Início » Estudos » Estudos Bíblicos
Deus

 

O Senhor Deus

I. A EXISTÊNCIA DE DEUS.

A) Argumentos Naturalistas para a Existência de Deus:

1) Cosmológico.
Da palavra grega Kosmos, “mundo”. O universo é um efeito que exige uma causa adequada, e a única causa suficiente é Deus (Sl 19.1).

2) Teleológico
.
Da palavra grega Telos, “fim”. O universo não apenas prova a existência de um Criador, mas indica a existência de uma Planejador (Rm 1.18-20). Há um propósito observável no universo que indica a existência de Deus como seu planejador.

3) Antropológico.
Da palavra grega anthropos, “homem”. Já que o home é um ser moral e intelectual, deve ter um Criador que também seja moral e inteligente (At 17.29). A natureza moral, os instintos religiosos, a consciência e a natureza emocional do homem argumentam em favor da existência de Deus.

4) Ontológico.
Da palavra grega on, “existente, ser”. O homem tem a idéia inerente de um Ser Perfeito. Esta idéia naturalmente inclui o conceito de existência, já que um ser, em tudo mais perfeito, que não existisse, não seria tão perfeito quanto um ser perfeito que existisse. Portanto, visto que a idéia de existência está contida na idéia de um Ser Perfeito, esse Ser Perfeito deve necessariamente existir.

B) Argumentos Bíblicos para a Existência de Deus:
Os autores bíblicos tanto presumem quanto defendem a existência de Deus.

 

II. OS ATRIBUTOS DE DEUS.

A) Definição:
Um atributo é uma propriedade intrínseca ao seu sujeito, pela qual ele pode ser distinguido ou identificado.

B) Classificações:
A maioria dos sistemas de classificação dos atributos baseia-se no fato de que alguns deles pertencem exclusivamente a Deus (e.g., infinitude) e outros se encontram, de maneira limitada e num sentido relativo, também no homem (e.g., amor); assim, a terminologia dessas classificações inclui incomunicáveis e comunicáveis; absolutos e relativos; imanentes e transitivos; constitucionais e pessoais.

C) Descrição:
(Atributos absolutos, incomunicáveis ou constitucionais, números de 1 a 9)

1) Simplicidade:
A. Significado- Deus é incomplexo, não composto, indivisível.
B. Texto
- Jo 4.24. C. Problema - A Simplicidade de Deus invalida a doutrina da Trindade? Não, porque a simplicidade tem a ver com a essência de Deus, e a Trindade com a Sua subsistência.

2) Unidade:
A. Significado - Deus é bom.
B. Texto
- Dt 6.4

3) Infinitude:
A. Significado - Deus não tem término ou fim.
B. Texto
- 1Rs 8.27; At 17.24

4) Eternidade:
A. Significado - Deus não está sujeito à sucessão do tempo.
B. Texto
- Gn 21.33; Sl 90.2
C. Problema
- Seria o tempo irreal para Deus? Não, Ele reconhece a continuidade dos acontecimentos, mas todos os acontecimentos, passados, presentes e futuros, são igualmente vívido pra Ele.

5) Imutabilidade:
A. Significado - Deus é imutável em natureza e prática.
B. Texto
- Tg 1.17
C. Problema
- Será que Deus muda de idéia ou Se arrepende (Gn 6.6), como parece acontecer de nossa perspectiva; ou seria isto uma expressão do decreto permissivo de Deus? Ou uma maneira antropomórfica de descrever aparentes mudanças no curso dos acontecimentos?

6) Onipresença:
A. Significado - Deus está em todo lugar (não em todas as coisas, que é panteísmo).
B. Texto
- Sl 139.7-12

7) Soberania:
A. Significado - Deus é o governante supremo do universo.
B. Texto
- Ef 1

8) Onisciência:
A. Significado - Deus conhece todas as coisas, reais e possíveis.
B. Texto
- Mt 11.21

9) Onipotência:
A. Significado - Deus possui todo poder.
B. Texto
- Ap 19.6 (Atributos relativos, comunicáveis ou pessoais, Nm 10 a 14).

10) Justiça:
A. Significado - Equidade moral, imparcialidade no trato com Suas criaturas.
B. Texto -
At 17.31

11) Amor:
A. Significado - A busca divina do bem maior das criaturas na manifestação de Sua vontade. B. Texto - Ef 2.4,5

12) Verdade:
A. Significado - Concordância e coerência com tudo que é representado pelo próprio Deus.
B. Texto
- Jo 14.6

13) Liberdade:
A. Significado - Independência divina de Sua criaturas.
B. Texto
- Is 40.13,14

14) Santidade:
A. Significado - Retidão moral.
B. Texto
- 1Jo 1.5
III. OS NOMES DE DEUS

A. Nomes Primários do A.T.

1) Javé (Yahweh):
A. Significado - O Auto-Existente (de Ex 3.14, “Eu Sou o Que Sou”).
B. Características
- É o nome do relacionamento entre o verdadeiro Deus e Seu povo, e, quando usado, enfatiza a santidade de Deus, o Seu ódio pelo pecado e amor aos pecadores.

2) Elohim:
A. Significado - O Forte.
B. Características
- É uma palavra usada para o verdadeiro Deus e deuses pagãos. É um substantivo plural, o chamado plural majestático. O plural permite a revelação subseqüente da Trindade no N.T., mas não ensina a Trindade propriamente dita.

3) Adonai:
A. Significado - Senhor, Mestre.
B. Características
- Usado para homens de Deus, e indica o relacionamento senhor-servo,

B) Nomes Compostos do A.T.

1) com El:

A. El Elyon
- traduzido por Altíssimo (Is 14.13,14).
B. El Roi - O Forte que Vê (Gn 16.13).
C. El Shaddai - Deus Todo-Poderoso (Gn 17.1-20).
D. El Olam - O Eterno Deus (Is 40.28).

2) com Javé:

A. Javé Jireh
- O Senhor Proverá (Gn 22.13,14).
B. Javé Nissi - O senhor é minha bandeira (Ex 17.15).
C. Javé Shalom - O Senhor é paz (Jz 6.24).
D. Javé Sabbaoth - O Senhor dos Exércitos (1Sm 1.3).
E. Javé Maccadeshkem - O Senhor que te santifica (Ex 31.13).
F. Javé Raah - O Senhor é o meu Pastor (Sl 23.1).
G. Javé Tsidkenu - O Senhor justiça nossa (Jr 23.6).
H. Javé El Gmolah - O Senhor Deus da recompensa (Jr 51.56).
I. Javé Nakeh - O Senhor que fere (Ez 7.9).
J. Javé Shammah - O Senhor que está presente (Ez 48.35)
IV. O DECRETO DE DEUS

A) Definição:
 “O decreto de Deus é o Seu eterno propósito, segundo o conselho de sua própria vontade, pelo qual, para Sua própria glória, Ele preordenou tudo que acontece.”

B) Termos Relacionados:
-Onisciência - Conhecimento de todas as coisas, reais ou possíveis.
-Presciência - Conhecimento prévio de todas as coisas incluídas no curso real dos eventos.
-Predestinação - A determinação prévia do destino dos eleitos.
-Retribuição - Punição merecida aos ímpios.
-Eleição - A escolha de um povo por Deus para Si mesmo.
-Preterição - A omissão dos não-eleitos.

C) A Natureza do Decreto:
Há apenas um decreto, que envolve tudo, embora no desenrolar dos acontecimentos haja seqüência constante. Há, também, uma distinção conveniente entre decretos permissivos e diretivo.
O Decreto é todo-abrangente (Ef 1.11), embora Deus não tenha o mesmo relacionamento com todas as coisas nele contidas.
Nem todos os desejos de Deus estão necessariamente incorporados ao decreto.
Tudo que Deus decretou tem como fim último a Sua glória.
O mal não se torna bem simplesmente pelo fato de o pecado ter sido incluído como parte do propósito de Deus.

D) Objeções ao Decreto:
Não é coerente com a liberdade humana. (Todavia, todos os meios, como oração e testemunho, por exemplo, são parte do plano de Deus.)
O decreto torna Deus autor do pecado. (Embora Deus tenha incluído o pecado em Seu plano, Ele nunca é responsável pela prática do pecado.)
A doutrina do decreto é equivalente ao fatalismo. (O fatalismo enfatiza apenas os fins e faz do acaso, não de Deus, o poder governante.)
V. A TRINDADE

A) Definição:
Há apenas um Deus, mas, na unidade da Divindade, há três pessoas eternas e iguais entre si, idênticas em substância mas distinta em existência (ou subsistência).

B) Prova:
Indícios no A.T. - O A.T. não revela a Trindade mas dá lugar e indícios para uma revelação posterior. A. Passagens que usam a palavra plural Elohim e pronomes plurais para se referirem a Deus (Gn 1.1,26; Is 6.8). B. Passagens que falam do Anjo do Senhor (Gn 22.11, 15-16).
Confirmação no N.T. - No N.T. há revelação clara de que o Pai, Filho e Espírito são Deus; assim, uma Triunidade ou Trindade (nenhuma das duas palavras está na Bíblia). A. O Pai é Deus (Jo 6.27; Ef 4.6). B. Jesus Cristo é Deus (Hb 1.8). C. O Espírito é Deus (At 5.3,4). D. As três pessoas são igualmente associadas e apresentadas como um só ser (Mt 28.19, “nome”; 2Co 13.13).

VI. O PAI

A) Os relacionamentos do Pai:
Pai de toda a criação (At 17.29)
Pai da nação de Israel (Ex 4.22)
Pai do Senhor Jesus Cristo (Mt 3.17)
Pai dos crentes em Cristo (Gl 3.26)

B) As obras Especificas do Pai:
Autor do decreto (Sl 2.7-9)
Autor da eleição (Ef 1.3-6)
Comissionador e Enviador do Filho (Jo 3.16)
Disciplinador de Seus filhos (Hb 12.9)
Deus
A doutrina de Deus
A EXISTÊNCIA DE DEUS, OS TRIBUTOS DE DEUS, OS NOMES DE DEUS, O DECRETO DE DEUS. A TRINDADE, O PAI.

QUEM É DEUS?
Deus é Espírito, o Criador de todas as coisas. Criador do Universo, Criador dos homens, dos anjos, dos animais, de todos os elementos da Natureza, exemplos de água, ar e luz (Gn 1; Jo 4.24).

QUAIS OS ATRIBUTOS DE DEUS ?
Atributos são as qualidades inerentes a Deus, próprias dEle. Dividem-se em dois: atributos incomunicáveis, que não podem ser transferidos ao homem (ONIPRESENÇA, ONISCIÊNCIA, ONIPOTÊNCIA, INFINITUDE e IMUTABILIDADE); atributos comunicáveis, os que podem ser transferidos ao homem (AMOR, SANTIDADE, JUSTIÇA, VERDADE). (Êx 3.14; Pv 5.21; 15.3; At 15.17-18; Tg 1 17; Sl 139.1-12; 147.13-18).

COMO PROVAR A EXISTÊNCIA DE DEUS?
Conforme nos mostra Paulo em Rm. 1.20, todas as coisas criadas sejam seres animados ou inanimados e o próprio Universo, mostram que somente um ser superior poderia criar todas estas coisas. Ainda no Sl. 19. 1, o salmista declara que "Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra de suas mãos".

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CRIATURAS DE DEUS E FILHOS DE DEUS?
Deus é o Criador de todas as coisas, Criador dos homens e de tudo que há no Universo. Logo, os homens são CRIATURAS DE DEUS. Os homens somente passam à condição de FILHOS DE DEUS quando nascem de novo, ou seja, quando se arrependem de seus pecados e os deixam, crêem no Senhor Jesus e O aceitam como Senhor e Salvador: "Mas a todos os que O receberam, aqueles que crêem no Seu nome, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, filhos nascidos não do sangue, nem da vontade do homem, mas de Deus" (Jo 1.12-13; Mt 5.9; 5.45; Rm 8.14; 1 Jo 3.1).

QUAIS AS ALIANÇAS DE DEUS?
Aliança significa pacto, acordo, ajuste, concerto. Teologicamente, diz respeito a concerto entre Deus e o seu povo. O Antigo Testamento é chamado Antiga Aliança. E o Novo Testamento, Nova Aliança. O nosso Deus é Deus de alianças. Através delas, Ele, pelo seu imenso amor, nos dá a garantia de muitas bênçãos, se houver fé e obediência. A iniciativa do concerto sempre foi de Deus, que estabelece as condições. Vejamos:

CONCERTO COM ADÃO
A primeira aliança Deus fez com Adão e Eva, no Éden: deu-lhes a Terra e pleno domínio sobre os animais; deu-lhes fartura de alimento, abençoou-os e disse-lhes que deveriam frutificar e multiplicar. Mas estabeleceu condições: Não deveriam comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal. O princípio da obediência estava criado. Se comessem da árvore proibida, morreriam. Desobedeceram, quebraram a aliança, e experimentaram imediatamente a morte moral e espiritual, e, depois, a morte física. Convém lembrar que em todos os concertos há promessas de bênçãos, mas há a contrapartida da fé e fiel obediência. (Gênesis 1.27-30; 2.16-17; 3.2-20). Aliança adâmica ou edênica é como é conhecida a aliança com Adão.

CONCERTO COM NOÉ
Após o dilúvio, do qual se salvaram Noé e sua família, num total de oito pessoas (Gênesis 7.13), Deus falou: "Convosco estabeleço o meu concerto, que não será mais destruída toda carne pelas águas do dilúvio e que não haverá mais dilúvio para destruir a terra". Como sinal perpétuo dessa aliança Deus deixou o arco sobre as nuvens, conhecido como arco-íris. (Gênesis 9.11-17). Chamada aliança noética.

CONCERTO COM ABRAÃO
O concerto entre Deus e Abraão - aliança abraâmica - foi chamado "concerto perpétuo", porque extensivo às gerações vindouras e já apontando para o Reino Eterno de Cristo (Gênesis 17.7). Como parte da aliança Deus prometeu fazer de Abraão uma grande nação, e abençoar todas as famílias da terra através dele (Gn 12.2-3); dar a terra de Canaã aos seus descendentes, que seriam grandemente multiplicados: "E te farei frutificar grandissimamente e de ti farei nações, e reis sairão de ti" (Gn 12.7,15; 13.16; 15.5; 17.2,6,7,8,9). O concerto foi feito com Abrão, nome mudado por Deus para Abraão (pai da multidão) (Gn 17.39). Como parte da aliança, Abraão deveria circuncidar todos os machos, filhos e servos sob sua autoridade, como selo do conserto, e de aceitação de Deus como Senhor (Gn 17.10-14, 23). Deus prometeu estender a aliança a Isaque, o filho da promessa que iria nascer (Gn 17.16,19).

CONCERTO COM ISAQUE
Os termos da aliança foram renovados em Isaque: "Serei contigo e te abençoarei... multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus e darei à tua semente todas as terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra. Eu sou o Deus de Abraão, teu pai. Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua semente por amor de Abraão, meu servo" (Gn 26.2-5,24).

CONCERTO COM JACÓ
"Eu sou o SENHOR, o Deus de Abraão, teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em que estás deitado te darei a ti e à tua semente. E tua semente será como o pó da terra... e em ti serão benditas todas as famílias da terra" (Gn 28.13-14). As alianças de Deus com seu povo provam que Ele é fiel à sua palavra. Para recebermos as bênçãos prometidas, fé e obediência são indispensáveis.

CONCERTO COM OS ISRAELITAS
Passados uns três meses da saída do Egito, Deus falou ao seu povo através de Moisés, ao sopé do monte Sinal (Horebe), para, basicamente, renovar e relembrar os termos do concerto com Abraão, Isaque e Jacó: a) a terra de Canaã seria deles; b) Deus seria o único Deus de Israel; o povo assumiria o compromisso de guardar suas leis e mandamentos; c) seriam castigados em caso de desobediência (Êxodo 6.3-8; 19.4-6; 23.20-25). Uma promessa que deve ser guardada no coração: "Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos...vós me sereis reino sacerdotal e nação santa" (Êx 19.5-6). O pacto foi fechado quando o povo declarou: "Tudo o que o Senhor falou, faremos" (Êx 24.3). Deus requer de nós o firme propósito de acatarmos os termos de sua aliança. As leis que deveriam ser obedecidas eram a lei moral (aqui incluídos os Dez Mandamentos), a lei civil, a lei cerimonial.

RENOVAÇÃO DA ALIANÇA NAS PLANÍCIES DE MOABE
Antes da entrada na terra prometida, e após percorrerem o deserto durante 39 anos, os termos do concerto foram relembrados. A finalidade era de dar conhecimento das promessas divinas aos que nasceram durante a peregrinação, e fortalecer espiritualmente o povo para enfrentar o desafio conquistar a nova terra (Deuteronômio 4.44-26.19; 31.1-33.29). Os capítulos 27 e 28 tratam das maldições e das bênçãos decorrentes da rebeldia ou da obediência.

CONCERTO COM DAVI
O resultado mais imediato da aliança davídica foi o estabelecimento do reino do filho de Davi, Salomão, que deveria edificar um templo para o Senhor (2 Samuel 7.11-13); o reinado de Davi passaria aos seus descendentes: "Fiz aliança com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi: a tua descendência estabelecerei para sempre e edificarei o teu trono de geração em geração" (Salmos 89.3-4). A condição para o cumprimento dessas bênçãos seria a fiel obediência de Davi e de seus descendentes. A vinda de um Rei messiânico e eterno, da linhagem de Davi, estava implícito nesse concerto (Isaías 9.6-7). "Do trono de Jessé brotará um rebento, e das suas raízes um renovo frutificará (Isaías 11.1; Miquéias 5.2-4). Esse novo Rei seria chamado "O SENHOR, Justiça Nossa" (Jeremias 23.5-6).

A NOVA E ETERNA ALIANÇA EM Cristo
A promessa de uma nova aliança está em Jeremias 31.31-33: "Vêm dias, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá... porei a minha lei no seu interior, e as escreverei no seu coração. Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo." A nova aliança foi selada com o sangue de Jesus, com seu sacrifício voluntário, com sua morte expiatória: "Isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão de pecados" (Mateus 26.28). A nova aliança é superior à antiga: "Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de UM MELHOR CONCERTO, que está confirmado em melhores promessas" (Hebreus 8.6). E as melhores promessas são: os que se arrependem têm seus pecados totalmente perdoados (Hebreus 8.12); um novo coração e uma nova natureza recebem aqueles que verdadeiramente amam e obedecem a Deus (Ezequiel 11.19-20); são recebidos como filhos de Deus (Romanos 8.15-16); têm experiência maior em relação ao Espírito Santo (Joel 2.28; Atos 1.5,8).

Como vimos, de aliança em aliança Deus prosseguiu na execução do seu plano de salvação dos homens, sempre oferecendo novas oportunidades. A primeira manifestação desse plano está em Gênesis 3.15: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e o seu descendente; este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Para isso, "Deus mandou o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."(João 3.16). Já não é mais necessário sacrifício de animais para reparar nossas culpas, como no antigo concerto. O sangue do "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" manifestou-se por um ato único, perfeito e eficaz; o sacrifício voluntário de uma pessoa sem pecado - Jesus Cristo, que abriu o caminho da reconciliação do pecador com Deus.

DEUS TEM SETE ESPÍRITOS? QUAIS SÃO?
Em Apocalipse 3.1 lê-se: “E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas”. É evidente que Deus não possui sete Espíritos. Em algumas versões a palavra ESPÍRITOS está no singular e em minúsculas. Esta passagem não pode ser interpretada em sua forma literal. O Novo Comentário da Bíblia, volume II, Edições Vida Nova, registra o seguinte comentário de Kiddler: “Quando reconhecemos que o ‘sete’ em cada caso tem a idéia de unidade e integridade, ao invés de diversidade, de tal modo que devemos pensar dum só Espírito e de uma só Igreja, em vez dos sete Espíritos e das sete igrejas, então temos em vista uma possível solução... Os sete Espíritos e as sete estrelas desta forma significam o Espírito profético e o caráter celeste da Igreja, que o Espírito vivifica”.

QUEM EXISTE NO CÉU? NO LUGAR QUE DEUS ESTÁ?
O Céu é a habitação de Deus ( Pai, Filho e Espírito Santo), dos santos anjos e dos que morreram na fé em Cristo. Para lá irão também todos os crentes em Jesus, pois a Palavra diz: “Todo aquele que vive e crê em mim, nunca morrerá” (João 11.26). Jesus disse ao ladrão na cruz: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lucas 23.43). Paulo declara: “Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor” (Filipenses 1.23). Somos cidadãos do Céu. A Terra é uma morada provisória. Nossa verdadeira cidadania está no Céu (1 Pedro 2.11). Embora ainda estejamos nesta vida terrena, temos estreita ligação com o Céu, nossa última morada: conversamos diariamente com nosso Pai; nossos nomes estão escritos nos livros do Céu; somos protegidos pelos anjos de Deus; o Espírito Santo está em nós; somos o Corpo de Cristo; Cristo nos outorgou poderes para fazermos as mesmas obras que Ele fez na Terra; nossos atos são regulados segundo o padrão da Palavra de Deus; somos filhos de Deus, “e, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” (Romanos 8.17).

COMO ENTENDER O JULGAMENTO DE DEUS?
Seremos julgados e/ou justificados (salvos) somente por Deus?
Rm 8:33: "É Deus quem os justifica".
Ef 2:8-9: "É pela graça que sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é Dom de Deus - não das obras, paraque ninguém se glorie.
RESPOSTA:
É claro que somente Deus pode julgar. Jesus é o Justo Juiz que julgará com justiça (Atos 10.42). Veja o exemplo de um rio: é preciso que exista o leito (a fé) para a água fluir (a graça).
somente pela fé?
Rm 3:20-28:"Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei (...) pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados gratuitamente pela sua graça (...) concluímos pois que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei".
Gl 2:16: "Sabemos que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei, porque pelas obras da lei ninguém será justificado".
RESPOSTA:
A fé é indispensável: Quem nEle crê [em Jesus] não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porque não crê no unigênito Filho de Deus (Jo 3.18).
Somente pelas obras?
Rm 2:6: "Deus recompensará a cada um segundo as suas obras".
Pela fé e pelas nossas obras?
Tg 2:24,26: "Vedes então que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé (...) Assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem as obras é morta".
RESPOSTA:
As más obras revelam uma vida não regenerada por Jesus Cristo. Logo, as obras revelam a fé, porque a fé sem obras é inoperante (Tg 2.14,17, 20). Ademais somos salvos para as boas obras (Ef 2.10). Não valem para a salvação as obras não decorrentes da fé no Senhor Jesus, fé que compreende reconhecer Sua divindade, morte e ressurreição. É por isso que Efésios 2.8 diz que ninguém compra sua salvação com seu próprio esforço (obras). A fé salvífica que produz salvação leva ao arrependimento, que leva ao perdão, que leva à salvação.
Ou pelos caminhos?
Ez 7:3... "te julgarei conforme os teus caminhos ..."
Ez 7:27: "Conforme o seu caminho lhes farei, e com os seus próprios juízos os julgarei".
Ez 18:30: "Portanto, eu vos julgarei, a cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor Deus".
RESPOSTA:
O homem tem o livre-arbítrio para escolher o caminho bom ou mau. O bom caminho temor a Deus, obediência à Sua palavra, etc,- o levará à Vida Eterna. O outro, à morte eterna. De acordo com o caminho escolhido, será o homem julgado.
Ou pelo proceder e pelo mérito das obras?
Jr 17:10 "Eu sou o Senhor que esquadrinho o coração, e que sondo os afetos; eu dou a cada um segundo o seu proceder, e segundo o mérito das suas obras".
RESPOSTA:
As boas obras são as que se originam no coração do homem temente a Deus e crente no Senhor Jesus. A Deus ninguém engana porque Ele esquadrinha o coração. Às vezes o homem pensa que está operando boas obras, mas Deus diz: Enganoso é o coração... (Jr 17.9).
Ademais, não devemos nos preocupar sobre o nosso julgamento porque, como disse, o Justo Juiz julgará com justiça. Cabe a Ele sopesar o mérito ou demérito. É SÓ CRER EM JESUS CRISTO; ACEITÁ-LO COMO SENHOR E SALVADOR; DEIXAR OS PECADOS, E DORMIR TRANQÜILO. Não devemos ficar ansiosos quanto ao nosso julgamento. O justo viverá pela fé. A verdade é que as obras isoladas não salvam. Fosse assim, um ateu caridoso iria para o céu.
COMO COMPREENDER O ARREPENDIMENTO DE DEUS?
Deus nunca muda de idéia nem se arrepende do que faz?
(Ml 3:6) "Eu, o Senhor, não mudo. (Nm 23:19) Deus não é homem para que minta, nem filho do homem para que se arrependa. (1Sm 15:29) Aquele que é a Glória de Israel não mente nem se arrepende; pois não é homem para que se arrependa...".
Volta atrás e se arrepende?
(Êx 32:14) "Então o Senhor se arrependeu do mal que dissera havia de fazer ao seu povo. (Gn 6:6-7) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e isso lhe pesou no coração (...) pois me arrependo de os haver feito. (Jn 3:10) Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez. (2Rs 20:1-7) Ezequias adoeceu e o profeta Isaías disse: Assim diz o Senhor: Põe a tua casa em ordem, porque morrerás e não viverás. Ezequias orou ao Senhor e chorou muitíssimo. Então o Senhor fez Isaías voltar e falar para Ezequias que tinha ouvido as orações e o curou"
(Gn 18:23-33) Abraão consegue convencer a Deus que não deveria destruir a cidade de Sodoma se lá encontrasse pelo menos 10 justos. No início todos seriam destruídos, justos e ímpios, mas com a interferência de Abraão, que demonstrou ser um excelente argumentador, o Senhor amoleceu o coração e passou a ser mais condescendente. Dos 50 justos que havia falado anteriormente, se conformou em procurar apenas dez.
RESPOSTA:
De fato, na Sua essência, Deus não muda. Deus perfeitíssimo não poderia melhorar a Sua perfeição ou piorá-la. O que mudam são as circunstâncias. Com o vento soprando em uma única direção o navegador poderá mudar a direção do seu barco, para a esquerda ou para direita, dependendo da posição que toma. Uma casa não muda de lugar, mas podemos dizer que ela está ora à esquerda, ora à direita, dependendo da posição de quem a observa. É grosseira a comparação, mas auxilia na compreensão da natureza de Deus, no caso sob comentário. Em todos os casos sob análise o que mudou não foi Deus, mas as circunstâncias mudaram. Às vezes o arrepender-se de Deus é sinônimo de tristeza, como no caso da criação do homem (Gn 6). Após criar o homem, Deus disse que tudo que tinha feito era muito bom (Gn 1.31). Depois da queda, o homem mudou, as circunstâncias mudaram, e Deus se entristeceu da lastimável situação de sua criatura. Deus é Justiça e Misericórdia. A intercessão de Abraão, no caso da destruição de Sodoma e Gomorra, moveu a misericórdia de Deus. O clamor do rei Ezequias moveu a misericórdia de Deus. O clamor de Moisés moveu a misericórdia de Deus e todos não foram eliminados no caso do bezerro de ouro. A intercessão de Jonas, o arrependimento e jejum dos ninivitas mudaram as circunstâncias, então houve mudança da atitude de Deus com relação àquela cidade (Livro de Jonas). Da mesma forma, hoje acontece a mesma coisa. Todos os homens estão sob condenação eterna, porque todos pecaram e destituídos estão da salvação (Rm 3.23). Todavia, se houver arrependimento e séria intenção de deixar o pecado; se houver fé no Senhor Jesus, na Sua morte e ressurreição, ou seja, mudadas as circunstâncias, muda a atitude de Deus, e o homem será salvo. O princípio é este: mudando as circunstâncias, Deus poderá mudar suas atitudes. Lembremo-nos de que Deus é soberano na Sua vontade. Uma casa é um bem imóvel, mas ela poderá nos abrigar dependendo do lado em que estejamos. Dentro dela é o melhor lugar. A mesma coisa não ocorre se estivermos em cima dela ou do lado direito, esquerdo, na frente ou detrás. Estes esclarecimentos são apenas uma ajuda para quem está em dificuldade de compreender como Deus age em determinadas circunstâncias. A verdade é que nunca iremos compreender plenamente os mistérios de Deus e Sua natureza, mas sabemos que Ele é bom e nos ama, e está sempre pronto a socorrer-nos em nossas dificuldades. Todavia, veja o que Ele diz: SE O MEU POVO, QUE SE CHAMA PELO MEU NOME, SE HUMILHAR, E ORAR E BUSCAR A MINHA FACE, E SE CONVERTER DOS SEUS MAUS CAMINHOS, ENTÃO EU OUVIREI DOS CÉUS, E PERDOAREI OS SEUS PECADOS, E SARAREI A SUA TERRA (2 Cr 7.14).

