pensar que a nossa experiência de salvação eliminou todas as idéias e atitudes erradas, as fortalezas que ainda estão influenciando nossas percepções e comportamentos. .
Sim, as coisas velhas passaram, e verdadeiramente tudo se fez novo, mas até andarmos na plenitude de Cristo, não podemos pensar que o processo de mudança terminou.

Estaremos identificando algumas destas fortalezas mais adiante neste capítulo. Por agora, vamos dizer que, a nível individual, a base de nossa vitória contínua em guerra vem de nos submetermos ao Senhor, quando Ele revelar estas fortalezas, e de concordar com Ele através do arrependimento para derrubá-las.

É importante reconhecer que, quando falamos de fortalezas, não estamos falando de pensamentos ao acaso ou pecados ocasionais. Mas, as fortalezas que mais nos afetam são as que estão tão escondidas em nossos padrões de pensamento que nem as reconhecemos, ou as identificamos como malignas. Lembre-se, em nosso texto inicial, Jesus revelou que aqueles espíritos imundos estavam procurando "descanso" . O sentido do descanso que eles procuram se origina em estar em harmonia com o seu ambiente. Em outras palavras, quando a nossa vida de pensamento está em linha com incredulidade, medo, pecado habitual, o inimigo descansa.

O processo de libertação, geralmente, envolve um tempo de conflito interior e tumultos. Isto é um bom sinal, pois significa que a vontade do indivíduo deseja ficar livre. Devemos esperar um tempo onde precisamos exercitar nossa autoridade em Cristo quando "resistimos " ao diabo (1Pe 5:9a). Paulo fala da "luta" da igreja contra os principados e potestades. Haverá um período de luta envolvido no processo de demolir as fortalezas, pois você está quebrando o seu acordo com o inimigo que lutará para permanecer em sua vida.

LEVANDO TODO PENSAMENTO CATIVO A CRISTO
Achamos conforto em ser cristão, mas ser cristão não nos fez perfeitos, e ainda há muitas fortalezas em nós. Vamos identificar alguns destes fortes espirituais. Raramente, o cristão não está limitado por , pelo menos, uma das seguintes fortalezas : incredulidade, frieza no amor , medo, orgulho, falta de perdão, cobiça, ganância ou alguma combinação destas, ou a possibilidade de outras não citadas acima.

Por desculpar-nos tão rapidamente, fica difícil discernir as áreas de opressão em nossas vidas. Afinal, há nossos pensamentos, nossas atitudes, nossas percepções - justificamos e defendemos nossos pensamentos com a mesma intensidade com que justificamos e defendemos a nós mesmos. Como está escrito, "Porque, como ele (o homem) pensa consigo mesmo, assim é." (Pv 23:7). Em outras palavras, a essência de quem somos está na vida de nossos pensamentos. Portanto, antes que qualquer libertação possa verdadeiramente ser realizada, precisamos honestamente reconhecer e confessar nossa necessidade. Precisamos parar de fingir que "tudo está bem". Precisamos nos humilhar e buscar ajuda. Realmente, como dissemos antes, a primeira fortaleza que Deus precisa remover é o orgulho; pois, até que alguém queira admitir que precisa de libertação, nunca será liberto das fortalezas.

Para reconhecer o que está errado em nós, precisamos perceber o padrão de Deus do que é certo. Davi no enlevo, Jó na miséria e nós, entre estes dois extremos, fazemos a mesma velha pergunta, "o que é o homem?" O escritor de Hebreus fez a mesma pergunta, mas respondeu sob a inspiração do Espírito. "...Vemos, todavia, aquele...Jesus" (Hb 2:9). Jesus Cristo é, para Deus, o modelo do homem da nova criação (Ef 4:23,24). Ele não é somente nosso Salvador, Ele é o Habitante que nos conforma à Sua imagem, o Primogênito de uma família de filhos gloriosos (Hb 2:10; Rm 8:28,29).

Mas, vamos entender que somente Jesus pode ser como Jesus. Quando nos rendemos a Ele em crescente submissão, quando habitamos n Ele e Sua Palavra habita em nós, Ele produz vida que não é simplesmente "como" a Sua, mas é a Sua própria vida! Cristo Mesmo vivendo dentro de nós cumpre o plano eterno, que é fazer o homem à Sua imagem. É a chegada em nós da Presença do Senhor Jesus que faz poderosas as armas de nossa guerra, dando autoridade às nossas palavras enquanto demolimos fortalezas.
Portanto, você precisa aprender a olhar objetivamente qualquer pensamento ou atitude que não se conformem à semelhança e aos ensinos de Jesus. Aqueles pensamentos devem ser capturados e as atitudes erradas crucificadas. Precisamos fazer caminho em nós para a vinda do Senhor. Temos que permitir o "aumento do Seu governo" se expandir até que estejamos tão absorvidos em Seu Espírito que não somente cremos nEle, mas cremos como Ele. Seu amor, pensamentos e desejos fluem de nós.

Consequentemente, quando buscamos identificar e destruir os fortes demoníacos, a segunda fortaleza a ser aniquilada é a da incredulidade. É o esquema de pensamentos que nos diz que a semelhança de Cristo é impossível; o que segura qualquer outro sinal de crescimento espiritual. Esta mentira e as cadeias que são colocadas em nossos corações devem ser tiradas de nossas vidas.
Assim, neste momento comece a orar em seu espírito. Deixe o Espírito Santo vir e encher o seu coração. Se você tem a fortaleza que diz que nunca será como Cristo, ela pode começar a ser demolida agora.

Vamos orar:
Senhor Jesus, eu me submeto a Ti. Eu declaro, de acordo com a Palavra de Deus, que por causa do Teu poder de subjugar todas as coisas a Ti, as armas da minha guerra são poderosas para demolir fortalezas (II Cor.10:3,4).Eu me arrependo por usar a mentira de que "nunca serei como Jesus", como desculpa para pecar e comprometer minhas convicções. No Nome de Jesus eu renuncio à minha velha natureza pecadora, e, pela graça de Deus e o poder do Teu Espírito, eu destruo a fortaleza da incredulidade que existe em minha mente. Por causa do sacrifício perfeito de Jesus Cristo, eu sou nova criação. Eu creio que irei, de glória em glória, ser, continuamente, transformado à imagem de Cristo enquanto ando com Deus.

DERROTE A FORTALEZA DO FRACASSO
Vamos ver outras fortalezas que podem estar em sua vida, ver sua origem e, o mais importante, como elas podem ser removidas. Primeiramente, lembre-se que uma fortaleza é uma casa feita de pensamentos. Por isso, Paulo explica que neste tipo de guerra, nossa vitória é baseada por "...levar cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo..." (II Cor.10:5). Sendo nosso objetivo permitir ao Espírito de Cristo completo acesso à nossas almas, precisamos capturar nossos pensamentos e fazei-los servos de Cristo.

Para lidar com a fortaleza do fracasso, precisamos nos arrepender de nossa maneira de viver. Tenha em mente também que arrependimento significa "mudança", não meramente remorso, e nosso pensamento precisa mudar. Há muitos pensamentos errôneos vagando por nossas mentes, se alimentando de incredulidade e erro. Pensamentos do tipo, "Eu vou ser sempre um fracasso", "Não passo de um pecador", ou "Tentei andar no Espírito, mas não funcionou", formam as paredes , o chão e o teto - o "material de construção" da fortaleza do fracasso. Para assegurar a vitória, você precisa capturar estes pensamentos errados.

Capture o pensamento : "Eu sou um fracasso!" Arrependa-se dele pedindo a Deus perdão por sua incredulidade. Deixe a sua mente ser renovada pela Palavra de Deus que diz, "Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece" . Embora você tenha falhado e ainda falhará no futuro, mas porque Deus está em sua vida, você pode confiantemente proclamar, "Embora eu tenha sido um fracasso, minha suficiência vem de Deus e não de mim. Sou plenamente capaz de fazer todas as coisas através de Cristo que me fortalece."

Prenda o pensamento: "Não passo de um pecador!" Substitua-o com a confissão de sua fé que diz, " Embora tenha sido um pecador, sou agora um filho amado de Deus, e ainda que, ocasionalmente, eu peque, o sangue de Cristo me purifica de toda a injustiça" (I Jo.1:9). Por causa do sangue, o sacrifício de Cristo fez cada um de nós tão puro quanto Ele Mesmo é puro. Você está destruindo uma fortaleza de derrota que o oprimia e está começando a substituí-la com a divina fortaleza da fé, que é construída sobre a Palavra de Deus. Com a antiga fortaleza exposta e os padrões de pensamento de derrota vindo a baixo, você está destruindo a fortaleza do fracasso em sua vida. Ao continuar sendo renovado no espírito de sua mente pela Palavra de Deus, você andará num poder tremendo e em perfeita paz. Você entrará na abençoada fortaleza da fé.
Deixe estabelecer-se em suas atitudes o objetivo e o propósito de sua salvação : que você seja transformado à imagem de Cristo. Não está escrito que, "Aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos" ? (Rm 8:29). O mesmo Senhor que derrotou o diabo e libertou seu coração pela salvação, ainda está trabalhando para renovar a sua mente. Se é verdade que Ele é a nossa terra prometida, também é verdade que nós somos a Sua terra prometida! Embora os gigantes dentro de nossos corações tenham se oposto a nós e nos humilhado, não resistirão a Ele! Ele é o eterno Josué, o Santo que não conhece derrota.

