Início » Estudos » Estudos Bíblicos
Ceia

CEIA DO SENHOR, A AS PALAVRAS E AÇÕES DE JESUS NA CEIA DO SENHOR
Para entender o significado completo da Ceia do Senhor, temos que examinar cuidadosamente o que Jesus falou e fez na ceia última ceia com seus discípulos.

"ESTE É O MEU CORPO"
Todas as fontes bíblicas dizem a mesma coisa sobre o que Jesus fez quando ele começou a ceia (veja Mateus 26:26; Marcos 14:22; Lucas 22:19; 1 Coríntios 11:23-24).

Ele fez três coisas:

1. Ele pegou o pão / 2. Ele agradeceu a Deus / 3. Ele partiu o pão


Curiosamente, como vemos em Marcos 6;41 e Marcos 8:6, ele fez as mesmas três coisas quando ele alimentou os cinco mil e os outros quatro mil.
De acordo com os quatro relatos da última ceia, o que ele disse quando pegou o pão foi "este é o meu corpo". Há diferentes opiniões sobre o significado preciso dessas palavras. Mas, o que é certo é que Jesus estava indicando que ele daria o seu corpo em sacrifício para que nós tivéssemos vida.
Isso se encontra mais claro em 1 Coríntios 11:24, aonde esta escrito "Esse é o meu corpo que entregue por vós" (ou em alguns manuscritos mais antigos "Esse é o meu corpo que é partido por vós").

"FAZEI ISSO EM MEMÓRIA DE MIM"
De cara, essa instrução pareceria o jeito que Jesus encontrou de dizer aos seus seguidores que repetissem essa ação como um sacramento, ou uma cerimônia religiosa, através dos tempos. Mas, como essa ordem só é encontrada em Lucas 22:19 e 1 Coríntios 11:24, algumas pessoas argumentam que o Senhor não tinha a intenção que aquela atitude fosse repetida. Será que este argumento está correto? Provavelmente não.
Nós temos que lembrar que todos os evangelhos foram escritos quando o partir do pão já era uma prática comum na vida da igreja. Mateus e Marcos, no entanto, podem ter achado desnecessário expressar a intenção de Jesus com essas palavras. Mas mesmo entre os cristãos que concordam que Jesus queria que seus seguidores observassem a ceia do Senhor como algo contínuo, há diferentes opiniões quanto a interpretação dessas palavras.
Na igreja católica romana, por exemplo, "faça isso" foi interpretado como "ofereça isso", e a palavra "em memória" foi entendida como se indicando uma representação do sacrifício de Cristo perante o Pai. Portanto na teologia católica, a comunhão é uma espécie de repetição da morte de Cristo. É considerado um sacrifício. A visão católica tem uma longa tradição do seu lado. No século dois, escritores cristãos se referiam à eucaristia como um "sacrifício". No entanto, protestantes tem considerado geralmente uma outra visão.
Para os protestantes, a comunhão não é para repetir o sacrifício de Cristo, mas para relembrar com gratidão que Cristo nos amou a ponto de morrer por nós. Talvez as posições dos católicos e dos protestantes não estão tão distantes uma da outra como parece em primeira instância. Muitas afirmações dos católicos romanos têm enfatizado o quanto o sacrifício de Cristo na cruz é suficiente e completo.
E muitos estudiosos protestantes, apesar de não quererem introduzir um entendimento sacrifical a ceia, enfatizam que "em memória" é mais do que simplesmente se lembrar do que aconteceu no passado. No pensamento bíblico, "em memória" normalmente envolve fazer real no presente o que foi feito no passado (veja Salmos 98:3; Eclesiastes 12:1).

"ESTE É O CÁLICE DA NOVA ALIANÇA"
Jesus pegou uma taça de vinho, deu graças e deu a seus discípulos para que todos eles bebessem. Esse foi o mesmo jeito que ele fez quando distribuiu o pão. Mas nas palavras Jesus falou do vinho, ele introduziu um novo conceito na discussão sobre a aliança. Mateus e Marcos recordam as palavras de Jesus como "isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança" (Mateus 26:28; Marcos 14:24). Lucas 22:20 fala "Este é o cálice da Nova Aliança no meu sangue derramado por vós" e 1 Coríntios 11:25 é semelhante a isso.
Todas essas referências à aliança nos levam de volta ao ritual do Velho Testamento de fazer uma aliança (um acordo ou tratado) com sacrifício, como na aliança entre Deus e Israel depois do Êxodo (Êxodo 24:1-8). Eles também sugerem que a esperança de uma nova aliança, descrita em Jeremias 31:31-34, foi realizada em Cristo.

"É DERRAMADO PARA PERDOAR OS PECADOS DE MUITOS"
O significado da morte de Cristo como um sacrifício está ligado com um entendimento da páscoa e da aliança. No entanto, é importante que nós reconheçamos que a ceia do Senhor também está ligada com o que Isaías 53 diz sobre o Servo sofrido do Senhor se colocou "por expiação do pecado" (Isaías 53:10).
Lucas 22:37 inclui entre as palavras de Jesus: "Porquanto vos digo que importa que se cumpra em mim isto que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Pois o que me diz respeito tem seu cumprimento." O verso que Jesus cita - Isaías 53:12 - também diz que "derramou a sua alma até a morte," e que ele ; "levou sobre si o pecado de muitos". Mateus 26:28 diz que o sangue de Jesus foi "derramado por muitos para remissão dos pecados". A taça da comunhão, então, deve nos lembrar do sangue de Jesus derramado como uma oferta para cuidar de nossos pecados.