O QUE É COMO SE MANIFESTA O REINO DE DEUS?
O REINO DE DEUS é a manifestação do poder de Deus aqui na Terra. Jesus disse: "Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, é conseguintemente chegado a vós o Reino de Deus" (Mateus 12.28). Não é um reino vinculado ao domínio social ou político sobre as nações ou reinos deste mundo, que continuará inimigo de Deus e do seu povo. Somente na plenitude dos tempos é que o Reino de Deus se manifestará com força e com juízo. Os milagres, as curas, a renovação espiritual (novo nascimento) são manifestações do Reino, algumas visíveis, outras invisíveis aos nossos olhos. Somos soldados desse Reino; somos participantes desse Reino. A condição para entrar nesse reino é: "Arrependei-vos e crede no evangelho" (Marcos 1.15). O Reino de Deus está na Terra para destruir as obras do diabo (Lucas 4.18). A máxima evidência de que pertencemos a esse Reino é termos uma vida de justiça, paz, e alegria no Espírito Santo, com o que somos luz do mundo e sal da terra e damos testemunho, como nosso exemplo, das nossa fé no Senhor Jesus, fé obediente. Assim, o Reino de Deus está em nós e nós estamos nele. Mas para entrarmos nesse Reino é preciso um esforço. Precisamos romper com o pecado, com os prazeres mundanos, com as práticas pecaminosas, e exercer pleno domínio sobre os desejos da carne (Mateus 11.12). Os participantes desse Reino possuem uma procuração passada por Jesus, com poderes plenos para, em Seu nome, destruir as obras de Satanás (Marcos 16.17-18).

CRENTE PRECISA CUMPRIR A ORDENANÇA DA CIRCUNCISÃO?
A circuncisão fez parte da aliança abrâmica, expressa na seguinte ordenança: "Este é o meu concerto, que guardareis entre mim e vós e a tua semente depois de ti: Que todo macho será circuncidado. E circundareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal do concerto entre mim e vós. O filho de oito dias, pois, será circuncidado..." (Gn 17.10-12).

A circuncisão era um sinal que indicava a aceitação aos termos do concerto e a submissão a Deus. Era, em última análise, um ato de fé, pela qual recebiam a justiça divina (Gn 15.6,17.14).
No tempo presente, estamos sob os auspícios de uma nova aliança: "Vêm dias, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá... porei a minha lei no seu interior, e as escreverei no seu coração. Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo" (Jr 31.31,32).

A nova aliança foi selada com o sangue de Jesus, com seu sacrifício voluntário, com sua morte expiatória: "Isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão de pecados" (Mt 26.28). A nova aliança é superior à antiga: "Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de UM MELHOR CONCERTO, que está confirmado em melhores promessas; porque, se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo; estabelecerei um novo concerto com a casa de Israel e com a casa de Judá, não segundo o concerto que fiz com seus pais...; dizendo novo concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho e se envelhece perto está de acabar" (Hb 8.6,7,8,9,13).

A novidade do novo concerto é a graça que é concedida à pessoa que se arrepende do pecado e crê em Cristo como Senhor e Salvador (At 2.38; Ef 2.8), tenha cumprido a circuncisão ou não. Foi esta a conclusão a que chegaram Paulo, Barnabé, Pedro, Tiago e outros discípulos reunidos em assembléia, em Jerusalém, para decidirem se os gentios convertidos deveriam ser circuncidados, como imaginavam os judeus. Segundo estes, o cumprimento do rito mosaico era indispensável à salvação.

A carta com a decisão tomada por apóstolos e anciãos foi enviada "aos irmãos dentre os gentios [incircuncisos] que estão em Antioquia, Síria e Cilícia", nos seguintes termos: "Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras e transtornaram a vossa alma, pareceu-nos por bem, reunidos concordemente, eleger alguns varões e enviá-los com os nossos amados Barnabé e Paulo...Na verdade PARECEU BEM AO ESPÍRITO SANTO e a nós não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação..." (At 15.1-31). Nota-se que o Espírito Santo dirigiu os trabalhos dessa conferência, guiando os apóstolos a tomarem decisão de acordo com a vontade de Deus.

Então, por que Paulo permitiu que Timóteo fosse circuncidado embora sabendo que a circuncisão não era necessária à salvação (At 16.1-3)? Pode ter sido para facilitar a evangelização entre os judeus: "Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei" (1 Co 9.20). Quaisquer que sejam os motivos, o ato isolado de Paulo não anula a decisão tomada em assembléia, sob a direção do Espírito Santo.

Jesus, sendo judeu, cumpriu a circuncisão. Como justificar? Jesus nasceu sob a égide da antiga aliança e das cerimônias judaicas. Exemplo: foi batizado no batismo de arrependimento de João Batista; foi apresentado ao Senhor, com a oferta de "um par de rolas ou dois pombinhos", conforme Levíticos 12.8, e celebrava a páscoa dos judeus (Mt 26.17-20). Mas, depois do estabelecimento da Nova Aliança no Seu sangue, que nos trouxe as Boas Novas da salvação pela graça e pela fé, não estamos obrigados ao cumprimento de tais ordenanças. No novo pacto em Cristo, recebemos uma circuncisão espiritual que remove o velho homem e nos afasta do pecado. A circuncisão - retirada de parte do prepúcio - simbolizava o relacionamento dos israelitas com Deus e o afastamento do pecado. Em Jesus, somos novas criaturas; "as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo" (1 Co 5.17).

A luta de Paulo no combate à circuncisão como indispensável à salvação continuou por muito tempo. Falsos mestres tentavam impor o fardo da circuncisão que em Cristo é completamente dispensável. Vejamos:

Depois de ensinar a inutilidade da circuncisão e realçar o valor do cumprimento da lei, Paulo diz que a verdadeira circuncisão é a do coração, no espírito, não na letra..." (Rm 2.25-29). Mais adiante declara que "o pecado não terá domínio sobre vós, porque não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça" (Rm 6.14). Ora, se desejarmos obter salvação pelo cumprimento da lei, estaremos perdidos. "Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais outro, daquele que ressurgiu dentre os mortos, a fim de darmos fruto para Deus" (Rm 7.14).

Na primeira carta aos coríntios Paulo aperta o cerco contra os adeptos da circuncisão como forma de alcançar graça. Vejam:
"Foi alguém chamado, estando circuncidado? Fique circuncidado. Foi alguém chamado estando incircuncidado? NÃO SE CIRCUNDE". Declara, ainda, que circuncisão e incircuncisão para nada servem no novo pacto, mas muito vale a "observância dos mandamentos de Deus"; de forma clara e inequívoca ensina que "cada um permaneça na situação em que estava quando foi chamado" (1 Co 7.18-22).
Paulo adverte duramente os irmãos em Gálatas, dizendo que não estamos mais sob o jugo da escravidão, pois Cristo nos libertou; aquele que se deixa circuncidar está fora da graça de Cristo; que circuncisão nada vale, mas o que importa é a fé operada no amor; diz que "toda a lei se cumpre numa só palavra: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (Gl 5.1-15). Mais adiante declara sem rodeios: "Em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum, mas sim ser uma nova criatura" (Gl 6.15).

Os colossenses são advertidos de que "foram circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo" (Cl 2.11). Os filipenses também receberam a devida orientação (Fp 3.2,3).

As Boas Novas invalidam a totalidade das Escrituras do Antigo Testamento? "Estabelecido o novo concerto em Cristo, o antigo concerto se tornou obsoleto (Hb 8.13). Não obstante, o novo concerto não invalida a totalidade das Escrituras do AT, mas apenas as do pacto mosaico, pelo qual a salvação era obtida mediante a obediência à Lei e ao seu sistema de sacrifícios. O AT não está abolido; boa parte da sua revelação aponta para Cristo, e por ser a inspirada Palavra de Deus, é útil para ensinar, repreender, corrigir e instruir na retidão" (Bíblia de Estudo Pentecostal).

Concluindo, os cristãos não estão sujeitos ao ritual da circuncisão, salvo se por necessidade terapêutica.

Prefácio

Só é preciso o período de uma geração para haver um desvio doutrinário de um povo. Uma geração que não conhecera a José passou a perseguir o povo de Israel. Uma mudança que iniciou a ruína do Egito. Assim concluímos a necessidade da reiteração e confirmação da doutrina em cada geração. Uma verdade se pisada levantar-se-á outra vez, mas somente à medida que ela é conhecida e crida por homens de convicção e coragem de sua proclamação. Por este motivo o Apóstolo Paulo disse a seu aluno Timóteo: "E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros". 2 Timóteo 2:2. Assim como cada geração deve ser evangelizada, ela precisa também ser doutrinada.
O Pastor C. D. Cole por intermédio deste livro, transmite ao povo de Deus uma valiosa mensagem, produto de horas de dedicação à causa. Ele chama nossa atenção a um estudo nas Escrituras da Pessoa, natureza e dos gloriosos atributos de nosso grandioso Deus. O autor sabiamente diz que o fundamento da verdadeira religião deve ter os pensamentos próprios a respeito de Deus... O homem que pensa certo de Deus não poderá errar muito em seus pensamentos sobre as outras coisas. Mil males brotam de conceitos errôneos a respeita de Deus. A tendência atual é enfatizar as doutrinas que tratam do homem. A psicologia e sociologia são mais populares que a teologia. Expressões atuais como: "Competência da alma humana", "Pensamento criativo", "Dignidade do homem", "O valor da personalidade humana", e "Construindo um novo mundo" indicam uma tendência de magnificar o homem e de diminuir Deus no pensamento e atividade religiosa.
A pequena noção que uns têm de Deus faz com que estes se tornem simplesmente apologistas de Deus. Eles falam do desejo de Deus em fazer isto ou aquilo, dando vez a Deus ou permitindo que Sua vontade seja efetuada. O homem torna-se assim o soberano e Deus por sua vez o suplicante. Ouvi certo pregador dizer com voz de simpatia: "Sinto pena de Deus"; enquanto suplicava a sua congregação em favor de Deus. Queridos irmãos, estudem este livro, leiam as referências bíblicas, absorvam a mensagem deste livro e nunca terão pena de Deus. Ele revela-Se como apto a cuidar de Si mesmo. Tenha então pena, não de Deus, mas dos que desconsideram Seu poder, resistem à Sua vontade e diminuem Sua soberania universal.
As profundezas de Deus como demonstradas neste livro, não são vistas pela mente natural e raramente são discernidas pelo crente que estuda superficialmente sua Bíblia. A notável massa das doutrinas de nossa fé encontra-se submergida, como os dois terços dum "iceberg", abaixo da superfície da meditação e apreciação popular. Os missionários têm sido exaltados pelos congressistas por terem criado um clima de boa vontade para com os Estados Unidos entre países estrangeiros, mas seus olhos estão cegos ao eterno propósito de Deus de visitar o gentio, para tirar deles um povo para o Seu nome. Cinco mil que provaram dos pães e peixes queriam fazer de Jesus seu rei, mas somente doze permaneceram para ouvi-lO pregar acerca da eleição, do chamado eficaz e da soberania de Deus. Para as mentes preguiçosas que procuram material já mastigado e sermões de popularidade, este livro terá pouco apelo, mas aos que desejam um conhecimento mais profundo de seu Deus, este livro valerá seu peso em ouro. Meu coração se alegrou, minha alma se regozijou e meu ser bendisse ao Senhor enquanto lia o manuscrito desta obra. Que maravilhoso Deus é este nosso Deus!

 

Tal conceito de Deus, como revelado neste livro, promoverá humildade e reverência em nosso louvor. Reverência que a música, a arte, e efeitos visuais e psicológicos jamais conhecerão. O orgulho será dissipado assim como o formalismo e o ritualismo de nossas igrejas. O efeito de tal noção colocará o pregador sobre a terra firme da segurança e o salvará do desespero quando o resultado de seus trabalhos parecer nulo, pois tal conceito de Deus fará com que tudo seja confiado aos eternos propósitos de Deus. Conceito como este será uma proteção aos métodos que usamos na evangelização. A tensão espiritual será atenuada em nossas atividades religiosas. O triunfo será colocado em nossos corações e diremos como o Apóstolo Paulo: "Que diremos, pois, se Deus é por nós, quem será contra nós"?
Aos santos em toda a parte e principalmente aos meus irmãos Batistas, eu recomendo este livro. Que Deus o use para abençoar e fortalecer nosso povo na "fé uma vez nos entregue".

 

PREFÁCIO DO AUTOR
O autor deste livro reivindica ter uma só qualificação ao oferecer este seu trabalho de teologia: seu amor pelo assunto. Qualquer homem que censure a doutrina, como inútil ou desinteressante não poderá ser qualificado para tratar com os ensinos da Bíblia. Uma pessoa que fala das doutrinas solenes com um tom de escárnio, desqualifica-se imediatamente como professor das Escrituras. Aquele que põe as Escrituras no plano da razão humana e as torce aos desejos de sua própria razão não merece lugar nos púlpitos cristãos.
Há mais de vinte anos atrás o autor apresentou à sua igreja e em diversos institutos bíblicos, preleções sobre os atributos divinos. Mais tarde, ele ensinou teologia a diversos pastores na qual incluiu várias palestras sobre o assunto. Ainda mais tarde escreveu vários artigos num jornal religioso (Florida Baptist Witness) sob o título de "Definição de Doutrinas". Este será o título que será dado à sua obra a ser publicada em volumes. O primeiro terá o título: "DOUTRINA DE DEUS", tema como nenhum outro para estudo e meditação.
Bacon diz que certos livros devem ser provados, outros engolidos e ainda outros devem ser mastigados e digeridos. Aquele que prova o livro poderá não gostar, ou talvez não seja prudente engoli-lo; mas aquele que mastiga e digere, será fortalecido na fé pelas revelações da grandeza de nosso Deus.

O Ser de Deus

Não temos a intenção de fazer laboriosos e elaborados argumentos para a existência de Deus. Começamos onde a Bíblia começa. A Bíblia toma por certo a existência de Deus e supomos que o leitor fará o mesmo. Existem tantas provas de Sua existência que a Bíblia não tenta prová-la. Existe o testemunho exterior da natureza: "Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra de suas mãos". Salmos 19:1. Ouve-se a voz destas testemunhas em todas as línguas e em todos os lugares. É verdade que em tempos passados Deus deixou que as nações andassem em suas próprias maneiras. Atos 14:16. Sua graça não operou na salvação delas, mas ao mesmo tempo, Ele não deixou sem testemunha, fazendo o bem, dando-lhes a chuva e as estações produtivas. Atos 14:17. Seu eterno poder e divindade são claramente vistos nas coisas visíveis que Ele criou (Romanos 1:20).
Existe também o testemunho interno da consciência: "Porque, quando os gentios, que não têm a lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmo são lei; os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os". (Romanos 2:14-15). A natureza e a consciência proclamam em voz alta a existência do verdadeiro Deus vivo. Portanto, por motivos práticos não há necessidade de se provar a existência de Deus.

 

A ALMA SENTE DEUS
Um homem certa vez tentou zombar da idéia de Deus. Ele perguntou a seu vizinho crente se ele já havia visto Deus. O crente admitiu que não. Em seguida perguntou se ele havia ouvido a voz de Deus, ou sentido o gosto de Deus, ou mesmo o cheiro de Deus. O crente admitiu que ele nunca tinha percebido Deus através dos sentidos físicos. Em seguida o crente fechou a boca do ateu perguntando se ele já havia contado uma mentira. Quando admitiu que sim, o crente perguntou que sensação tal ato havia deixado. O ateu admitiu que fora uma sensação de culpa e desconforto. Esta sensação era o testemunho da consciência dizendo-lhe que Deus existia, o Doador da lei moral, a quem ele teria que prestar contas. O motivo de um homem pagar ou prestar serviço a um outro a quem ele ofendeu é aplacar a um Deus ofendido. Todo homem sente Deus a não ser que sua consciência tenha sido cauterizada. O ateu é o louco educado. Não há ateus teóricos entre os pagãos. Não existe ateu entre os demônios; eles crêem e estremecem. Tiago 2:19.

 

O PECADO SE ORIGINOU NAS AFEIÇÕES
As Escrituras não raciocinam com os ateus, porém os reprovam: "O néscio diz em seu coração, não há Deus". Salmos 19:1. O erro não jaz tanto no entendimento quanto no coração. O ateu teórico (o homem que nega a existência de Deus) faz com que sua mente concorde com o coração. É um caso onde o desejo guia o pensamento. Enquanto no mundo existem poucos ateus teóricos, todo homem no seu estado natural e decaído é um ateu na prática: ele não quer um Deus verdadeiro. O néscio no Salmo 14:1-3 é o néscio típico; ele representa todo homem que não é convertido. No texto o plural é usado: "Eles são corruptos, eles praticam obras más, não há quem faça o bem." O pecado originou-se nas afeições ou desejos, e a obscuridade do entendimento é produto da punição divina. "E como eles não se importaram em ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem as coisas que não convêm". Romanos 1:28. O verdadeiro Deus, quando conhecido, não era o Deus que os homens queriam. Quando os homens conheceram a Deus, "eles não O glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram e o seu coração insensato se obscureceu". Romanos 1:21.

 

DEVOLUÇÃO MORAL
A verdadeira evolução, moralmente, leva em conta o pecado, e é o desenvolvimento da natureza humana que despreza a Deus. Por isso chamamos de devolução moral. A progressão do pecado nos é dado em Rm 1:18-32. Primeiramente, os homens suprimiram ou abafaram a verdade a respeito de Deus. Eles tinham a verdade concernente a Deus no livro da própria natureza. Seu poder eterno e Sua divindade foram claramente revelados nas coisas que fizera, mas os homens não gostaram desta verdade. Eles viraram as costas às revelações e se tornaram a seus próprios entendimentos. Em segundo lugar eles mudaram a verdade a respeito de Deus em mentira, e fizeram imagens e representações de Deus na forma do homem, de pássaros e de bestas feras. Temos o Apolo dos gregos, a águia dos romanos, o boi dos egípcios e a serpente dos assírios. Os homens conheceram a Deus, mas recusaram-se adorá-lO, e a idolatria seguiu por necessidade psicológica. E em terceiro lugar, a idolatria foi seguida pela sensualidade. Deus os entregou às suas impurezas e vis afeições. Ele negou Sua graça remidora e deixou a natureza humana seguir seu curso de imoralidade. Os últimos versículos do primeiro capítulo de Romanos descrevem as coisas que homens e mulheres farão quando entregues às suas próprias concupiscências. Eles não somente fazem estas coisas, mas desejam que outros as façam também (versículo 32). O ponto mais baixo da depravação do homem é quando ele se alegra em ver os outros pecarem.

 

NÃO HÁ LUZ SALVADORA NA NATUREZA
As testemunhas de Deus na natureza não fazem parte da luz do Evangelho. Estas testemunhas são suficientes para deixarem o homem sem desculpa, mas não são eficazes como meio de salvação. Elas são suficientes para o homem reconhecer que é pecador, mas não dizem nada do Salvador. Uma maior revelação é necessária antes que o homem possa conhecê-lO no perdão do pecado. E esta revelação maior é a Palavra Escrita como testemunha ao Verbo encarnado, Jesus Cristo, pelo conhecimento de Quem muitos serão justificados. Isaías 53:11.

 

O HOMEM É UM SER RELIGIOSO
O homem é por natureza um ser religioso. Por treinamentos, fora da Bíblia e à parte do novo nascimento, ele se tornará um ateu ou idólatra. Isso é o melhor que a educação ‘a parte da graça de Deus fará. Uma mera religião cultural desafia a humanidade, nega a queda do homem e fala somente da tendência de elevação. É esta a religião do evolucionista. O deus do sensual são seus próprios desejos. Sua única regra de conduta são os desejos de uma natureza depravada. Filipenses 3:19. Esta é a religião dos homens de negócios que não conhecem a Deus e dos ébrios e libertinos.
Inventar um deus na imaginação é tão ruim quanto criar um deus com as mãos. A velha forma de religião fazia seus deuses com as mãos, a nova forma com os pensamentos, guardando-os na mente idólatra. O Deus desconhecido continua sendo o verdadeiro Deus. Os atenienses do tempo de Paulo tinham altares a seus deuses e em seu zelo tinham um para o Deus desconhecido. O Deus desconhecido é o Deus sobre Quem Paulo lhes falou. O verdadeiro Deus lhes era desconhecido.
O propósito das seguintes páginas é de apresentar o Deus da Bíblia em Sua natureza e perfeições pessoais. O leitor é convidado a provar o que aqui se escreve com o que é revelado nas Sagradas Escrituras. E que o Espírito da verdade nos guie à verdade!

Natureza de Deus ou seu Modo de Ser

Quem é Deus? O que constitui a natureza divina? Qual é o modo de ser de Deus? Estas perguntas nos levam à sarça ardente e à terra santa. Nós devemos caminhar suavemente, andar humildemente e evitar suposições. Mas podemos ir até onde a revelação divina for.
Existe realmente uma natureza divina. Com a palavra "natureza" indicamos as características que diferenciam um ser dos demais. Falamos, portanto, da natureza angélica, da natureza humana e da natureza das bestas feras. A possibilidade de falarmos da natureza de Deus foi sugerida pelo apóstolo Paulo quando disse que os gálatas, antes de serem convertidos, serviam aqueles que por natureza não eram deuses. Gálatas 4:8. Isto claramente implica a existência de alguém que por natureza é Deus.

 

DEUS É UM SER PESSOAL
A pessoa de Deus é bem distinta do panteísmo, que diz que tudo o que é agregado é Deus. Deus é tudo e tudo é Deus. Como um ser pessoal, Deus é imanente e transcendente, isto significa que, Ele está na Sua criação e ao mesmo tempo acima de Sua criação. Ele é uma pessoa na Sua criação e ao mesmo tempo Ele está separado e bem distinto dela. Ele também está acima de Sua criação, isto é, Ele é maior que Sua criação, distinto dela e não faz parte dela. Na oração de Salomão por ocasião da dedicação do templo, ele prestou tributos à grandeza transcendental de Deus com estas palavras: "Mas na verdade habitará Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus, te não poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado". 1 Reis 8:27.
Existem três marcas de personalidade: a auto-consciência, auto-determinação e consciência moral e todas estas três qualidades pertencem a Deus.

 

DEUS É UM SER ESPIRITUAL
Deus é exclusivamente espírito. João 4:24. O leitor deverá reconhecer esta verdade ou terá problema para entender as três pessoas da trindade. Como espírito Deus não pode ser dividido ou composto. Como espírito Ele é invisível e intangível. "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito que está no seio do Pai, esse o fez conhecer". João 1:18.

 

ARGUMENTO
1. Ele é o criador dos espíritos, e desde que o ser espiritual é o nível mais alto de ser, Ele deve ter a natureza pertencente a este nível.
2. As Escrituras atribuem espiritualidade a Deus. João 4:24, Hebreus l2:9.
3. Sua espiritualidade pode ser argumentada do ponto de Sua imensidade e eternidade. Ele é infinito quanto a espaço e tempo. A matéria é limitada ao tempo e espaço, mas Deus é onipresente e eterno.
4. Sua espiritualidade pode ser argumentada através de Sua independência e imutabilidade. Tudo o que é matéria pode ser dividido, somado ou diminuído. A matéria é sujeita as mudanças, mas Deus é imutável.
5. Sua espiritualidade pode também ser argumentada através de Suas perfeições absolutas. A matéria impõe limitações e não é sistemática nem consistente com a perfeição absoluta. A palavra perfeição é usada aqui com um significado amplo e não só no sentido de não ter pecado. O Salvador, em Seu corpo humano tinha Seus limites ainda que sem pecado. Ele não podia estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Ele não estava imune à fome, sede, cansaço e dor.

OBJEÇÃO
Muitas passagens nas Escrituras atribuem partes do corpo a Deus. Falam de Seus olhos, Sua face, Suas mãos e Seus braços, etc. Em réplica podemos dizer que a linguagem é figurativa e é usada de modo conveniente ao entendimento humano. Tal linguagem é chamada de antropomorfismo, isto é atribuição de características humanas a seres que não são humanos.

 

DEUS É UM SER TRIÚNO
Existe uma essência Divina de ser que subsiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Deus é uma trindade, três em um. Na primeira parte do século IV quando o arianismo ameaçava dominar o setor religioso, um jovem teólogo, Atanásio, formulou uma declaração que foi incorporada no credo Nicenos. Dizia: "Nós adoramos um Deus na trindade e trindade em união, não confundindo as pessoas nem dividindo a substância". Esta afirmação é notória e profunda, mas clara e simples. A noção ariana fazia do Pai, o supremo Deus e do Filho apenas um ser divino, mas subordinado. De acordo com ÁRIUS, o Filho era semelhante, mas não da mesma substância do Pai.

A noção Sabeliana é que Deus é uma pessoa, que se manifesta certas vezes como o Pai, às vezes como o Filho e ainda outras vezes como o Espírito Santo. Mas tal noção faria com que Ele deixasse de existir como Pai quando manifestado como Filho.
Se Deus fosse um ser físico existindo como uma trindade, Ele estaria em três partes, e se estas partes fossem pessoas, cada pessoa seria apenas parte de Deus. Mas como espírito, Ele é três pessoas mas uma só substância e cada pessoa é em si o todo de Deus. Concernente ao Filho, lemos que nEle habitou corporalmente toda a plenitude da divindade. Colossenses 2:9. E também Ele é chamado a imagem do Deus invisível em Colossenses 1:15.
Deus não é três pessoas no mesmo sentido que um pai, mãe e filho são três pessoas de uma só família.

 

Deus tem três modos de ser, três centros de consciência pessoal. Essencialmente Ele é um, mas relativamente Ele é três pessoas. E nestas relações, Ele existe como o Pai, o Filho e o Espírito Santo. O Doutor Strong resume o fato da seguinte maneira: Na questão da fonte, origem e autoridade, Ele é Pai: No questão de expressão, meio e revelação, Ele é Filho. E na questão de compreensão, realização e concepção, Ele é Espírito. O Doutor Strong em quatro pensamentos faz um resumo da diferença entre o trabalho do Filho e do Espírito Santo.
1. O semear parece ser obra de Cristo, e a ceifa é obra do Espírito Santo.
2. Cristo é o órgão de revelação exterior, o Espírito Santo é o órgão de revelação interior.
3. Cristo é nosso advogado no céu, o Espírito Santo, advogado na alma.
4. Na obra de Cristo somos passivos, mas na obra do Espírito Santo somos ativos.

 

A TRINDADE - DOUTRINA REVELADA
Do mesmo modo que sem a Bíblia o homem jamais descobriria o único Deus verdadeiro, ele jamais poderia descobrir sem a Bíblia a trindade da Divindade. A razão humana é incapaz de descobrir o mistério da trindade, e também não há provas racionais da existência da mesma.
Diz-se que em certa ocasião, Daniel Webster e um amigo escutaram um sermão sobre a Trindade. Ao voltarem da igreja, o amigo disse que tal doutrina era uma impossibilidade matemática. Daniel Webster respondeu: "De acordo com a matemática da terra, sim, mas eu nada sei da matemática celeste"!

A Bíblia nos dá a matemática celestial, e com ela tentaremos provar a Trindade de Deus.
1. Nós temos a Trindade no plural dos nomes de Deus. O primeiro nome de Deus que encontramos na Bíblia está no plural: "No princípio criou (singular) Deus (Eloim, plural) os céus e a terra". Gênesis 1:1. O substantivo plural com o verbo no singular mostra a Trindade trabalhando em união. Charles Smith diz que a Bíblia começa com uma falsificação e que este versículo deve ser lido: "No princípio criou Os Deuses..." Errado, pois o verbo no singular mostra a obra de Um só, mas o substantivo revela três pessoas em uma só essência divina. Encontra-se o nome plural de Deus com maior freqüência nas Escrituras que a forma singular.
2. Nós temos a Trindade nas expressões plurais usadas por Deus quando fala de Si mesmo: "Façamos o homem". Gênesis 1:26; "Desçamos e confundamos". Gênesis 11:7, etc.
3. A Trindade foi mostrada no batismo de Jesus. O Filho encarnado sendo batizado; O Pai manifesto em voz alta e o Espírito Santo na forma de uma pomba. Mateus 3:16-17.
4. Temos ainda a Trindade na fórmula batismal em Mateus 28:19. As Escrituras não dizem: "batizando-os nos nomes (plural) do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Do mesmo modo não encontramos o equivalente do plural, pois não lemos: "no nome do Pai, e no nome do Filho, e no nome do Espírito". Ao mesmo tempo as Escrituras não nos dão a idéia de que os três nomes são somente diferentes designações de um mesmo ser, como teríamos se as Escrituras dissessem: "No nome do Pai, Filho e Espírito". As Escrituras dizem: "Batizando-os no nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo".