Ao reconhecer que nossa salvação é uma transformação contínua, e que somos transformados de "glória em glória" à imagem de Cristo, não podemos ficar desencorajados pelas fortalezas que vamos descobrindo; nem falhas ocasionais ou momentâneas nos enfraquecerão. Quando encaramos nossas necessidades, nos alegramos em saber que é somente uma questão de tempo antes que outro gigante seja removido!

DESTRUINDO A FORTALEZA DO MEDO!
Outra fortaleza que oprime o homem é o medo. Sua experiência diz que se você tentar algo novo, principalmente diante de outras pessoas, ficará embaraçado e será rejeitado. Para se opor a isso, uma série completa de reações vêm à sua mente. Você volta, quando deveria avançar, fica silencioso, quando deveria falar! Aquele retraimento silencioso e temeroso em você, tornou-se em uma casa feita de pensamentos onde habita um espírito de medo.

Deus não o quer prisioneiro. Portanto, vamos olhar para alguns pensamentos e experiências que podem ter formado a estrutura desta fortaleza demoníaca. Talvez, quando bem criança, quando tentava algo novo, a reação na sua família e em seus amigos era de ridículo. Suas palavras impensadas foram tão fundo que , ao recuar-se pela dor, involuntariamente, você permaneceu nesta posição de "recuo" ou "retraimento". Desde então, você se recusa a colocar-se em situações onde possa ser vulnerável à críticas. Você pode nem se recordar dos incidentes, mas não parou de se retrair até hoje.

Lembre-se, Jesus disse que o Pai nos perdoaria assim como perdoamos os outros. Pode até parecer injusto, mas a sua reação para com aquilo que o feriu, estava tão longe da vontade de Deus, quanto estavam as ações daqueles que o feriram. Na verdade, a sua reação se tornou parte de sua natureza. Você pode ser liberto desta opressão em sua alma ao liberar e perdoar aqueles que o feriram. No mesmo grau que você deixar passar o incidente e perdoar o seu ofensor, assim Deus restaurará a sua alma à uma atitude equilibrada e saudável para com as outras pessoas. Enquanto você cresce neste processo de perdão, também crescerá em amor e, a Bíblia diz que "No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo..." (1Jo 4:18). A fortaleza do medo será substituída pela fortaleza do amor.
Lembre-se sempre que "A vitória começa com o nome de Jesus em nossos lábios; mas não será consumada até que a natureza de Jesus esteja em nossos corações." Não é suficiente ter nossa "casa varrida...e em ordem" (Mt 12:43), mas, sua vida de pensamento deve ser ocupada pela Pessoa de Cristo. Ao persistir em entregar-se a Cristo, Ele removerá a armadura de satanás de sua mente e mostrará o que deve ser demolido. Você verá que as armas de sua guerra são poderosas para destruir fortalezas!

Cap. 5
TRÊS FONTES DE FORTALEZAS
você deseja identificar as fortalezas escondidas em sua vida, precisa somente examinar as atitudes em seu coração. Toda a área em seu pensamento que resplandece com esperança em Deus é uma área que está sendo liberada por Cristo. Mas qualquer sistema de pensamento que não tem esperança, que está em desespero, é uma fortaleza que deve ser destruída.

A PRIMEIRA FONTE DE FORTALEZAS : O MUNDO
De maneira geral, as fortalezas se originam de uma de três fontes. A primeira é o próprio mundo no qual nascemos. O fluxo constante de informações e experiências que formaram as percepções de nossa infância é a maior fonte de fortalezas em nós. A quantidade de amor (ou falta de amor) em nosso lar, nosso ambiente cultural, valores e pressões, assim como medo de rejeição e exposição - mesmo nossa aparência física e inteligência, tudo se combina para formar nosso sentido de identidade e nossa visão da vida.
Nossas almas trabalhadas com inseguranças são altamente sensíveis à críticas e elogios dos outros. Na busca de se encontrar, estas palavras são recebidas nos corações jovens como aço derretido que, quando esfria, fica fundido em nossas naturezas. Quantos adultos de hoje crêem que são mentalmente lentos simplesmente porque quando crianças, absorveram, em seu auto conceito, repreensões negativas e impensadas de professores ou pais?

Estes conceitos e limitações estão estruturados em nós a partir da infância, construídos em nossos padrões de pensamento através de palavras e idéias dos outros. Realmente, muitas de nossas opiniões sobre a vida são nossas porque não conhecemos nenhum outro modo de pensar. No entanto, defendemos e protegemos nossas idéias, justificando nossas opiniões como se fossem nascidas de nossa própria criatividade!
Um outro exemplo disto é a astrologia. Multidões de crentes estão subconscientemente presos à características e fraquezas de seu "sígno do zodíaco". Na busca de identidade, esta mistura de fatos enganosos e ilusões foram absorvidos por suas almas, de onde continua a se levantar, mesmo hoje, em oposição direta à obra de Deus de transformação.

Como cristãos, a única verdade apropriada para a eternidade é a verdade de Cristo. Se não percebermos isto, seremos somente "como [nossos] mestres" , nunca fazendo mais do que "as obras de [nosso] pai" (Lc 6:40; Jô 8:41). "Nossos mestres" e "pais", mais que provavelmente, fizeram o melhor que podiam, porém, nosso objetivo não é simplesmente fazer as obras de nossos pais, mas as de Jesus.
Assim, as Escrituras nos instruem a " atentar para o resultado" da maneira de viver de um homem, antes de nos submetermos aos seus conceitos de vida (Hb 13:7). Considerando isso, é óbvio que somente uma Pessoa, o Senhor Jesus Cristo, provou, por Sua ressurreição, que conhecia os segredos da vida. Ao conquistar a morte, Ele revelou que entendia de vida.

Embora Jesus use pessoas para nos ensinar, não devemos nos tornar seguidores de meros homens, quando estes homens, na verdade, não estão em conformidade com Cristo. Nosso alvo deve ser a conformidade com Jesus Cristo somente. Nenhum ensino que não sustente este propósito único deve nos dirigir!

Nesta peregrinação da alma para se encontrar, devemos entregar o que éramos a Deus, pois, se não perdermos nossa vida para Jesus, não poderemos achá-la. Quando chegamos a Cristo, tudo que somos, em natureza e caráter, está destinado a mudar. A Bíblia nos diz que Deus nos providenciou um novo coração, uma nova mente, um novo espírito, uma nova natureza e, no final, até um novo nome! (Hb.8:10, 1Co 2:16; 2Co 5:16,17; Ap 2:17). Lembre-se que quando você nasceu de novo, recebeu o próprio Espírito de Deus, e pelo Seu Espírito você nasceu em outro reino: o Reino dos Céus. Embora seus pés ainda estejam na terra, pelo Espírito Santo você está unido à própria Pessoa de Jesus Cristo, que está sentado no trono de Deus. Assim, como no corpo físico seus membros estão ligados ao seu tronco, assim o seu coração está ligado ao poder de Deus! Você nunca está sozinho! Cristo está sempre com você! O que você era, como pessoa, antes da salvação, você nunca mais será!

A promessa de Deus é, "Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que coisas novas surgiram!" (2Co 5:17). Tudo, até sua inteligência e aparência estão sujeitos à mudanças para melhor. Antigos fracassos, preconceitos e atitudes estão destinados a saírem; agora, fé e esperança devem crescer diariamente em você. Como conseguimos tão maravilhoso novo começo? Recebemos o Espírito de Cristo em nossos corações para nos capacitar e estudamos as palavras de Cristo para nos dirigir; e tudo que descobrimos em nós que não é semelhante a Jesus, nós crucificamos.

A FORTALEZA DE NOSSAS EXPERIÊNCIAS
Uma outra maneira das fortalezas serem construídas em nós é através de nossas experiências e das conclusões que tiramos delas. Estas experiências, para melhor ou para pior, são o que chamamos de realidade. Perceba que a vida, como nós a concebemos, é baseada sobre a rede de pensamentos e opiniões que permitimos que governem as nossas almas. Por outro lado, Deus define realidade como a "Verdade" achada em Sua Palavra. Para irmos do nosso mundo para a realidade de Deus, precisamos ver as palavras de Jesus como portas pelas quais entramos no Reino eterno de Deus. No significado conjunto de todo o ensino de Jesus, encontramos a realidade do reino de Deus. A vitória vem quando nos alinhamos com a realidade da vida de Deus.
Para derrubar a "fortaleza de nossas experiências" é necessário que "Seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso" (Rm.3:4). O único que tem o direito de moldar nossas vidas é Jesus Cristo. Por determinação, não podemos permitir que nada nem ninguém nos molde, nem mesmo nossas experiências pessoais, a menos que elas sejam consistentes com as promessas de Deus. Quem está, na verdade, governando a nossa vida, Deus ou nossas experiências? Até o ponto que nossas experiências não estão em conformidade com a Palavra de Deus, elas sutilmente nos ensinam que Deus não é Quem Ele diz que é. Precisamos guardar nossos corações e as opiniões que formamos da vida, pois, a não ser que os acontecimentos de nossa vida sejam realizados à semelhança de Cristo, eles estão incompletos.

Em outras palavras, mesmo que você não foi curado, você não deve concluir que "cura não é para hoje". A provisão de Deus é eterna , o que significa que até que os céus e a terra passem, Ele tem providências para a nossa cura. Com relação ao pecado, embora você repetidamente tropece, precisa continuar acreditando em Deus para a graça de vencer. Você precisa dar lugar à uma nova compreensão. Nunca desista da fé na Palavra de Deus! As experiências podem parecer válidas, mas se elas têm deixado você pensar que Jesus não é o mesmo hoje do que Ele era nos Evangelhos, a conclusão está errada. É uma fortaleza que precisa cair.