 

A Ceia do Senhor

Texto Base: 1º Co 11.23-29 (Fazer a Leitura Bíblica)
Introdução: O Pão e o Vinho são símbolos singulares no seu significado e apontam para os fundamentos da fé cristã.
O Pão – “Meu Corpo”; o Vinho – “Meu Sangue”.

 

Nisto nós vemos:
1) A Encarnação de Cristo:
a- O Pão: a figura do Seu Corpo.
O Senhor disse: “Um corpo me formastes”   Hb 10.5*
b- Jesus não tomou a natureza dos anjos, mas sim a nossa  Rm 8.3*
c- Ele entregou-se voluntariamente  Fp 2.7,8*
2) Sua Devoção:
a- O Senhor agradeceu. Tomou o pão, símbolo do Seu Corpo (que logo depois foi crucificado)  Mt 26.26*
3) Seu Sofrimento:
a- Judas, um instrumento na via dolorosa de Cristo  Mt 26.21,23-25
4) Sua Substituição:
a- Este é o Meu Corpo oferecido por vós  Lc 22.19 e Is 53.5*
b- Este é o Meu Sangue que derramado por vós  1º Pe 1.19*
5) Seu Convite:
a- Tomai, comei, bebei. A expiação está consumada  Mc 14.22,23
Aproprie-se pela fé daquilo que aqui é oferecido simbolicamente.
O Sangue, o preço por nossas almas  Mc 14.24
b- Sua finalidade: “Fazei isto em memória de Mim”   1º Co 11.25c
c- A gloriosa esperança: “Até que Ele venha”   1º Co 11.26c

 

REFERÊNCIAS BÍBLICAS
Hebreus: 10.5 = Foi por isso que Cristo disse, quando veio ao mundo: “Ó Deus, o sangue de touros e de bodes não pode satisfazê-lO, portanto o Senhor me preparou este meu corpo, a fim de que eu o deposite como sacrifício sobre o seu altar”.
Romanos: 8.3 = Não estamos a salvo das garras do pecado só pelo fato de conhecermos os mandamentos de Deus, pois não podemos guardá-los e não os guardamos, mas pôs em ação um plano diferente a fim de nos salvar. Enviou seu próprio Filho, em corpo humano como o nosso – com a exceção de que o nosso é pecador – e destruiu o controle do pecado sobre nós, dando-Se a Sí mesmo como sacrifício por nossos pecados”.
Filipenses: 2.7,8 = ...pôs de lado seu imenso poder e sua glória, ocultando-se sob a forma de escravo e tornando-se como os homens. E Se humilhou ainda mais, chegando ao ponto de sofrer uma verdadeira morte de criminoso numa cruz”.
Mateus: 26.26 = Quando eles estavam comendo, Jesus tomou o pão e o abençoou, o partiu em pedaços, deu aos discípulos, dizendo: “Tomem e comam, porque isto é o meu corpo”.
Isaías: 53.5 = A verdade, porém, é esta: Ele foi ferido por causa de nossos pecados; seu corpo foi maltratado por causa de nossas desobediências. Ele foi castigado para nós termos paz; Ele foi chicoteado - e nós fomos curados.
1º Pedro: 1.19 = ...mas Ele pagou por vocês o precioso sangue de Cristo, o Cordeiro de Deus sem pecado e sem mancha.


Introdução.
Simples, objetiva e sem sombras de variação, assim é a Palavra de Deus.
As muitas vozes na terra trazem confusão ou sei lá quantas interpretações possíveis.
A Palavra não admite particular interpretação e, somente assim, o Caminho de Deus será Perfeito.
Desde a criação, da primeira letra escrita pelos homens inspirados por Deus, tudo tem seu propósito, Deus não é Deus que escreve por escrever, Deus não “acha” interessante e faz simplesmente constar. Não. Tudo o que está escrito tem propósito.
Se nas coisas que estão em evidência há severas divergências contra a Palavra, que diremos das que necessitam discernimento espiritual?

 

A Palavra, por si mesma, FALA.
Quando uma chave abre novidades, muito do que já é sabido necessita ser reconsiderado.

O estudo bíblico " BATISMO NAS ÁGUAS " será desenvolvido em itens, com exemplos e situações ilustrativas, visando facilitar o entendimento diante da Palavra de Deus conforme a graça que está em Jesus Cristo.
Certo é, tudo o que for expresso, é porque acontece na realidade, na prática. Nada será "inventado".
*Alerta! Não aceite a heresia de que o Batismo nas Águas está extinto para a Nova Aliança.

A denominação Igreja Cristo Vive, que se pronuncia como a continuação da reforma protestante iniciada por Martinho Lutero, e anunciadora do verdadeiro Evangelho da graça de Jesus Cristo, anula o Batismo nas Águas, contrariando de forma grosseira e desqualificada o que está expresso na Palavra de Deus.

Entretanto, por outro lado, não anula o "deus dízimo", colocando-o, como tantos hereges fazem, na posição de "plenitude da benção de Deus em todos os assuntos da vida", ou seja, sem dízimo, Deus Pai e Jesus não servem para nada.
Veja a mensagem » Deus Pai é burro e maligno?