 

A TRINDADE REFLETIDA NA CRIAÇÃO
Enquanto que na criação não achamos coisa alguma que explique ou justifique a Trindade de Deus, a trindade explica a criação. Esta criação é um tri-universo, uma criação três em um. Um dos grandes livros de nosso tempo é o livro de Nathan R. Wood intitulado: "O Segredo do Universo". Neste livro o autor mostra o que o universo é, como é, porque foi criado por um Deus triúno. Primeiramente ele demonstra que o universo físico ou exterior é uma trindade. Os elementos básicos são: espaço, matéria e tempo, três modos de existência e, como Deus, cada parte é um todo do todo. E cada uma destas partes básicas são triúnas. O espaço tem três dimensões: comprimento, largura e altura. Cada um é o todo do espaço, mas ao mesmo tempo ainda existem três dimensões. A matéria é composta de três elementos: energia, movimento, e fenômeno; três modos de existência distintos, mas um só e cada modo é um inteiro do todo. Como universo de tempo temos uma trindade absoluta: passado, presente e futuro; cada qual distinto mas ainda cada um compõe o todo. Todo o tempo é ou tem sido futuro; o futuro inclui todo tempo. Todo tempo é ou tem sido ou será presente. E todo tempo é ou será passado.

 

Em seguida, o autor toma a alma ou o que ele chama de universo interior, e mostra que a alma do homem é triúna, isto é, tem três modos de existir. Ele chama-os de: natureza, pessoa, personalidade; distintos mas cada um permanece sendo o todo da alma. Podemos dizer, trindade absoluta e também unidade absoluta. Aqui, o autor mostra que o homem como alma reflete o Deus triúno de uma maneira que a criação física jamais poderá. Ele faz de Deus a chave que destranca o universo. Num tipo de resumo ele diz: "A estrutura do universo, a natureza de espaço, da matéria, do tempo e da vida humana, atestam a Trindade. Eles refletem a Trindade. Eles exigem a Trindade. A Trindade os explica".
A diferença entre Einstein, com sua teoria da relatividade (argumentada pela sugestão duma quarta dimensão) e Wood é a diferença entre a aproximação ateísta e cristã ao segredo do universo.

Nomes de Deus

O alvo deste volume é levar os leitores a um melhor conhecimento do Deus vivo e verdadeiro. Se qualquer dos leitores sente que o autor deixa-se pender, e não mantém o equilíbrio da verdade ao enfatizar a responsabilidade do homem, devo relembrá-lo que nossa tese é Deus, não o homem.
Existem várias fontes de conhecimento sobre Deus. Os céus e a terra e Sua criação revelam Seu eterno poder e divindade, e declaram a Sua glória. A consciência humana também testifica de Sua existência como a testificam as leis da natureza. Mas a Bíblia é a fonte principal de informação a respeito de Deus em Seu caráter e trabalho.

Os vários nomes e títulos dados a Deus na Bíblia revelam muito em relação a Seu caráter e governo. Na Bíblia, os nomes de pessoa, lugares e coisas são de grande significado; os nomes foram escolhidos por motivo de seu significado. Nós damos nome a nossos filhos hoje sem nem pensar no significado e muitas vezes o nome não é apropriado ao caráter a quem foi dado. Muitos homens já receberam o nome de Jesus, mas a um só este nome foi apropriado; a Jesus de Nazaré. As vezes encontramos um ignorante com o nome de Rui ou um gago com nome dum grande orador. Mas os nomes de Deus na Bíblia são muito bem apropriados e pode-se aprender muito pelo estudo de Seus nomes.

O estudo de nomes dados a pessoas e a lugares na Bíblia é tão interessante que somos forçados a olhar um pouco a este estudo antes de chegarmos ao tema principal que é "Os nomes de Deus". Na Bíblia os nomes revelam o caráter de pessoas e de solenidades em certas ocasiões. Como ilustração, vamos tomar diversos nomes encontrados na Bíblia e vamos examinar um pouco seus significados. Na batalha de Afeca, Israel foi derrotado pelos filisteus, perdendo trinta mil soldados; os dois filhos de Eli, Ofní e Finéias foram mortos; a arca de Deus foi levada pelos filisteus; e quando estas notícias chegaram à esposa de Finéias, ela faleceu ao dar a luz a uma criança, a quem deu o nome de Icabô logo antes de falecer. Este nome significa "sem glória", demonstrando assim que a glória de Deus havia saído de Israel. 1 Samuel 4:21. O nome Moisés significa "tirado" e foi-lhe dado pela filha de Faraó que disse: "porque o tirei das águas". Êxodo 2:10. O nome Samuel foi dado ao filho de Elcana e Ana como memorial a uma oração respondida. Samuel significa "ouvido por Deus" e foi-lhe dado por sua mãe: "porque o pedi do Senhor". 1 Samuel 1:20. O nome humano de Jesus foi dado o nosso Senhor porque significa "Jeová salva". Quando o anjo do Senhor apareceu a José para aquietar seu temor e desconfianças concernentes à sua virgem, Maria, ele anuncia o nascimento de um filho e diz: "chamarás seu nome Jesus, pois Ele salvará seu povo dos seus pecados." Mateus 1:21. O nome Abraão significa "pai de muitos", e foi dado a Abrão por Deus quando lhe prometeu numerosa descendência. Adão chamou a criatura tirada de seu lado de mulher: "porque do homem ela foi tirada". Gênesis 2:23. Quando Adão e Eva tornaram-se pecadores pela transgressão do mandamento de Deus, o evangelho foi-lhes pregado por Deus... O evangelho que a semente da mulher feriria a cabeça da serpente. Gênesis 3:15. Como sinal de fé, Adão chamou a mulher de Eva, que significa "vivente", pois ela é a mãe de todos os viventes. Gênesis 3:20. O primeiro filho de Eva foi chamado Caim, que significa "adquirido", porque como ela disse: "Tenho recebido um homem do Senhor". Gênesis 4:1. O nome dado a este filho provavelmente indica que Eva pensava que ele seria o Salvador. Se isto é verdade, grande foi sua decepção. Talvez por este motivo é que ela chamou seu próximo filho de Abel que significa; "vaidade ou vapor". Quando Samuel venceu os filisteus num campo de batalha entre Mizpa e Sem, ele colocou uma pedra no lugar exato da vitória e chamou-a de Ebenezer, que significa "pedra de auxílio," dizendo: "Até aqui nos ajudou o Senhor". 1 Samuel 7:12.

 

OS NOMES DE DEUS
Alguns dos nomes de Deus dizem respeito a Ele como sujeito: Jeová, Senhor, Deus; outros são atribuídos como predicados que falam dEle ou a Ele, como: Santo, justo, bom, etc. Alguns nomes expressam a relação entre Deus e as criaturas: Criador, Sustentador, Governador, etc. Alguns nomes são comuns às três pessoas, como; Jeová, Deus, Pai, Espírito. E outros são nomes próprios usados para expressarem Sua obra e Seu caráter.
O nome de Deus é o que Ele é: representação do Seu caráter. Mas o Criador é tão grande que nome algum jamais será adequado à Sua grandeza. Se o céu dos céus não O pode conter, como pode um nome descrever o Criador? Portanto, a Bíblia contém vários nomes de Deus que O revelam em diferentes aspectos de Sua maravilhosa personalidade.

 

ELOÌM
Este é o primeiro nome de Deus encontrado nas Escrituras (Gênesis 1:1), e aqui o nome encontra-se em sua forma plural, mas o verbo continua no singular, indicando a pluralidade das pessoas na unidade do Ser. Este nome denota a grandeza e o poder de Deus. Este nome encontra-se somente no relato da criação (Gênesis 1:1-2:4); é o Seu nome de criação. Eloím é sempre traduzido no português, como Deus em nossa Bíblia. De acordo com a opinião mais ponderada entre os estudiosos, esta palavra é derivada duma raiz na língua árabe que significa "adorar". Esta opinião é fortalecida quando observamos que a mesma palavra é usada inapropriadamente para anjos, dos homens, e falsas divindades. No Salmo 8:5 a palavra anjos é eloím no texto original, e vemos que certas vezes os anjos são impropriamente louvados. No Salmo 82:1,6 eloím é traduzido deuses, e é usado para homens. Em Jeremias 10:10-12 temos o verdadeiro Deus (eloím) contrastado com os "deuses" (eloím) que não fizeram os céus nem a terra, implicando assim que ninguém, não ser Deus, é objeto próprio de adoração.

 

EL-SHADAI
Este nome composto é traduzido "Deus o Todo poderoso" (El é Deus e Shadai é Todo poderoso). O título El é Deus no singular, e significa forte ou poderoso. El é traduzido 250 vezes no Velho Testamento como Deus. Este título é geralmente associado com algum atributo ou perfeição de Deus, como; Deus Todo poderoso (Gênesis 17:3); Deus Eterno (Gênesis. 21:33); Deus zeloso (Êxodo 20:5); Deus vivo (Josué 3:10).
Shadai, sempre traduzido Todo-poderoso, significa suficiente ou rico em recursos. Pensa-se que a palavra é derivada duma outra que significa seios. A palavra seio nas Escrituras simboliza bênção e nutrição. Na pronúncia da última bênção de Jacó sobre José quando morria, entre outras coisas disse: "Pelo Deus (El) de teu pai o qual te ajudará, e pelo Todo-poderoso (Shadai), o qual te abençoará com bênçãos dos céus de cima, com bênçãos do abismo que está debaixo, com bênçãos dos peitos e da madre". Gênesis 49:25. Isaías, ao descrever a excelência futura e as bênçãos de Israel, diz: "E mamarás o leite das nações, e te alimentarás dos peitos dos reis; e saberás que eu sou o Senhor, o teu Salvador, e o teu Redentor, o Possante de Jacó". Isaías 60:16. O povo de Deus será sustentado pelos recursos das nações e dos reis porque seu Deus é El-Shadai - O poderoso para abençoar.

Satanás tenta competir com Deus e é um falsificador de Suas obras. Portanto, podemos esperar encontrar nas religiões pagãs imitações de Deus em vários aspectos de seu caráter e governo. Este fato é bem demonstrado na seguinte citação tirada do livro de Nathan J. Stone concernente aos nomes de Deus no Velho Testamento.

"Tal conceito de um deus ou divindade não era estranha nem incomum aos antigos. Os ídolos dos antigos pagãos são às vezes chamados por nomes que indicam seu poder em suprir as necessidades dos seus adoradores. Sem dúvida, porque eram considerados como grandes agentes da natureza ou dos céus, dando chuva, fazendo com que da terra brotassem águas, para trazer abundância e frutos para manter e nutrir a vida. Havia muitos ídolos com peitos, adorados entre os pagãos. Um historiador mostra que o corpo inteiro da deusa egípcia, Isis, era coberto de peitos, porque todas as coisas são sustentadas e nutridas pela terra ou natureza. O mesmo se vê com a deusa Diana dos efésios no capítulo 19 de Atos, pois Diana simbolizava a natureza e todo o mundo, com todos os seus produtos.

Este nome de Deus primeiramente aparece em conexão com Abrão. Gênesis 17:1-2. Anos antes e em diferentes ocasiões, Deus prometera a Abraão que faria dele uma grande nação e uma numerosa descendência. Os anos se passaram e o filho prometido a Sara e Abrão não vinha. Foi então que ele recorreu aquele expediente carnal que trouxe Ismael e o Islamismo ao mundo. E a promessa de Deus ainda não havia se cumprido. E agora, de acordo com as leis da natureza, era muito tarde: Abrão contava com 99 anos de idade e Sara com 90. A esta altura é que Deus lhe aparece como o Deus Todo-poderoso (El-Shadai) e repete Sua promessa. E aqui é que seu nome foi mudado de Abrão a Abraão, que significa "pai de muitas nações". Aqui temos uma promessa desconcertante, mas Abraão não vacilou, pois ele "era forte na fé, dando glória a Deus". Romanos 4:20. A fé forte de Abraão era baseada sobre esta nova revelação de Deus como Deus Todo-poderoso (El-Shadai). "Ele não considerou mais seu corpo como morto... nem a madre de Sara como infrutífera"; pois seus pensamentos estavam sobre um Deus Todo-suficiente. Esta é uma bela ilustração da diferença entre a lei da natureza e o Deus da natureza. As leis da natureza não podiam produzir um Isaque, mas isto não era problema para o Deus da natureza. Não importa, se todas as coisas forem contra Deus; Ele é Todo-suficiente nele mesmo.

 

ADONAI
Este nome de Deus está no plural, denotando assim a pluralidade das pessoas na Divindade. É traduzido como Senhor em nossa Bíblia e denota uma relação de Senhor e escravo. Quando usado no possessivo, indica a posse e autoridade de Deus. A escravidão é uma bênção quando Deus é o Dono e Senhor. Nos dias de Abraão, a escravidão era uma relação entre homem e homem e não era um mal implacável. O escravo comprado tinha a proteção e os privilégios não gozados pelos empregados assalariados. O escravo comprado devia ser circuncidado e tinha permissão de participar da Páscoa. Êxodo 12:44.

Esta palavra no singular (Adon) refere-se a homem mais de duzentas vezes no Velho Testamento e é traduzida várias vezes como; Senhor, Mestre, Dono. Este nome de Deus é usado pela primeira vez no Velho Testamento em conexão com Abraão. Abraão foi o primeiro a chamar Deus de Adonai. Abraão como dono de escravos reconhecia Deus como seu mestre e proprietário. Quando Abraão retorna da sua vitória sobre os reis, depois de ter libertado Ló, o rei de Sodoma queria gratificá-lo, mas ele recusou recompensas. E "depois destas coisas veio a palavra do Senhor (Jeová) a Abraão dizendo: "Não temas, Abraão, Eu sou teu escudo e tua grande recompensa, e Abraão disse: Senhor Deus" (Adonai Jeová). Ele que possuía escravos reconhecia a si próprio como escravo de Deus.

 

JEOVÁ
Este é o mais famoso dentre os nomes de Deus e é predicado dele como um Ser necessário e auto-existente. O significado é: AQUELE QUE SEMPRE FOI, SEMPRE É E SEMPRE SERÁ. Temos assim traduzido em Apocalipse 1:4: "Daquele que é, e que era, e que há de vir".

Jeová é o nome pessoal, próprio e incomunicável de Deus. No Salmo 83:18 lemos: "Para que saibam que tu, a quem só pertence o nome Jeová, és o Altíssimo sobre toda a terra". Os outros nomes de Deus são às vezes empregados a criaturas, mas o nome Jeová é usado exclusivamente para o Deus vivo e verdadeiro.

Os judeus tinham uma reverência supersticiosa por este nome e não o pronunciavam quando na leitura, antes o substituíam por Adonai ou Eloím. Este é o nome de Deus no concerto com o homem. Este nome aparece aproximadamente sete mil vezes e na maioria é traduzido como "Senhor". Como já dissemos ele inclui todos os tempos; passado, presente e futuro. O nome vem de uma raiz que significa "Ser."

A. W. Pink tem comentários esclarecedores sobre a relação entre Eloim e Jeová em seu livro: A Inspiração Divina da Bíblia, e citamos: "Os nomes Eloim e Jeová são encontrados nas páginas do Velho Testamento diversas mil vezes, mas nunca são usados de modo negligente nem alternadamente. Cada um destes nomes tem um propósito e significado definido, e se os substituirmos um pelo outro a beleza e a perfeição de muitas passagens seriam destruídas. Como ilustração: A palavra "Deus" aparece em todo o capítulo de Gênesis 1, mas "Senhor Deus" no capítulo 2. Se nestas duas passagens os nomes fossem invertidos; falha e defeito seriam o resultado. "Deus" é o título de criação, enquanto que "Senhor" implica relação de concerto e mostra Deus tratando com Seu povo. Portanto, em Gênesis 1, "Deus" é usado, no capítulo 2 "Senhor Deus" é empregado e através do resto do Velho Testamento estes dois nomes são usados discriminadamente e em harmonia com seus significados neste dois primeiros capítulos da Bíblia. Um ou dois exemplos serão o suficiente. "E entraram para Noé na arca, dois a dois de toda carne que havia espírito de vida. E os que entraram, macho e fêmea de toda carne entraram, como Deus (Eloím, C. D. Cole) lhe tinha ordenado; "Deus", porque era o Criador exigindo o respeito de Suas criaturas; mas no restante do mesmo versículo, lemos: "e o Senhor (Jeová, C. D. C.) fechou-a por fora, (Gênesis 7:15-16) isto porque a ação de Deus para com Noé estava baseado na relação de concerto. Quando saiu para enfrentar Golias, Davi disse: "Neste dia o Senhor (Jeová) te entregará na minha mão (porque Davi tinha um concerto com Deus) e ferir-te-ei, e te tirarei a cabeça, e os corpos do arraial dos filisteus darei hoje mesmo às aves dos céus e às bestas da terra; e toda a terra saberá que há Deus (Eloím) em Israel; E saberá toda esta congregação (que estava em relação de concerto com Ele) que o Senhor (Jeová) salva não com espada nem com lança". 1 Samuel 17:46-47. Mais uma vez: "Sucedeu pois que, vendo as capitães dos carros a Josafá disseram: É o rei de Israel e o cercaram para pelejarem, porém Josafá clamou, e o Senhor (Jeová) o ajudou. E Deus (Eloim) os desviou dele". 2 Crônicas 18:31. E assim temos exemplos através todo o Velho Testamento.

 

OS TÍTULOS DE JEOVÁ
O nome Jeová é muitas vezes usado de modo composto com outros nomes para apresentar o verdadeiro Deus em algum aspecto de Seu caráter, satisfazendo certas necessidades de Seu povo. Existem quatorze destes títulos de Jeová no Velho Testamento, mas neste volume não há espaço para se tratar de cada um separadamente. Teremos que nos satisfazer com uma apresentação dos títulos e algumas referências onde são usados:
JEOVÁ-HOSENU, "Jeová nosso criador". Salmo 95:6.
JEOVÁ-JIRÉ, "Jeová proverá". Gênesis 22:14.
JEOVÁ-RAFÁ, "Jeová que te cura". Êxodo 15:26.
JEOVÁ-NISSI, "Jeová, minha bandeira". Êxodo 17:15.
JEOVÁ-M’KADDÉS, "Jeová que te santifica". Levítico 20:8.
JEOVÁ-ELOENU, "Jeová nosso Deus". Salmo 99:5 e 8.
JEOVÁ-ELOEKA, "Jeová teu Deus". Êxodo 20:2,5,7.
JEOVÁ-ELOAI, "Jeová meu Deus". Zacarias 14:5.
JEOVÁ-SHALOM, "Jeová envia paz". Juízes 6:24.
JEOVÁ-TSEBAOTE, "Jeová das hostes". 1 Samuel 1:3.
JEOVÁ-ROÍ, "Jeová é meu pastor". Salmo 23:1.
JEOVÁ-HELEIÓN, "Jeová o altíssimo". Salmo 7:17; 47:2.
JEOVÁ-TSIDKENU, "Jeová nossa justiça". Jeremias 23:6.
JEOVÁ-SHAMÁ, "Jeová está lá". Ezequiel 48:35.

 

OS NOMES DE DEUS NO NOVO TESTAMENTO
1. TEOS. No Novo Testamento grego este é geralmente o nome de Deus, e corresponde a Eloim no Velho Testamento hebraico. É usado para todas as três pessoas da Trindade, mas especialmente para Deus, o Pai.
2. PATER. Este nome corresponde ao Jeová do V. T., e denota a relação que temos com Deus através de Cristo. É usado para Deus duzentas e sessenta e cinco vezes e é sempre traduzido como Pai.
3. DÉSPOTES. (Déspota no português). Este título denota Deus em Sua soberania absoluta, e é semelhante a Adonai do V. T. Encontramos este nome apenas cinco vezes no N. T., Lucas 2:29; Atos 4:24; 2 Pedro 2:1; Judas 4; Apocalipse 6:10.
4. KÚRIOS. Este nome é encontrado centenas de vezes e traduzido como; Senhor (referendo a Jesus), senhor (referendo ao homem), Mestre (referendo a Jesus), mestre (referendo ao homem) e dono. Em citações do hebraico usa-se muitas vezes em lugar de Jeová. É um título do Senhor Jesus como mestre e dono.
5. CHRISTUS. Esta palavra significa o Ungido e é traduzida Cristo. Deriva-se da palavra "chrio" que significa ungir. É o nome oficial do Messias ou Salvador que era por muito tempo esperado. O N. T. utiliza este nome exclusivamente referindo-se a Jesus de Nazaré.
Destes nomes todos do Ser Supremo, aprendemos que Ele é o Ser eterno, imutável, auto-existente, auto-suficiente, todo-suficiente e é o supremo objeto de temor, confiança, adoração e obediência.
Para o autor este estudo tem sido interessante, e ao mesmo tempo tedioso e difícil, e o leitor deverá ser paciente para ter proveito máximo. Que revelação maravilhosa temos do grandioso Deus através destes diversos nomes!

Decretos de Deus

Pelo termo, "decreto de Deus", queremos significar o propósito ou determinação em relação a acontecimentos futuros. Isto diz que as coisas acontecem de acordo com o propósito divino e não pelas leis fixas da natureza, ou destino ou por acaso. Negar os decretos ou a pré-ordenação de Deus é quase destroná-lO. Tal ato O colocaria na reserva como um espectador interessado no que acontece, mas sem poder agir.
"Um universo sem decretos seria tão irracional e espantoso quanto um trem na escuridão sem luz e sem condutor, e sem certeza de que no momento seguinte ele não cairia no abismo". (A. J. Gordon).
Planos e propósitos nossos, tornar-se-ão somente ao fim predeterminado por Deus. (Henry).
"Nós damos graças pelas bênçãos que vêm a nós pelas livres ações dos outros, mas se Deus não houvesse proposto estas bênçãos, então estas graças deveriam ser dados a outros e não a Deus". (A. H. Strong).

"As Escrituras mencionam os decretos de Deus em várias passagens sob diversos termos. A palavra "decreto" é encontrada no Salmo 2:7. Em Efésios 3:11 lemos de Seu "eterno propósito"; em Atos 2:23 de Seu "determinado conselho e paciência"; em Efésios 1:9 de Sua "vontade segundo o seu bom prazer". Os decretos de Deus são chamados Seu "conselho" para significar que são perfeitamente prudentes. São chamados de Sua "vontade" para mostrar que Ele não estava sob outros controles mas agiu de acordo com Seu prazer. Quando a vontade de um homem é sua regra de conduta, geralmente é caprichosa e irracional; mas a sabedoria encontra-se sempre associada à "vontade" nos procedimentos divinos, e assim, os decretos de Deus são chamados para sempre como o conselho de Sua própria vontade". (A.W. Pink).
"Victor Hugo, reconhecendo a governante mão divina, disse: "Waterloo foi de Deus". "Deus no exercício de Sua infinita sabedoria, dirige pessoalmente e controla as livres ações dos homens de maneira a determinar todas as coisas de acordo com Seu eterno propósito". (B. H. Bancroft).

DECRETOS POSITIVOS E PERMISSIVOS
Nem todas as coisas foram decretadas da mesma maneira. Os atos pecaminosos dos homens não foram decretados no mesmo sentido que foram os atos retos. Deus é a causa eficiente de todo bem, enquanto que o mal é somente permitido, dirigido e controlado para Sua glória. Os atos pecaminosos dos homens que Deus decretou permissivamente serão por certo efetuados, mas ao praticá-los os homens expressam sua própria depravação. "Porque a cólera do homem redundará em teu louvor, e o restante da cólera tu o restringirás". Salmo 76:10. As boas obras dos homens são decretadas com eficácia, o que significa que Deus opera neles "tanto o querer como o efetuar segundo a Sua boa vontade". Filipenses 2:13.
"Descuidado parece ser o grande vingador; as páginas da história apenas registram uma morte na escuridão, entre velhos sistemas e a Palavra. Verdade para sempre no cadafalso; erro para sempre no trono; mas o cadafalso dirige o futuro; e por trás do desconhecido está Deus, nas sombras, cuidando de todos os seus". Lowell.

 

O SEGREDO DE DEUS E A VONTADE REVELADA
Os decretos de Deus pertencem à Sua vontade secreta; os mandados de Deus pertencem à Sua vontade revelada. "As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas são para nós e para nossos filhos para sempre, para cumprirmos todas as palavras desta lei". Deuteronômio 29:29. A vontade secreta do Senhor é Deus cumprindo a Sua vontade no mundo; Sua vontade revelada é a regra (Bíblia) de vida para nossas vidas. O segredo de Deus inclui todas as coisas e Sua revelação inclui tudo o que devemos fazer. Sua vontade encoberta é Seu programa, de acordo com o qual todas as coisas acontecem; Sua vontade revelada nos dará nosso programa de acordo com o qual devemos trabalhar.

Os decretos de Deus não são dirigidos aos homens, mas não diminuem a responsabilidade humana. Talvez Deus tenha decretado uma pequena colheita, mas esta não é razão de não se plantar e cultivar. Talvez Deus decrete uma fome, mas isto não justifica a preguiça. Deus talvez, tenha decretado a morte do autor este ano, mas isto não o impede de cuidar de sua saúde e proteção. Deus decretou a morte de Seu Filho, mas isto não deu aos homens motivo para O crucificarem.

 

OS DECRETOS DE DEUS E A LIVRE AGÊNCIA (LIVRE ARBÍTRIO)
Os decretos de Deus determinam as livres ações dos homens, isto é, o decreto faz com que estas ações sejam certas, mas não necessárias. Os decretos de Deus não são executados pelo apelo a vontade humana, portanto, não sendo, inconsistentes com o livre agir da liberdade do homem. "Herodes, Pilatos, os gentios, e o povo de Israel se ajuntaram para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se havia de fazer". Atos 4:27.28. O decreto de Deus fez com Cristo morresse, com certeza, mas isto não impunha a necessidade a homem nenhum. Os homens não foram constrangidos a executarem tão horrível obra. Na crucificação do Senhor da glória, eles estavam dando expressão a seus pensamentos e sentimentos para com Ele. Eles estavam cumprindo as Escrituras, e executando o eterno propósito de Deus, sem saberem, "pois, se a conhecessem nunca crucificariam ao Senhor da glória". 1 Coríntios 2:8.

 

OS DECRETOS DE DEUS SÃO ETERNOS
Se Deus tem qualquer propósito nos acontecimentos do universo, tal propósito teria, por necessidade, ser eterno. Negar este fato é supor que algum evento não previsto fez com que Deus mudasse Seu propósito. Todos os propósitos de Deus foram feitos em sabedoria, e sendo que Ele tem o poder necessário para executá-los, não há motivo para mudanças. "Conhecidas são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas obras", Atos 15:18. "Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e na há outro Deus, não há outro semelhante a mim. Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade". Isaías 46:9-10.

 

VALOR PRÁTICO DA DOUTRINA
Ela magnifica a Deus em toda Sua sabedoria, poder e soberania. Ela O coloca sobre o trono onde deve estar e sempre estará. Não existem crises com Deus, nem problemas perplexos O incomodam, nem forças além de Seu controle. Ele Se move com passos majestosos até a consumação de Seu eterno propósito em Cristo para o louvor de Sua glória. O crente deve se sentir humilde ao ver tão grandioso Deus, e sua alma se encurva em admiração e adoração. A doutrina guardará o crente de uma familiaridade desnecessária para com Deus em oração e em outros atos de devoção. Alguns homens oram como se Deus estivesse no seu nível; para tais Ele não é este ser Augusto de Quem falam as Escrituras. Muitas poesias e outros tipos de literatura que saem desta batalha são desapropriados e meras representações de Deus como um camarada de armas. Mas as Escrituras dizem que "Deus deve ser no extremo tremendo na assembléia dos santos e grandemente reverenciado por todos que O cercam". Salmo 89:7.

Esta doutrina é um daqueles ensinos avançados das Escrituras que exigem uma mente madura e uma experiência profunda. O principiante na vida cristã talvez não veja o valor nem mesmo a verdade desta doutrina, mas com o passar dos anos ela tornar-se-á num cajado de apoio. Em tempos de aflições, reprovações, e perseguição, a igreja tem encontrado nos decretos de Deus, e nas profecias onde se encontram estas doutrinas, uma forte consolação. É somente sobre este fundamento dos decretos que podemos acreditar que "todas as coisas são para o bem" (Romanos 8:28) e orar "seja feita a tua vontade" (Mateus 6:10).

A Palavra de Deus (As Santas Escrituras)

A Cristandade é a religião de um Livro. Sem este Livro, a Cristandade não pode ser perpetuada. Onde não encontramos este Livro, não encontramos marcas de cristandade. A salvação é pela fé em Cristo Jesus, e o povo não pode crer em quem nunca ouviu. Romanos 10:14. A única fonte das boas novas (Evangelho) do Senhor Jesus Cristo, é este Livro. Este livro é a Bíblia, e na sua forma original, é a Palavra de Deus para nós nos dias de hoje. Apague os ensinos da Bíblia do pensamento humano e a Cristandade cairá no esquecimento. A Bíblia é um livro infalível, suficiente e autoritário em todas as questões de fé e prática religiosa. 2 Timóteo 3:16-17.
"Tragam-me o Livro!" clamou Sir Walter Scott quando morria. "Que livro?" foi-lhe perguntado. E este gênio do povo escocês replicou: "Há um só Livro; tragam-me a Bíblia". Quando perguntaram à rainha Vitória em que consistia a grandeza da Inglaterra, ela tomou nas mãos uma cópia das Escrituras e disse: "Este Livro explica o poder da Inglaterra".