A FORTALEZA DAS DOUTRINAS ERRADAS
A terceira fonte de fortalezas vem de falsas doutrinas e ensinos de igrejas. Jesus alertou, "Cuidado, que ninguém os engane" (Mt.24:4). Podemos ser guiados por outra pessoa, mas, com a responsabilidade de não estarmos sendo desviados por aquela pessoa. Precisamos conhecer e estudar a Bíblia por nós mesmos; do contrário, como podemos discernir os erros no ensino que ouvimos? Por mais que amemos um pastor em particular, tendo sido muitas vezes edificados por ele, devemos humildemente pedir ao Senhor que confirme todas as doutrinas questionáveis. Nenhum mestre é tão verdadeiro, nenhum profeta é tão puro que possamos cegamente ser guiados por eles. Eles podem nos dirigir, mas nossos olhos devem estar bem abertos e nossos ouvidos sensíveis à voz confirmatória de Jesus. Como está escrito, "Toda questão deve ser decidida pelo depoimento de duas ou três testemunhas" (II Cor.13:1). Mesmo mestres verdadeiros podem, inocentemente, comunicar doutrinas falsas. Não importa quão sincero nosso professor de Bíblia seja, se o que estamos aprendendo não nos dirigir para o amor de Cristo, Sua santidade, Seu poder; se não estamos sendo preparados nestas dimensões espirituais para Jesus e, através d Ele, para os outros, esta doutrina é uma fortaleza que está nos limitando e nos oprimindo.

A maneira mais certa de nos assegurarmos que ninguém está nos desviando, é cuidar para não nos desviarmos. Precisamos permanecer honestos com Deus e sensíveis ao Seu amor e à Sua Palavra. O plano de satanás é nos fazer, de algum modo, aceitar , ou pela nossa criação, nossas experiências ou pelos dogmas da igreja, que algumas partes da vida de Cristo não são verdadeiras ou não são válidas no nosso caso. Todas as batalhas que enfrentamos na vida são sobre a Palavra e se podemos ou não construir nossas vidas sobre a fidelidade e integridade de Deus. Se permanecermos firmes nestas coisas das quais temos certeza, Deus será fiel em nos libertar de toda fortaleza e nos guiar inteiramente ao Seu Reino.

Cap. 6
A FORTALEZA DA SEMELHANÇA DE CRISTO
Vitória começa com o Nome de Jesus em nossos lábios. É consumada com a natureza de Jesus em nosso coração.

O MAIS ALTO PROPÓSITO DE DEUS
Muitos cristãos se engajam em batalha espiritual com a esperança de, ou aliviar suas dificuldades, ou conseguir uma existência "normal". No entanto, o propósito de todos os aspectos de espiritualidade, inclusive a batalha , é nos fazer conformes à imagem de Cristo. Nada, nem adoração nem guerra, nem amor nem libertação, será realmente obtido se perdermos o objetivo único de nossa fé: a semelhança de Cristo.

Vamos nos lembrar que o Senhor libertou os antigos hebreus do Egito para que Ele os pudesse trazer à Terra Prometida. Da mesma forma, somos libertos do pecado, não para vivermos para nós mesmos, mas para podermos atingir a semelhança de Cristo. Nossos objetivos devem estar alinhados com os de Deus, pois, se a nossa natureza não mudar, certamente, vamos nos encontrar envolvidos nos mesmos problemas que causaram nossas dificuldades primeiras.
Enquanto não quisermos ouvir isto, muitas de nossos conflitos espirituais não cessarão até que o caráter do Senhor Jesus seja formado em nossos corações. A meta do Pai em nossa libertação vai muito além do que simplesmente ver nossos fardos, ou o diabo fora de nossas costas. Realmente, o propósito específico para o qual Deus dirige a cooperação de todas as coisas em nossas vidas é a nossa conformidade "...à imagem do Seu Filho." O propósito do Pai em nossa salvação foi que Jesus Se tornasse "...o Primogênito entre muitos irmãos" (Rm.8:28,29). Em outras palavras, a maneira de se obter a vitória final de Deus é alcançar o Seu objetivo final - a completa transformação à imagem de Cristo.

Há uma penetração de espírito entre Deus e nós, onde nosso espírito é totalmente saturado com a Presença Viva do Senhor Jesus e a Sua glória flui de tal maneira em nossas vidas que não há "...nenhuma parte... em trevas" deixada em nós. (Lc 11:36). Esta proximidade da presença do Senhor produz uma defesa indestrutível, uma fortaleza na qual estamos escondidos do maligno. Através Dele, entramos na excelência de Seus caminhos em nossos relacionamentos, com o Pai e uns com os outros; assim, andaremos imunes aos incontáveis ataques satânicos. À medida que a Sua plenitude aumenta em nós, vai se cumprindo o que está escrito : " ...porque neste mundo somos como Ele." e "...aquele que nasceu de Deus o protege, e o Maligno não o atinge." (1Jo.4:17; 5:18).

Precisamos entender que não é satanás que nos derrota, mas é a nossa abertura a ele. Para subjugar totalmente o diabo precisamos andar no "esconderijo do Altíssimo" (Sl 91:1). Satanás é tolerado com um propósito : a guerra entre o diabo e os santos de Deus os impele para a semelhança de Cristo, onde a natureza de Cristo se torna o único lugar de repouso e segurança. Deus permite a guerra para facilitar o Seus plano eterno que é nos fazer à Sua imagem (Gn 1:26).

Quando percebemos que o propósito do Pai é transformar nossas vidas na vida de Cristo, descobrimos que Deus tem uma resposta para a guerra espiritual : nos apropriar da natureza de seu Filho! Você está perturbado por demônios, medo ou dúvida? Submeta estas áreas a Deus, arrependa-se de sua incredulidade e renda-se à fé de Cristo que está em você. Você está perturbado por espíritos de luxúria e vergonha? Apresente estas áreas de pecado a Deus, arrependendo-se de sua velha natureza, contando com o perdão de Cristo e com Sua pureza de coração. O Pai está mais preocupado com a vinda de Seu Filho às nossas vidas do que com a derrota de Satanás. Quem é o diabo para desafiar o Deus Vivo? A grande verdade é que quando o diabo reconhece que seus ataques contra a sua vida não o afastam de Deus, mas o levam para Deus, quando ele percebe que suas tentações, na realidade, forçam você a se aproximar da virtude de Cristo, ele vai se retirar.

O OBJETIVO É A SEMELHANÇA DE CRISTO, E NÃO A GUERRA
Há um tempo , sobre o qual falaremos mais tarde neste livro, quando o Senhor nos chamará para destruir as fortalezas do inferno sobre nossas igreja e comunidades. No entanto, há outro tempo em que engajar em muita luta espiritual é, na realidade, uma distração para nossa obediência a Deus. Jesus derrotou satanás no Getsêmani e na cruz não por confrontá-lo diretamente, mas por cumprir o objetivo para o qual Ele foi chamado ao Calvário. A maior batalha já vencida foi conseguida pela aparente morte do vencedor, sem sequer uma palavra de repreensão contra Seu adversário! O príncipe deste mundo foi julgado e os principados e poderes foram desarmados não por uma guerra de confronto, mas pela entrega de Jesus na cruz.

Há ocasiões quando a sua batalha contra o diabo é, na realidade, um desvio do propósito maior que Deus tem para você. Intercessores e capitães de guerra, tomem nota : há um demônio cujo propósito é atrair a mente das pessoas para o inferno, o seu nome é "Foco Errado". Se você continuamente vê espíritos malignos nas pessoas ou no mundo material que o cerca, pode, realmente, estar lutando com este espírito. O objetivo final deste demônio é produzir doença mental nos santos que atuam em libertação. Ouçam com muito cuidado: nós não fomos chamados para estarmos focalizados na guerra ou no diabo, exceto onde esta guerra impede nossa transformação imediata à imagem de Cristo. Nossa chamada é para estarmos focalizados em Jesus. A obra do diabo, no entanto, é tirar os nossos olhos de Jesus. A primeira arma de satanás sempre envolve desviar nossos olhos de Cristo. Vire-se para Jesus e, quase que imediatamente, a batalha se desvanece.

Eu conheci um homem que era dono de uma companhia de discos. Além de dirigir a operação, ele também passava muitas horas na produção ouvindo a "matriz", o disco do qual os outros são gravados. Com os anos, seus ouvidos se tornaram rápidos para perceber as imperfeições a serem eliminadas da matriz. Fiquei pensando que trabalhar com música devia ser muito agradável, e lhe disse isso. Sua resposta foi esclarecedora. Ele disse, "Tenho ouvido música por muitos anos, mas quando, em casa, eu ligo o meu sofisticado aparelho estéreo , qualquer que seja o disco, tudo o que eu ouço são os defeitos."

Da mesma maneira que os pensamentos daquele homem eram inclinados para as imperfeições musicais, assim Foco Errado procurará inclinar os seus pensamentos continuamente para o inimigo. De repente, tudo que você verá são demônios. O verdadeiro dom de "discernimento de espíritos" é um dom equilibrado que o capacita a reconhecer, pelo menos, o mesmo número de seres angelicais quanto o de espíritos malignos. A manifestação própria deste dom tem um foco e uma influência muito mais positivos do que o que comumente se mascara como discernimento.

Um exemplo do equilíbrio próprio do discernimento é visto em II Reis. O exército sírio tinha cercado uma cidade em Israel, para a tristeza do servo do profeta Eliseu. Para acalmar o seu temor, Eliseu orou para que os olhos do servo fossem abertos. Ele, então, encorajou seu servo dizendo, "Não temas; porque são mais os que estão conosco do que os que estão com eles." (2Rs 6:16). Quando o Senhor abriu os olhos do servo, ele viu o que Eliseu estava vendo: "...o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu" (v.17).