Será feita uma abordagem específica sobre ministérios (se é que se pode chamar assim) que anularam o Batismo nas Águas.

Vou apenas fazer uma breve e clara consideração sobre um trecho dos estudos doutrinários da Igreja Cristo Vive.
Tomam o texto da carta aos Hebreus, capítulo 6, versículos de 1 ao 3, e fazem a seguinte exposição:
................... » " 1. Paulo nos faz um chamado a deixar os princípios elementares da doutrina de Cristo (rudimentos) e caminhar para a perfeição.
a) Há doutrinas superiores e mais profundas do que as doutrinas de Cristo estando em carne, no cumprimento da lei.
Hb 6:1-3 - "Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno. Isso faremos, se Deus permitir. " « ...................
Chega ser absurda e infantil a interpretação que fazem, pois, o texto está dizendo que, naquele momento, não conviria falar das coisas básicas da doutrina de Cristo e sim, falar de algo novo que, depois de ter aprendido o básico, chega o momento de ser acrescentado e aprendido "além" do básico. E, se houvesse oportunidade, falariam do assunto novamente, ou seja, voltariam ao assunto da doutrina elementar, básica.

O texto da Bíblia não está anulando a doutrina elementar, básica, mas está dizendo apenas que aquele momento era para, podemos dizer: tratar de outros assuntos.

Princípios elementares ou rudimentares significam AS BASES ONDE TUDO SE INICIA e, não diz que estão anulados.

Assim, pegam uma linha por textos absurdamente interpretados e transformam em doutrina "evangélica" dizendo ser Igreja de Jesus Cristo.

Um dos rudimentos ou princípio elementar da doutrina evangélica é o arrependimento do pecado. Remove-o também?
Sendo o princípio elementar da conversão do homem do seu pecado para nascer de novo, digo: Arrependei-vos!

Se, do texto de Hebreus 6:1-3, usam para justificar a remoção do Batismo nas Águas, então, todos os outros itens que o mesmo texto faz referência, devem ser removidos juntamente, ou seja, "... obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno.

Se em um texto tão "simples e inteligível" para interpretação, cometem tal "infantilidade absurda e desvio", que se dirá dos textos da Bíblia que dependem de revelação? Por isso nasce a heresia e falsa doutrina evangélica.

Em um lugar onde se dá valor "ao anel no dedo e diplomas" isso é previsível.
O próprio Deus verdadeiro não permite que vejam a verdade. Cegos que guiam cegos.

Bom ... se olharmos certas igrejas que se denominam evangélicas, nos dias de hoje, já removeram, também, esses "rudimentos".

A confusão e laço de engano é:
Ao invés de anularem os rudimentos da letra da Lei do Velho Testamento, que fortaleceram ainda mais como o caso do dízimo, anularam as bases da doutrina de Cristo, removendo o Batismo nas Águas.

Isso se chama, diante da Palavra de Deus, espírito de engano. Doutrina diabólica.
Mesmo que façam as "obras parecidas", estão destituídos de Deus, como tantos outros que "usam" o nome de Jesus Cristo e não são Dele.

Desprezam o que une o homem a Deus, o Batismo nas águas e, exaltam, o que une o homem a Satanás, o dinheiro.
Arrependei-vos enquanto há tempo.

Mas, vamos ao estudo ...

 

A IGREJA FACILITA OU DIFICULTA A ENTRADA NO REINO DOS CÉUS?
Quando é afirmado que o batismo nas águas é apenas um ritual simbólico, limita-se ao entendimento de que não gera conseqüências, além do simples cumprimento de uma ordenança formal (externa), formalizadora de uma ordem. E, que não produz consequências espirituais (interna).

Como é dominante o ensino: é um testemunho público.

Há o entendimento de que o crente, não batizado nas águas, não pode participar da Santa Ceia do Senhor, ou seja, ele não pode sentar-se à mesa com o Senhor e seus irmãos (se é que tem o direito de ser chamado de irmão, neste caso).

Participar da Santa Ceia do Senhor implica que o crente faz parte do Corpo de Cristo – da Igreja – e que nela está incluso e congregado – ligado – à cabeça que é Cristo.

Se o crente não participa da Ceia por não ser batizado nas águas, significa que, só pelo batismo nas águas terá acesso, poderá ser congregado ao Corpo de Cristo – a Igreja – e estar, assim, ligado à cabeça que é Cristo.

Se não pode participar da Ceia, fica também implícito que não está ligado à Igreja, pois, a sua fé está debaixo de um pré juízo, aguardando decisão, ou seja, aguarda julgamento da sua fé.

Se não pertence ao Corpo de Cristo, significa que não pertence à Deus e, não está congregado ao Corpo de Cristo porque não foi batizado, dando a entender que o acesso ao Corpo não é crer mas batizar.

Se o crente não pertence ao Corpo de Cristo (se não está ligado), significa que não é justificado e que, também, Cristo ainda não é o seu Senhor, mesmo crendo nele de todo o coração – ou seja – só o batismo nas águas pode dar legitimidade à sua fé, integrando-o, ligando-o, congregando-o ao Corpo de Cristo.

Mt 16:19 - "E eu te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus."
Mt 18:18 "Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. 19 Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. 20 Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles."