 

AS ESCRITURAS CONTRA A TRADIÇÃO
A palavra para Escrituras no grego é "graphe" e significa "uma escritura" ou qualquer coisa escrita. A expressão "Santas Escrituras" aparece somente uma vez no Novo Testamento, em Romanos 1:2. Entretanto, cada vez que se refere às Escrituras, isto implica as Escrituras Divinas. Geralmente o termo "escrituras" refere-se ao Velho Testamento, porém Pedro fala das epístolas de Paulo como Escrituras. 2 Pedro 3:16.
As Escrituras dos dias de Cristo eram as Escrituras do Velho Testamento. A Bíblia daqueles dias era a "Septuaginta" que era a versão grega do Velho Testamento hebraico. Para o Senhor e para os apóstolos o Velho Testamento era a Palavra de Deus. Este foi o livro que Cristo desafiou os judeus a examinarem. João 5:39. Era a este Livro que Ele se referia em João 10:35, quando disse que "as Escrituras não podem ser anuladas". Este foi o Livro que os bereianos os examinaram para ver se o que Paulo pregava era verdade.
Nosso Salvador afirmou que as "tradições" dos homens eram contrárias às Escrituras. As Escrituras foram verbalmente inspiradas por Deus, enquanto que as tradições eram ensinos passados de uma geração a outra pelos anciãos judeus. Quando os escribas e fariseus acusaram Jesus de transgredir "as tradições dos anciãos", Ele voltou-Se a eles com a pergunta: "Por que transgredis vós também o mandamento de Deus pela vossa tradição"? Mateus 15:2-3. Antes que Saulo de Tarso se tornasse um crente em Jesus Cristo, ele era "extremamente zeloso pelas tradições de seus pais". Gálatas 1:14. Mas quando se tornou crente, renunciou às tradições e voltou-se para as Escrituras. Existem muitas tradições que precisam ser desconsideradas nos dias de hoje — coisas passadas de geração a geração que são contrárias às Escrituras.

 

REVELAÇÃO E INSPIRAÇÃO
Estas duas palavras não devem ser confundidas. A Palavra de Deus veio aos profetas; isto foi revelação. Inspiração é o método pelo qual a Palavra veio através deles até nós. É pela inspiração que a revelação a eles tornou-se revelação a nós. Sem a inspiração nós não teríamos a revelação, pois a Palavra de Deus não vem hoje a nós como em outros tempos vinha aos antigos. Esta inspiração tem nos dado uma revelação escrita. A Palavra de Deus que nós temos hoje está na forma de um livro, a Bíblia.
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça". 2 Timóteo 3:16. Isto não significa que os profetas foram inspirados; inspiração trata com as palavras; as palavras das Escrituras vieram de Deus; elas foram divinamente inspiradas. Não é nosso objetivo entrar em controvérsia a respeito das teorias da inspiração, a não ser dizer que acreditamos na inspiração divina, isto é que cada palavra foi selecionada por Deus, e os homens falavam à proporção que recebiam a revelação do Espírito Santo. Eles não receberam conceitos nem idéias sobre a verdade; eles recebiam palavras da verdade e dirigidos pelo Espírito Santo escreviam estas palavras.

O elemento humano na produção da Bíblia é bem reconhecido... o Livro nos veio através do agente humano, mas o elemento humano não teve permissão de pôr em perigo a precisão e infalibilidade do Livro. A Bíblia é tão exata e infalível quanto se Deus a tivesse escrito sem o agente humano. "Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo". 2 Pedro 1:21.
"Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho". Hebreus 1:1. O Velho Testamento é o registro divino do que Deus disse em diferentes ocasiões e de diferentes maneiras a Israel pelos seus profetas. O Novo Testamento é o registro Divino de que Deus fala através do Filho. A comparação entre os profetas e Cristo é para mostrar um contraste. Deus estava usando os profetas para entregar Sua Palavra a Israel, mas em Cristo era Deus mesmo que estava falando. Os profetas foram muitos; mas o Filho um só. Os profetas eram servos; o Filho era o Senhor. Os profetas temporários; o Filho habita eternamente. Os profetas falaram a palavra; Cristo é a Palavra.

A Bíblia se divide em duas partes, comumente chamados o Velho e o Novo Testamento. Eles não são dois, mas um só livro. No Velho Testamento o Novo está coberto; no Novo Testamento o Velho é esclarecido. No Velho Testamento o Novo está encoberto; no Novo Testamento o Velho é revelado. O Velho é patente no Novo; o Novo é latente no Velho. O Velho é predição; o Novo é cumprimento. Os dois Testamentos têm o mesmo autor: Deus, e o mesmo assunto: Cristo. A mensagem da salvação encontra-se através de toda a Bíblia. Você pode começar em qualquer parte e pregar Jesus. Em ambos os Testamentos está registrado que o Senhor diz: "No rolo do livro está escrito de mim". Salmo 40:7; Hebreus 10:7. E Apocalipse 19:10 diz que o testemunho de Cristo é o espírito da profecia. Martinho Lutero comparou os dois Testamentos aos dois homens que trouxeram o cacho de uvas da terra de Canaã. Ambos carregavam o mesmo fruto; mas aquele que estava na frente não via o fruto, mas sabia que o carregava. O outro via tanto o fruto quanto o homem que ajudava a carregá-lo.Os profetas que vieram antes de Cristo testificavam dEle, mesmo sem vê-lO; e nós, que vivemos desde Sua vinda, vemos tanto os profeta quanto Cristo.

 

ARGUMENTOS QUE A BÍBLIA É A PALAVRA DE DEUS
1. Há uma pressuposição a favor dela. O homem precisa duma revelação de Deus, e se a Bíblia não é esta revelação; então não temos uma revelação. Certo é que existem outros livros sagrados de outras religiões, mas eles são como os deuses de quem são testemunhas; é óbvio que não são revelações do Deus vivo e verdadeiro. O homem precisa do tipo de revelação que temos na Bíblia. Existe uma revelação de Deus na natureza, mas esta revelação é inadequada; ela não revela bastantes aspectos. A natureza revela Seu eterno poder e Divindade, mas não diz nada de Suas qualidades morais. A natureza nos diz que existe um Deus, mas ela não nos diz que Deus é este. Um selvagem numa ilha isolada qualquer, longe de toda civilização, encontrando um Relógio talvez chegasse a conclusão que ele fora feito por um homem. O impossível seria aprender qualquer coisa a respeito do caráter do fabricante, através de exames feitos no relógio. Do mesmo modo, o homem jamais poderia conhecer o caráter de Deus pelo estudo da geologia, biologia ou astronomia. A Bíblia não tenta provar a existência de Deus, mas ela nos esclarece e fala muito sobre o assunto do que Deus é. Ele é revelado em Seu modo de existir e em suas variadas perfeições morais.
O homem encontra-se no escuro a seu próprio respeito. Ele precisa de uma revelação escrita que diga: o que ele é, de onde velo, e para onde vai. A Bíblia responde a todas as questões em relação ao eterno bem estar da alma humana. Ela convence cada homem de seu pecado e lhe diz como ser salvo. Sim, existe pressuposição a favor da Bíblia. O homem necessita duma revelação; Deus é capaz de dar tal revelação, e a Bíblia é o tipo de revelação que o homem precisa. A Bíblia satisfaz a alma sedenta.

2. A Bíblia reivindica ser a Palavra de Deus. Se a Bíblia não for o que Ela proclama-se ser, é um livro mau. É totalmente incoerente ter a Bíblia como um bom livro, e ao mesmo tempo negar a Sua infalibilidade. Por toda Bíblia encontramos a expressão: "assim diz o Senhor". Esta expressão ou uma de suas equivalentes, é encontrada mais de duas mil vezes no Velho Testamento.

3. O testemunho de Cristo argumenta a favor da veracidade da Bíblia. O Velho Testamento existia em Seus dias, e Ele o aceitou e o citava como sendo a Palavra de Deus. O mesmo livro que frequentemente é atacado pelos críticos, o livro de Deuteronômio, é o livro do qual Cristo faz todas as Suas citações quando tentado por Satanás. Veja Deuteronômio 8:3; 6:16; 6:13, e compare com Lucas 4:4-12.

4. A singularidade da Bíblia atesta sua origem Divina. Ela difere de todos os outros livros. Beber desta fonte da verdade é provar a diferença. Ela é distinta dos demais livros em seus ensinos concernentes a Deus, à criação, ao pecado e à salvação. Diz-se que o homem jamais poderia escrever tal livro mesmo se desejasse, e ele jamais desejaria escrevê-la se pudesse. Qualquer homem honesto e que conhece bastante a respeito da Bíblia, admitirá que Ela jamais poderia ser produto do ser humano.

5. A franqueza com que a Bíblia trata de seus heróis e autores, nos dá bastante evidência que Ela é a Palavra de Deus. As biografias humanas nos dão somente a bela e melhor parte da vida de um homem. Elas exaltam suas virtudes e louvam seus feitos, mas dizem pouco ou nada a respeito das falhas. Mas os personagens da Bíblia são descritos com os fatos da verdade, sejam bons ou maus. A Bíblia não encobre as falhas e faltas de seus personagens.

6. A estupenda unidade da Bíblia é um argumento para sua inspiração. Este é um milagre em si mesmo. Foi escrita em dois continentes; em três línguas; sua composição e compilação estendendo-se através da vagarosa progressão de dezesseis séculos; teve aproximadamente quarenta autores; partes dela escritas em tendas, palácios, cárceres, cidades e desertos; escrita em tempos de perigos e em períodos de júbilo; entre seus autores - juízes, sacerdotes, reis, profetas, ministros, pastores, escribas, soldados, médicos e pescadores; entretanto, mesmo com estas circunstâncias, condições e obreiros tão variados, a Bíblia é um Livro. Ela mantém sua unidade. Existe afinidade entre uma parte e outra. Quanto mais se pondera nesta verdade, mais admirável se torna a Bíblia.
"Imagine quarenta pessoas de diferentes nacionalidades, com diferentes culturas musicais, visitando o órgão de alguma grande catedral e em longos intervalos de tempo, e sem qualquer fraude, tocarem sessenta e seis notas diferentes que, quando combinadas, produzissem um grande tema musical sacro. Tal fato não mostraria que, por trás destas várias pessoas, existia um mestre que presenciava, programava e dirigia a peça? Quando apreciamos uma orquestra que mesmo com tantos instrumentos produz uma melodia harmoniosa, compreendemos que por trás destes diversos músicos existiu o gênio de um compositor. E quando entramos nos corredores da Academia Divina e escutamos os corais celestes que entoam o Hino da Redenção, todos em perfeito acordo e em união, sabemos que é o próprio Deus que escreveu a música e colocou este canto em suas bocas". A. W. Pink

7. As profecias cumpridas dão testemunho da origem Divina da Bíblia. Profecia é a predição de eventos antes que se cumpram. Esta é a prova da revelação Divina. O apelo de Deus ao cumprimento de profecia é notório através da Bíblia. Deuteronômio 18:22; Isaías 41:21-23; e 2 Pedro 1:19-21. Os homens fazem, às vezes, predições gerais concernentes ao futuro, mas a Bíblia contém centenas de profecias, que foram cumpridas literalmente, centenas de anos após serem escritas.
(1) As profecias concernentes a Cristo. Ele é um dos grandes assuntos da profecia. Apocalipse 19:10; Hebreus 10:7. Miquéias predisse Seu lugar de nascimento (Miquéias 5:2). Isaías disse que Sua mãe seria uma virgem (Isaías 7:14). Temos várias profecias de coisas a respeito de Sua morte no Salmo 22 e em Isaías 53. E no Salmo 16:10, encontramos uma profecia sobre Sua ressurreição.
(2) As profecias a respeito dos judeus. Estas como as profecias concernentes a Cristo, são muitas para enumerarmos. Frederico, O Grande, exigiu de um de seus marechais que era crente, prova da verdade da Bíblia numa palavra só. "O judeu" foi a réplica lacônica, irresponsável. A destruição da cidade real, Jerusalém, foi predita anos antes do acontecimento. Leia Mateus 24:1-7; Mateus 25 e Lucas 21 e depois leia o registro da destruição de Jerusalém por Josefus, que estava com Tito em sua campanha e mais tarde escreveu a história do evento. O judeu andarilho tem sido, há anos, um provérbio na história humana; mas fora muito antes profecia divina.
(3) As profecias sobre a Babilônia. Leia Isaías 13:19-22; 14:22-23; Jeremias 50:51. De todas as cidades na profecia à parte de Jerusalém, a Babilônia aparece com mais proeminência. A Babilônia é mencionada em Gênesis e em Apocalipse. Esta cidade é divinamente ameaçada por Isaías, por Jeremias e ainda por João em Apocalipse. Seria proveitoso para o aluno, com sua concordância, ler tudo o que a Bíblia diz em relação à Babilônia.
(4) Uma das partes mais interessantes das profecias trata de Josias, o rei-menino de Judá, que reinou de 637- 608 a. C. Quando Jeroboão encontrava-se ao lado de seu altar para queimar incenso, um profeta desconhecido mandado por Deus, veio de Judá e clamou contra o altar com estas palavras: "Altar, altar! assim diz o Senhor: Eis que um filho nascerá à casa de Davi, cujo nome será Josias, o qual sacrificará sobre ti os sacerdotes dos altos que queimam sobre ti incenso, e os ossos de homens se queimarão sobre ti". 1 Reis 13:2. A data desta profecia foi 975 a. C. Aqui temos a predição do nascimento, nome e feito de um futuro rei de Judá, que aconteceu três séculos e meio mais tarde. O cumprimento desta profecia se encontra registrado em 2 Reis 23:15-16: "E também o altar que estava em Betel, e o alto que fez Jeroboão, filho de Nebate, que tinha feito pecar a Israel, juntamente com aquele altar também o alto derrubou; queimando o alto, em pó o desfez e queimou o ídolo do bosque. E, virando-se Josias, viu as sepulturas que estavam ali no monte, e enviou, e tomou os ossos das sepulturas, e os queimou sobre aquele altar, e assim o profanou conforme a Palavra do Senhor, que apregoara o homem de Deus, quando apregoou estas palavras". O cumprimento aconteceu em 624 a. C., ou 351 anos após a profecia ser feita.

 

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DA BÍBLIA COMO REVELAÇÃO DIVINA
1. Ela é um livro religioso. Ela não é um livro didático sobre ciências naturais, mas uma revelação da verdade moral e salvadora. Ela não foi escrita para que os homens soubessem como viver aqui, mas para que se preparassem para o que há de acontecer.

2. A Bíblia é um livro aberto. Suas verdades não são dadas em termos científicos, antes são reveladas na linguagem do povo. Se a Bíblia tivesse sido escrita em linguagem científica do primeiro século ela seria antiquada no vigésimo século. Se tivesse sido escrita na linguagem do século vinte, ninguém a poderia entender salvo em nossos dias. Se na língua científica, somente os entendidos poderiam entender. A Bíblia não foi escrita para os entendidos, antes para os homens. Ela é o "livro dos povos". Ela foi entregue aos santos, não ao papa nem aos sacerdotes. Se a Bíblia se encontra encoberta, o véu jaz sobre o coração humano e não sobre a Bíblia. A melhor qualificação para o entendimento da Bíblia é uma mente sincera, honesta e iluminada pelo Espírito.

3. A Bíblia é um livro prático. Toda Escritura é dada pela inspiração de Deus e é proveitosa. O valor da Bíblia vai além do valor dado pelo ser humano. Este livro veio de Deus e nos conduz a Deus. Sei que Ela veio de Deus pois trata de assuntos além do intelecto humano. A Bíblia mostra o caminho a Deus, e como alguém pode se tornar justo diante da Santa lei de Deus. Ela é o manual da vida e conduta. Não foi dada como adorno à biblioteca, mas como guia da vida. Leia este livro para tornar-se sábio, creia nela para ter segurança e pratique seus ensinos para ser santo. Como alguém disse: "conheça a Bíblia na mente, guarde-a no coração, mostre-a na vida, e semeie-a no mundo".

4. A Bíblia é um livro imortal. Todos os outros livros morrem. Pode-se dizer da Bíblia, o que foi dito de Cristo no Salmo 110:3: ..."desde a madre da alva, tu tens o orvalho da tua mocidade". O tempo não enruga a fronte da Palavra eterna.
A Bíblia está entre os livros mais vendidos do mundo, e ao mesmo tempo é o mais desprezado. Todas as armas do arsenal do inferno já foram usadas contra a Bíblia. Todas as estratégias do império satânico já colaboraram para destruí-la. Mas a Bíblia é um livro vivo e indestrutível. Ela sobreviveu às fogueiras dos pagãos e da Roma papal e a todos "os sofismos dos filósofos opositores". Ela sobreviveu aos argumentos de Ingersoll, o ridículo de Voltaire, e aos raciocínios de Thomas Paine. "Para sempre, Ó Senhor, tua palavra permanece no céu". A Bíblia é como a sarça que Moisés viu queimando mas não se consumia, pois Deus estava nela. É como a bigorna que desgasta todos os martelos.
"Sim, como bigorna sólida, permanecem as Escrituras, é violentamente esmurrada pelas mãos dos pecadores; com ruído e pompa de entendimento fazem grande demonstração. Mas, como o martelo do ferreiro, eles se gastam sobre Ela".

5. A Bíblia é um livro caro. Para nós seu custo não é muito. Entramos numa livraria e pedimos uma Bíblia; pagamos o valor, alguns reais dependendo do preço. Mas é este o preço da Bíblia? Deus em Sua misericórdia fez do livro mais caro, um livro de baixo preço a nós. Nós calculamos o valor de um artigo pelo custo para produzi-lo. A Bíblia é de alto valor em seu aspecto humano. Homens passaram a vida inteira em mosteiros medievais fazendo cópias manuscritas da Bíblia para as gerações futuras. Existem também os mártires que deram a sua vida por amor à verdade, quando um papa ou pagão tentava tirar-lhe uma cópia dela. A Bíblia também representa um custo para Deus. De Gênesis a Apocalipse ela foi escrita com o sangue de Seu Filho. O Velho Testamento é o dedo da profecia que aponta ao Calvário no futuro; o Novo Testamento é o dedo histórico que nos dá um retrospecto ao Calvário. Para escrever a mensagem de amor, Deus teve de quebrar o coração de Seu Filho no madeiro. Em tempos passados a Bíblia era escrita sobre peles de ovelhas e hoje a encontramos no papel. Os pergaminhos nos lembram o Cordeiro imolado, para que Sua pele pudesse vestir o homem e Seu sangue o remisse, e que Sua pele pudesse também levar a mensagem de graça e amor aos perdidos. O papel feito de madeira esmiuçada nos lembra da Árvore da Vida cortada e esmiuçada no Calvário desfigurado além de todos os filhos dos homens... Para que Ele pudesse levar as boas novas do amor de Deus.

 

METÁFORAS OU SÍMBOLOS DA PALAVRA DE DEUS
Não é somente interessante, mas instrutivo também estudar os símbolos ou figuras sob as quais a Palavra de Deus é estabelecida.
1. Ela é assemelhada a uma lâmpada ou luz. Salmo 19:105, 130; Provérbios 6:23, etc. A Palavra de Deus é moralmente o mesmo que uma lâmpada ao homem fisicamente. Este mundo se encontra num estado de escuridão moral; ignorante de como se tornar justo diante de Deus, mas a Palavra de Deus é a luz, brilhando em um lugar de escuridão, e todo crente se deleita em dizer: "A entrada das tuas palavras dá luz". Salmo119:130.

2. A Bíblia é um espelho. 2 Coríntios 3:18, Tiago 1:25. Isto não pode ser dito de outro livro qualquer. Olho na Bíblia e vejo a mim mesmo, não como penso ser, mas como sou, culpado e destruído. Romanos 3:19. A Bíblia serve para fechar a boca de muita gente. A melhor maneira de parar a jactância de um homem é fazê-lo olhar a si mesmo no espelho da Palavra de Deus.

3. A Palavra de Deus é um lavatório. Efésios 5:26. O mesmo livro que revela a sujeira moral, providencia também o asseio ou banho. "Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a sua palavra". Salmo 119:9. "Vós já estais limpos, pela palavra que tenho pregado". João 15:3.

4. A Bíblia é representada como alimento. Jó 23:12. Todo homem é por natureza um pródigo, longe da casa paterna e perecendo de fome. Na Palavra de Deus encontramos a mesa do evangelho preparada com alimentos que satisfazem a alma. Há leite para os bebês e carne para os crescidos; pão para os famintos e mel para os que podem receber os doces. A alma gorda é aquela que se alimenta da Palavra de Deus.

5. A Palavra de Deus é comparada a um martelo. Jeremias 23:29. A melhor maneira de quebrantar os corações de pedra é citar a Palavra de Deus. Não há coração duro demais para a Palavra, quando tocado pelo Espírito. Ela fez o carcereiro de coração duro exclamar: "Que é necessário que eu faça para me salvar"?

6. A Palavra é chamada a espada do Espírito. Efésios 6:17. Ela é uma arma perfeita para defender o crente de Satanás. E o Espirito Santo sabe como usá-la para penetrar o coração do pecador, matando a sua justiça-própria.

7. A Palavra de Deus é como uma semente. Lucas 8:11. No semear espiritual como também no semear natural, a semente tem que ser semeada. É mandado do Senhor que semeemos a Palavra por todo mundo. Devemos semear ao lado de todas as águas e em todas as estações. "Pela manhã semeia tua semente, e a tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará se esta, se aquela, ou se ambas igualmente serão boas". Provérbios 11:6. "Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará sem dúvida com alegria, trazendo consigo os seus molhos". Salmo 126:6.

Os Atributos de Deus

Pelo termo atributos de Deus, significamos aquelas qualidades e características da natureza divina que são essenciais a Deus como Ser Supremo. Seus atributos são Suas perfeições pessoais sem as quais Ele não seria o Deus vivo e verdadeiro -- O Deus da Bíblia. Os atributos divinos explicam o que Deus é e o que Ele faz.
A maior e a mais importante das ciências é a teologia, a ciência que trata de Deus. O ser de Deus é a base de toda religião. Se não existe um Deus, a religião é uma tolice e um mal. Se Deus não existe, Ele que é o Supremo doador das leis, Governante e Juiz, então o homem não é um ser responsável nem culpável, e consequentemente, a idéia é que: Cada qual faz o que é direito aos seus próprios olhos, e é mestre de seu destino. Se Deus não existe quem "recompensará cada um segundo as suas obras"? Romanos 2:6. Assim cada homem agiria conforme o seu próprio prazer sem temor de retribuição futura.
A religião é verdadeira ou falsa de acordo com a sua maneira de olhar ao conceito do verdadeiro Deus. Religião, derivado de re-ligo, (da língua grega que significa ligar), tem que ter um verdadeiro Deus a quem ela possa se ligar ou então não tem valor. A mera crença num ser supremo não basta. Deus deve ser conhecido em Seus gloriosos atributos e eles são revelados a nós na Bíblia.

 

NOSSO ESTUDO APROPRIADO
Já se disse que o estudo apropriado da humanidade é o estudo do próprio homem. Mas Jó pensava de outra maneira. Ele diz: "Apega-te, pois, a ele, e tem paz, e assim te sobrevirá o bem". Jó 22:21. Jeremias via o conhecimento espiritual e salvador de Deus como sendo a maior necessidade dos homens: "Assim diz a Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte em sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender, e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo, e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz a Senhor". Jeremias 9:23-24.

Nosso Salvador disse: "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste". (João 17:3. Daniel nos diz que "o povo que conhece ao seu Deus se esforçará e fará proezas". Daniel 11:32. E Spurgeon escreveu que "Nada desenvolveria tanto o intelecto, nada magnificaria tanto a alma do homem, como uma investigação devota e sincera do grande assunto da Divindade". Permitam-nos citar ainda este gênio entre as pregadores: "O estudo apropriado do crente é a Divindade. A ciência mais alta, a especulação mais eminente, a filosofia mais patente que pode atrair a atenção dos filhos de Deus, é a existência do grande Deus a quem chamamos, Pai. Há melhora extraordinária à mente do crente que jaz na contemplação da Divindade. É um assunto tão vasto que todos os nossos pensamentos se perdem na sua imensidão; tão profundo que nosso orgulho se afunda em sua infinidade. Outros assuntos podemos compreender ou tentar entender;neles encontramos um tipo de auto-satisfação e os abandonamos com um pensamento de que somos sábios. Mas quando nos aproximamos desta ciência que não podemos sondar; nem que nossos olhos podem contemplar, nos vem o pensamento de que somos do passado e nada sabemos". (Sermões de Malaquias 3:6).

Um estudo da natureza divina deve ser feito com humildade, cuidado e reverência. Quanto mais aprendemos sobre Deus em Sua Santa Palavra, mais reconhecemos que Ele é incomparável e incompreensível. Surpreendente o dizer do puritano, João Howe: "A noção que podemos ter de Sua glória é comparável a um vasto território do qual formaremos um conceito através de uma pequena vista. Ele nos deu o registro verdadeiro de Si mesmo mas não completo; o que assegurará nossa compreensão do erro mas não da ignorância." O escritor quer dizer que pelo estudo da Bíblia podemos escapar de erros em relação a Deus, mas não da ignorância. A mente finita nunca poderá compreender o Deus infinito. Deus é a verdade mais esmagora de todas.

 

COMO DEUS É CONHECIDO
Duas coisas são essenciais para o homem conhecer ao verdadeiro Deus. Deve haver uma revelação de Deus e o homem deve ter capacidade de conhecer a Deus. Uma destas sem a outra não é suficiente. A Bíblia nos dá a revelação, e o salvo é o único com a capacidade de compreendê-la. Ambas são produtos da obra do Espírito Santo. A Bíblia foi escrita por homens movidos pelo Espírito e o homem regenerado é nascido do Espírito. Há, portanto, para o crente uma dupla revelação de Deus a revelação na Palavra da verdade e a iluminação pelo Espírito Santo.
Onde a Bíblia ainda não chegou os homens procuram em vão pelo verdadeiro Deus. Jó perguntou: "Porventura alcançarás os caminhos de Deus, ou chegarás à perfeição do Todo-Poderoso"? Jó 11:7. Paulo nos diz em (1 Coríntios 1:21) que "o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria". Isto foi depois das tentativas infrutíferas dos filósofos gregos. Ao perguntarem a um filósofo: "O que é Deus"? ele pediu um dia para pensar no assunto. Ao fim do dia pediu ainda mais tempo. O motivo de seu pedido, disse ele, era que quanto mais considerava a questão mais obscura ela se tornava.

Mas uma simples revelação objetiva de Deus não basta. Deve haver também uma revelação subjetiva. O Espírito deve iluminar a alma entenebrecida pelo pecado. Muitos possuem a Bíblia, mas não conhecem a Deus. Leia e medite em João 3:5; 1 Coríntios 2:14 e Mateus 11:27.
  
VALOR DO ESTUDO
1. O estudo dos atributos divinos nos livrará de cairmos no erro em muitas doutrinas. Por exemplo, a oposição à verdade de uma punição eterna vem de uma perversão de Sua bondade e uma negação de Sua ira e justiça. A oposição à doutrina de eleição vem dum mal entendimento da graça de Deus, negação da depravação humana, e uma desconsideração pela soberania de Deus.

2. O estudo das perfeições pessoais de Deus dará uma visão justa de Deus. O Deus das multidões não é o Deus da Bíblia. O Deus da imaginação não é o Deus verdadeiro. A. W. Pink fala com duras palavras, mas que acreditamos serem verdadeiras quando ele diz: "O Deus do século vinte assemelha-se tanto ao verdadeiro Deus quanto a luz duma vela assemelha-se ao sol do meio-dia. O ‘deus’ que é pregado em muitos púlpitos, ensinado em muitas escolas dominicais, mencionado em grande parte da literatura religiosa e pregado em muitas conferências é uma invenção da imaginação humana modelada no sentimentalismo. Os pagãos fora da esfera cristã fazem seus ídolos de pedra e madeira, ao passo que milhões de pagãos dentro do cristianismo fazem um deus nas suas mentes carnais. Na verdade são ateus, porque não há alternativa entre o Deus Supremo e a idéia da não existência de Deus. Um Deus que pode ser resistido, cujos desígnios são frustrados, cujo propósito é aniquilado não é Deus. Muito menos pode ser tal deus objeto de adoração".

3. A contemplação de Deus em Seus atributos pessoais promoverá humildade e reverência. Quando Jó recebeu uma visão de Deus ele clamou: "Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza". Jó 42:6. Quando Isaías viu Deus sobre Seu trono Ele clamou: "Ai de mim, que sou um homem de lábios impuros". Isaías 6:5. Quanto melhor a visão obtida de Deus; melhor será nossa visão de nós mesmos. À luz da Sua santidade, podemos ver melhor nossa corrupção. A humildade é o efeito de se ocupar mais com os mais austeros atributos de Deus como: Sua justiça, Sua ira, Sua santidade e Seu poder. Por causa de uma opinião desproporcione do amor de Deus e negligência relação a Sua ira, é que hoje vemos pouca reverência a Deus.