Em guerra espiritual, a batalha nunca está limitada ao "nós contra eles" como é na esfera humana. Sempre inclui "os que estão conosco" contra "os que estão com eles". O verdadeiro discernimento está totalmente ciente da grande multidão de anjos leais a Deus, como da atividade no campo demoníaco - e está ciente que os exércitos angelicais do nosso lado são mais fortes e mais numerosos do que o inimigo. Lembre-se, se você não conseguir "ouvir a música" em seu tempo de guerra, o seu discernimento está incompleto.

Precisamos aprender que, a nível pessoal, é melhor desenvolvermos virtudes divinas do que passar o dia orando contra o diabo. Na verdade, é a alegria do Senhor que expulsa os espíritos de depressão. É a nossa fé viva que destrói os espíritos de incredulidade; é o amor agressivo que lança fora o medo.

Quando nos entregamos continuamente a Cristo, submetendo-nos, pela fé, à Sua natureza e às Suas palavras, construímos, literalmente, a impenetrável fortaleza de Sua presença ao nosso redor. O caminho para a fortaleza do Altíssimo é simples. A vitória começa com o Nome de Jesus em nossos lábios, e é consumada pela natureza de Jesus em nosso coração.

Cap. 7
NO MEIO DOS SEUS INIMIGOS
Nossa paz não vem da indiferença extrema e nem de se tornar tão "espiritual" que não se consegue perceber um problema. Ela vem de sermos tão confiantes no amor de Deus, que, a despeito das batalhas e das dificuldades de suas circunstâncias, sabemos que " Aquele que está em nós é maior do que aquele que está no mundo" (1Jo.4:4). Não somos dos que confiam em si, mas dos que confiam em Deus.

O DEUS DA PAZ ESMAGARÁ SATANÁS

Para lançar uma guerra espiritual efetiva, precisamos entender de autoridade espiritual. Autoridade espiritual não é forçar a sua vontade sobre os outros. Você tem autoridade espiritual, se você estabeleceu a paz de Deus numa área que estava cheia de conflitos e opressão. Portanto, para verdadeiramente sermos capazes de nos mover em autoridade, precisamos primeiramente ter paz.

O apóstolo Paulo ensinou que, "...o Deus da paz esmagará a Satanás debaixo dos pés de vocês." (Rm 16:20). Manter paz durante a guerra é um sopro esmagador e mortal sobre a opressão satânica e o medo. Nossa vitória nunca vem de nossas emoções ou de nosso intelecto. Nossa vitória vem por recusarmos julgar pelo que nossos olhos vêem ou nossos ouvidos ouvem, e por confiar que o que Deus prometeu, acontecerá.

Nunca conheceremos a vitória plena de Cristo enquanto não pararmos de reagir humanamente diante de nossas circunstâncias. Quando você, realmente, tem autoridade sobre algo, olhará aquilo sem preocupação, medo ou ansiedade. Sua paz é a prova de sua vitória. A autoridade de Jesus sobre a tempestade violenta (Mat.8:23-27) foi o exercício e a expansão de Sua paz sobre os elementos. Ele não lutou contra a tempestade, nem teve medo mas, Ele encarou a sua fúria e a subjugou com Sua autoridade, em perfeita paz. No tribunal de Pilatos, em meia à uma loucura emocional trazida pelos poderes do inferno, uma tranqüilidade santa cercava Jesus Cristo - a paz que vinha de Sua decisão de fazer a vontade de Deus, sem Se importar com o preço.

Seu Espírito emanava uma calma que representava, perfeitamente, a paz do trono de Deus. Em questão de momentos, não era mais Jesus que estava em julgamento, mas satanás, Pilatos e a nação de Israel.

O arsenal de satanás consiste de itens como: medo, preocupação, dúvida, auto-piedade, etc. Cada uma destas armas nos tira a paz e nos deixa preocupados interiormente. Você quer discernir de onde o inimigo está vindo contra você? Na rede de seus relacionamentos, onde você não tem paz, você tem guerra. Por outro lado, onde você tem vitória, você tem paz. Quando satanás atira seus dardos, quanto mais paz você tiver durante a adversidade, mais verdadeiramente estará andando na vitória de Cristo.

Paulo nos diz para não sermos "...de forma alguma... intimidados por aqueles que se opõem a vocês. Para eles isso é sinal de destruição, mas para vocês de salvação..." (Fil.1:28).A sua paz , a sua posição inabalável na Palavra de Deus é um sinal de que você está corretamente posicionado em perfeita submissão à vontade de Deus. O próprio fato de não estar "...de forma alguma...intimidado" pelo seu adversário é um sinal que você tem autoridade sobre ele.

Paz é Espírito de Poder. Um pacificador não é meramente alguém que protesta contra a guerra; é alguém que, interiormente está tão rendido a Cristo em espírito e propósito que pode ser chamado de "filho de Deus". Onde ele vai, , De, , us vai e onde Deus vai, ele vai. É destemido, calmo e ousado. A paz emana dele assim como luz e calor emanam do fogo.

Nas lutas da vida, sua paz é realmente uma arma. A própria confiança declara que você não está caindo nas mentiras do diabo.

Guerra Espiritual nas Regiões Celestiais - A Existência e Poder dos Anjos e dos Demônios
Não é possível entender a situação que enfrentamos neste fim dos tempos sem compreender antes o ensino bíblico básico sobre a guerra espiritual. Infelizmente, a igreja cristã não tem ensinado a esse respeito nos últimos cem anos. Todavia, os eventos atuais estão caminhando de acordo com as profecias bíblicas, e a guerra espiritual está sendo travada impiedosamente tanto no céu como na terra. Este artigo enfoca os ensinos bíblicos gerais sobre a existência dos anjos e dos demônios e as contínuas batalhas entre eles.

 

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?
Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia a dia!!
Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!
No início do século XIX um filósofo francês escreveu "A maioria das pessoas não reconheceria Satanás nem se ele as agarrasse pelo pescoço". Se esse triste comentário sobre a falta de conhecimento espiritual era verdadeiro há 200 anos, tal falta de conhecimento apenas aumentou exponencialmente, pois a igreja cristã deixou de ensinar sobre a realidade da guerra espiritual. Hoje, Satanás agarra os cristãos pelo pescoço e eles não percebem com quem estão lidando. Mas, principalmente, os eventos neste fim dos tempos não estão apenas progredindo de acordo com a profecia bíblica, mas estão acontecendo como resultado da mais incrível batalha espiritual que os céus já presenciaram. Deus e seus anjos prevalecerão no final sobre Satanás e seu Anticristo ao término do período da Tribulação; entretanto, a profecia bíblica diz que o poder de restrição do Espírito Santo será gradualmente removido neste período intermediário no qual estamos vivendo agora, até chegarmos ao ponto em que o Anticristo poderá aparecer [2 Tessalonicenses 2:3-8].
Estamos vivendo nos tempos trabalhosos em que o Espírito Santo está gradualmente removendo seu poder de restrição, permitindo assim a autoridade sem precedentes das hordas demoníacas neste mundo atual e a melhor oportunidade para atacar os cristãos genuínos. Essa oportunidade sem precedentes para Satanás e suas hordas demoníacas atacarem os cristãos está ironicamente ocorrendo na época em que a igreja está fazendo o seu pior trabalho de preparar seus membros para lutarem nessa guerra espiritual sem precedentes; de fato, o treinamento espiritual atual é o pior de toda a história desde a ressurreição e ascensão de Jesus Cristo.
Precisamos voltar, no mínimo, ao menor entendimento sobre a guerra espiritual que ocorre nos lugares celestiais e na Terra que os cristãos de eras passadas conheciam e entendiam das Escrituras. Neste artigo examinaremos os princípios básicos desse assunto, as hordas demoníacas, e a liberdade que Deus lhes deu para agirem nesta dimensão.

 

A Existência dos Anjos e dos Demônios
Você sabia que houve um tempo em que Satanás não existia e que não havia os seres perversos chamados demônios? Deus criou os anjos originalmente para servi-lo e adorá-lo. Ele criou um anjo poderosíssimo, a quem chamou Lúcifer [Nota: Muitos eruditos da Bíblia discordam dessa interpretação, e por questões de tempo e espaço não poderei tratar adequadamente esse assunto, mas meu estudo sobre a passagem-chave - Isaías 14:4-19 - revela que Deus está claramente falando a Lúcifer por meio do rei da Babilônia; somente Lúcifer poderia ter estado no céu rebelando-se contra Deus conforme revelado nos versos 12-14. Além do mais, Deus estava simplesmente dirigindo-se a Lúcifer enquanto falava ao rei da Babilônia, já que Lúcifer estava claramente atuando para influenciar as ações do rei da Babilônia, conforme Deus revelou que ocorre constantemente no céu - Daniel 10].
Deus criou Lúcifer como o mais poderoso de todos os seus anjos, fazendo-o até mesmo seu Ministro da Música! Assim, Lúcifer serviu a Deus com a maior dedicação antes da criação do mundo que conhecemos.
No entanto, conforme vemos em Isaías 14:12-14, Lúcifer rebelou-se e quis substituir Deus no universo. Em Apocalipse 12:3-4, vemos que Lúcifer persuadiu um terço dos anjos de Deus a juntar-se a ele nessa aventura. No momento da rebelião, Deus amaldiçoou Lúcifer, e ele se tornou Satanás, o adversário. Deus também amaldiçoou os anjos que participaram da rebelião, e eles foram transfigurados de belos anjos para horrendos demônios. Todos eles têm um ódio profundo a Deus e a tudo o que pertence a Deus. Portanto, hoje, Lúcifer não existe; ele agora é Satanás, o adversário de Deus.