1 Co 10:16 "Porventura, o cálice de bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é, porventura, a comunhão do Corpo de Cristo? 17 Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo; porque todos participamos do mesmo pão."

Acompanhando esses vínculos de entendimento fica também inserido que, se o crente, ainda, não pertence ao Corpo de Cristo, à comunhão dos santos, ele não tem salvação e, ainda, aguarda outro julgamento (de quem ?), porque a igreja não uniu-o à ela, porque, ela mesma, não realizou o batismo nas águas.
Jesus diz que a circuncisão é do coração, crer de todo o coração e, não a circuncisão da letra.
Felipe disse ao eunuco de Candace que nada impediria ser batizado, pois, era lícito ser batizado se cresse de todo o coração (at 8:37). É lícito, ou seja, é honesto, é correto, é justo, está de conformidade com a lei.
Qual a lei de Deus que dá essa licitude?
Seria a lei do amor, conforme a graça de Jesus Cristo, crendo de todo o coração?
Qual a justiça? A dos doutrinadores, conforme a letra ou suas próprias razões e entendimentos, ou a justiça de Jesus Cristo conforme a interpretação revelada embutida no Velho Testamento?

 

Lembrando:
Não é certo usar as expressões: na minha opinião; eu acho; eu entendo; do meu ponto de vista; o meu ministério diz; a doutrina da minha igreja; eu defendo a doutrina tal e o outro a outra tal…enfim, ninguém é dono de uma verdade pessoal, porque a Palavra de Deus não permite "novos inspiradores", A Palavra já tem seu Mestre e Senhor.
Se a pessoa não está apta para ser batizada, diante de tantos julgamentos antecipados, então, (para os que crêem no dízimo), muito menos apta está, para dizimar.
Entretanto, sabemos que, ao novo convertido, a primeira coisa em que é obstinadamente lembrada é que, aceitou Jesus, já pode começar a dizimar, mesmo sem entender o que está fazendo, senão o inimigo terá habilitação sobre ela e não poderá ser abençoada por Deus, porque estará roubando de Deus.
Começa a fazer por medo conforme o pacote-pronto-doutrinário-inquestionável. O deus dízimo começa o seu trabalho.
A Palavra diz que Deus não está preocupado com o dinheiro deste mundo mas, com o roubo das almas que são Dele.
Quem, realmente, está pecando diante de Deus? Aquele que possivelmente esteja roubando o dinheiro de Deus (chega a ser ridículo expressar assim), ou aqueles que estão roubando as almas que pertencem à Deus, que foram compradas pelo Senhor da Glória, Jesus Cristo e, cuja fé está sendo julgada por homens e sendo cerceada a entrada no reino dos céus?
Este é o roubo que Deus sempre falou. Roubar almas.

 

Destaque 1:
O Batismo nas Águas recebe o lugar de primeiro tema apresentado neste estudo bíblico porque, conforme o nascimento de um filho dentro da nação de Israel, o primeiro ato a ser realizado, no oitavo dia após o parto, era a circuncisão da criança.

A circuncisão no Velho Testamento é Sombra das Coisas Futuras, sendo, para nós hoje, figura do Batismo nas Águas.
A circuncisão, ontem, é o Batismo nas Águas, hoje.

Nasce um filho de Deus, de pais santos e, em seguida, recebe a consagração como pertencente à nação de Deus, ao povo de Deus.
Nasceu dentro da nação de Israel - povo de Deus - hoje a Igreja de Jesus Cristo - pertence à Deus, sem depender de aprovação promovida pelo juízo humano, ou de decisão da criança depois que atingir determinada idade.

Não são as justiças, razões, doutrinas ou entendimentos pessoais e naturais, dos homens, que autorizam consagrar - batizar - uma criança à Deus, mas, a Palavra de Deus, conforme a verdade das Sombras das Coisas Futuras já deixadas para o povo conforme a interpretação revelada.

Diante da Bíblia, de modo algum é permitida a interpretação particular do tipo: "eu entendo assim."
Deus já deixou uma interpretação real e irretorcível.

Quando há divergência dessa interpretação real, pode-se cometer graves iniqüidades, violências dissimuladas contra a verdade e a graça do Evangelho da Salvação de Jesus Cristo, com uma aparência de que tudo vai bem.
Gravíssimo crime está sendo cometido no Corpo de Cristo: Do infanticídio ao genocídio.
De Deus não se rouba dinheiro, pois Ele não depende e nem quer o dinheiro deste mundo, mas, de Deus, o único roubo se comete quando não entregamos o que pertence a Ele: as almas.

Retendo com pecado, engano e violência à graça que foi dada em Jesus Cristo.

Romanos 6:
"3 Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?
4 De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
5 Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;
6 sabendo isto: que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de que não sirvamos mais ao pecado.