4. Estar ocupado com pensamentos sobre Deus como temos na Bíblia aumentará nossa fé. Muito do que é chamado fé hoje em dia é sentimento ou presunção. A fé deve ser baseada numa revelação verdadeira de Deus, e esta revelação encontra-se na Bíblia. Para se ter uma grande fé é necessário um grande e poderoso Deus. Fé nenhuma pode ultrapassar a idéia que alguém tem de Deus. Não posso ter fé num Deus menor que os próprios homens. Se meu Deus é fraco, minha fé por necessidade corresponderá a esta fraqueza. Como posso ter fé num Deus que está sendo derrotado nas pelejas? Pouca fé terei se creio que meu Deus tenta e não é bem sucedido; ou que Sua vontade é distorcida pela dos homens; ou se creio que Ele está fazendo o melhor para produzir um bem máximo, tentando salvar tantos quantos pode. Mas se como Jó creio que "O que a sua alma quiser, isso fará". Jó 23:13, então posso dizer como o apóstolo Paulo: "Ora àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera". Efésios 3:20.

 

A QUE TIPO DE DEUS ORAMOS?
Oramos pela conversão de amados, amigos ou mesmo inimigos? Devemos então orar com fé que Deus é capaz de convencê-los e convertê-los. Mas para orarmos com fé temos que acreditar que Ele é Todo-poderoso e que nada é difícil para Ele. Temos que crer que Deus é irresistível quando opera em Sua graça ou mesmo em justiça; para a salvação ou julgamento.
Como Isaque Watts temos que dizer: "Sua palavra de graça é forte, como aquela que fez os céus. A voz que impulsiona as estrelas, a proclama do alto".
E que a graça seja concedida ao autor e leitor para dizermos como Filipe Doddridge: "A graça guia meus pés vagantes aos caminhos celestiais. E novas forças recebo no caminho ao nosso Deus".

Classificação dos Atributos de Deus

Os atributos divinos são distinguidos de várias maneiras pelos teólogos. Talvez a melhor classificação seja aquela que os divide em comunicáveis e incomunicáveis. Os atributos comunicáveis são aqueles que Deus, em alguma medida, comunica ou dá ao homem, como; poder, sabedoria e santidade. Os incomunicáveis são qualidades que pertencem exclusivamente a Deus, como: infinidade, independência e imutabilidade. Estas qualidades são as que distinguem o Criador da criação.

 

A INFINIDADE DE DEUS
Infinidade, quando aplicada a Deus, significa que Ele é livre, ilimitado, insondável, imensurável, incomparável e incompreensível. Estas são grandes palavras, tanto no tamanho quanto no significado, e palavras grandes são necessárias para a descrição dum tão grande e glorioso Deus. Deus é tão grande que todos os habitantes da terra são comparados ao nada quando colocados ao Seu lado. Daniel 4:35. Deus é infinito em todos os Seus atributos. A infinidade contrasta Deus com Suas criaturas. Deus é infinito; o homem é finito. A infinidade de Deus apresenta-se principalmente em Sua onipresença e Sua eternidade. Deus não é limitado pelo espaço, portanto Ele está em toda parte; nem pelo tempo, portanto Ele é eterno.

 

SUA ETERNIDADE
A infinidade de Deus quanto à duração é que chamamos de eternidade. Ele não tem princípio nem fim. Este atributo faz parte de cada uma das três pessoas, as quais têm uma natureza comum e indivisível. Ele é eterno seja no passado ou no futuro. A natureza de Deus não está sujeita à lei do tempo. Deus não está no tempo, o tempo é Deus. Deus fez o tempo existir. Não há sucessão de tempo quanto a Deus; para Ele, o passado, o presente e o futuro são "um eterno agora". Por este motivo é dito que ao Senhor um dia é como mil anos e mil anos como um dia. 2Pedro 3:8.

Já se afirmou que Deus não é mais antigo hoje do que nos dias de Davi, ou mesmo quando o mundo foi criado; pois o tempo não faz mudanças nEle. Ele é chamado: "O ancião de dias" em Daniel 7:13, mas não ancião em dias.
Ele não tem fim. Isto não é difícil de compreender. Nós pensamos que o homem vai existir para todo sempre, portanto é fácil acreditar nisto em relação a Deus. É óbvio que aquilo que não tem princípio também não terá fim.
Ele não tem princípio. Neste ponto Deus é incompreensível. Quer possamos conceber ou não tal noção de vida sem princípio, somos forçados a atribuir este tipo de existência a Deus. Isto pode ser provado:

1. Através de Sua auto-existência. A existência de Deus ou é arbitrária ou necessária. Se arbitrária, ela deve vir de Sua própria vontade ou da vontade de outro. Se de Sua própria vontade, isto presumiria Sua existência prévia, o que seria uma contradição. Se Sua existência é da vontade de outro, este seria anterior e superior e, portanto, seria Deus, o que envolveria outra contradição. Deus, portanto, tem que existir. "Antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá". Isaías 43:10.

2. Que Deus não tem princípio pode ser provado através de Sua imutabilidade. Se Deus não é eterno, Ele teve de passar da não existência ao estado de existente, e isto implicaria mudança. "Mas Tu és o mesmo, e teus anos não têm fim". Salmos 102:27.

3. A eternidade de Deus pode ser provada através de Seus atributos, dos quais muitos são eternos. Seu poder é claramente declarado eterno. Romanos 1:20. Sua sabedoria é eterna. Atos 15:18. Sua misericórdia dura para todo o sempre. Salmo 103:17. Seus propósitos são eternos. Efésios 3:11. Seu amor é chamado de eterno. Jeremias 31:3.

4. A eternidade de Deus pode ser provada através de Seu concerto de graça que segue o estilo dum concerto eterno. 2 Samuel 23:5. É chamado de concerto eterno não somente por Sua existência imutável e eterna, mas porque Ele é desde a eternidade. As vezes Ele é chamado de "novo concerto" não por ser feito de novo, mas porque é continuamente novo; Ele não envelhece.

5. O nome incomunicável de Deus é Jeová, que significa "O Existente". Veja Salmo 83:18. Deus existe natural e necessariamente; o que significa que não há causa para Sua existência. Ele é a primeira e grande causa. Ele é o mesmo hoje e será sempre. Não existem rugas na fronte do Deus eterno. Não há debilidade de velhice com Deus.

 

SUA ONIPRESENÇA
Isto significa que Deus está em toda parte. Ele não é limitado pelo espaço. O perverso não escapa dEle nem o justo se separa dEle. Isto pode ser provado:
1. Através de Sua força, que se encontra em toda parte, como aparece na criação e na providência. Hebreus 1:3.
2. Através de Seu conhecimento. Hebreus 4:13. Provérbios 15:3.
A presença de Deus pode ser considerada de diversas maneiras. Ele não está presente em toda parte no mesmo sentido ou maneira. Sua presença gloriosa está no céu, onde Ele Se apresenta aos anjos e aos espíritos dos justos aperfeiçoados. Sua presença poderosa e de providência está com todas as Suas criaturas, sustentando-as pela palavra de Seu poder. Sua presença graciosa está com Seu povo, regenerando, santificando, confortando e abençoando. Sua presença de ira está no inferno, infligindo punição sobre os perversos. Salmo 139:8.
A onipresença de Deus é claramente revelada no Salmo l39. Este fala de Sua presença essencial. Tão imenso é Deus que mesmo o céu dos céus não O pode conter. 1 Reis 8:27. "Assim diz o Senhor, o céu é o meu trono e a terra o escabelo dos meus pés". Isaías 66:1.

 

OBJEÇÕES À ONIPRESENÇA DE DEUS
Como objeções já se tem argumentado que Caim saiu da presença do Senhor (Gênesis 4:16), e que Jonas fugiu da presença de Deus (Jonas 1:3). Mas replicamos que Caim somente saiu do lugar de adoração a Deus onde a Sua presença graciosa foi manifestada. E Jonas estava fugindo do serviço do Senhor, pensando de modo tolo, que poderia escapar de sua responsabilidade. Mas logo ele descobriu que Deus estava em toda parte e podia encontrá-lo tanto no mar como na terra.
O Deus com quem lidamos não tem limitações. Um dos pecados imputados a Israel foi o de limitar o Santo de Israel (Salmo 78:41), isto é, eles pensavam existirem coisas que eram demais para Ele. Limitaram-nO em seus pensamentos e na falta de fé.
Não há crises para Deus nem lugar secreto a Ele. Todas as coisas estão nuas diante dEle. Não se pode esconder de Sua presença, nem fugir quando Sua ira se acende e quando Ele executa Seu julgamento.
Que possamos dizer com o salmista: "Sonda-me ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno". Salmo 139:23-24.

Independência de Deus

Deus é o único Ser independente. Falamos dos ricos como sendo independentes, mas na realidade nenhuma criatura é independente. O dicionário nos define a palavra independente como: "Não dependente; livre; não sujeito aos controles externos; não subordinado; aquele que governa a si mesmo; soberano; não condicionado", etc. Deus é o único Ser de quem estas coisas podem ser ditas em sentido absoluto.
A independência de Deus não exclui o Seu uso de Suas criaturas na execução de Sua vontade, mas significa que Ele não depende delas; Ele não tem obrigação de usá-las. A expressão: "Deus está dependendo de nós", faz Deus mais fraco do que nós. Deus nos usa na propagação de Sua causa, mas o que Ele faz através de nós poderia facilmente ser feito sem nós. Deus não deriva sabedoria ou poder algum de Suas criaturas. "Porque quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a Ele, para que lhe seja recompensado"? Romanos 11:34-35.
Paulo diz que nós temos o evangelho: "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós". 2 Coríntios 4:7. O evangelho é proclamado por lábios de barro, mas o poder da salvação não está no que fala, mas na demonstração do poder do Espírito, para que a fé do pecador não seja resultante da sabedoria do homem, mas do poder de Deus. 1 Coríntios 2:4-5. A fé não é resultado do poder persuasivo do homem; mas fruto do Espírito. Gálatas 5:22. O novo nascimento não resulta da vontade do homem, ou da carne, (João 1:13), mas da vontade de Deus (Tiago 1:18). O sucesso no ministério de Deus não depende do pregador; mas o pregador depende de Deus.

 

A FAZENDA MALTRATADA
Conta-se a história dum homem que comprou uma fazenda em estado precário. Por três anos a cultivou e conseguiu produzir as necessidades básicas. Um dia um pastor lhe fez uma visita. Enquanto os dois passeavam pela fazenda o fazendeiro ia mostrando uma e outra plantação frutífera. O pastor fez então a observação de que Deus e o fazendeiro pareciam ser parceiros nos negócios. Quando o pastor se despedia, o fazendeiro disse: "Concordo que Deus é meu parceiro nos negócios. Concordo com cada palavra. Mas pastor, eu queria que o senhor visse este lugar quando Deus estava fazendo tudo sozinho"! Esta piada não tem lugar na vida cristã, pois ensina que Deus dependia do fazendeiro para cultivar a terra. Aquela fazenda no seu estado inicial não era demonstração do que Deus faz, mas sim uma mostra do que o mal uso pode fazer ao que Deus nos dá. Os espinhos, abrolhos e o mato que havia crescida ali na fazenda eram lembretes do pecado. Não demonstravam o que Deus pode produzir mas o que o homem merece. Deus fez a terra frutífera e boa; o pecado causou a abundância de espinhos e plantas daninhas. Uma fazenda infrutífera não representa o melhor que Deus pode fazer. Deus usou o fazendeiro ao produzir boas colheitas, mas Ele não dependia dele.
Moisés advertiu Israel do perigo de dizer: "A minha força, e a fortaleza da minha mão, me adquiriu este poder". Deuteronômio 8:17-18. Nosso Salvador também nos ensinou a orar: "O pão nosso de cada dia nos dá hoje". Mt 6:11.
Deve haver um modo de ensinar a verdade da responsabilidade do homem, sem produzir orgulho na criatura e sem destronar a Deus. Não devemos pregar uma verdade à custa de outra. O homem é uma criatura responsável. Ele é responsável às ordens de Deus. O homem é responsável para trabalhar para ganhar seu pão, mas mesmo após todo o trabalho, ele depende de Deus para isso. Nenhum homem capaz de trabalhar deve esperar o seu pão sem ser através do trabalho; não porque Deus não pode dar-lhe o pão sem trabalho, mas porque Deus não recompensa a preguiça. Que Deus tem poder de alimentar os homens sem os seus esforços se vê na queda do maná no deserto, e quando sustentou Elias com a ajuda dos corvos. Deus não Se encontra assentado num trono precário, nem necessita de empréstimos.
Para melhor estudarmos a independência de Deus iremos dividir o assunto em duas partes: Auto-existência e Auto-suficiência.

 

DEUS É AUTO-EXISTENTE (EXISTENTE POR SI MESMO)
Todo ser deve ter base para sua existência, dentro ou fora de si mesmo. A base da existência humana é exterior; o homem não faz a sua própria existência. O homem é dependente de algo fora de si mesmo para existir, mas Deus não é dependente assim. Certo é que não compreendemos a auto-existência de Deus; é demais para o entendimento da mente finita. Mas uma pessoa que é auto-existente não é um mistério tão grande para compreendermos quanto a auto-existência de uma coisa, como Herbert Spencer, pensa que é nosso universo. É mais fácil ver como a matéria se deriva da mente do que ver como a mente é derivada da matéria. A base da existência de Deus não jaz na Sua vontade; mas em Sua maneira de ser. Ele não quis existir pela Sua vontade; Sua natureza é existir. Ele existe natural e, portanto, necessariamente.

 

DEUS É AUTO-SUFICIENTE
O Ser auto-existente tem por necessidade ser auto-suficiente. Deus é auto-suficiente em Seu sustento, Sua glória e em Seu prazer. "Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém". Romanos 11:36. Deus contém em Si mesmo todas as excelências, perfeições e alegrias.
É bem necessário distinguir entre o que Deus é em Seu ser existencial, e o que a criação declara que Ele é. "Os céus declaram a glória de Deus", (Salmo 19:l), mas não acrescentam nada a Ele. Os homens devem atribuir glória a Deus em seu comer e beber (1 Coríntios 10:31), mas isto nada lhe adiciona, antes é um simples reconhecimento dela. Em Juízes 5:23, temos esta expressão, "porquanto não vieram ao socorro do Senhor", mas isto não indica que Deus precisava da ajuda homem, mas que é obrigação do homem servir a Deus. Salmo 78:41 diz que Israel limitou o Santo de Israel, mas isto somente implica na atitude de desconfiança de Israel. Eles agiam como se Deus não tivesse o poder de cuidar deles durante a peregrinação no deserto. Ainda mais, eles O limitaram em Sua autoridade, isto é, agiam como se Deus não tivesse o direito de dar ordens. Com sua murmuração mostraram seu desprazer pelas providências de Deus. Na mesma passagem lemos que eles tentaram a Deus, isto é, agiam de maneira como se Deus pudesse ser tentado. Em sua descrença colocaram Deus à prova.

 

DEUS É ESSENCIALMENTE BENDITO
Ele é chamado de Deus bendito ou bem-aventurado em 1 Timóteo 1:11, 6:15. Esta felicidade não pode ser aumentada nem diminuída. O pecado merece e recebe seu desprazer, mas isto não destrói Sua felicidade. A retidão em Suas criaturas morais recebe Sua aprovação, mas não acrescenta nada à sua felicidade e glória essencial. Ele era feliz e glorioso antes de existir qualquer criatura e Ele continuará em Sua felicidade mesmo quando o inferno estiver cheio de perversos. A alegria de Deus baseia-se sobre três fatos:

1. Não há conflito moral com Deus. Ele está em paz consigo mesmo. Deus é infinito em sabedoria e, portanto, não passa tempo lastimando Seus erros. Ele é infinito em santidade e, portanto, não conhece remorso pelo pecado. Mesmo existindo três pessoas na Divindade, Elas formam uma união absoluta e vivem em perfeito acordo. A paz é o grande desejo da raça humana, mas ela pertence principalmente a Deus. Ele é chamado o Deus de paz. Hebreus 13:20. E existe harmonia perfeita entre todos os Seus atributos. "A misericórdia e a verdade se encontraram: a justiça e a paz se beijaram". Salmo 85:10.

2. Deus não conhece limites. Ele nunca chega ao fim. Seus recursos jamais se acabam. Nunca Ele Se encontra em estado de emergência. Ele nada conhece de crises. Ele nunca apela a novos negócios, pois Seus planos e propósitos são eternos. A sabedoria fez todos os Seus planos e Seu poder os executa, portanto, todas as Suas obras já lhe eram conhecidas antes da fundação do mundo. Nunca existiu um tempo quando Deus duvidasse do que faria ou do que poderia fazer. Ele não tem um laboratório experimental onde pode aprender o que é melhor, pois sabe naturalmente o que é melhor. Em todos estes pontos, o homem se contrasta grandemente com Deus. Muitas vezes nosso saber chega ao fim. Somos limitados em poder e sabedoria. Temos limites de tempo, mas Deus é o Rei da eternidade. Josué quis mais tempo no dia para terminar sua obra, e Deus prolongou o dia. Napoleão, em Waterloo, viu caírem as sombras da noite sobre seu exército derrotado e relata-se que ele disse: "Ah! Se eu tivesse o poder de Josué para retardar a marcha do sol por uma hora"!

3. A alegria de Deus consiste em Sua santidade. O pecado destrói a alegria. Veja Adão e Eva no jardim do Éden antes e depois do pecado. Nada para lhes destruir a alegria até o momento do pecado. O pecado promete alegria, mas não é capaz de produzi-la. O pecado é traidor. Pecar é romper com Deus, e como Ele é fonte de toda alegria, quando o homem rompeu os seus laços com Deus, ele perdeu seu prazer e alegria. Nenhum homem em seu estado natural, como pecador, tem verdadeira paz e alegria, pois são frutos do Espírito. Gálatas 5:22. O povo de Deus não será perfeitamente feliz até estar completamente salvo, e isto não acontecerá até que sejamos conformados a imagem do Senhor Jesus Cristo na glória da ressurreição. Isso quer dizer, quando estivermos com Ele lá no céu, salvos da presença do pecado. "Quanto a mim, contemplarei a tua face na justiça; Eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar". Salmo 17:15.
Satanás dá uma felicidade falsa. Ele construiu um paraíso de néscios neste mundo para os loucos. Mas Deus que sempre está feliz fará Seus filhos verdadeira e eternamente felizes, num paraíso real e duradouro. Sua graça nos satisfez com a justiça de Seu Filho imputada a nós, para a justificação. Em nós Ele criou uma sede por retidão pessoal, e esta sede será saciada quando formos glorificados. Aqui temos Sua promessa: "Bem-aventurados os que têm fome e sede da justiça; porque eles serão fartos". Mateus 5:6. Que alegria é saber que um dia teremos a perfeição que hoje almejamos!

Imutabilidade de Deus

"Porque eu, o Senhor, não mudo". Malaquias 3:6. A mutabilidade pertence à toda criação, a imutabilidade pertence somente a Deus. Os céus que vemos constantemente mudam a aparência: às vezes estão limpos, outras vezes estão escuros por causa das nuvens e trevas. A face da terra muda a aparência de estação a estação. A terra sofreu grande mudança por causa do dilúvio, e mudará por causa do fogo. 2 Pedro 3:5-10. Os anjos em seu estado original eram sujeitos a mudança, como nos foi demonstrado pela grande apostasia que sobreveio a muitos. Os anjos eleitos não mudaram, pois eles foram confirmados em santidade, não devido à sua natureza, mas pela graça de Deus em Jesus que é o Cabeça de todos os principados e poder. 1 Timóteo 5:21. Colossenses 2:10. Enquanto consideramos o homem, o centro da criação, sua mutabilidade é tão evidente que nem precisamos prová-la. Quem de nós já não se entristeceu por causa da inconstância humana? Muitos de nós sabemos o que é ser louvado hoje e caluniado amanhã, pelos mesmos lábios.

"Fica comigo! Cedo cai a tarde; as trevas crescem... Senhor, fica comigo! Quando amigos me desertam socorro dos caídos, Ó fica comigo! Perto do fim aproxima-se o dia da vida; os gozos terrenos desvanecem, as glórias passam; mudança e corrupção em tudo vejo; ó Tu que não mudas, fica comigo"! H. F. Lyte. 1847
O autor dos versos acima não era um tolo otimista que considerava este mundo uma "utopia". Não era também um pessimista, que via o futuro sem esperança. Mas a base de sua esperança era o Deus imutável, que é o mesmo ontem, hoje e para sempre.

 

DEUS É IMUTÁVEL EM SUA NATUREZA
Deus é chamado "O Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação". Tiago 1:17. Deus não pode mudar para pior, pois Ele é eternamente o Santo. Ele não muda para melhor, pois já é santo e perfeito. O tempo não efetua mudanças no Deus eterno. O Deus auto-existente, auto-suficiente e eterno não anda encurvando pela idade, nem um só de Seus passos é vacilante. "Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento". Isaías 40:28.

 

DEUS É IMUTÁVEL EM SEUS ATRIBUTOS
O poder de Deus é sempre o mesmo, pois lemos na Bíblia do Seu eterno poder. Romanos 1:20. Não há aumento em Seu entendimento, pois "conhecidas são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas coisas". Atos 15:18. Seu amor é imutável (João 13:1; Romanos 8:35-39; Jeremias 31:3) Sua misericórdia dura eternamente (Salmo 136). Sua veracidade é imutável, pois Ele não pode mentir (Tito 1:2). Sua santidade não pode ser manchada, e Sua fidelidade nunca falha. Ainda que Suas bênçãos foram distribuídas a muitos, e muitas dádivas perfeitas foram dispensadas, Sua bondade permanece a mesma.

 

DEUS É IMUTÁVEL EM SEUS DECRETOS
Os propósitos de Deus são eternos. Novas resoluções não são formadas, nem decretos novos são feitos, pois Seus conselhos são antigos. Não há "próspero ano novo" com Ele, pois Ele é eternamente próspero e feliz. Seu propósito não pode ser frustrado, pois Seu conselho é eterno, e os pensamentos do Seu coração estendem-se a todas as gerações. Salmo 33:11. "Muitos propósitos há no coração do homem, mas o conselho de Deus permanecerá". Provérbios 19:21. "O Senhor dos Exércitos jurou, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e como determinei, assim se efetuará". Isaías 14:24. "Mas, se ele resolveu alguma coisa, quem então o desviará? O que a sua alma quiser, isso fará". Jó 23:13.

 

OBJEÇÕES CONSIDERADAS E RESPONDIDAS
I. Fala-se, em objeção à imutabilidade de Deus, que Ele mudou quando decidiu criar o mundo. Mas isto é confundir mudança e manifestação. Enquanto escrevo, o sol brilha pela janela de minha biblioteca; em breve seu brilho desaparecerá, mas isto não implica mudança no sol, ele continua o mesmo; há somente mudança na sua manifestação. Além disto, uma mudança na atividade não implica mudança de caráter ou natureza. Nada sabemos das atividades divinas anteriores à criação, mas desde que descansou de Sua obra na criação, Ele se ocupou na administração e salvação, e no futuro efetuará a obra de julgamento.
Este é o dia da salvação (2 Coríntios 6:2), mas virá o dia da ira e revelação do justo julgamento de Deus (Romanos 2:5). Um dia "em que com justiça há de julgar o mundo". Atos 17:31. Este é o dia da paciência de Deus, dia em que Ele tolera os vasos da ira merecedores da destruição (Romanos 9:22); dia em que os homens desafiam a Deus e "aparentemente" escapam do julgamento.

A história mais triste que este autor já ouviu lhe foi contada por uma jovem, cujo pai havia cometido duplo homicídio e suicídio, matando o marido e a mãe desta moça, e depois tirando a própria vida. De acordo com a história este homem, anos antes, havia renunciado a sua fé cristã, e se tornado estudante de "magia negra" (Feitiçaria). Confessando ter-se vendido a Satanás, muitas vezes desafiava a Deus na presença da família, dizendo que Deus "não era bastante forte para ele!" Pelas aparências ele escapava da ira de Deus, mas no dia do julgamento, Deus julgará todos os rebeldes e jactanciosos. Naquele dia Sua ira, agora restringida, será manifestada. Mas as mudanças nas atividades divinas não significam mudanças no caráter e propósito divinos.

2. Já se argumentou que a encarnação de Cristo envolveu mudança na natureza divina. Mas a encarnação foi apropriação da natureza humana pela segunda pessoa da Divindade. A natureza divina não foi de modo algum mudada. A natureza divina não foi mudada em natureza humana, nem as duas naturezas transformadas em uma terceira diferente das duas outras. Na encarnação Cristo assumiu o que Ele não era, mas permaneceu o que Ele era. A encarnação foi necessária para que Ele efetuasse a obra da remissão. A natureza divina não pode, como tal, sofrer, portanto Cristo assumiu a natureza humana de modo que pudesse sofrer. Mas no Seu sofrer não houve mudança na natureza Divina.
3. Objeta-se que as Escrituras atribuem mudança na natureza de Deus pelo Seu arrependimento em Gênesis 6:6, I Samuel 15:35; Salmo 106:45; Amós 7:3; Jonas 3:10. Mas existem outras Escrituras que negam o fato de que Deus Se arrepende. Veja Números 23:19; I Samuel 15:29. Não contradiremos uma Escritura com outra, mas unindo as diversas passagens, concluímos que arrependimento para Deus não é a mesma coisa que arrependimento para os homens. O arrependimento para os homens é por causa do pecado e implica mudança de mente e propósito, mas com Deus, tal não pode ser, pois Ele não peca, e consequentemente não implica mudança de pensamento nem de vontade. O arrependimento para Deus indica mudança na manifestação e atividade, e esta mudança está sempre em harmonia com Seu caráter e propósito imutável. A imutabilidade da santidade de Deus requer uma mudança na atitude e no tratar quando o justo torna-se perverso. O sol não é mutável porque derrete a cera ou endurece o barro... a diferença jaz não no sol, mas na natureza dos objetos sobre os quais brilha.

"A imutabilidade de Deus não é abalada no fato que Suas promessas e ameaças não são sempre cumpridas. Pois, deve-se notar que todas as promessas são absolutas ou condicionais. Das promessas absolutas ou incondicionais não encontramos ocasião quando não foram cumpridas. Em todos os casos onde Deus não fez o que prometera, uma condição é expressa ou implicada. Veja Jeremias 18:8; 9-10. Deus prometeu habitar em Sião, em Jerusalém, no templo, e lá estaria eternamente. (Salmo 132:13, 19), e o povo de Israel habitaria na terra prometida e comeria dela; entretanto foi dito também que eles deveriam obedecer a Deus, continuar em Seu serviço e adoração guardando Suas leis e ordenanças. Isaías 1:19. Mas Israel falhou da sua parte. Deus se afastou deles e deixou que fossem levados cativos. Houve mudança na dispensação, mas não em Sua vontade. Ele ameaçou os ninivitas de destruí-los em quarenta dias, se não se arrependessem. Eles se arrependeram e foram salvos da destruição. Deus Se arrependeu de Sua ameaça; mudou Sua conduta aparente para com eles, mas não da Sua vontade; pois o arrependimento e o escape estavam de acordo com Sua imutável vontade. Jonas 3:4,10. No caso de Ezequias, a declaração exterior ordenada a ele, era que morreria, o que teria acontecido logo devido a doença, mas o segredo de Deus era que ele deveria viver mais quinze anos, como de fato sucedeu. Tal acontecimento não indica contradição ou mudança. A declaração exterior foi feita para humilhar a Ezequias e fazê-lo orar, fazendo assim com que a imutável vontade de Deus fosse efetuada". Dr. John Gill.
"A imutabilidade de Deus não é a igual a uma pedra, que não tem experiência interna, antes é como o mercúrio no termômetro que sobe e desce com cada mudança de temperatura". O mercúrio não muda, mas reflete a mudança da temperatura, (C. D. C.) "Quando alguém que pedala a bicicleta contra o vento, dobra e pedala com o vento, a força do vento parece ter mudado, embora esteja soprando ainda como antes". A. H. STRONG.

4. Diz-se que, às vezes, a oração muda o pensar de Deus. Certamente concordamos com a verdade de que Deus ouve as orações e as responde, mas negamos o fato de que oração efetua mudança em Deus. Isto, se verdade, faria do homem o soberano no lugar de Deus. Isto faria da oração um mandado e não um pedido. A oração é um meio de graça, cujos resultados estão sempre na vontade de Deus. "Se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve". 1 João 5:14. Na oração parece que conquistamos a Deus, mas na verdade é Ele que nos vence. Não sabemos por que devemos orar nem como (Romanos 8:26), portanto, o Espírito Santo faz intercessão por nós de acordo com a vontade de Deus. Nós até dizemos ao orar: "Seja feito a tua vontade e não a nossa".