No mundo do ocultismo, entretanto, tanto os ocultistas de Magia Negra como os de Magia Branca acreditam que Lúcifer seja um deus bom e Satanás um deus mau. Acreditam que, conforme uma pessoa avança no ocultismo, aprendendo a exercitar seus imensos poderes, precisará um dia tomar uma decisão, e optar se utilizará os poderes do ocultismo para o bem ou para o mal. Se a pessoa escolher usar seus poderes para o "bem", diz-se que está seguindo o Caminho da Direita, servindo a Lúcifer; no entanto, se escolher usar seus poderes para o mal, diz-se que está seguindo o Caminho da Esquerda, servindo a Satanás. Os seguidores do Caminho da Direita chamam a si mesmos de praticantes de Magia Branca e consideram os seguidores do maligno Caminho da Esquerda como praticantes de Magia Negra. Os seguidores da Magia Negra, no entanto, apenas riem da ingenuidade de tal crença, pois reconhecem que ambos os lados servem ao mesmo mestre das trevas, Satanás [Anton LaVey, A Bíblia Satânica, p. 51-52].
A doutrina bíblica harmoniza-se com esta última crença.

 

A Conspiração de Satanás Contra Deus Continua
Deus nos dá o relato que a conspiração de Lúcifer nos céus contra ele antecede a criação da Terra e de seus habitantes. O dicionário define conspiração assim: "Ato ou efeito de conspirar; maquinação, trama, conluio secreto. Um acordo feito por conspiradores, para cometer um crime ou alcançar um propósito legal por meio de ação ilegal; um planejamento secreto em conjunto, especialmente para um propósito ilegal ou prejudicial, tal como assassínio ou traição."

Assim, o ato de Lúcifer contra Deus nos céus, conforme descrito em Isaías 14, encaixa-se perfeitamente nessa definição de conspiração. Embora a Bíblia não descreva os detalhes, somos levados a acreditar que Lúcifer sussurrou aos anjos o seu plano para sobrepujar Deus por algum tempo antes de Deus reagir e amaldiçoá-lo e a todos os anjos que o seguiram. Dessa forma, o plano de Lúcifer encaixa-se perfeitamente bem nessa definição de conspiração do dicionário.
Vemos a próxima menção de uma conspiração de Lúcifer contra Deus no Jardim do Éden. Em Gênesis 3, Lúcifer - agora chamado Satanás, o adversário de Deus - fala por meio de uma serpente a Eva. Ele imediatamente desafia o mandamento que Deus deu a Adão, e que Adão repassou a Eva. "É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?" Eva respondeu que eles poderiam comer do fruto de todas as árvores exceto da árvore que estava localizada no meio do jardim, porque caso tocassem e comessem daquele fruto, morreriam.
Satanás acalma Eva dizendo "Certamente não morrereis". Em seguida, pronuncia a mentira que conta até hoje por meio de todas as sociedades secretas, do movimento da Nova Era, e de todos os conciliábulos de feiticeiros: "Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus..." Atualmente, os ocultistas de todos os matizes acreditam que existe um "deus" dentro de cada indivíduo e que para despertar esse "deus" potencial o indivíduo deve apenas meditar, praticar exercícios ocultistas que "abram os centros de visão" e "comungar com o sagrado". Do que o cantor John Denver se exaltou um dia? "Estou me tornando um deus."

 

Satanás induziu Eva a pecar, e ela persuadiu Adão a acompanhá-la. Satanás obteve uma vitória temporária, mas Deus predisse o tempo em que o Messias viria para esmagar o poder de Satanás [Gênesis 3:14-15].
Satanás não perdeu tempo na luta contra Deus, mas agora estava trabalhando por meio dos homens, bem como por meio de seus anjos demoníacos. Nós o vemos agindo por meio de Caim, provocando o primeiro homicídio. Deus amaldiçoou Caim e o pôs a vagar sobre a terra pelo resto de sua vida, protegido contra qualquer um que tentasse matá-lo, mas suportando a maldição de Deus pelo resto de sua vida.
Em Gênesis 6, vemos seres demoníacos aparecendo na Terra, tomando mulheres, e produzindo uma raça híbrida homem-demônio, aos quais a Bíblia chama de "gigantes na terra" e de "valentes homens de fama". Os estudiosos da Bíblia geralmente concordam que essa raça de pessoas era o que é conhecido normalmente como "néfilim", a palavra-raiz para "gigantes" acima. O autor cristão Chuck Missler explica sucintamente quem e o que esses "filhos de Deus" eram e o que estavam tentando fazer.
"Os estranhos eventos narrados em Gênesis 6 eram entendidos pelas antigas fontes rabínicas, assim como pelos tradutores da Septuaginta, como referências aos anjos caídos que geraram uma bizarra prole híbrida com as mulheres - prole essa conhecida como 'néfilim'. Os primeiros pais da igreja também entendiam assim..." [Chuck Missler, Koinonia House, http://www.khouse.org/articles/biblestudy/19970801-110.html].
Sabemos que esses "filhos de Deus", literalmente B'nai HaElohim, Filhos de Elohim", não podem ser anjos porque eles jamais interviriam na criação de Deus, jamais se acasalariam sexualmente com mulheres. Para atrair as mulheres, esses demônios tiveram de se transformar em homens atraentes ao entrarem nesta dimensão; de outra forma, as mulheres teriam rejeitado seus avanços e preferido os homens verdadeiramente humanos. Assim, sabemos que esses demônios apareceram como homens atraentes, semelhantes aos anjos que apareceram em Sodoma para resgatar Ló; esses anjos eram tão atraentes que atiçaram a luxúria da população homossexual de Sodoma e Gomorra [Gênesis 19]. Os resultados vivos dessa união sexual entre demônios e mulheres humanas foram os "gigantes", literalmente néfilim, uma raça de criaturas não-humanas.
Deus revela o resultado dessa união sexual desastrosa entre os demônios disfarçados de homens e as mulheres: "A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra." [Gênesis 6:11-13].

 

Podemos ver que Noé e sua família não foram infectados por essa atividade sexual demoníaca. A Bíblia diz: "Noé era homem justo e perfeito em suas gerações..." [Gênesis 6:9] Assim, após o Dilúvio, Deus pôde restabelecer uma linhagem abençoada de seres humanos normais a partir dos filhos de Noé e suas mulheres, a partir da qual o Messias pôde vir. Deus trouxe o dilúvio global para livrar o mundo dessa prole mista humano-demoníaca.
Veja, Deus providenciou a salvação do pecado apenas para a humanidade, e não para os anjos [1 Pedro 1:10-12; Efésios 3:9-10]. Além disso, se Satanás pudesse modificar a humanidade, dos humanos que Deus criou para uma raça parte-humana e parte-demoníaca [néfilim], poderia frustrar o plano de salvação de Deus e impedir a vinda do Messias. Para impedir esse domínio da raça humana, Deus enviou o Dilúvio, que destruiu todos esses seres. O mundo ocultista está bem ciente desses néfilins e de sua aparição demoníaca no fim dos tempos; Jesus Cristo predisse: "E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem." [Mateus 24:37] Uma vez que Deus destruiu o mundo nos dias de Noé por causa das atividades dos néfilins, podemos ter a certeza de que eles estarão presentes neste período de tempo em que o Anticristo está prestes a aparecer, e que apoiarão suas atividades quando estiver na Terra.
A Bíblia nos diz qual punição Deus fez recair sobre os demônios que se transformaram em homens para poderem copular com as mulheres. "Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo..." [2Pedro 2:4]. Deus prendeu esses demônios, e eles permanecem presos até hoje, aguardando o julgamento.

 

Avanço Rápido Até o Livro de Jó
A próxima revelação que diz respeito a esse combate sobrenatural entre Deus e Satanás encontra-se no primeiro capítulo de Jó, começando no verso 6:
"E num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles. Então o SENHOR disse a Satanás: Donde vens? E Satanás respondeu ao SENHOR, e disse: De rodear a terra, e passear por ela."
Esse verso nos diz muito sobre as atividades de Satanás e seus demônios neste planeta. Enquanto nós, humanos, tendemos a imaginar que a Terra seja um lugar bastante grande, Satanás acaba de dizer a Deus que a considera pequena o suficiente para "rodear e passear por ela". Poderíamos usar essa expressão ao falar sobre o nosso jardim!
Agora, junte esse conceito com o conhecimento bíblico de que Satanás controla este planeta durante esta época do tempo:
"Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência." [Efésios 2:2]
O apóstolo Paulo, escrevendo sob a influência do Espírito Santo, chamou Satanás de príncipe das potestades do ar.
Quando Deus criou Adão, deu-lhe responsabilidade por este planeta e por todos os animais [Gênesis 2:20], razão pela qual permitiu que nomeasse todos os animais. No entanto, quando Satanás persuadiu Adão e Eva a pecarem, o título de propriedade da terra passou a Satanás, e ele ainda o mantém. Assim, no texto referido, o apóstolo Paulo chama Satanás de príncipe das potestades do ar. Lembra-se de quando Satanás tentou Jesus Cristo no deserto e o levou ao topo de um monte muito alto e lhe mostrou todos os reinos do mundo? Satanás disse que, se Jesus apenas se prostrasse para adorá-lo, lhe daria todos os reinos do mundo. [Mateus 4:8-10]

Essa jactância não era irreal e nem à toa; Satanás poderia ter dado todos os reinos do mundo a Jesus, da forma como prometeu fazer. Por que? Porque ele controla este mundo durante o tempo desta era; e é o "deus deste século" [2Co 4:4].
Em Apocalipse 5:1-12, mas especialmente no verso 8, vemos Jesus tomando o título de propriedade da Terra. O livro com sete selos era o título de propriedade da Terra e no verso 8 Jesus toma posse dele no céu. A partir desse momento, Satanás não é mais o príncipe das potestades do ar, conforme prova o contínuo desenrolar dos julgamentos profetizados sobre a Terra. Finalmente, em Apocalipse 11:15, os anjos proclamam: "Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre."