7 Porque aquele que está morto está justificado do pecado."

 

Destaque 2:
Este Destaque visa enfatizar a relação do Batismo nas Águas com a Ressurreição.
- Se o Batismo nas Águas é só simbólico, mero ritualismo ou uma encenação pública somente figurativa, conforme alguns ensinam no meio evangélico, não tem valor, é dispensável, é perda de tempo, não é ato de fé e não gera novidade de vida – não gera ressurreição.
Na Igreja de Jesus Cristo, dizer que qualquer procedimento é apenas um ritual, caímos da graça e entramos nos significados da letra sem interpretação real da Lei do Velho Testamento.
O "espírito da lei" não vê além da letra. É interpretação sem revelação.
- A Palavra diz que há ressurreição no Batismo nas Águas.
- Só é possível a ressurreição pelo poder de Deus, ou seja, o Espírito Santo da ressurreição está presente no ato do Batismo nas Águas, consagrando, separando para o Corpo de Cristo, em poder, o que foi figurado pela circuncisão no Velho Testamento.
- O mesmo poder que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos. Antes do Batismo nas Águas estava morto no mundo e, no Batismo nas Águas sou legitimado no Corpo de Cristo, que é a Igreja, pelo poder de Deus.
- Se o ato do Batismo é só figuração, encenação pública, é inútil e não há ressurrerição e a Palavra estaria mentindo.
- Se não cremos que no Batismo há ressurreição, vã é a nossa fé e vão também o ato.
- Se é ato de fé gera real ressurreição.

1Coríntios 15:17 "E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados."
Uma frase constante no Novo Testamento: "à quem Deus ressuscitou dos mortos."
Romanos 6:
"1 Que diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?
2 De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?
3 Ou ainda não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?
4 De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
5 Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;
6 Sabendo isto, que o nosso homem velho foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado.
7 Porque aquele que está morto está justificado do pecado
8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos
9 Sabendo que, havendo Cristo ressuscitado dos mortos, já não morre: a morte não mais terá domínio sobre ele
10 Pois quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado, mas,quanto a viver, vive para Deus.
11..."

Colossensses 2:
"11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo da carne: a circuncisão de Cristo
12 Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos
13 E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas
14..."

1Pedro 3:
"20 Os quais noutro tempo foram rebeldes quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água:
21 Que também , como uma verdadeira figura, agora vos salva, batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo;
22 O qual está à destra de Deus, tendo subido ao céu: havendo-se-lhe sujeitado os anjos, e as autoridades e as potências."

Colossensses 3:
"1 Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus .
2 Pensai nas coisas que são de cima, e não nas coisas que são da terra;
3 Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus."

Romanos 8:
"11 E o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais pelo seu Espírito que em vós habita.
15 Porque não recebestes o espírito de escravidão para outra vez estardes em temor, mas recebestes o espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba Pai."

Romanos 10:
"8 Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos,
9 A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo

10 Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação
11 Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido
12 Porquanto não há diferença entre judeu e grego: porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam
13 Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo."

Ver: Romanos 10:8-13 + Atos 8:26-40 Felipe e o eunuco de Candace.

Romanos 7:6 "Mas agora estamos livres da lei, pois morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra."

Todo o capítulo 15 de 1Coríntios.
1Co 15:
"17 E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.
18 E também os que dormiram em Cristo estão perdidos."

Efésios
"1:20 Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos, e pondo-o à sua direita nos céus
2:6 E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus."

Colossensses 1:13 "O qual nos tirou da potestade das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor."

Efésios 6:12 "Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais."

1Pedro 1:3 "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo, dentre os mortos."

Sendo a morte de Cristo, sepultamento e ressurreição, significa que crendo Nele de todo o coração, não é o juízo de homem que autoriza ser batizado. Somente a justiça de Deus em Jesus Cristo que me dá o direito de ser batizado.

Quem ordenou esse direito sem qualquer outro julgamento foi o Senhor e Sua Palavra.
Se ocorre cerceamento desse direito, dessa graça, mesmo crendo, a porta dos céus – que é o próprio Senhor – ainda está fechada para mim, mas não por causa Dele, mas por causa dos juízes deste mundo, juízo de homem, juízes da minha fé. Pode isso? Julgar a fé e aquilo que ainda não aconteceu. Julgando por previsões de análises humanas.

Com esta breve observação, surge uma pergunta.

QUEM REALMENTE PARTICIPA INDIGNAMENTE DA MESA DO SENHOR?
-» O crente, novo convertido, orientado ou não, alega estar consciente que necessita, por exemplo, PRIMEIRO deixar de fumar e, só então, submeter-se ao batismo nas águas e participar, da Ceia do Senhor. E, não sendo batizado, também, a justificação está aguardando deliberação. Rm 6:7

Essa consciência da pessoa sempre é manifestada porque "alguém pregou" alguma coisa para ela.

Quando a pessoa, depois de assim estar conscientizada, julga-se e exclui-se da mesa da Ceia do Senhor, está ao mesmo tempo dizendo, conforme já vimos acima: que não tem condições de ser, ainda, chamada de irmão, porque se não participou do batismo que conseqüentemente desautoriza da Ceia, não faz parte do Corpo de Cristo.
Essa pessoa está à margem, mesmo crendo de todo o coração no Senhor e desejando ser santificada pelo Seu poder.

Aqui vem uma "flecha certeira":
Essa pessoa que está "do lado de fora" porque ainda fuma e não tem forças para ser liberta, mas, crê em Deus Pai e Jesus Cristo de todo coração, sinceramente, se o Senhor vier, será salva? CERTAMENTE QUE SIM.

Onde há argumento, então, para negar o batismo nas águas?
Não é "dentro" do Corpo de Cristo que sou santificado? Não é dentro do Corpo de Cristo que passo pelo processo de ser purificado? Mas me deixam do lado de fora!!! Que eu me vire!!!