Onisciência de Deus

Quando Massillon levantou-se para fazer a oração funerária de Luiz XIV, sua frase inicial foi "Somente Deus é grande". Lutero disse certa vez a Erasmo que seus pensamentos sobre Deus eram demais humanos. Um membro criticava certo pregador ao dizer que ele não engrandecia bastante a Deus. Cremos que esta é uma das falhas no ministério dos dias atuais: não engrandecemos bastante a Deus em nossa pregação. Deus é grandioso, incompreensivelmente grande, em cada atributo. O salmista diz que Seu entendimento é infinito. Salmo 147:5.
O conhecimento de Deus é chamado de onisciência, que significa que Seu saber é universal, abrangendo todas as coisas, todas as pessoas, e todos os acontecimentos. A diferença aqui entre Deus e o homem é notável. O homem conhece pouco, pois seu entendimento se obscureceu com o pecado. Ele começa sua carreira terrestre em quase completa ignorância, e após uma vida de estudos, conhece pouco do que deveria conhecer. 1 Coríntios 8:2. Enquanto vive neste mundo, o homem mal pode virar a primeira página do saber. Quanto mais sábio o homem se torna, mais conhecedor é de sua ignorância. O louco é que pensa que sabe de tudo. Ainda mais; quanto mais valiosa for a verdade, mais ignorante é o homem a seu respeito. A verdade sobre Deus e sobre as coisas eternas é a mais preciosa entre as verdades, mas a ignorância do homem é mais notável aqui do que em outras coisas. As verdades morais e espirituais são escondidas dos sábios e prudentes e são reveladas aos bebês. Lucas 10:21.
Deus transformou em loucura o conhecimento deste mundo sobre as coisas espirituais. 1 Coríntios 1:20. O mundo por seu saber não pode conhecer a Deus. 1 Coríntios 1:21. Para ser sábio, o homem tem que se tornar louco, isto é, ele tem que renunciar a seus próprios raciocínios e aceitar a revelação de Deus concernente às coisas eternas.
Paulo pregou o Evangelho tanto aos judeus quanto a gregos; para o judeu preconceituoso era um escândalo, e para o grego orgulhoso era loucura. 1 Coríntios l:23. Antes que vissem a sabedoria e o poder de Deus no Evangelho de Cristo, tinham que ser chamados; só assim suas mentes eram iluminadas pelo Espírito Santo, para que o Evangelho lhes tornasse claro. 1 Corintios l:24; 2 Coríntios 4:4, 6.
O entendimento de Deus é infinito. Salmo147:5. No original lemos: "De seu entendimento não há número". A mente humana não tem a capacidade de sondar o entendimento de Deus. Davi escreveu em relação ao conhecimento (sabedoria) de Deus, e após poucas linhas, disse: "Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir". Salmo 139:6.

"Tu conheces o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento". Salmo 139:2. Deus nos observa quando nos assentamos para meditar, e quando nos levantamos para seguir nas atividades da vida. E Ele conhece os pensamentos que regulam nossos caminhos. Ele os conhece mesmo antes de nós os pensarmos. Antes do pensamento se tornar uma ciência a nós, ele já é presciência com Deus. A respeito de Israel, Deus disse: "Porquanto conheço a sua boa imaginação, o que ele faz hoje, antes que o introduza na terra que tenho jurado". Deuteronômio 31:21. Deus conhecia seus pensamentos e ações antes que entrassem em Canaã. Cristo sabia quais seriam os pensamentos e ações de Pedro e até os profetizou antes que ele O negasse.

"Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos". Salmo 139:3. Deus conhece nosso caminho e nosso leito. Ele nos conhece quando acordados ou quando dormindo. "Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eisa:4. andar, atributo. o que Tu não a conheces completamente". Salmo 139:4. Deus conhece nosso falar. Ele sabe quando os homens tomam Seu nome em vão, e declarou que tal homem não escapará de Seus juízos. Êxodo 20:7. Ele sabe quando os homens negam Sua Palavra e quando "fazem pouco" dela. E Ele ouve o menor sussurro e ouve o grito mais alto. Quando os homens desejam esconder algo, cochicham um ao outro, mas Deus ouve os nossos segredos e mesmo os sussurros de nossos corações.
"Tu me cercaste por detrás e por diante, e puseste sobre mim a tua mão". Salmo 139:5. Davi sentiu-se cercado por Deus. Verdadeiramente, não há como escapar de Deus! Ele está atrás de nós registrando nossas faltas ou adiante de nós apagando os pecados pela graça de Cristo. Ele está diante de nós, conhecendo nossos feitos, e vendo as nossas necessidades. Deus é uma prisão de punição para os perversos, e um céu de descanso aos esmorecidos. Cada pessoa vai ter que prestar contas a Deus, portanto "prepara-te para encontrares com teu Deus".

 

COMO É QUE DEUS TEM TANTA ONISCIÊNCIA?
1. Deus não precisa adquirir conhecimentos. Sua sabedoria não é resultado de observação, consultas e estudos laboriosos. Deus não faz esforço para saber. O saber com o homem é alcançado por árduos esforços; com o homem a vida toda é uma escola.
2. Deus não aumenta em sabedoria. Ele não sabe nada mais agora do que há séculos passados. Seu entendimento é infinito por toda a eternidade. Ele sempre teve sabedoria perfeita em todas as coisas. Deus não precisa matricular-Se na universidade humana. Não existem dias de aula para Deus.
3. Deus sabe naturalmente. A onisciência pertence à própria natureza de Deus; uma de Suas perfeições pessoais. Calvino definiu onisciência como: "Aquele atributo pelo qual Deus Se conhece a Si mesmo e a todas as outras coisas em um simples ato eterno". O saber de Deus é direto, sem intermediários. Rm 11:34.

 

OS OBJETOS DO CONHECIMENTO DE DEUS
1. Deus conhece a Si mesmo. As criaturas racionais recebem de Deus a capacidade de conhecerem a se mesmas. Mesmo o ímpio sabe certas coisas a respeito de sua própria pessoa, da composição do corpo e das faculdades da alma. E se criaturas têm este conhecimento próprio, então o Criador cujo entendimento é infinito, conhece-as perfeitamente.
Além disso, existe associação perfeita entre as três pessoas da Trindade. O Espírito Santo conhece perfeitamente a mente de Deus, e pode assim fazer intercessão pelos santos de acordo com a vontade de Deus. Romanos 8:26-27. Jesus falando de Deus, Pai, disse: "Conheço-o e guardo a sua palavra’. João 8:55.

Deus conhece Sua criação. Ele de tudo sabe na natureza. Ele sabe o número das estrelas e chama-as pelo nome. Salmo 147:4. Os passarinhos não caem por terra sem Seu conhecimento e permissão. Mateus 10:29.
Deus conhece tudo no plano da experiência humana. Ele conhece o pensar dos homens, os seus caminhos e suas palavras.
"Diante dos homens somos opacos como uma casa de abelha. Eles podem ver os pensamentos entrando e saindo, mas o efeito deles dentro do homem, não podem dizer. Diante de Deus somos como uma casa de abelhas feita de vidro, e tudo o que nossos pensamentos estão fazendo ao nosso interior, Ele perfeitamente vê e entende". Henry W. Beecher.
Deus sabe das obras dos homens. Os homens podem esconder suas obras uns dos outros, mas nunca de Deus. Nenhum olho humano viu Caim matar Abel, mas Deus testemunhou o crime. Acã certamente pensava ter cometido o crime perfeito quando roubou o ouro e escondeu-o na terra, mas Deus trouxe seu pecado à luz. Davi encobriu seu pecado com Bate-Seba, mas Deus o descobriu e enviou o seu profeta Natã para dizer a Davi: "Tu és o homem". Não há pecado secreto a Deus; "todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar". Hebreus 4:13.

Deus conhece as tribulações e tentações de Seu povo. "E disse o Senhor: "Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores,porque conheci as suas dores". Êxodo 3:7. Contemos ao nosso Pai todas as nossas aflições, pois não existem tristezas terrenas que não possam ser curadas pelos céus.

Deus conhece todos os acontecimentos passados, presentes e futuros. Ele conhece todo o passado e nunca esquece. "Pois quando inquire do derramamento de sangue, e lembra-se deles: não se esquece do clamor dos aflitos". Salmo 9:12. Este versículo é para Hitler e todos os outros senhores da guerra. Sua misericórdia nos faz esquecer certas coisas do passado. Há quem pense tanto sobre o passado que se tornam loucos. Esta atitude não deve existir no crente. Ele deve esquecer as coisas do passado, e fixar sua atenção nas coisas do futuro esforçando-se pelo prêmio do alto chamado de Deus por Jesus Cristo. Filipenses 3:13-14. Há perdão em Deus pela fé em Seu Filho. Quando Deus nos perdoa, Ele jamais se lembrará de nossos pecados, por toda a eternidade.
Deus conhece o presente e o futuro. Seu conhecimento do futuro é melhor que o conhecimento do passado pelos homens. A perfeita sabedoria de Deus quanto às coisas futuras é demonstrada em centenas de profecias cumpridas. A profecia é o registro de fatos antes de acontecerem.

 

A CONTEMPLAÇÃO DA ONISCIÊNCIA DE DEUS
Não há melhor exercício para a alma que contemplar as perfeições de Deus. Aqui jaz o segredo de toda piedade verdadeira. Aquele que teme a Deus deve ter sua mente ocupada com os pensamentos de Deus.
"Os ímpios odeiam a verdade da sabedoria de Deus. Eles desejam que não existisse testemunha de suas iniqüidades, nem sondador de seus corações, nem juiz de seus feitos". A. W. Pink.
Esquecem-se de que Deus Se lembra de todos os seus pecados. Oséias 7:2.
A contemplação do conhecimento de Deus deve encher a alma de admiração exaltadora. Quão grande deve ser Aquele que conhece todas as coisas! Nenhum de nós sabe o que um dia trará a nós, mas Deus sabe o que há de suceder no tempo e eternidade.
O conhecimento infinito de Deus deve encher os homens de santo temor. Tudo o que dizemos, pensamos ou fazemos é conhecido a Ele a quem prestaremos contas. Meditar nesta divina perfeição será um poderoso contra-peso aos caminhos da carne. Em horas de tentações nós devemos dizer como disse Hagar: "Tu és Deus que vê". Gn 16:13.

Estar ocupado com o infinito saber de Deus encherá o filho de Deus de humildade, adoração e louvor. "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos"! Romanos 11:33.
A verdade diante de nós é um encorajamento à oração. Não há perigo de nossas orações não serem ouvidas, que nossos clamores e nossas lágrimas escapem da atenção de Deus. Não há perigo de um dos santos não ser notado por Deus entre as multidões de suplicantes. Uma mente infinita é capaz de prestar atenção a milhões de súplicas como se fossem a súplica de um só homem. E não pomos em perigo nossas orações pelo uso inapropriado de palavras, pois Deus é conhecedor de nossos pensamentos e lê os intentos do coração.

Presciência de Deus

"Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho". Rm 8:29.
"Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu". Romanos 11: 2.
"Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão". 2 Pedro 3:17.
"Sabendo de mim desde o princípio". Atos 26:5.
"O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo". 1 Pedro l:20.
"A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus". Atos 2:23.
"Eleitos segundo a presciência de Deus Pai". I Pedro 1:2.

 

Nas passagens precedentes, damos todas as Escrituras no N. T. onde a palavra "presciência" é usada. Deve-se notar que ela é usada cinco vezes na forma verbal e duas vezes na forma substantiva. Nas formas verbais ela é usada três vezes sobre Deus e duas vezes sobre o homem.

No nosso julgamento dificilmente existe uma doutrina mais mal-entendida que esta que está diante de nós. É bom que lembremos que o significado de certos termos bíblicos não é determinado pelo uso popular de nossos dias, nem pela referência de dicionários modernos, mas pelos seus usos nas Escrituras. Somos aptos a pensar que conhecemos certa palavra e deixamos de verificar tal palavra pelo uso de uma concordância. Pergunte a uma pessoa o significado da palavra "carne", e responderá que é o corpo do homem ou dos animais. Mas não é sempre que esta palavra tem tal significado. Ela se refere muitas vezes à natureza humana pecaminosa. Veja Romanos 7:18; 13:14; Filipenses 3:3. A maioria das pessoas pensa que a palavra "mundo" refere a raça humana, quando na verdade esta palavra é raramente usada com tal sentido nas Escrituras. Veja João 15:18-19; Romanos 11:13; João 17:9; 1 João 5:19. Spurgeon diz que a palavra "mundo" na Bíblia tem sete ou oito significados diferentes. O mesmo acontece com a palavra "imortal’, que para a maioria das pessoas é usada com referência à alma, quando na verdade esta palavra nunca é usada com referência à alma, antes sempre se refere ao corpo. Veja 1 Coríntios 15:53-54. 2 Timóteo 1:10.

 

PRESCIÊNCIA COMO ATRIBUTO
O estudo do assunto em foco levantou a questão se a presciência deveria ou não ser classificada como um dos atributos divinos. Um atributo divino é uma qualidade pertencente à natureza de Deus, uma de Suas perfeições pessoais, algo que pertence intrinsecamente a Seu caráter ou natureza. Por exemplo, amor, misericórdia, graça, e sabedoria são qualidades de Deus e, portanto, são atributos. Nossa conclusão, após muito estudo, é que "presciência" é tanto um atributo quanto um ato de Deus. Quando a palavra é usada no sentido popular, ela se refere ao conhecimento de Deus de acontecimentos antes de acontecerem. Neste sentido, presciência é um dos atributos de Deus como é também o amor, a misericórdia, a graça, a sabedoria e etc.

 

PRESCIÊNCIA - UM ATO DIVINO
A palavra presciência quando usada na Bíblia não pode se referir a um atributo ou qualidade de Deus. O uso no sentido de um ato não é um atributo. Não diríamos que predestinação e eleição são atributos divinos, antes atos divinos. Presciência, quando usada com acontecimentos, é um atributo, quando usada sobre o homem, ela é um ato imanente de Deus, um ato que permanece e opera dentro da natureza divina. É a diferença entre a natureza de Deus e as atividades de Deus; entre o que Ele é e o que Ele faz. A presciência, quando considerada atributo, é um ramo da onisciência divina; e quando considerada ato, é um ramo da doutrina dos decretos de Deus. Após termos escrito os parágrafos precedentes, encontramos um artigo sobre "Presciência" na enciclopédia Internacional da Bíblia Modelo, escrito por Dr. C. W. Hodge. E ele afirma exatamente o que nós tentamos dizer. Deixamos que o leitor estude sua afirmação juntamente com o que nós já afirmamos.
"A palavra presciência tem dois significados. É um termo usado na teologia para expressar a idéia da previsão de Deus, isto é, Seu conhecimento do curso integral de acontecimentos que são futuros do ponto de vista humano. Ela também é usada com o sentido de pré-ordenação. No sentido de pré-conhecimento, ela é um aspecto da onisciência divina. O saber de Deus, de acordo com as Escrituras, é perfeito, isto é, Ele é onisciente". C. W. Hodge.

 

PRESCIÊNCIA E PRÉ-ORDENAÇÃO
Quando presciência é usada como um ato divino, ela significa quase a mesma coisa que pré-ordenação. Deixamos novamente o Dr. Hodge falar: "Embora, a presciência de Deus no sentido de pré-conhecimento seja assegurada no N. T., este não é o mesmo significado quando usada para traduzir as palavras gregas "proginoskein" e "prognosis". Estas palavras que, às vezes são traduzidas como pré-ordenação, significam muito mais que a mera presciência ou previsão intelectual. Ambas as formas, verbal e substantiva, aproximam-se da idéia de pré-ordenação e são intimamente ligadas às passagens onde se encontram".
Quando presciência se aplica aos acontecimentos, inclusive ‘a livre ação do homem, ela indica a previsão divina ou o conhecimento de antemão. Quando referente às pessoas, ela tem sentido de favor, denotando não só uma mera ação da mente, mas uma afeição para com a pessoa em vista. A palavra presciência não se encontra no V. T., mas a palavra conhecer é encontrada muitas vezes e significa muitas vezes, amar ou escolher.

"Eles fizeram reis, mas não por mim". Oséias 8:4. "Antes que te formasses no ventre te conheci". Jeremias l:5. "De todas as famílias da terra só a vós vos tenho conhecido". Amós 3:2. "Porque o Senhor conhece o caminho dos justos". Salmo 1:6. Nestas passagens não significa conhecimento, mas sim afeição ou escolha. E a palavra conhecer é também muitas vezes usada no N. T. no mesmo sentido. "E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci". Mateus 7:23. Isto significa que Ele não os conheceu para a salvação. "Eu sou o bom pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido". João 10:l4. "Ma, se alguém ama a Deus, este é conhecido dele". 1 Coríntios 8:3. E novamente, "O Senhor conhece os que são seus". 2 Timóteo 2:19. Nestes versículos o conhecimento de Cristo é limitado aos salvos, e, portanto não pode significar uma mera associação, mas uma afeição. Deus conhece a todos, mas nem todos têm Sua afeição.

Agora, a "presciência das pessoas" significa pré-conhecer com propósito benigno. Significa conhecer com o intento de abençoar. A presciência de Deus de uma pessoa indica Seu favor a tal pessoa e Sua intenção de salvá-la. No fim, os pré-conhecidos serão glorificados, pois, Deus os salvou com tal propósito. O primeiro ato da benevolência de Deus para com os pecadores foi o de pre-conhecê-los. E tal presciência (historicamente) foi a base para todas as outras bênçãos subseqüentes. "Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho". Romanos 8:29.
Deus olhou para alguns pobres pecadores com favor gracioso, e determinou fazê-los semelhantes a Seu Filho glorioso. E Ele não lança fora aos que predestinou. Romanos 11:2. Sobre este versículo Dr. A. T. Robertson fez estes comentários: "Deus escolheu um povo, o povo de Israel, por este motivo é que Ele não os lançava fora".
Aqueles a quem Deus escolheu antes da fundação do mundo, não serão abandonados no presente, nem no futuro. Estes são os "eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo". 1 Pedro 1:2. Neste versículo notamos que eleição é baseada na presciência de Deus Pai. Aqueles a quem o Pai olhou com favor gracioso foram eleitos à obediência da fé e para a aspersão do sangue de Cristo. E esta obediência resulta do poder santificador do Espírito Santo. O leitor deve notar que enquanto a eleição é para salvação, esta salvação não é sem a fé em Jesus Cristo. Os eleitos são justificados, mas a justificação é pela fé no sangue de Cristo. Romanos 5:1; 3:28; 4:5; etc.
Para ser exato e crítico o autor crê que, ainda que presciência seja intimamente associada com a predestinação e pré-ordenação, ela tem um significado especial todo seu. A ordem divina em Romanos 8:29-30, é presciência, predestinação, chamado, justificação e glorificação. A ordem em 1 Pedro 1:2, é presciência, eleição e santificação. Portanto, os pré-conhecidos são eleitos, predestinados, chamados, justificados, santificados e glorificados. Desde que cada aspecto da salvação é pela graça, a presciência de Deus de pessoas é Seu interesse e amor tão gracioso pelos pecadores. E por causa deste Seu favor a eles, Deus os escolheu para a salvação, predestinou-os para adoção como filhos, chamou-os pela graça, justificou-os pela graça por meio da fé no sangue de Cristo, santificou-os pelo Espírito e os glorificará quando o Senhor vier. Que cada leitor, com toda diligência, certifique-se de seu chamado e eleição. 2Pedro 1:10.

Poder de Deus

"Eis que isto são apenas as orlas dos seus caminhos; e quão pouco é que temos ouvido dele! Quem, pois, entenderia o trovão do seu poder"? Jó 26:14.

 

Jó nos dá algumas ilustrações do poder de Deus, e depois diz que isto são apenas as orlas de seus caminhos; e como não podemos entender o trovão de seu poder pouco ouvimos. Nos dias de Jó, os homens deram pouca atenção a Deus; Ele estava fora de seus pensamentos e suas falas. É quase a mesma coisa hoje, pois a natureza humana não muda sozinho!O homem é a mesma criatura orgulhosa, desprezível e rebelde, à parte da graça de Deus. Pouco ouvimos a respeito de Deus em nossos dias, até mesmo em muitas igrejas. E na maioria das aglomerações sociais é tabu falar sobre Deus. O homem é o assunto dos discursos de hoje; são as virtudes humanas e as vitórias humanas que são louvadas e celebradas. Deus está em Seu mundo por providência, mas o mundo não O conhece.

 

O poder de Deus toma duas direções e tem dois objetivos: salvação e juízo. O poder Divino na salvação é gracioso; Seu poder no julgamento é reto. Seu poder na salvação é a demonstração de Seu amor; Seu poder no juízo é a expressão de Sua ira santa. E o poder divino na graça é igual ao Seu poder no juízo, pois; "Há um só legislador e um juiz que pode salvar e destruir". Tiago 4:12. Se Deus fosse incapaz de salvar (converter) "os vasos de misericórdia", Ele seria incapaz de julgar os vasos "de sua ira". Aqueles que negam a graça irresistível, não podem lógica nem consistentemente pedir a Deus pela salvação dos pecadores. Só podem pedir que Deus tente converter os pecadores, ou que poupe os que convertem a si mesmos. Eles não podem pedir que Deus traga pecadores a Cristo; podem somente pedir-Lhe para tentar atraí-los ou livrar do castigo aqueles que, por si mesmos, vêm ao Salvador.

 

A visão popular do poder divino na graça é-nos dada por um escritor da seguinte maneira: As flâmulas do exército de Deus param logo fora da entrada da pequena fortaleza do nosso coração, com o convite de nos entregarmos; Seu grande poder, e graça, e amor, esperam pela nossa decisão". Esta afirmação ignora o fato da depravação humana, nega a necessidade de uma obra interior pela graça e falha em ver a verdade do poder do Espírito Santo. Ela é incoerente quando fala da "pequena fortaleza do coração" e ao mesmo tempo falar do "Seu grande amor, poder e graça". O mesmo eleito se encontra nas palavras de um outro pregador popular: "Somos persuadidos a fazer uma escolha". Homem algum pode escolher por nós. O Deus Todo-poderoso não pode fazer nossa escolha. Eu posso virar as costas a Deus e rejeitá-lO, ou posso estender minhas mãos a Ele, pela operação graciosa de Espírito Santo e aceitar Sua salvação". Que mistura confusa e estranha da verdade e do erro! Somos persuadidos a fazer a escolha e devemos escolher a Cristo como nosso Salvador, mas por causa da nossa depravação herdada, ninguém faz tal escolha à parte da graciosa operação do Espírito Santo em convicção e conversão. É verdade que o pecador resiste a Deus até que sua resistência seja vencida pela obra do Espírito Santo, obra que o faz querer a salvação, obra que dá um novo coração e mente ao pecador. Mas pior ainda são as palavras de um outro pregador que descrevem um Deus fraco: "A onipotência em si mesmo é fraca diante da obstinação. Até mesmo uma criança pode sacudir o punho ao Deus Todo-Poderoso e Ele nada pode fazer. Em Provérbios 21:1, lemos: "Como ribeiros de águas assim é o coração do rei está na mão do Senhor, que o inclina a todo o seu querer". Mas a afirmação antecedente O incapacita diante duma criança.
O poder de Deus é uma verdade que deve dar paz e alegria ao coração do crente e atemorizar o coração do descrente. Seja Salvador ou Juiz, Ele é Todo-poderoso. Tanto a salvação quanto o juízo clamam por um Deus poderoso.

 

A NATUREZA DO PODER DIVINO
1. O poder de Deus é absoluto. Não há nada impossível para Ele que seja o objetivo do Seu poder. Ele é capaz de fazer muito além do que faz. O exercício de Seu poder só se limita onde Ele deseja limitá-lo. Jó diz que: "O que a sua alma quiser, isso fará". Jó 23:13. João o Batista nos diz que Ele é capaz de levantar para Si filhos de Abraão das pedras. Ele poderia ter mantido Satanás fora do Jardim de Éden e assim poupado nossos pais da tentação que resultou na terrível ruína da raça, mas este não foi Seu desejo. Paulo diz que: "Ele é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos". Efésios 3:20. E Cristo assegura-nos que: "Mas a Deus tudo é possível". Mateus 19:26.

2. O poder de Deus é original e essencial. O poder humano é derivado de outro, mas o poder divino pertence somente a Deus, e nunca pertenceu a outro. O poder dum país jaz em seus exércitos ou em seus recursos naturais. É da natureza de Deus ser Todo-poderoso. Seu poder não é derivado, mas original e criativo. Ele dá poder às Suas criaturas, mas não deriva delas parte alguma de Seu poder.

3. O poder de Deus é a vida e atividade de todos os Seus outros atributos, os quais seriam nulos sem este poder. Sem poder, Sua misericórdia seria uma fraca piedade; Sua justiça seria impotente; Suas promessas seriam meras pronunciações e Seu amor seria tão incapaz quanto o de Dario por Daniel. Em vão seriam todos os eternos conselhos, se o poder não os executasse.

 

AS MANIFESTAÇÕES DO PODER DIVINO
Sejam quais forem as qualidades ou características da natureza Divina, cedo ou tarde se manifestarão e serão exercidas, pois não existem disposições inativas em Deus. Seu poder tem sido exemplificado maravilhosamente no passado, como será também no futuro.

 

1. O poder divino apresenta-se na criação. "Ah Senhor Deus! Eis que tu fizeste os céus e a terra com o teu grande poder, e com teu braço estendido; nada há que te seja demasiado difícil". Jeremias 32:17. Ao mandado de Deus, o nada tornou-se em algo. Ele falou e foi feito. Ele desejou e assim sucedeu. "Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas". Apocalipse 4:11. A palavra "criar" significa "fazer do nada". "Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente". Hebreus 11:3. "Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele". Colossenses 1:16. E mesmo todas essas obras não O cansaram, pois Ele é o Todo-poderoso. Isaías 40:28.

2. O poder de Deus é visto no sustento de toda criação: "sustentando todas as coisas pela palavra de seu poder". Hebreus 1:3. "Todas as coisas subsistem por ele". Colossenses 1:17. "Nele vivemos, e nos movemos, e existimos". Atos 17:28. "Dando-vos chuvas e tempos frutíferos". Atos 14:17. Nós devemos olhar a Ele para nosso pão de cada dia. Mateus 6:11. Mas alguns dizem que tudo acontece pelas leis naturais. Mas Deus criou as leis da natureza e pode assim usá-las ou operar além delas, ou sem elas. Suas mãos não são atadas pelas leis naturais.

3. O poder de Deus pode ser visto na redenção humana.
A. No nascimento do Redentor. Lucas 1:35. Que imenso poder foi necessário para tirar das imundícias uma coisa limpa! Mas o Espírito Santo foi competente na encarnação da segunda pessoa da Trindade que se tornou Deus conosco; Deus manifesto na carne.
B. Nos milagres de Cristo. Eles foram todas as manifestações do poder divino. Os cegos viram, os aleijados pularam, os mortos viveram, pois assim Ele o desejou.
C. Na morte de Cristo. Aqui está o maior dentre todos os milagres; o mais admirável e estupendo ato de poder jamais exercido: o poder de morrer. Nossa mente fica confusa diante deste pensamento: o poder de morrer! A morte entre os homens é sinal de fraqueza. A vida dos homens lhes é tirada na morte, mas Cristo entregou Sua vida. Ele disse: "Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou". João 10:18. O Senhor Jesus Cristo foi o ator no drama de todos os tempos, quando por sacrifício próprio Ele aniquilou o pecado. Hebreus 9:26. Que ninguém pense em Cristo como vítima do ódio humano. Em Sua morte, Ele fez a obra que Lhe foi designada pelo Pai, como disse: "Este mandamento recebi de meu Pai". João 10:18.
D. Na ressurreição de Cristo. Ele que teve o poder de dar a Sua vida, também teve o poder de tomá-la novamente. Ele triunfou sobre a morte, os homens e os demônios. Ele que é vida não podia ser segurado pela morte. Sua alma não foi deixada no Hades; nem Seu corpo viu a corrupção. Salmo 16:10; Atos 2:27.
E. Na Sua ascensão. Nosso Senhor e Salvador teve poder de vencer a lei da gravidade e ascender corporalmente ao Pai. Aleluia! Que Salvador é o nosso!

4. O poder todo-poderoso é manifesto na regeneração dos pecadores. Na regeneração, os homens têm novos corações; novos desejos são neles criados; novos princípios lhes são dados; são tirados das trevas para a luz, e do poder de Satanás para o de Deus, sendo feitos voluntários no dia do poder de Deus. Quando consideramos a cegueira natural e a oposição do pecador, e a fraqueza do agente humano (O PREGADOR), e os meios usados (a loucura da pregação), a obra de conversão é o efeito do poder de Deus. Veja 2 Coríntios 4:7; Efésios 1:19.

5. A preservação final de cada crente é prova do poder divino. Com um só sacrifício Ele pode salvar perfeitamente. Hebreus 10:14. Somos guardados pelo poder de Deus. 1 Pedro1:5. Ninguém nos pode tirar de Sua mão. João 10:28. "Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé". 1 João 5:4.