 

Até esse momento da história mundial [Apocalipse 11:15], Jesus Cristo não era o rei deste mundo; Satanás era, e ainda é hoje, porque os eventos do Apocalipse ainda são futuros. Lembre-se desse elemento-chave, pois é fundamental para a compreensão do poder que Satanás exerce no presente; se ele quiser fazer algo neste mundo hoje, pode fazer, a não ser que Deus aja especificamente para detê-lo. Certamente, na igreja de Satanás, ele pode fazer muito bem o que desejar, contanto que não tente tocar nos genuinamente salvos de Deus remanescentes. Satanás usa os conciliábulos de feiticeiros e as sociedades secretas como sua igreja, e é por esse caminho que perpetua sua doutrina e seu plano para os séculos, transmitindo-os de geração em geração.
Reiterando, a passagem em Jó 1:6-7 revela a atividade de Satanás e suas hordas de demônios. Eles estão continuamente "rodeando e passeando" pela Terra. O apóstolo Paulo então acrescenta que todos os incrédulos estão "sob o controle do espírito demoníaco" que Satanás controla! Os incrédulos são controlados por um espírito demoníaco, um controle que Satanás dividiu entre seus principados [veja maiores detalhes lendo o artigo N1050, "Os Sete Principados do Reino das Trevas"]. Dessa forma, Satanás e suas hordas de demônios estão constantemente na Terra, controlando sua gente na rebelião à autoridade estabelecida de Deus e de sua Palavra!

 

Já que Satanás é o príncipe deste mundo, Deus concede-lhe uma certa liberdade de ação que a maioria dos cristãos não compreende completamente. Embora seja verdade que nada pode tocar um cristão fiel, a não ser que Deus permita, o mesmo não é necessariamente verdade quanto ao incrédulo. Uma vez que o incrédulo - o não-salvo - está em rebelião contra Deus, e está excluído da proteção de Deus, está suscetível ao poder sobrenatural de Satanás. O não-salvo pode ser atacado virtualmente com impunidade; pode ser afligido; pode ser possesso. E, como veremos em breve, o infiel está mais suscetível a ver manifestações físicas dos demônios, particularmente se entregou a autoridade espiritual sobre seu corpo às hordas demoníacas, participando de determinados pecados, como drogas, álcool, certos pecados sexuais ou participando de atividades ocultistas.
Satanás pode fazer virtualmente o que quiser, a quem quiser, a menos que Deus especificamente intervenha para impedir. Assim, o apóstolo Paulo declara enfaticamente que os incrédulos "estão presos à vontade dele". [2 Timóteo 2:26; ênfase adicionada].

 

Conflito nas Regiões Celestiais Pela Influência Sobre os Reis
Em Daniel 10, Deus nos dá uma amostra intrigante a respeito da guerra espiritual entre os anjos e os demônios, enquanto eles lutam pelo coração e pela mente dos reis pagãos, mencionados especificamente aqui como "príncipe da Pérsia" e depois como "príncipe da Grécia" [Daniel 10:20].
Permita-nos resumir os eventos desse capítulo. No terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, Daniel começou a jejuar e orar pedindo maior entendimento do plano de Deus para Israel, especialmente no que se referia ao fim dos tempos. Daniel já havia recebido entendimentos sem precedentes anteriormente, mas não estava certo se os havia compreendido adequadamente, então pediu maiores esclarecimentos.
Vemos no verso 2 que Daniel jejuou por três semanas, esperando pacientemente pela resposta de Deus. Subitamente, no verso 4, Daniel recebe a visita de um anjo, uma experiência que quase o fez desmaiar, tanto que o anjo teve de tocá-lo para que se levantasse novamente. Em seguida, o anjo revelou uma história impressionante. Vamos acompanhar o relato bíblico a partir daqui.
"Então [o anjo] me disse: Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras; e eu vim por causa das tuas palavras."

 

Daniel deve ter ficado perplexo com essa história. Se Deus deu sua resposta no primeiro dia em que Daniel orou, e instruiu esse anjo para entregar a resposta a Daniel, por que demorou três semanas para que o anjo chegasse à Terra? Daniel estava certamente ciente de que um anjo pode ir do céu à Terra instantaneamente; assim sendo, por que Daniel teve de esperar por três semanas inteiras? O anjo respondeu a essa pergunta, e o impacto da resposta em nossas vidas continuará até o dia em que virmos Jesus Cristo! As implicações da resposta do anjo foram enormes.
"Sabes por que eu vim a ti? Agora, pois, tornarei a pelejar contra o príncipe dos persas; e, saindo eu, eis que virá o príncipe da Grécia."

Essa Escritura revela que uma batalha entre os anjos de Deus e as legiões de demônios de Satanás está constantemente ocorrendo pelos corações e mentes dos governantes humanos das nações do mundo. Nesse caso, os anjos de Deus e os demônios de Satanás lutaram pelo controle da mente e do coração do rei da Pérsia, que no tempo de Daniel era Ciro [verso 1]. Entretanto, todo rei da Pérsia deve ter tido tal batalha pelo seu coração e pela sua mente, e todo rei da Grécia deve ter tido tal batalha. Em outras palavras, as hordas de demônios estavam lutando contra os anjos para conseguir controlar a mente e o coração do rei humano, para que ele tomasse as decisões que beneficiassem a Satanás e pervertessem o plano de Deus. Embora Deus tenha poder a qualquer tempo e em qualquer situação para frustrar os planos das hordas de demônios, ele não age sempre dessa forma. Em sua soberania, por vezes permite às hordas de demônios influenciarem os reis da Terra a tomarem decisões que parecem implementar o programa de Satanás. É claro que o plano de Deus prevalecerá no final; mas em incontáveis situações no decorrer da história, Deus permitiu que as hordas de demônios prevalecessem de forma semelhante.

O que precisamos entender dessa passagem é que tal batalha pelo coração e pela mente dos governantes da Terra ocorre em todas as gerações da história humana. Os satanistas aprendem que Satanás encarrega determinados demônios de ficarem ao lado de cada governante de cada nação na história; podemos apenas presumir que Deus reage designando um anjo para cada governante humano em cada geração da história humana.
Mantenha esse fato em mente.

 

Seres Demoníacos Manifestando-se Nesta Dimensão
Já estudamos Gênesis 6, que descreve uma época em que os demônios transformaram-se em homens atraentes. Também já nos referimos a Gênesis 19, onde os anjos de Deus que destruíram Sodoma e Gomorra vieram à tarde até a casa de Ló; esses anjos eram homens muito atraentes. Essa transformação dos anjos de Deus nesta dimensão é evidentemente tão comum que a Bíblia relata que alguns cristãos receberam a anjos sem se dar conta disso! [Hebreus 13:2]
Entretanto, os demônios podem se manifestar nesta dimensão como os monstros horríveis que são? Deus permitirá esse tipo de manifestação e, se permitir, quais serão os parâmetros pelos quais permitirá isso? Alguns cristãos acreditam que os demônios de Satanás não podem se manifestar nesta dimensão; de fato, um querido amigo cristão me disse que não acredita que os demônios possam se manifestar nesta dimensão. Apenas um exemplo bíblico inquestionável convencerá um cristão céptico como ele. Felizmente, a Bíblia claramente nos dá um exemplo desse tipo.

 

O Rei Saul e a Feiticeira de En-Dor - 1 Samuel 28:7-25
O início dessa triste história começa no verso 3:
"E Samuel já estava morto, e todo o Israel o tinha chorado, e o tinha sepultado em Ramá, que era a sua cidade; e Saul tinha desterrado os adivinhos e os encantadores."
Quando o rei Saul precisasse de aconselhamento espiritual, ou de uma resposta específica de Deus, deveria procurar o profeta Samuel. No entanto, a Bíblia registra que Saul nunca buscou a orientação e os conselhos de Samuel. Agora que Samuel estava morto, sabendo que Davi seria o novo rei, Saul entra em desespero diante de um ataque iminente dos filisteus. Um dia antes da batalha, Saul pergunta aos seus servos onde poderia encontrar ajuda sobrenatural. Vamos acompanhar a história a partir do verso 7:
"Então disse Saul aos seus criados: Buscai-me uma mulher que tenha o espírito de feiticeira, para que vá a ela e a consulte."
O fato de que o rei Saul pensava até mesmo em buscar a ajuda de uma bruxa - uma feiticeira - para aconselhamento espiritual é chocante pois ele erradicou vigorosamente os feiticeiros de Israel, conforme indica a resposta da feiticeira no verso 9. Deus havia ordenado que ninguém em Israel consultasse necromantes, feiticeiros, adivinhadores, encantadores e mágicos muito antes do nascimento do rei Saul [Deuteronômio 18:9-14]. Na verdade, Deus ordenou que todos os feiticeiros e os que praticassem bruxaria fossem mortos, em Êxodo, 400 anos antes do rei Saul.
Reiterando, a resposta dessa feiticeira de En-Dor (2 Samuel 28:9) mostra que Saul cumpriu as ordens de Deus no que se refere aos feiticeiros; entretanto, acho bastante interessante que, mesmo depois de uma campanha vigorosa contra os feiticeiros, os criados do rei Saul soubessem exatamente onde havia uma feiticeira! Quando o rei Saul pediu a indicação de uma feiticeira, eles sabiam exatamente onde ela vivia e levaram o rei até lá. Ela devia ser uma feiticeira bastante poderosa para ter escapado da perseguição, embora os criados de Saul soubessem exatamente onde ela vivia. A resposta imediata dos criados revela a verdade da história:
"E os seus criados lhe disseram: Eis que em En-Dor há uma mulher que tem o espírito de adivinhar." [verso 7]
Assim que o rei Saul soube que uma feiticeira vivia em En-Dor, não perdeu tempo em ir até ela.
"E Saul se disfarçou e vestiu outros vestidos, e foi ele com dois homens, e de noite chegaram à mulher; e disse: Peço-te que me adivinhes pelo espírito de feiticeira, e me faças subir a quem eu te disser." [v.8]