-» Fraquezas? Quem mede a proporção delas de uma pessoa para outra? Quem pode julgar essas coisas? Homens naturais e falhos? Psicólogos da fé? Sábios conforme os homens?
-» Pessoa que não pode ser batizada porque ainda não é digna, está com contaminações. Oportunamente considerarei essa expressão: digno.

Agora, se a pessoa que foi batizada peca e se contamina, por conseqüência, o seu batismo foi inútil? Seria necessário novo batismo?
Os que estão dentro não podem alegar ignorância e o peso seria maior e, aquele que autorizou o batismo deveria "pagar junto" porque autorizou a batismo desse que pecou? Na análise e juízo que permitiu o batismo não foi possível identificar o futuro pecado?

Se é por entendimentos e julgamentos de homens que o Batismo nas Águas é autorizado, conforme a reta justiça, quando alguém pecar depois de ser batizado, aquele que autorizou deveria prestar contas do seu inadmissível erro.
Deveria ser tratado com a mesma severidade que usa para julgar os "candidatos" ao batismo.

Me diz: Quantos pecam mesmo depois do Batismo nas Águas? Sim, inclusive os líderes!
-» De um lado uns lançam juízo dos fatores externos, impedindo a entrada no Reino de Deus, entretanto, pelo outro lado, procede-se a juízos de fatores mais sérios, insondáveis e futuros, internos, íntimos, cerceando a entrada no Reino de Deus.
-» A Igreja do Senhor Jesus é a porta do Reino dos Céus na terra. Jesus diz no Evangelho de João 10:7 que Ele é a Porta. A Igreja é o Corpo de Cristo. Só que o Espírito Santo da Graça perdeu a posição de porteiro...não é mais por graça.

Situação: Pessoa chega diante do Senhor e diz que deseja ser Dele – crendo de todo o coração – a Porta está aberta (o Senhor conhece nossas fraquezas e limitações, conhece a verdade real dos corações).

O Senhor não faz nenhum outro juízo nessa hora. Ele diz: "Venha como está". ENTRE COMO ESTÁ. A pessoa está arrependida dos pecados e crê que Jesus Cristo é o Senhor e Salvador do mundo e da alma dela, entregando-se à Ele.
Se pode entrar pela Porta, que é o principal, como cercear o secundário? * Vou explicar melhor aqui, para entender a expressão secundário, pois está expressa no sentido de "segundo passo".
Por que segundo passo? Sim, segundo passo porque o Principal, o Senhor Jesus, já recebeu a pessoa, A PESSOA JÁ ENTROU PELA PORTA, agora é a vez de ser recebido no Corpo de Cristo, congregar-se. Mas aqui começa o problema.
Jesus abriu as portas, mas os homens levaram de volta até a soleira e disseram: "Não é bem assim...tem algumas condicionantes..." (Que terrível verdade, Deus tenha misericórdia de nós).

Creio que é inteligível a extensão dessa frase acima. Não só para este assunto que estamos conversando, mas tantos outros que esclarecem como é cerceada a entrada no Reino de Deus pela Porta da Graça, Jesus Cristo.
Uma coisa eu sei por entendimento, que naquele dia as ovelhas que Deus mandou para a Igreja, mas que estão amarradas do lado de fora, serão trocadas pelos que as amarraram.

O batismo nas águas, conforme a doutrina hoje, "recebe" a pessoa, integrando-a na comunhão da Igreja. Interessante essa expressão: Integrar.
Entretanto: Haverá uma prévia para ver se a pessoa tem condições de ser crente (esse é o ponto da loucura da sabedoria humana diante da sabedoria de Deus), se convém que ela seja integrada, se está apta (precisa ser aprovada) para ser alguém chamada de irmão, se pode participar da comunhão da mesa do Senhor. O candidato é submetido a um provão.

Aquele que Deus chamou, o homem transforma, dissimuladamente, em candidato.
Disso nascem os laços que fazem permanecer fora da porta.
É como se houvesse um porteiro na entrada. Porteiro que Deus não colocou. Certamente não é o Espírito Santo da Graça.

Com sutileza e um educado "ainda não decidi", dissimuladamente introduzido no entendimento das pessoas para parecer que elas é que resistem e que não é o impedimento da própria igreja, o mundo e seu príncipe ficam ganhando pontos.

Destaque 3: CERTIFICADO DO BATISMO NAS ÁGUAS.
E o Certificado (papel) do Batismo (!), recolhe, rasga, suspende o Certificado...
O Certificado (papel) do Batismo tem uma assinatura da vaidade do homem que nas entrelinhas quer dizer:
"eu autorizei o batismo de fulano de tal..."
Uma consideração específica aqui:

O CERTIFICADO DO BATISMO NAS ÁGUAS.
Vou fazer uma pausa e pegar o dicionário:
Certificado é: (particípio de certificar): contido em certidão; tido por certo; documento em que se certifica alguma coisa; documento de garantia, válido por um tempo determinado, contra defeitos de fabricação de alguns produtos mecânicos, elétricos etc; autenticado; diplomado; atestado; afirmado.
Certificar é: afirmar a certeza de; atestar; afirmar, asseverar.