6. O poder de Deus será demonstrado na ressurreição. O que, além da voz do Todo-poderoso, poderá acordar os mortos? O que, além da força do Todo-poderoso, poderá transformar este corpo vil, horrendo, sujo e adoentado, num corpo glorificado, magnífico e imortal? O que pode nos consolar ao lado da cova, ao ver um de nossos amados sendo enterrado, a não ser o pensamento de um Deus Todo-poderoso que pode ressuscitar (e ressuscitará mesmo) os mortos pela palavra de Seu poder?

7. O poder de Deus será manifesto no dia do juízo. Naquele dia se tornará aparente quão miserável é a fraqueza do homem e quão grande é o poder da ira de Deus.Pense no poder necessário para derrotar a rebelião de homens e demônios inumeráveis! Mas Deus terá esta competência "quando Ele se levantar para abalar terrivelmente a terra". Isaías 2:21. Veja também o Salmo 2.

Graça de Deus

Cada crente deve ser agradecido a Deus. A salvação é pela graça, tanto no planejar quanto no executar. Deus que fez o plano, também o executa. E tudo é pela graça, o favor imerecido de Deus. Deus é o arquiteto e também o construtor da casa feita de pedras vivas. Cristo disse: "Eu edificarei a minha igreja". Se pudermos mudar a figura de linguagem; Deus prepara a mesa e nos dá o apetite para dela comermos do pão da vida. O Espírito Santo enche a casa do Pai convidando-os a entrar. Esta coerção não é externa, de modo a não interferir no livre arbítrio do homem, mas uma compulsão interna pela qual o pecador se torna disposto. E esta prontidão é resultado da convicção dos seus pecados pelo Espírito Santo, e uma revelação de Cristo, no pecador, como Senhor e Salvador. Em outras palavras os homens crêem pela graça. Quando Apolo chegou a Acaia, trazendo cartas de recomendação aos apóstolos, diz-se que "aproveitou muito aos que pela graça criam". Atos 18:27.

Um homem, certa vez, referiu-se a si mesmo como tendo sido feito por si próprio. Um ouvinte comentou: "É bom que confesse tal fato. A maioria acusaria sua a má sorte, ou a sua esposa, ou mesmo o criador". É fácil e natural, o homem louvar-se a si mesmo. Mas todo crente é produto da graça. Paulo, como crente, alegrava-se em dizer: "Mas pela graça de Deus sou o que sou". 1 Coríntios 15:10. Numa obra de graça, o Espírito Santo, pelo poder de convicção das Escrituras, dá ao pecador uma visão de si mesmo, e em seguida, livra o pecador da frustração resultante, ao lhe dar uma visão de Cristo, através da luz do evangelho. Um velho Puritano certa vez clamou: "Ó, onde estaria eu, se não tivesse olhado para Cristo?"

 

DEFINIÇÕES DE GRAÇA

A palavra grega "charis" aparece na Bíblia (Novo Testamento) mais de 150 vezes e é geralmente traduzida como "graça" em nossa Bíblia. Não é fácil pegar uma palavra que aparece tantas vezes e com tanta diversidade de aplicações e desenvolver uma doutrina uniforme e constante. Além disso, toda a verdade sobre o assunto nunca poderá ser condensada em uma só frase. Graça é um dos atributos divinos ou perfeições de Deus em Sua natureza, que é exercida na salvação de pecadores. Grandes e bons homens já batalharam com a verdade da "graça", tentando defini-la e descrevê-la. Que possamos agora meditar no que alguns disseram:
Dr. Dal: "Graça é amor que ultrapassa todos os limites de amor". Graça não é algo que se deve ao pecador, mas é algo que ele recebe; não é algo que ele pode reivindicar.
Alexandre Whyte: "Graça e amor são essencialmente o mesmo, sendo que graça é o amor se manifestando e operando em certas condições, e adaptando-se a certas circunstâncias. O amor não tem limite nem lei como tem a graça. O amor pode existir entre iguais, ou pode ir até aos que estão acima de nós, ou descer aos que estão abaixo de nós. Mas a graça, por sua natureza, só conhece uma direção. Ela desce aos que estão abaixo; é amor de verdade, mas amor às criaturas, portanto humilhando-se. O amor de um rei por seus iguais ou pelos outros do palácio real é amor. Mas seu amor aos súditos é graça. É por este motivo que o amor de Deus é chamado de graça". Esta citação merece ser relida várias vezes.
Alexandre Maclaren: "A palavra graça é um tipo de sumário da totalidade de bênçãos imerecidas que vêm ao homem através de Jesus Cristo. Em primeiro lugar, ela descreve o que nós chamamos de "disposição" na natureza divina; e ela indica um amor perdoador de Deus, imerecido, espontâneo, eterno e que chega ao nível do homem. Todas as disposições de Deus são ativas. Portanto a palavra passa de uma disposição a uma manifestação, fazendo da graça de Deus um amor ativo. Desde que as atividades de Deus nunca são infrutíferas, a palavra passa a significar todas as coisas abençoadas da alma que são conseqüências da mão condescendente de Deus que produz frutos em nossa vida por Seu amor imerecido e gratuito". Estude esta citação p/ entendê-la.
Phillips: "Graça é algo em Deus que está no coração de todas as Suas atividades de redenção, Seu rebaixar-se e estender de Sua mão das alturas de sua majestade, para tocar o insignificante e a miséria".

 

Em análise destas definições e descrições do que é graça, encontramos que a palavra é aplicada a três coisas nas Escrituras. A primeira: a atitude de Deus ou Sua disposição de amor e favor ao pecador, é graça. A Bíblia diz que Noé achou graça aos olhos de Deus. A atitude de Deus para com ele era uma disposição de favor e amor, e sendo Noé pecador, esta disposição foi graça. A segunda: quando Deus faz algo de bem pelo pecador, isto é graça. "Pela graça sois salvos". A terceira coisa é que os efeitos ou frutos da graça dada ao crente são também chamados de graça. As graças ou virtudes do salvo são produtos da graça de Deus operando nele. A disposição dos macedônios de ofertarem com liberalidade é chamado de "graça", (2 Coríntios 8:1); e o dinheiro dado aos santos pobres de Jerusalém é também chamado de graça, (2 Coríntios 8:19). A vida transformada do povo que Barnabé viu em Antioquia é chamada de graça de Deus. Atos 11:23.
"Graça! Que som admirável, harmonioso para escutar; os ecos a ressoam no céu e toda terra o ouvirá".

 

COMO MELHOR COMPREENDER A GRAÇA
Talvez o melhor sistema de compreensão do que é graça, é ver como ela se contrasta com outras coisas na Bíblia:

 

1. Ela se diferencia da lei em sua origem e natureza. "Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo". João 1:17. Moisés era a voz da lei; Cristo era o porta-voz da graça. É a natureza da lei fazer demandas; é a natureza da graça outorgar bênçãos. A lei é um ministério de condenação; a graça é um ministério de perdão. A lei coloca o homem a uma distância de culpa do Senhor; a graça traz o homem para perto de Deus. A lei condena o melhor dos homens; a graça salva o pior dos homens. A lei diz: "Faça e viverás"; a graça diz: "Crê e viverás". A lei exige perfeição; a graça providencia a perfeição. A lei condena; a graça liberta da condenação. Enquanto o homem estiver debaixo da lei, ele está perdido. O único modo para o homem escapar do jugo da lei é pela fé em Jesus Cristo, "Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que nele crê". Romanos 10:4. "Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça". Romanos 6:14.

 

2. A graça se contrasta com o pecado em seu domínio. O pecado reina para a morte; mas a graça para a vida eterna. Romanos 5:21. O pecado recebe seu poder de condenação através da lei 1 Coríntios 15:36; mas a graça rouba do pecado este seu poder ao entregar Cristo para a satisfação da lei. 1 Coríntios 15:57. A única e verdadeira fonte de perigo é a lei violada; o único meio de verdadeiro escape é a lei satisfeita. Cristo satisfez a lei por Seu povo, para que a lei pudesse ser satisfeita com eles.

3. A graça se contrasta com as obras na salvação dos pecadores. "Pois pela graça sois salvos por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras para que ninguém se glorie". Efésios 2:8-9. A salvação é pela graça do Criador em lugar das obras da criatura. A salvação pela graça exclui a possibilidade de obras, sejam elas grandes ou pequenas, morais ou cerimoniais. A salvação pela graça não dá ocasião para o homem se gloriar. Toda gloria é dada a Deus.
"A graça planejou salvar o ser humano. A graça efetuou cada passo do plano".

 

4. A graça se contrasta com dívida quanto a causa da salvação. "Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça". Romanos 4:4-5. O pensamento aqui é que o homem que recebe o salário pelas suas obras, não recebe da dádiva da graça, mas recebe do que lhe é devido. Não existe graça onde o homem recebe por causa do que merece ou ganha. Graça exclui a noção de débito ou obrigação. A salvação pela graça implica que Deus não é obrigado a salvar. Se existe uma obrigação da parte de Deus para com o homem, não seria a graça a causa da salvação. Foi pela graça de Deus não por obrigação alguma que Ele salvou o pecador. Toplady disse bem: "O caminho ao céu não é uma estrada de pedágio, mas uma estrada livre, pela graça imerecida de Deus em Cristo Jesus. A graça nos encontra como pobres mendigos e nos deixa como devedores".
"Como as montanhas elevam-se sobre os vales, assim a graça excede aos nossos mais altos pensamentos".

 

A GRAÇA NA TRINDADE
Todas as três pessoas da Trindade são igualmente graciosas para com o pecador. A graça do Pai, do Filho e do Espírito é igual em sua extensão, mas é distinta em operação e administração.

1. O Pai é a fonte de toda graça. Ele propôs o fato e o plano da graça. Ele formulou o concerto de graça e preparou um meio pelo qual "os pecadores banidos da presença dEle, não fossem expulsos dEle". Ele fez a escolha, pela graça, de quem seriam os beneficiados por Sua graça, e na plenitude dos tempos mandou Seu Filho ao mundo para servir como mediador da graça.

2. O Filho eterno é o canal de graça. O único meio pelo qual a graça de Deus pode atingir o pecador é através de nosso Senhor Jesus Cristo. Aquele que rejeita a graça de Deus jamais deve se considerar como beneficiário da graça de Deus! Sua obra reconciliou graça e justiça, como está escrito: "A misericórdia e a verdade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram". Salmo 85:10.
João Bunyan, bem-aventuradamente perdido na contemplação da incomparável graça do Filho de Deus, exclamou: "Ó Filho do Bendito! A graça Te tirou de Tua glória; a graça Te trouxe para a terra; a graça fez com que tomasses sobre Ti o peso de nossos pecados, peso inexplicável de maldição; a graça se encontrava em Teu coração; a graça sangrou de Teu lado ferido; a graça estava em Tuas lágrimas; a graça se achava em Tuas orações; a graça se derramou de Tua fronte coroada de espinhos! A graça se apresentou com os cravos nas mãos e os espinhos na fronte! Ó, aqui estão as insondáveis riquezas da graça! Graça para alegrar o pecador! Graça para a admiração dos anjos! Graça para atemorizar os demônios!

3. O Espírito Santo é o administrador da graça. Sem a graciosa operação do Espírito Santo na conversão do pecador, nenhum pecador seria beneficiado pela graça. O Espírito toma o que é de Cristo e o dá ao pecador. Ele desperta todas as almas escolhidas por Deus, e conduz a Cristo todas as ovelhas pelas quais o Bom Pastor dera Sua vida. João 10:11. Ele conquista o mais endurecido dos corações, e limpa a lepra mais imunda do pecado. Ele abre os olhos cegos pelo pecado e os ouvidos fechados por Satanás. O Espírito Santo revela a graça do Pai e aplica a graça do Filho.
"Podemos escutar a verdade do púlpito, mas aplicação da verdade é a obra de Deus".

 

A Graça de Deus II
No capítulo precedente, demos diversas definições harmoniosas sobre a graça por vários autores, e acrescentamos a nossa de maneira a esclarecer-lhe o significado. Neste capítulo nosso objetivo é mostrar aos nossos leitores os vários aspectos da graça. Onde quer que a graça opere, ela tem um trono e é sobre ele que escreveremos:

 

O REINO DA GRAÇA
"Para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor". Romanos 5:21. Paulo personifica Pecado e Graça, e fala deles como duas figuras reais... dois reis sobre seus tronos. Depois mostra o que cada Palavra dá aos seus súditos. O pecado tem a morte em sua mão manchada, ao passo que a graça tem a vida nas mãos.

1. A graça é mais poderosa que o pecado. Aqui jaz a única consolação do pecador, ainda que ele não reconheça tal fato, até ser despertado pelo Espírito. Não há quem se livre da tirania do pecado. O pecado é demais para as forças humanas. Os homens são levados cativos por Satanás. 2 Timóteo 2:26. Os homens podem se reformar, mas não se regenerem a si mesmos. Eles podem deixar seus crimes e vícios, mas nunca seu pecado. "Porventura pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? Então podereis vós fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal". Jeremias 13:23.

2. A graça reina em retidão. Seu reino é de perfeição. A graça não é contra a lei. A graça não procura destruir a justiça; isto seria dividir Deus contra Si mesmo. A graça respeita a lei quando dá Cristo nosso Senhor que satisfaz a lei tornando-Se nosso penhor, tomando sobre Si a culpa de nossos pecados e levando-as ao madeiro. Deus tratou com Seu Filho em justiça, para que pudesse tratar com o pecador em misericórdia e graça.

3. A graça reina por Jesus Cristo, nosso Senhor. Cristo não é a fonte, mas o meio da graça. A graça tem sua fonte no coração de Deus, e opera de acordo com a soberana vontade de Deus. A palavra reinar, sugere a idéia de um rei ou de uma rainha sobre um trono. E um trono fala de poder e recursos. O poder da graça é o poder de Deus. Assim é próprio falarmos da graça irresistível. E certamente podemos falar de um Deus irresistível. Os recursos da graça são encontrados em Deus. O sangue de Cristo é o fundamento da graça. Quando Seu sangue perder o valor, a graça vai à falência e o crente estará perdido. Mas isto jamais acontecerá!
"Há poder, sim, força sem igual, Só no sangue de Jesus!"

 

4. A graça reina em cada fase e a cada passo da salvação. A graça de Deus salva e protege até o final. A salvação é um termo compreensível que abrange todos os aspectos e períodos da libertação do homem de seus pecados. Cada aspecto e cada instante da salvação é pela graça, e isto exclui os méritos humanos em cada aspecto e passo. A salvação é do início ao fim, uma obra da graça.

 

A. A graça reina na presciência. A primeira obra de Deus para com Seu povo foi a de conhecê-los de antemão. Em Sua presciência Ele colocou sobre eles o seu amor. Ele os conheceu de antemão com o intento de abençoá-los. Ele os amou com amor eterno, e este amor foi um amor gracioso e, de maneira alguma merecido.

 

B. A graça reina na eleição. A eleição é pela graça. Romanos 11:5. A eleição não foi feita tendo como base o mérito previsto em nós pecadores, pelo contrário, ela é baseada no amor gracioso de Deus!. Em 2 Tessalonicenses 2:13, Paulo fala sobre os que perecem por não haverem recebido o amor da verdade, para que fossem salvos; e em seguida fala sobre os santos: "Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade". Neste texto encontramos duas coisas: primeiro, por que os homens são salvos; segundo, como os homens são salvos. A Bíblia diz que são salvos, porque Deus os escolheu para a salvação. E são salvos pela santificação do Espírito Santo e por crerem na verdade, a verdade do Evangelho. É isto que os diferencia dos que perecem: "pois não receberam o amor da verdade". Se não fosse a escolha de Deus e a santificação do Espírito, os tessalonicenses, teriam também rejeitado a verdade. Portanto, devemos dar graças pela Sua salvação. Agora, por que Deus os escolheu? Será que a base de Deus para esta escolha foi a fé prevista destes, ou algum bem neles? Ou será que foi graça da Sua parte? Romanos 11:5-6 nos dá a resposta: "Assim, pois, também agora neste tempo ficou um remanescente, segundo a eleição da graça. Mas se é por graça, já não é pelas obras".

 

C. A graça reina na predestinação. Predestinar é determinar o destino de antemão. Nunca se fala sobre predestinação á condenação, mas sempre se refere à salvação. Deus não é a causa de ser algum sofrer a condenação; o pecado é que condena o homem. Mas Deus é a causa de Salvação. A Bíblia diz que aos que antes conheceu, Deus os predestinou para serem conformes a imagem de Filho de Deus. Romanos 8:29. Qual seria a causa da predestinação a tal glória? Seria ela a fé ou bondade prevista nos homens? Em Efésios 1:5-6, temos a resposta: "E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade. Para louvor e glória da sua graça, pelo qual nos fez agradáveis no amado".

 

D. A graça reina em nosso chamado. "E aos que predestinou a estes também chamou". Romanos 8:30. A palavra "chamado" no N. T. nunca aplica-se aos recipientes dum simples convite externo ao Evangelho. Ela sempre indica um chamado interno e eficaz... um chamado que nos leva a Cristo e a salvação. E este chamado é pela graça de acordo com 2 Timóteo 1:9: "Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos". E em Gálatas 1:15, Paulo diz que Deus o chamou pela Sua graça.

 

E. A graça reina na justificação. Pode-se definir justificação como o ato judicial de Deus no qual Ele declara o crente a não estar mais debaixo da condenação, mas como reto diante dEle. A justificação e condenação são anônimos. O justo é liberto da culpa do pecado. Esta bênção é fruto de mérito ou de graça? Romanos 3:24, diz: "Sendo justificados gratuitamente (sem méritos próprios, C. D. Cole) pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus".

 

F. A graça reina na conversão. Na conversão, efetua-se uma transformação no pecador. Há uma mudança de trevas para luz, de morte para vida e do poder satânico para poder divino. Há uma mudança de opinião e ele crê no que antes rejeitava; mudança nas afeições, e agora ama ao que antes odiava. Qual é a explicação para tal fato? Pode o pecador transforma-se a si mesmo? Podem as trevas gerar luz? Ou a morte criar vida? Pode o sujo transformar-se em pureza? Então, e só então, poderá o pecador converter-se a si mesmo. Se Deus é quem converte o pecador, será isto por obrigação ou pela graça? Paulo dá o crédito de sua salvação à graça. Depois de mencionar como era perseguidor da igreja, ele diz: "Pela graça de Deus, eu sou o que sou".

 

G. A graça reina na glorificação. "e aos que justificou a estes também glorificou". A glorificação é o livramento completo de todo aspecto do pecado e de qualquer vestígio dele. É a obra coroadora da redenção pela qual somos pessoalmente glorificados e postos num ambiente de glória. Ela inclui tanto a alma quanto o corpo. Nossa salvação não é completa enquanto estes corpos estiverem na sepultura, ou se vivos, continuarem mortais. Ainda que o tempo enrugue e as tristezas envelheçam as faces com lágrimas, e doenças e dores mutilem o corpo; e ainda que morte transforme em pó; a graça ganhará para nós um novo corpo o qual será modelado à semelhança da perfeição de Deus. "Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo". 1 Pedro 1:13. "Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele; porque assim como é o veremos". 1 João 3:2.

 

PROVISÕES DA GRAÇA
A graça, como o bom samaritano, não somente satisfaz na emergência do presente, mas provê para as bênçãos futuras e eternas. Que o pecador constrangido possa saber que as provisões da graça em Jesus Cristo são amplas. Cada um que sentir a praga de seu próprio coração pode vir a Cristo para ser curado. Ele convida a todos, e a todos dá seu bem-vindo. Escute Suas palavras: "o que vem a mim de maneira alguma o lançarei fora". João 6:37. Ainda que ímpio como Manassés, imundo como Madalena, culpado como o ladrão na cruz, Ele não lançará fora os pobres de espírito. Ele não manda embora o verdadeiro mendigo que bate à Sua porta, seja qual for a sua iniqüidade e impureza. Seu coração é revestido de doce compaixão e Suas mãos estão cheias das mais ricas dádivas. Ele tem providências para todas as necessidades: pernas para o mendigo aleijado, olhos para o cego, vigor para o esmorecido, vestes para o que está nu, uma fonte de água para o imundo. Sim, e uma corda para o mendigo falso que clama por misericórdia, mas, fala de méritos. "Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal". 1Timóteo 1:15.
O fundamento da fé para o santo do Senhor é Sua palavra, e seu refúgio é Cristo Jesus.

 

A GRAÇA DE DEUS É MULTIFORME
Existe a graça que sustém nos tempos de tristeza, a graça triunfante nas horas de tentação, a graça perseverante nos dias de desencorajamento. Há a graça que ensina, a graça para viver e a graça para morrer. Mas tempo e papel me faltariam para falar do pecado de frustrar a graça, o qual vem com o ensino de salvação pelas obras, e de abusar da graça, quando alguns transformam a graça de Deus, em lascívia, usando-a como desculpa para pecar. A graça livrou cada crente da culpa do pecado, do amor pelo pecado e um dia livrá-lo-á da presença do pecado. Até o dia quando o Senhor retornar para completar Sua obra da graça, todo crente provará, como o apóstolo Paulo, das obras internas do pecado, e confessará com ele, que "o que aborreço isso faço". Romanos 7:15.

 

A Graça de Deus III
Quase toda pessoa que professa ser crente, crê que a salvação é pela graça. É difícil encontrar um crente de qualquer denominação que negue que a salvação seja pela graça. A Bíblia declara tantas vezes e com tanta firmeza que a salvação é obra da graça, que poucos são os que abertamente negarão tal fato. Mas o problema é que muitos falam da graça de maneira a frustrá-la. A graça de que falam e pensam não é nem sequer mesmo graça. Pois ela se confunde de tal modo com as obras e os méritos humanos que não resta que seja realmente graça. Romanos 11:6. Na literatura católica romana fala-se tanto na graça quanto na literatura batista, mas existe uma grande diferença no que cada um destes dois grupos quer dizer quando usa este termo. Nos capítulos precedentes, tentamos definir a graça, seu domínio, o que oferece; e neste capítulo tentaremos mostrar:

 

COMO A GRAÇA SALVA
Antes de chegarmos diretamente à questão, firmaremos alguns fundamentos dos quais começaremos nossa argumentação:
1. A salvação pela graça destrói toda a possibilidade para a vanglória. Nenhum homem entende verdadeiramente o que é graça, se se gabar de qualquer coisa que fez ou pode fazer como base da sua salvação. Se sua idéia da salvação permite que se vanglorie, pode ter certeza de que está errada. Nenhum homem pode nem mesmo se vangloriar de seu arrependimento e fé, pois ambos são dons da graça de Deus. Veja Atos 5:31; 11:18, I Coríntios 3:5; Efésios 1:19; João 5:4. Toda graça é fruto do Espírito. Gálatas 5:22-23.
2. A salvação pela graça significa que Deus terá todo o louvor pela nossa salvação. O Pai tem todo o louvor por haver dado o Salvador; o Filho terá todo o louvor por haver executado a obra da salvação; e o Espírito Santo terá todo o louvor por haver efetuado a salvação em nós por nos convencer do nosso pecado e nos levar à fé no Senhor Jesus Cristo.
3. A salvação pela graça não é uma licença para pecarmos. Existem dois perigos concernentes à graça: o primeiro é de frustrá-la, e o segundo é de abusar dela. Frustramos a graça quando ensinamos que a retidão vem ao guardar a lei. Gálatas 2:21. Abusamos da graça quando a usamos para justificar uma vida de pecado. O primeiro desconsidera a graça e o segundo usa a graça erradamente.
Aquele que justifica seu pecado ao dizer que está debaixo da graça e não da lei, não conhece, na verdade, a graça de Deus. O filho da graça despreza o pecado e luta contra ele, e quando cai em pecado, confessa seu pecado e deixa-o. Isto é, o pecado não é o costume nem a prática de sua vida. Não há pecado que ele abrace nem leve à glória consigo. Não há pecado que seja como o açúcar é para o paladar. O homem da graça não se orgulha de não estar em pecado, nem se justifica quando cai em pecado.
Ao abordamos a questão:

 

COMO A GRAÇA SALVA?
Vamos fazê-lo de modo negativo.

1. A graça não salva ao capacitar o pecador para cumprir perfeitamente a lei de Deus. É nosso julgamento que muitos vêem a graça de tal maneira. Eles dizem que o homem por si mesmo não é capaz de cumprir a lei, mas que a graça o capacita a cumpri-la, desta maneira salvando o homem. Para serem lógicos e coerentes, e darem lugar à graça, esta deve ser a posição de todos os que pregam a salvação ao cumprir a lei. Admitimos que se Deus apagasse todo vestígio de nossa natureza pecaminosa, e se Ele nos fizesse capazes de cumprirmos a lei, isto seria graça sem dúvida... seria um favor de Deus, não merecido. Seria graça pois estaria fazendo por nós o que não merecemos. Mas este não é o modo como a graça opera, e, portanto expressamos as nossas objeções:

A. Isto não satisfaria a justiça pelos pecados já antes cometidos. Deus é justo, além de gracioso e a graça nunca vai contra a justiça. Mesmo se o pecador deixasse completamente de pecar, a justiça o condenaria pelos pecados já antes cometidos.
B. Isto roubaria de Cristo qualquer parte na salvação. Se a graça nos salvasse ao fazer de nós seres perfeitos, isto seria só pela graça, mas à parte de Jesus Cristo, pois "... se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde". Gálatas 2:21.
C. Se a graça nos salva ao nos capacitar para cumprir a lei, então o Espírito Santo seria o Salvador e não Cristo. O Espírito Santo é o administrador da graça interior; é pelo Seu poder que louvamos e servimos a Deus. O Espírito Santo pela Palavra nos mostra o Salvador, e torna-O precioso a nós, mas a Espírito Santo não é o Salvador. Ao anunciar o nascimento do Salvador, o anjo disse: "Chamarás o seu nome JESUS, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados". Mateus 1:21.
D. No novo nascimento a natureza pecaminosa não é aniquilada, mas uma natureza sem pecado é implantada. No homem salvo, há um conflito entre as duas naturezas: "Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis". Gálatas 5:17. E Paulo disse: "Acho então esta lei em mim; que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo". Romanos 7:21. E este é o testemunho de todo filho verdadeiramente nascido de Deus, pois "Se dissermos que não temos pecado, enganamos-nos a nós mesmo, e a verdade não está em nós". 1 João 1:8.

 

2. A graça não salva ao fechar os olhos ao pecado. Se Deus não levasse em conta nossos pecados, isto certamente seria graça, mas ao fazer isso, Ele estaria abdicando Seu trono em favor de Seus inimigos. Nosso pecado merece punição, mas se Deus virasse as costas e não olhasse para nosso pecado, isto seria, em efeito, graça... um favor de Deus jamais merecido. Mas a graça não salva deste modo por várias razões:

A. Porque ela o faria às custas da justiça. Não pode haver sacrifício da justiça no ato da salvação. O pecado tem que ser, e será punido. Se Deus virasse as costas ao pecado isto seria graça, mas ao mesmo tempo seria injustiça.
B. Não haveria necessidade para a vinda de Cristo, nem de Sua morte no Calvário. Há perdão com Deus, mas está baseado na justiça satisfeita. A graça salva ao satisfazer a justiça. "Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão de ofensas, segundo as riquezas da sua graça". Efésios 1:7.
C. Isto faria o homem amar um atributo de Deus e desprezar o outro. Se a graça salva à parte de sua satisfação da justiça divina, o pecador naturalmente admiraria a graça de Deus, e ao mesmo tempo desprezaria Sua justiça. Ao lidar com os pecadores desta maneira, Deus estaria premiando o pecado. Nós pouco honraríamos um juiz humano que virasse as costas aos crimes de um homem e o deixasse escapar. Tal juiz seria desprezado e despedido. Procedimentos assim seriam um convite aberto para todos cometerem todos os crimes que desejassem, pois não seriam vistos pela lei, e mal algum aconteceria ao criminoso. Gostaria, prezado leitor, de viver em tal país?