 

O que há de mais importante a se notar no pedido de Saul é que ele falou sobre esse ritual como se fosse habitual, e ele certamente conhecia o poder de um feiticeiro para invocar um ser espiritual por meio do poder do "espírito familiar" que habita nele; esse espírito familiar é uma das formas mais poderosas de possessão demoníaca, pois invocar um ser espiritual a esta dimensão requer uma possessão poderosa, agindo por meio de um feiticeiro experiente. O rei Saul sabia que a feiticeira poderia conjurar um espírito específico, e após garantir que ela não seria morta [v.10] - invocando o nome do Senhor - ele pede que Samuel seja trazido do Seol Superior, o lugar que Jesus chamou de Paraíso.
A maioria dos estudiosos da Bíblia não acredita que Deus realmente permitiu que o espírito de Samuel retornasse à Terra, pelo simples motivo de que Deus certamente não permitiria que o espírito de um de seus profetas retornasse à Terra por meio de um método satânico já condenado por ele. Deus dá tanta importância aos métodos justos quanto dá aos fins justos, assim ele definitivamente não permitiria que o verdadeiro espírito de Samuel se manifestasse.
O próprio texto permite essa interpretação. À primeira vista, parece que o próprio Samuel apareceu, conforme lemos no verso 12:
"Vendo, pois, a mulher a Samuel, gritou em alta voz; e a mulher falou a Saul, dizendo: Por que me tens enganado? Pois tu mesmo és Saul."
No entanto, o verso seguinte lança a dúvida se era realmente o espírito de Samuel, pois o rei Saul diz:
"Não temas; que é o que vês?"
O fato de Saul ter feito essa pergunta dessa forma parece indicar que a feiticeira não identificou o espírito que viu como sendo o de Samuel. Continuemos com o verso 13:
"Então a mulher disse a Saul: Vejo deuses que sobem da terra." Outra tradução da Bíblia parece indicar que ela viu apenas um espírito aparecendo nesta dimensão: "A mulher respondeu a Saul: 'Estou vendo um espírito subindo das profundezas da terra'." Na verdade, a feiticeira deve ter falado no singular, pois Saul formula sua próxima pergunta no singular.
"Como é a sua figura?" A feiticeira viu o espírito antes de Saul e ficou assustada com o seu semblante. Entretanto, esse fato ainda não significa que o espírito fosse realmente Samuel. A resposta que a feiticeira dá em seguida é bastante instrutiva. Ela descreveu o que viu:
"Vem subindo um homem ancião, e está envolto numa capa." Observe que a feiticeira não disse que se tratava realmente de Samuel, mas apenas que viu um homem ancião envolto numa capa. Então, a próxima sentença de Deus revela a verdade.
"Entendendo Saul que era Samuel, inclinou-se com o rosto em terra, e se prostrou."
Saul entendeu que o "homem ancião... envolto numa capa" era Samuel. O rei então inclinou-se com o rosto em terra perante o espírito "e se prostrou". Em outras palavras, o rei Saul assumiu que havia reconhecido a autoridade espiritual superior de Samuel, algo que ele normalmente recusava fazer enquanto Samuel estava vivo.

 

Deus Controla os Espíritos Malignos!
Vamos parar aqui para discutir quem era esse espírito, já que ele não era Samuel. Os estudiosos da Bíblia que acreditam que Deus jamais permitiria que o espírito de um servo fiel já morto fosse invocado à esta dimensão terrena por meio do ritual satânico proibido da necromancia, crêem que esse espírito era um demônio disfarçado de Samuel, um ser sobrenatural ímpio sob o controle direto de Deus!

Deus utiliza esse tipo de controle sobre um demônio? Sim, certamente.
Em Jó 1:6-7, vemos que Deus convocou tanto os seus anjos piedosos quanto os anjos ímpios de Satanás para se apresentarem diante dele em seu trono. Deus convocou os demônios de Satanás para darem satisfação de suas atividades a ele!
Com isso em mente você entenderá melhor o conteúdo de 2 Crônicas 18:18-22, onde Deus enviou uma entidade demoníaca para ser um "espírito de mentira" e deliberadamente enganar o ímpio rei Acabe, para que Deus o trouxesse a julgamento. Veja:
"Disse mais: Ouvi, pois, a palavra do SENHOR: Vi ao SENHOR assentado no seu trono, e todo o exército celestial em pé à sua mão direita, e à sua esquerda."
Vamos parar aqui para identificar o "exército celestial" que o profeta Micaías viu em sua visão inspirada. Baseado no que Jesus nos disse sobre o julgamento final, podemos seguramente identificar o exército celestial à mão direita de Deus como sendo os anjos fiéis, e o exército celestial à mão esquerda de Deus como sendo os anjos rebeldes, ou demônios. Em Mateus 25:33, vemos que a organização dos homens no julgamento final será com os salvos à mão direita de Deus [ovelhas], e os condenados à mão esquerda de Deus [bodes].
Com isso em mente, considere a seqüência do relato da Escritura:
"E disse o Senhor: Quem persuadirá a Acabe rei de Israel, para que suba, e caia em Ramote de Gileade?... Então saiu um espírito e se apresentou diante do SENHOR, e disse: Eu o persuadirei. E o SENHOR lhe disse: Com quê? E ele disse: Eu sairei, e serei um espírito de mentira na boca de todos os seus profetas. E disse o SENHOR: Tu o persuadirás, e ainda prevalecerás; sai, e faze-o assim. Agora, pois, eis que o SENHOR pôs um espírito de mentira na boca destes teus profetas..." [2Cr 18:19-22]

Uma vez que a Bíblia nos diz que Deus está acima de todo o mal, e não pode fazer o mal, podemos ver que aqui ele ordenou a um demônio para ir até Acabe e sussurrar uma mentira em seu ouvido que o levasse a cometer um erro fatal no campo de batalha. Esse espírito de mentira estava sob o controle direto de Deus, e executou sua tarefa muito bem: o rei Acabe foi morto na batalha [verso 33].
Vemos uma situação parecida em 1 Samuel 16:14, onde a mão de Deus começa a se mover contra o rei Saul. "E o espírito do SENHOR se retirou de Saul, e o atormentava um espírito mau da parte do SENHOR." Deus enviou um espírito maligno - um demônio - para ir até o rei Saul e atormentá-lo como parte de seu julgamento divino contra o rei.
Em 1Sm 18:10-11 e 19:9-10, vemos que outro espírito maligno - um demônio - agindo sob as ordens diretas de Deus, persuadiu o rei Saul a tentar matar Davi; no entanto, o Senhor garantiu que Davi escapasse:
"E aconteceu ao outro dia que o mau espírito da parte de Deus se apoderou de Saul, e profetizava no meio da casa; e Davi tangia a harpa com a sua mão, como de dia em dia. Saul, porém, tinha na mão uma lança. E Saul atirou com a lança, dizendo: Encravarei a Davi na parede."
Dessa forma, não temos muita dificuldade para acreditar que o espírito que surgiu durante esse ritual foi realmente um demônio agindo sob as ordens diretas de Deus, não apenas para aparecer como Samuel, mas para transmitir ao rei Saul a mensagem que Deus queria enviar! [1 Samuel 28:15-19]

 

O Ritual Satânico Necessário Para Trazer um Espírito a Esta Dimensão
Já que Deus não quer expor o ritual satânico específico que os feiticeiros realizam para invocar fisicamente um espírito a esta dimensão, o relato bíblico omite o ritual de feitiçaria nessa passagem. No entanto, a feiticeira certamente teve de realizar um ritual entre os versos 11 e 12 do capítulo 28. Assim sendo, pedi a Cisco Wheeler, uma ex-praticante de Magia Negra, para me descrever exatamente o tipo de ritual que essa feiticeira teria executado para trazer um demônio a esta dimensão.
Como o mundo de Satanás e de seus demônios tem um nível considerável de hierarquias e de linhas de comunicação, todo feiticeiro precisa conhecer exatamente o procedimento que Satanás estabeleceu para que os médiuns humanos possam acessar seu poder sobrenatural e controlar seus demônios nesta dimensão. Esse conhecimento é a própria essência da feitiçaria. Os feiticeiros humanos devem ser muito cuidadosos no modo como realizam esse ritual, pois demônio algum quer ser forçado a vir a esta dimensão, de forma a realizar a vontade do ser humano que está executando a cerimônia; se o feiticeiro cometer algum erro, não importa o quão insignificante, o demônio tem permissão de Satanás para atacar e matar o feiticeiro. Dessa forma, os feiticeiros tomam um cuidado enorme com os mínimos detalhes quando realizam esse ritual.