. Qual o propósito real de um Certificado de Batismo?
. Qual o valor real de um Certificado de Batismo?
. Se o ato do batismo foi certificado , entende-se que o "documento" tem sua razão de existir. Não se redige documento sem finalidade, principalmente, assinado por um responsável.

. Aquele que assina o Certificado parece que se transforma em uma "poderosa autoridade" sobre o batismo, apesar de ser, simplesmente, um ato livre da graça que nos foi concedida. Ato que pode ser realizado durante uma viagem, a beira de uma estrada, onde tenha água, sem restrição de julgamento humano... No livro de Atos dos Apóstolos, capítulo 8, versículos de 26 até 40, vemos essa situação entre Filipe e o eunuco de Candace.

. Diante de Deus, qual o valor desse Certificado?

. Buscamos somente as coisas que têm valor real diante de Deus ou devemos nos alegrar com o que é de nenhum valor, nos alegrando com mentiras? Porque há pessoas que ficam envaidecidas quando recebem um Certificado de Batismo. Essa reação tem sua essência pelo ensino que recebeu. ..." óhh meu caro, você só terá o Certificado depois de Batizar...".

Percebe? A indução embutida? A pessoa candidata (terrível ter de escrever assim) ao Batismo, além de receber um ensino "desviado", começa considerar o Certificado como documento indisponível e indispensável, o motivo maior de seu batismo. Depois de receber o Certificado faz uma moldura e coloca na parede como prova de que: foi julgada pelos homens e aprovada. Nem a Bíblia consegue ter mais autoridade que o Certificado.

. Com essas coisas, somos edificados na rocha ou na areia?
. Nossa fé está ligada aos Certificados ou ao significado espiritual e sério do batismo?
. Para o gasto no material para produção de certificados, quantos pratos de comida é possível fazer e dar aos que precisam. Pessoa precisa da comida, não de Certificado de homens.
. Ensina-se a alegria do que é aparente, vaidades, ou a que é do Espírito?
Veio agora ao entendimento para ler Romanos 10:
"8 Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos,
9 a saber: Se, com a tua boca, confessares ao Senhor Jesus e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, serás salvo.
10 Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
11 Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.
12 Porquanto não há diferença entre judeu e grego, porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam.
13 Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo."

SERÁ SALVO. Meu coração estremeceu agora. Todo aquele que crê não será confundido.
Mas sabemos que a forma como as doutrinas tratam este assunto, é para trazer confusão na cabeça daquele que começou a crer e, a porta aberta para ele começa parecer difícil, tendo de ficar do lado de fora sem poder ter o direito de ser chamado de filho de Deus e nem de irmão!!! (Se chamam de irmão então mentem, tratam com falsidade, conforme interpretam e ensinam sobre o Batismo nas Águas)
Mais uma vez, isso é terrível diante da Palavra acima.
Que sabedoria é essa? De Deus? ...

-» O primeiro procedimento que a pessoa necessita ao entrar pelas portas da igreja é morrer para o mundo e, conforme a palavra de Deus, o batismo nas águas é isso. Não precisa ser aos olhos de uma multidão de pessoas, data especial, dia agendado etc etc, mas conforme a simplicidade, sinceridade, seriedade e responsabilidade. Certamente a festa nos Céus é que precisa existir, mesmo que seja uma pessoa só, num riacho nos confins deste mundo. Deus conhece essa pessoa.
O excessivo ritualismo amarra a liberdade da graça e simplicidade que há em Cristo.
Situação: Uma pessoa que é viciada em drogas, perdida, cheia de problemas e, próximo do último fôlego de vida, sem nenhuma outra pessoa junto à ela, clama o nome de Jesus Cristo, rogando a salvação de sua alma.

Jesus diria isso para a pessoa?
:"Veja bem, infelizmente não há tempo. Você não pode pertencer ao meu Reino porque não há tempo para avaliar se você abandonaria os erros de sua vida, se você seria liberta dos vícios, enfim, não sei se você seria um bom crente.
Você teria que fazer um curso para receber um Certificado confirmando o seu registro aqui no Céu de que foi aceita pela minha Igreja através do batismo nas águas, o que legitimaria a sua fé.
Sem o Certificado você não pode estar inscrito no livro da vida e, nem também participar da minha mesa. Apesar de estar escrito na carta de Paulo aos Romanos no capítulo dez, versículo treze (Rm 10:13) Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo...foi só uma força de expressão, não é bem assim e, o Filipe ter dito ao eunuco de Candace em Atos 8:37 que era lícito ser batizado se cresse de todo o coração, houve precipitação de sua parte."

JESUS JAMAIS DIRIA ISSO!
ENTÃO, POR QUE AS OVELHAS ESTÃO ESPERANDO FORA DO APRISCO PARA ENTRAR?

Vou ilustrar um diálogo de Jesus com os líderes da igreja:
. Jesus pergunta:
"Líderes da igreja, comprada pelo meu sangue, que multidão incontável é essa, incluindo também as crianças, que não participam da Santa Ceia, do meu Corpo, esperando para ter acesso à minha mesa?
A porta do Reino dos Céus está aberta, EU sou a Porta!!!
Mesmo sem forças, conforme a medida de cada coração, que só Eu e meu Pai conhecemos, vieram até a mim, eles crêem em mim. Há algo impedindo? Só o inimigo tenta tomar o que pertence à mim."