Isso é o que a feiticeira em En-Dor - conhecida na literatura ocultista como Gilgamés - deve ter feito para trazer esse espírito disfarçado de Samuel. O grande deus Ea do cosmos acadiano é o único capaz de forçar o deus do mundo dos mortos, Nergal, a libertar o espírito de Enkidu para que Saul possa supostamente conversar com Samuel. A atividade é consumada por meio da prece a Ea; se o necromante for poderoso o suficiente, não é necessário o oferecimento de um sacrifício; o resultado aparece na forma de um espírito, que chega como um vento. Os ocultistas acreditam, portanto, que o demônio que apareceu foi Enkidu, disfarçado como Samuel.

Os demônios que são forçados a se materializar nesta dimensão sempre reclamam amargamente por terem sido forçados a vir. Assim, não devemos ficar surpresos ao ver esse demônio - que Saul presumiu ser Samuel - reclamar no verso 15: "Por que me desinquietaste, fazendo-me subir?" Essa queixa é ouvida quase todas as vezes que um feiticeiro realiza uma cerimônia de necromancia, já que o demônio não quer ficar sob o controle do médium humano.

Caso o nigromante [necromante] não seja poderoso o suficiente para fazer o espírito subir com uma simples prece ao deus Ea, então este é o ritual necessário: O feiticeiro deve primeiramente fazer a prece ao deus Ea e depois iniciar os preparativos para um ritual de sacrifício. Após desenhar os símbolos "sagrados" requeridos pelo ritual específico, o nigromante terá de cavar uma cova com sua espada, derramar uma libação de mel, vinho e água ao redor e espargir comida dentro da cova; depois deve fazer votos e proferir preces de devoção à nação dos mortos, preenchendo a cova com o sangue de uma ovelha imolada, após o que as almas dos mortos virão do reino sobrenatural.

 

Entretanto, o conhecimento mais importante que o nigromante deve ter é o "nome inefável" do deus Ea. Esse "nome mágico" invoca a forma de poder que o ritual requer para ser eficaz. Esse nome, misterioso e divino, é o maior e mais irresistível de todos os poderes da magia. Ea, deus da terra e do mar, é o único ser em todo o universo que conhece a palavra secreta. Quando ela é pronunciada, tudo se curva no céu, na terra e nas regiões do inferno. Esse nome sozinho pode subjugar os sete maskim [os mais poderosos espíritos na mitologia suméria/acadiana, dotados de poderes extraordinários, capazes de causar terremotos, de parar o movimento dos astros e de atacar os homens com suas magias] e fazer cessar suas destruições. Os próprios deuses são subjugados por esse nome e o obedecem. Assim, já na aurora da história encontramos o poder que supostamente reside nos nomes inefáveis que inflamaram um grande rastro em toda a magia ritual. Na magia egípcia, os magos afirmavam que conheciam os nomes ocultos e místicos dos deuses, e proferiam esses nomes para controlá-los.
A magia ritual requer o uso dos nomes inefáveis dos principais deuses da região infernal. Assim, quando os maçons dão grande ênfase ao "nome inefável" de "Deus", revelam sua verdadeira natureza das trevas. As raízes da Maçonaria podem ser rastreadas até os mistérios egípcios, portanto é natural que falem tanto sobre o "nome inefável" de "Deus", embora a Bíblia não o mencione nem uma única vez. Não se deixe enganar quanto à verdadeira natureza ocultista da Maçonaria.
Não sabemos se a feiticeira de En-Dor era poderosa o suficiente para invocar um demônio disfarçado de Samuel simplesmente fazendo uma prece ao deus Ea, ou se teve de realizar o ritual de sacrifício descrito anteriormente. Não é necessário para esta discussão saber esse detalhe. O que sabemos é que o rei Saul estava ciente que essa feiticeira de En-Dor rotineiramente invocava espíritos a esta dimensão, e que quando pediu para ela trazer Samuel, um demônio apareceu nesta dimensão!

Conforme afirmamos anteriormente, Satanás é o "senhor deste mundo" e pode fazer muito do que quiser, a menos que Deus intervenha especificamente para impedi-lo. Os bruxos e feiticeiros costumeiramente conjuram manifestações físicas de demônios, como retratado na gravura ao lado.

Examine atentamente essa gravura. Ela mostra o maçom de Grau 33 Eliphas Levi dentro de um círculo especialmente criado, conjurando o espírito demoníaco Apolônio de Tiana [Manly P. Hall, maçom de Grau 33, An Encyclopedic Outline of Masonic, Hermetic, Qabbalist and Rosicrucian Symbolical Philosophy Being an Interpretation of the Secret Teachings Concealed Within the Rituals, Allegories and Mysteries of All Ages, H.S. Crocker Company, 1928, pg 101; também citado por David Carrico, Scottish Rite Journal, no artigo, Manly P. Hall: The Honored Masonic Author, Evansville, Indiana, 1992, pg 17; catalogado como um livro recomendado pela Macoy Publishing and Masonic Supply Company; reeditado pela Dra. Burns, com autorização].

Com Eliphas Levi fazendo o papel do bruxo - lendo o livro de encantamentos em sua mão - o demônio é conjurado a esta dimensão, e aparece dentro de um círculo em que há um triângulo desenhado em seu interior. Observe o Baphomet [Bafomé] no canto superior esquerdo e a caveira humana na extremidade direita. Portanto, os satanistas dão grande importância aos símbolos desenhados no chão ou na terra. Eles fazem uso desses símbolos durante cerimônias poderosas de bruxaria.
O ex-feiticeiro/mestre-maçom/mórmon William Schnoebelen expõe claramente a habilidade dos médiuns de invocar espíritos a esta dimensão. Leia o seu testemunho, pois é uma confirmação para o aqui e agora, ou seja, a época atual.
"Na bruxaria, nosso desafio era conjurar e controlar os espíritos e usar seu poder sem nos ferirmos durante o processo." [Mormonism's Temple of Doom (O Templo da Perdição do Mormonismo), de William Schnoebelen and James R. Spencer, 1997, pg 12]
Lembra-se de nossa afirmação anterior que um feiticeiro presta muita atenção até mesmo aos mínimos detalhes em um ritual, pois caso cometa algum erro, por menor que seja, o demônio que foi chamado a esta dimensão pode até matá-lo? Schnoebelen acaba de confirmar esse fato. Graças a Deus, Bill Schnoebelen agora é um cristão nascido de novo e serve a Jesus Cristo!
Nos países do mundo que não têm a tradição das igrejas fundamentalistas fiéis à Bíblia, como os EUA, os demônios manifestam-se regularmente nesta dimensão. Receio que, uma vez que os EUA se afastaram para bem longe de Deus nas últimas décadas, vejamos esse fenômeno com uma regularidade crescente, a começar dentro dos círculos satânicos estabelecidos, é claro. Nós, cristãos nascidos de novo, não precisamos nos preocupar com a manifestação de demônios, porque estamos protegidos pelo sangue derramado de Jesus Cristo. No entanto, nossos amigos, vizinhos e até mesmo familiares que não são salvos podem nos levar a entrar em contato com tal atividade demoníaca; portanto devemos estar conscientes de que essa atividade demoníaca está ocorrendo furiosamente ao nosso redor e nos afetando indiretamente.
Schnoebelen faz uma declaração assustadora a respeito da habilidade dos demônios de entrarem na casa de alguém que tenha sido afligido ou possuído, para afligirem também os demais membros da família! Veja:
"Como podemos esperar que nossos filhos respeitem a autoridade quando o nosso envolvimento numa religião antiga de mistérios [Maçonaria] abriu as comportas do desejo em nossas casas... As crianças têm faro fino para a hipocrisia, e se conhecerem algo de suas Bíblias, verão facilmente que o papai não deveria estar freqüententando a reunião da loja todas as segundas-feiras à noite... embora a maioria das crianças provavelmente não saberá muito a respeito da Maçonaria em que seu pai e/ou mãe está envolvido, o fato de que seus pais são membros do 'maior conciliábulo de feiticeiros do mundo' traz o pecado da bruxaria para dentro de casa." [Maçonaria: Além da Luz, de William Schnoebelen, Editora Luz e Vida, pg 236].

Um pai envolvido com a Maçonaria, e/ou uma mãe que é membro da Estrela do Oriente, está trazendo demônios atuantes para dentro de sua casa, para afligirem seus filhos! Os atos dos pais afetam dramaticamente os filhos! A guerra espiritual é verdadeira e tudo o que um demônio está buscando é uma "porta de entrada" aberta por alguém em sua vida, ou por alguém com autoridade, como o chefe de uma família. A guerra espiritual pode imperar poderosamente na casa de um maçom.
No entanto, a guerra espiritual pode imperar poderosamente em um lar cristão se os pais permitiram que uma 'porta de entrada' seja aberta, como pecado sexual, álcool, drogas, consentir que os filhos ouçam música Rock, brinquem com o tabuleiro de Ouija ou qualquer outro "jogo" ocultista, ou assistindo a muitas dessas coisas na televisão atual. O que os pais fazem tem um impacto crucial em seus filhos dentro do lar!
A guerra espiritual está ocorrendo furiosamente neste mundo. Se Satanás o agarrasse pela pescoço, você o reconheceria? Realmente, nesta época do fim dos tempos em que vivemos, a atividade demoníaca está na mais alta intensidade desde a primeira vinda de Jesus Cristo.

 

Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.
Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia a dia.

 

+ Topo