. Líderes respondem:
"Senhor, estamos fazendo um pré juízo dos que confessaram e estão confessando o teu nome e a fé que disseram ter em Ti, crendo de todo o coração que Tu és o Salvador e Senhor deles.

Pois bem, assim que os julgarmos, batizaremos nas águas e daremos legitimidade à fé que confessam, dando-lhes Certificado, para assim poderem participar da Santa Ceia , como irmãos, e entrar no Reino dos Céus, poupando dessa forma o Teu trabalho.
Tenha paciência Senhor, não seja tão liberal com essa graça.
Estamos fazendo ajustes necessários da Sua Graça conforme a igreja que entendemos que deve ser.
Mais uma vez...tenha paciência."

 

A exclusão das crianças do Batismo nas Águas e da Santa Ceia do Senhor.
Jesus Cristo faria isso na Casa e Mesa Dele?

Do assunto exposto surgirá, mais uma vez, a questão:
"Quem, realmente, participa indignamente da mesa do Senhor?"
Estava aguardando o momento para publicar a segunda parte do assunto Batismo nas Águas que implica o Velho Testamento, mas, fui movido para fazer um acréscimo ao que já foi exposto nas páginas anteriores, enfocando a exclusão das crianças do Batismo nas Águas e da Santa Ceia do Senhor.

Deus sabe das prioridades e por isso farei conforme a Sua vontade.

Vamos lá:
Uns ensinam que o Batismo nas Águas não salva, não liberta, não purifica e que é apenas um ritual que deve ser observado pelo crente verdadeiro, por tratar-se de ordem divina, meio pelo qual cada novo convertido é recebido na igreja.

Nesse entendimento já há confusão porque, primeiro Jesus disse que os da Nova Aliança não ficariam presos a rituais meramente formais. Se é só ritual é perda de tempo e dispensável. Mas esse mesmo ensino diz que é somente para o crente verdadeiro. Isso é conflitante, é confusão.

Prosseguindo no entendimento do que ensinam, alegam que, além disso, é o meio pelo qual o novo convertido é recebido na Igreja. Isso já foi conversado nas páginas anteriores, mas, ao mesmo tempo, diz que é só um ritual (nada sério) – mais uma vez, aqui há divergência.
Fica subentendido que a sua recepção na igreja depende do Batismo. Então, não é só ritual formal, tem de haver um motivo espiritual, além da entrada física na igreja! São figuras de coisas espirituais. Mais confusão!

É assim que a simplicidade de Cristo vai sendo perdida de vista, a sabedoria humana querendo administrar coisas espirituais e dizer o que Deus não disse.
Outro item constante em ensinos é que o Batismo é ministrado à pessoas convertidas, maiores de 12 anos, que prometam congregar regularmente, viver com toda obediência à Palavra de Deus, contribuir espontaneamente com seus dízimos e ofertas.

Santa Ceia

                A Santa Ceia é a cerimónia comemorativa da aliança que Deus fez com o homem através do sacrifício do Seu Filho Jesus Cristo. É a cerimonia mais importante dentro do cristianismo, não somente do ponto de vista espiritual, mas também físico. Por meio dela, há um fortalecimento físico e espiritual do corpo do Senhor Jesus, que é a Igreja. A sua importância é tão grande que o Senhor Jesus chegou a declarar:

“... Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem comer a minha carne e beber o meu sangue permanece em mim, e eu, nele.”  Jo 6.53-56

            O significado da carne do Senhor, representada pelo pão, diz respeito à Sua saúde física, que passa para os discípulos; e o significado do sangue, representado pelo vinho ou sumo de uva, é de fortalecimento espiritual. De modo que, quando o cristão se encontra enfraquecido física ou espiritualmente, devido às lutas diárias, é na Santa Ceia do Senhor que irá encontrar condições para continuar a perseverar na fé.
            É evidente que, para a pessoa que se diz cristã e apenas o é teoricamente, como tem sido usual, a participação na Santa Ceia trará uma maldição. O Espírito Santo, instruindo Paulo, disse: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, coma do pão, e beba do cálice; pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. Eis a razão por que há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem.” 1Co 11.28-30
            As pessoas precisam de ter o discernimento de que não podem participar de uma ceia, especialmente a do Senhor, se não fazem parte da família, onde se celebra tal ceia. Pode, por acaso, alguém que não tem dado a mínima atenção às Palavras do Senhor Jesus e até O rejeitado como Senhor e Salvador, sentar-se à mesa com Ele e participar da Sua carne e do Seu sangue?

            A Santa Ceia do Senhor Jesus é somente para aqueles que estão a viver em aliança com Ele e precisam de um reforço físico e espiritual, a fim de continuarem a testemunhar a Seu respeito. Por isso, ensinamos que a Ceia do Senhor é uma bênção ou uma maldição, dependendo de quem dela vai participar. Se a pessoa é realmente seguidora do Senhor Jesus, ainda que não seja perfeita na fé, tem o direito e o privilégio de participar e ser muito abençoada. Mas se a pessoa se diz cristão, porém divide a sua fé com outros deuses, ou com qualquer outra forma de culto aos deuses do mundo, não tem direito e nem deve insistir em participar da Ceia, porque esta lhe será uma maldição, já que: “... come e bebe juízo para si” 1Co 11.29