 

3. A graça não salva ao dar ordenanças que devemos obedecer. As ordenanças e cerimônias de Cristo são para os que já são salvos. Elas são declarativas e simbólicas; não salvadoras nem sacramentais. Elas são para os santos e não para o mundo. As mais terríveis heresias apareceram de idéias errôneas a respeito das ordenanças. Milhares de vidas se perderam no decorrer da história por não haverem se submetido à tais conceitos falsos. Cito dum artigo sobre "Os sacramentos" do Livro de Missas da Igreja Católica Romana, publicado pela editora "Paulinas", de Nova York:
"Os sacramentos são meios comuns pelos quais a graça de Deus é trazida à alma duma pessoa. Dependemos da graça de Deus não só para alcançarmos o céu após a morte, mas para viver uma vida agradável a Deus na terra. O que os ventos fazem para o barco, é o que a graça faz para a alma".
"Os sacramentos são sete maneiras diferentes pelas quais diversas graças especiais são aplicadas a nossa alma. Todas foram instituídas por Cristo. Pela Sua morte no Calvário, nosso Senhor criou um grande reservatório de graça. Deste reservatório existem sete canais, cada um transportando uma qualidade especial, e quando necessitamos de certo tipo de ajuda divina, vamos ao sacramento que o oferece. O batismo regenera a alma e nos faz filhos de Deus. Ele tem o efeito de lavar o pecado com que nascemos, como também outro pecado qualquer que cometemos. A confirmação fortalece a alma, a fim de capacitá-la a lutar valorosamente. A Santa Eucaristia, sendo o próprio Cristo, o pão vivo, é o alimento e a nutrição da alma. A penitência nos traz o perdão de Deus. A Extrema Unção, dá-nos a graça para morrermos bem. O Santo Clero eleva os homens à dignidade do serviço de Deus e lhes dá a força para perseverarem. O Matrimônio dá graça aos cônjuges para se amarem e para criarem filhos na graça e no conhecimento de Deus. Através de toda a nossa vida, os sacramentos oferecem nutrição espiritual, sem a qual é impossível merecermos a alegria e a glória que Deus preparou para nós no céu".
Que estranha mistura de verdade e erro! Que frustração da verdadeira graça de Deus! Que caricatura da verdade! O artigo fala da graça que nos capacita a merecer a alegria e glória do céu. Merecer algo é ter mérito ou ganhar algo através de dádivas, e o que ganhamos por débitos não pode ser recebido pela graça. Romanos 4:4. A Bíblia nos diz que a salvação é pela fé, para que ela seja pela "graça". Romanos 4:16. A Bíblia diz: "pela graça sois salvos por meio da fé". Efésios 2:8. Mas este artigo nem sequer mencionou a palavra fé.
Agora tentaremos dar uma resposta positiva à nossa pergunta: "Como a graça salva?" Qual o modo de operar da graça? O que faz a graça na obra de salvação?

1. A graça salva da culpa e da pena do pecado ao colocá-las sobre Cristo. A graça salva ao punir a Cristo no lugar do pecador. Ele nos limpou da nossa culpa ao Se sacrificar. Hebreus 9:26. Ele levou nossos pecados sobre Seu próprio corpo no madeiro. 1 Pedro 2:24. Ele morreu como o Justo pelo injusto para que nos levasse a Deus, isto é, ao Seu favor. 1 Pedro 3:18.
A justiça diz que meus pecados devem ser punidos, e eles foram punidos em meu Penhor, o Senhor Jesus Cristo, o Penhor do novo concerto. Hebreus 9:22. Foi por graça incomparável que o Senhor Jesus liquidou nosso débito do pecado, e é Ele que terá todo o louvor.
"Graça" clamou Spurgeon, "é tudo por nada; Cristo de graça, perdão de graça, céu de graça".

2. A graça nos salva do amor ao pecado e dum entendimento obscurecido. Isto pode ser chamado de salvação interior e é obra do Espírito Santo em nós. Nesta obra o Espírito Santo abre os olhos cegos para que vejam a verdade do Evangelho. Paulo disse que seu Evangelho estava escondido dos olhos do pecador, pois suas mentes estavam obscurecidas. 1 Coríntios 4:4. A morte de Cristo não beneficia o homem que vive e morre sem fé nela. E todos nós estaríamos em tal condição, se não fosse a obra da regeneração e da iluminação do Espírito Santo. As verdades espirituais são loucura para o homem natural, mesmo que ele seja um professor universitário, e ninguém pode fazer do homem natural um homem espiritual a não ser o Espírito Santo.
Por natureza e por educação, Saulo de Tarso era um fariseu orgulhoso, perseguidor e de retidão própria, mas a graça operou nele as graças do arrependimento e fé. Foi a graça que o fez repugnar a si mesmo e amar a Cristo. Ele tinha dependido de seus ancestrais hebreus, do rito da circuncisão, da ortodoxia dos fariseus, do seu zelo como um patriota perseguidor e da sua lei de justiça; mas quando a graça lhe revelou Cristo em todo Seu valor, ele considerou todas estas coisas como "esterco", regozijando-se na justiça que vem pela fé em Jesus Cristo. Filipenses 3:l-9.
A conversão é obra do Espírito Santo e Sua obra em nós é tanto pela graça quanto foi a obra redentora de Cristo na cruz. Cristo liquidou nossa dívida do pecado com Sua morte; o Espírito Santo nos trouxe a convicção do pecado e fé no sangue de Cristo como o único remédio para o pecado. "Graça", disse Surgeon, "é a estrela matutina e vespertina de nossa experiência. A graça nos coloca no caminho, ajuda no caminho, e nos leva até o fim do caminho".

Misericórdia de Deus

"Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer". Romanos 9:18.
Não é objetivo do autor, tentar fazer um debate exaustivo deste assunto, mas sim, escrever duma maneira geral sobre este atributo divino da misericórdia. O texto porém será explicito em afirmar que Sua misericórdia não é universal; ele declara que Deus é soberano em conferir esta misericórdia; fica também afirmado que Ele consulta Seu próprio prazer quanto aos objetos de sua misericórdia. Mas isto não significa que a misericórdia será negada a qualquer pecador que venha a Cristo. Isto não pode acontecer, pois, Jesus disse: "o que vem a mim de maneira alguma o lançarei fora". João 6:37. Todo pecador que crê no Senhor Jesus Cristo achará misericórdia com Deus, e "quem quiser" pode vir.
Notemos que o texto coloca o exercício da misericórdia em oposição ao endurecimento como ato divino. Portanto, será mais fácil compreendermos um ato se compreendermos o ato oposto. Seja o que for Deus faz ao endurecer o coração do pecador; ele faz o oposto disto ao exercer Sua misericórdia ao pecador. Observemos também que o contexto fala dos "vasos da ira" e dos "vasos de misericórdia".

 

O ENDURECIMENTO DO CORAÇÃO DOS PECADORES
Ao endurecer o coração dos pecadores, Deus não põe neles princípios pecaminosos; isto O faria autor do pecado. O princípio do pecado já está neles; somos por natureza filhos da ira. Efésios 2:3. Mas ao endurecer o coração do pecador Deus o deixa agir pelos seus próprios desejos pecaminosos, apenas controlando-os de maneira que seus desejos pecaminosos não produzam certas ações que poderiam destruir o propósito de Deus. Como ilustração: na morte de Cristo, Seus assassinos estavam executando seus próprios desejos, mas foram controlados por Deus, de maneira que suas obras cumprissem as profecias e que o propósito eterno de Deus fosse efetuado. Isto explica porque rasgaram Suas vestes e lançaram sorte sobre Sua túnica e deram-Lhe vinagre com fel para beber. Isto também explica porque Seus ossos não foram quebrados e porque Seu lado foi ferido. Deus estava no controle dos que mataram Seu Filho, para que fizessem as coisas profetizadas no Velho Testamento. Leia João 19:33; Salmo 22:18; 69:21;Mateus 27:35.
Em Atos 14:16 lemos que Deus permitiu que as nações andassem em seus próprios caminhos, isto significa que Ele as deixou às suas próprias vontades depravadas. Agora entendemos que misericórdia é o oposto de deixar o pecador entregue aos seus próprios desejos. É colocar algo de bom no pecador, sendo este algo uma disposição santa e um bom princípio, pelo qual eles se arrependem de seus pecados e crêem no Senhor Jesus Cristo. Mostrar misericórdia aos que vêm a Cristo e rogam pelo Seu sangue, é misericórdia objetiva. Produzir em nós tanto a vontade quanto o fazer, Filipenses 2:13, misericórdia subjetiva. E esta é a idéia com que ela é usada em Romanos 9:18.
Em Efésios 2:3-5, lemos que "somos por natureza filhos da ira... mas Deus que é rico em misericórdia, nos vivificou juntamente com Cristo". E em Tito 3:5, lemos que foi "Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo". Foi em misericórdia que Cristo morreu por nós, e foi também em misericórdia que o Espírito iluminou nosso entendimento, obscurecido pelo pecado.

 

HUMILDADE VERSAS ORGULHO
Contemplar a misericórdia de Deus enche a alma redimida de humildade e louvor, duas virtudes de grande valor à vista de Deus. E o que Deus valoriza, certamente deve ser buscado por nós. Se Deus despreza o orgulho, devo buscar a humildade. Se Deus apraz-Se com um espírito de gratidão, devo buscar um espírito de gratidão. É natural buscarmos as coisas estimadas pelos homens; é sobrenatural buscarmos as coisas aprovadas por Deus. O mundo admira um espírito de orgulho e de auto-suficiência e, portanto, são homens como Napoleão e outros valentes de guerra que são heróis para o mundo. Mas é o espírito quieto e humilde que é de grande preço à vista de Deus. 1 Pedro 3:4. E nada nos fará mais humildes e gratos que a contemplação da misericórdia de Deus. A misericórdia nos faz relembrar nosso estado de miséria como filhos da ira. Misericórdia explica nossa salvação. Sem misericórdia seríamos consumidos pela ira da justiça divina.

 

DEFINIÇÃO DE MISERICÓRDIA
O dicionário nos dá a seguinte definição: "Misericórdia é tratar com compaixão um inimigo". Roberto Haldane diz que misericórdia é uma perfeição adorável de Deus, pela qual Ele Se compadece e alivia os miseráveis. O homem está numa condição de miséria por causa de sua rebelião contra Deus e merece punição. A misericórdia implica que o pecador não tem nada a dizer em sua defesa própria. Entendemos o significado de misericórdia quando o acusado joga-se à misericórdia do juiz. Isto significa que ele é culpado e não tem mérito com que apelar à lei. Esta é a condição exata em que nós nos achamos diante do tribunal de Deus. A misericórdia é a nossa única esperança. Podemos rogar por justiça diante dos homens, mas rogarmos por justiça a Deus (rogarmos que nos dê o que merecemos) é o mesmo que pedirmos uma vaga na região dos condenados ao inferno.

 

DESCRIÇÃO DE MISERICÓRDIA
A misericórdia de Deus é descrita em vários lugares e de maneiras diversas. Sua misericórdia é grande (1 Rs 3:6), é suficiente (Salmo 86:5), é terna (Lc l:78), é abundante (1 Pe 1:3), é rica (Ef 2:4), é eterna (Sl 103:17). É tão grande consolação sabermos que Deus é tão abundante e rico exatamente no que necessitamos como pobres pecadores. Não é surpresa que o Salmista diga: "Cantarei a tua força; pela manhã louvarei com alegria a tua misericórdia". Sl 59:16.

 

MISERICÓRDIA DISTINGUIDA
1. Misericórdia e graça têm muito em comum, mas existem sombras de diferença entre elas. A graça vê o homem sem mérito; a misericórdia o vê como miserável. A graça pode ser exercida onde não há pecado; a misericórdia é mostrada somente a pecadores. A distinção é vista na maneira como Deus tratou os anjos não caídos. Deus nunca exerceu misericórdia para com eles, pois nunca pecaram, e portanto não estão em estado de miséria. Mas eles são objetos da graça. Foi pela graça que Deus os escolheu em meio a toda a raça angélica. 1 Timóteo 5:21. Foi em graça que Ele lhes deu tais serviços tão honrosos. Hebreus 1:19. Foi pela graça que Deus pôs Cristo como o Cabeça deles. Colossenses 2:10, 1 Pedro 3:22. Deus tratou com os anjos em graça, pois eles não mereciam Seu favor. Se anjos santos não podem merecer Seus favores, que esperança há para o homem pecaminoso?

2. A misericórdia e o amor são distinguidos nas Escrituras. O amor pode ser dirigido a um semelhante; a misericórdia somente existe entre um superior e um inferior. A misericórdia não vai além de dar alívio; amor nos predestinou para adoção como filhos. A misericórdia pode fazer um rei perdoar um traidor; era necessário haver amor para este rei adotar este traidor como seu próprio filho.

3. Há também uma distinção entre misericórdia e paciência. Há uma misericórdia geral de Deus que se assemelha a paciência. Tal misericórdia é temporária e se aplica a todas as suas obras. Salmo 145:9. Esta misericórdia pertence à Sua natureza essencial pela qual Ele provê as necessidades de Sua criação inteira, fazendo o sol levantar-se sobre o mau e o bom, e manda a chuva sobre o justo e o injusto. Mateus 5:45. Mas Sua misericórdia do concerto é exercida soberanamente por meio de Cristo e é eterna.

 

A DEMONSTRAÇÃO DE MISERICÓRDIA
1. A misericórdia de Deus é demonstrada ao dar Seu Filho para morrer no lugar do pecador. Foi pela misericórdia de Deus "que o oriente do alto nos visitou". Lucas 1:78. Foi misericórdia e não justiça que mandou Cristo Jesus para nos redimir da condenação da lei. Cristo não trouxe para nós a misericórdia de Deus, mas foi a misericórdia de Deus que O trouxe a nós. Cristo é o meio pelo qual a misericórdia chega a nós, mas Ele não é a causa. A morte de Cristo torna possível o outorgar das misericórdias do concerto por Deus de maneira a satisfazer a justiça, sendo Cristo o penhor de Seu povo. A misericórdia vem de Deus, mas somente através do Senhor Jesus Cristo.

2. A misericórdia é vista também na regeneração dos pecadores. Vivificar-nos quando ainda mortos em pecados foi certamente um ato de misericórdia, como também o foi a morte de Cristo em nosso lugar. Em Efésios 2:1-3, Paulo descreve o pecador como andando no curso deste mundo, de acordo com o príncipe das potestades, guiado pelo espírito que opera nos filhos da desobediência, sendo por natureza filhos da ira. Mas em seguida ele diz: "Mas Deus que é rico em misericórdia, pelo (por causa de) seu imenso amor com que nos amou, ainda quando mortos em pecados e ofensas, vivificou-nos juntamente com Cristo". Isto não retrata o pecador fazendo algo que faça Deus regenerá-lo, mas retrata a misericórdia triunfando sobre a depravação humana. Em Tito 3:5, lemos que não foi por obras de justiça nossas, mas segundo a Sua misericórdia que Ele nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo. E Pedro diz que foi de acordo com Sua abundante misericórdia que fomos gerados de novo para uma esperança viva. 1 Pedro 1:3. Como pecadores não fizemos nada para merecer nosso novo nascimento nem para merecer a morte de Cristo em nosso lugar.
Temos um exemplo concreto da misericórdia de Deus na regeneração de Saulo de Tarso. Ele atribuiu sua conversão à misericórdia de Deus. Ele diz que outrora blasfemava, perseguia e injuriava, "mas alcancei misericórdia", ele exclama, "pois fiz isto ignorantemente em incredulidade". Isto não indica que a ignorância e a incredulidade sejam base para a misericórdia, antes, evidencia que sua salvação foi um ato de misericórdia. A ignorância e a incredulidade não podem merecer a salvação, portanto a salvação de Saulo foi um ato da misericórdia divina. Paulo era o principal entre os pecadores, mas alcançou misericórdia. Não há pecador perverso demais, que não possa receber a misericórdia da salvação.
Aqui jaz a obrigação dos santos: devemos nossa salvação à misericórdia de Deus em Cristo. O homem não pode valorizar a misericórdia de Deus enquanto se sentir merecedor da salvação. Merecer misericórdia é contradição. Em humildade e louvor atribuímos nossa salvação à misericórdia de Deus!
A misericórdia de Deus é o apelo próprio do pastor a seu povo. "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão (misericórdia) de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é vosso culto racional". Romanos 12:1. A ordem de progressão em Romanos é pecado... miséria… misericórdia... e serviço de gratidão. Os primeiros capítulos de Romanos tratam da condição pecaminosa e da miséria dos pecadores; os próximos capítulos (4-11) se dedicam às grandes doutrinas da graça, que Paulo chama de "misericórdias de Deus", e os capítulos de conclusão exortam à vida prática do crente que vive por causa da misericórdia de Deus. O pastor não é um homem com chicote na mão, mas sim um homem com a Palavra de Deus, e com um grande apelo.
O Salmo 136 é uma tripla exortação para se dar graças pela misericórdia de Deus. Da parte de Deus, a punição do perverso é um ato de justiça. Da parte do pecador, é um ato de equidade; ele recebe o que merece. Mas do ponto de vista do redimido, a punição do perverso é um ato de misericórdia. Os israelitas receberam ordem de darem graças "Aquele que feriu o Egito nos primogênitos; porque a sua benignidade (misericórdia) dura para sempre". Salmo 136:10.

 

O PROPICIATÓRIO
O propiciatório do V. T., e o propiciatório do N. T. são bem distintos, e não devem ser confundidos. Um é o tipo; o outro é o anti-tipo. Sob a lei cerimonial, o propiciatório era a tampa da arca da aliança. Hebreus 9:5. Este propiciatório era o lugar de encontro entre Deus e Israel. Sem esta provisão de misericórdia, a presença de Deus entre eles seria a destruição de Israel, pois seriam consumidos pela Sua santa ira. Ele podia mostrar compaixão a eles e deixá-los viver, pois Sua justiça havia encontrado satisfação na morte os sacrifícios pelo pecado. Uma ovelha, sobre cuja cabeça os pecados eram confessados, era morta, e desta maneira as iniqüidades do pecador eram transferidas para a ovelha. A ovelha tinha que morrer, pois se tornava responsável pelos pecados dos israelitas, e seu sangue aspergido sobre o propiciatório era a base da paz entre o povo pecador e o Deus santo. Entretanto o sangue de touros e de bodes não podia tirar seus pecados a não ser de maneira simbólica e cerimonial, e mesmo assim somente por um ano. Seu valor era apontar para um sacrifício melhor; o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. João 1:29.

O propiciatório do N. T. não é um lugar, mas uma Pessoa, o Senhor Jesus Cristo. Não há lugar onde o pecador possa fugir para escapar da ira de Deus. Os homens talvez fujam de um país para outro, a fim de escapar da justiça dos tribunais humanos, mas não há fugitivo da justiça divina. Deus tem jurisdição em todas as nações, pois Ele é o juiz de toda a terra. Não há nesta terra lugares santos de misericórdia. Salvação não é uma questão de geografia, quer dizer não é caso do local onde a pessoa se encontra na terra. Se alguém achasse a tumba exata de Cristo e nela se escondesse com esperança de misericórdia, a justiça divina o encontraria e o puniria. O pecador poderia ajoelhar-se justamente ao pé da cruz sobre a qual Jesus morreu, e mesmo assim ainda não encontraria a misericórdia de Deus.
O Senhor Jesus Cristo é o verdadeiro propiciatório, e os pecadores têm que correr a Ele para alcançarem misericórdia. A palavra que descreve o propiciatório no V. T. (Hebreus 9:5) é a mesma que descreve o Senhor Jesus Cristo no N. T. Romanos 3:25: "Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue". Esta palavra significa que Ele apazigua a ira de Deus. Cristo apaziguou a ira divina ao suportar a ira de Deus na cruz. A ira que merecíamos caiu sobre Ele. O propiciatório é portanto, Cristo em Sua morte resgatadora. Ele não podia permanecer no céu e ser nossa propiciação. Ele não podia ser propiciação em Sua infância nem como homem que andava fazendo o bem. Sua morte vicária era uma necessidade absoluta. Ele falava de Si mesmo quando disse: "Se o grão de trigo, caindo em terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto". João 12:24.

Não há aproximação física (pelas obras da lei) do Senhor Jesus Cristo, o verdadeiro propiciatório. Esta é uma aproximação de coração e mente. Se o propiciatório fosse objeto material como um objeto de madeira, de pedra ou de ouro, então a aproximação do mesmo seria física. Nós nos achegamos a Cristo, o verdadeiro propiciatório, quando olhamos para Ele e nEle confiamos para sermos aceitos por Deus.
Tememos que muitos estejam esperando pela misericórdia geral de Deus à parte de Cristo. Eles raciocinam que Deus é misericordioso demais para mandar alguém ao inferno. Esta foi a maior esperança que este autor sentiu por algum tempo, mas ele chegou a conclusão que ela era uma esperança falsa. Um evangelista visitou certa vez um homem doente com a esperança de levá-lo a Cristo. Mas o homem era indiferente, dizendo que não temia, pois estava dependendo dum Deus misericordioso e dizia que tal Deus não o mandaria ao inferno. O pregador saiu com coração entristecido. Alguns dias depois, o mesmo doente mandou chamar o pastor, que chegando, encontrou o homem muito perturbado. O doente então disse: "Tenho dependido da misericórdia de Deus, mas há pouco surgiu-me a idéia que Deus é tão justo, quanto misericordioso, e se Ele tratar comigo com justiça em lugar de misericórdia, por certo serei condenado pelos meus pecados. Ó, diga-me como poderei estar certo que ele tratará comigo em misericórdia"! Então o pastor apresentou Cristo como a única propiciação. Todo aquele que não confiar em Jesus Cristo certamente será tratado com a inflexível justiça divina... recebendo o que merece como rebeldes contra Deus. .Pois Deus, fora de Jesus Cristo é fogo consumidor.
"Crime repetido desperta temor, como a reta justiça também; mas na face de Cristo, o Salvador, há mercê, pois, aqui e além".

Fidelidade de Deus

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel". Deuteronômio 7:9.
A fidelidade é um dos atributos de maior conforto e doçura. A fidelidade pertence a Deus; a inconstância caracteriza o homem pecador. A fidelidade de Deus é uma verdade prática ao crente. É travesseiro para a cabeça cansada, estímulo ao coração que desfalece e apoio para os joelhos fracos. Em todas as exigências da vida, podemos contar asseguradamente com Ele. Ele nunca decepcionará a alma que confia. Sua fidelidade nunca falhará. A fidelidade de Deus, juntamente com Seu imenso poder é nossa esperança eterna. Os homens nos decepcionam por falta de fidelidade ou poder. Mas podemos olhar além das ruínas causadas pela infidelidade dos homens, e avistarmos Um que é grande em fidelidade. Podemos ficar certos que "Porque fiel é o que prometeu". Hebreus 10:23.

 

Infidelidade é uma das características que se sobressai nestes dias maus. Quem nunca sofreu nas mãos de homens infiéis? E, onde está o homem que de uma maneira ou outra, não seja culpado deste pecado? No mundo econômico quase todas as falhas são resultado de devedores ou empregados infiéis. No setor social, a infidelidade conjugal tem se tornado um terrível mal. Os sagrados laços do matrimônio são rompidos com a facilidade de quem joga fora roupas velhas. No mundo político, as promessas antes das eleições são quebradas com a mesma facilidade com que foram feitas. Nas negociações internacionais, os acordos são considerados como simples folhas de papel. E no setor religioso, a infidelidade é tão notável quanto em qualquer outro setor. Multidões que professam crer na Bíblia ignoram grandes porções dela, pronunciando outras partes como antiquadas, e com explicações tentam desfazer o que está escrito.

 

ENOJADO COM A HUMANIDADE
Um repórter de um dos grandes noticiários americano, que havia testemunhado a batalha de Alcazar numa Espanha regada pela guerra e ensopada com sangue, ainda hospitalizado, falou com o chefe no outro lado do oceano e disse: "Estou enojado com a humanidade". A raça humana começou a se degradar no Jardim do Éden pela sua infidelidade ao Criador, e pelo mesmo pecado, destrói a si mesma. Aqui está uma pergunta com que podemos sondar o nosso coração: Temos sido motivo de tristeza a outros por motivo de nossa infidelidade? Será que esposa, marido, filhos, pais, vizinho, pastor, irmão, ou outra pessoa qualquer já se entristeceu por nossa infidelidade? Lembre-se que as lágrimas causadas por nosso maltratar são guardadas no odre de Deus para serem evidência no dia de julgamento. Salmo 56:8.

 

O DEUS FIEL
Há alguém que é grande em Sua fidelidade. A fidelidade é uma perfeição em Deus pela qual Ele é fiel à sua Palavra e a todos os Seus concertos. Ele nunca quebra um contrato consigo mesmo nem com Suas criaturas. O que Ele propôs, isto fará, e o que prometeu, isto executará. A mentira é um dos pecados que mais prevaleceu em todos os tempos. Foi o acreditar numa mentira que arruinou toda a raça humana. Adão e Eva deixaram a Palavra de Deus e seguiram o pai das mentiras. E todos os seus filhos seguiram no mesmo caminho. Os filhos de Israel, literalmente rogavam, no passado distante, aos profetas a pregarem mentiras a eles. Eles clamavam: "Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e vede para nós enganos". Isaías 30:10. Em nossos dias, a palavra mentira se camuflou com o termo "propaganda".
Conta-se que em Sião quem fosse pego contando mentira teria a boca costurada por três dias. O Irmão R. G. Lee diz, que se esta fosse a lei aqui em nosso país, muitos homens de negócios não poderiam atender ao telefone, e que muitas senhoras andariam com lindos bordados na boca.
A inclinação de contar e acreditar numa mentira é um dos fatos mais surpreendentes na história da humanidade. Da boca de um só Homem, nunca saiu nenhuma mentira. E este foi o Deus-Homem, Jesus Cristo, a verdade encarnada. Isaías 53:9.

 

DEUS É FIEL A SI MESMO
A respeito de Deus lemos que "Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo". 2 Timóteo 2:13. Isto significa que Ele efetuará tudo o que propôs. Romanos 8:28 diz que tudo opera para o bem dos que amam a Deus e são chamados segundo seu propósito. Lá na eternidade anterior, havia um povo que dantes conheceu e predestinou a quem Deus propôs chamar e justificar e glorificar. Esta era uma proposta secreta, conhecida somente por Deus. Não havia promessa dada ao homem, pois este nem sequer existia ainda. Portanto, se Deus não chamasse, justificasse e glorificasse os dantes conhecidos e predestinados, Ele não seria fiel nem verdadeiro a Si mesmo. Seria como o homem que se propôs a fazer uma coisa, e depois falhou por inconsistência ou por incapacidade. Deus é fiel ao Seu próprio propósito, e tem amplo poder para a execução de Seus planos. "E segundo a sua vontade ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão, e lhe diga: Que fazes"? Daniel 4:35.

 

DEUS É FIEL A SEU FILHO
Existem certas promessas feitas a Cristo, que é simbolizado por Davi espiritualmente, com a condição de que executasse Seus deveres como Mediador do novo concerto. E Deus jurara não mentir a Davi, isto é a Cristo, o Davi espiritual. Ele veria Sua semente e o labor de Sua alma e ficaria satisfeito. Em relação ao concerto da graça, do qual as três pessoas da Trindade fizeram parte, não podemos fazer melhor que citar B. H. Carroll: "Antes de haver o mundo, um concerto de graça e misericórdia foi feito pelo Pai, Filho e Espírito Santo, cujas evidências são plenas no N. T., e a parte a ser executada por cada um são claramente definidas, a saber: A graça do Pai em concordar que seu o Filho viesse, suas obrigações para com o concerto de dar uma semente ao Filho, Sua presciência desta semente, Sua predestinação da semente, e a justificação e adoção destes em bom tempo. O concerto do Filho inclui a obrigação de assumir a natureza humana em Sua encarnação, voluntariamente renunciando à glória que tinha com o Pai antes do mundo… para tornar-Se obediente até a morte e morte de cruz. A consideração como esperança à Sua frente, induzindo-O a suportar a desgraça da cruz, e o galardão dado pela obediência, foi Sua ressurreição, Sua glorificação, Sua exaltação ao trono real de sacerdote e Seu investimento com direito a julgar. E as obrigações do Espírito Santo eram de aplicar Sua obra de redenção em chamar, convencer, regenerar, santificar e levantar dos mortos a semente prometida ao Filho. Tudo isto mostra que o plano de salvação não foi um pensamento secundário; que as raízes dele na eleição e predestinação estão tanto na eternidade quanto da existência do mundo, e os frutos dele estão na eternidade após o julgamento. O crente deve considerar esta corrente, testar cada elo, sacudi-la e ouvir seu som, ligado de eternidade à eternidade. Cada um que Deus escolheu é atraído pelo Espírito a Cristo. Cada um predestinado é chamado pelo Espírito em tempo, justificado em tempo e será glorificado quando o Senhor vier".

 

A MORTE DE CRISTO NÃO FOI UMA EXPERIÊNCIA
A morte de Cristo não foi uma experiência, incerta nos resultados. A obra do Espírito Santo não é mera tentativa para ver o quanto Ele pode efetuar. Jamais poderíamos aprovar a doutrina dum Pai infiel, um Espírito Santo derrotado e um Filho decepcionado. Cremos num Deus fiel, num Espírito Santo invencível e num Cristo vitorioso. Spurgeon diz: "Creio firmemente que toda alma pela qual Cristo verteu Seu sangue como substituto, Ele reivindicará como Sua, e terá como Sua por direito. Amo esta verdade e deleito-me em proclamá-la. Nem todos os poderes da terra ou inferno, nem a obstinação da vontade humana, nem a profunda depravação da mente humana, podem impedir Cristo de ver o labor de Sua alma e de ficar satisfeito. João 6:13-40.
Mas, melhor ainda são as palavras proferidas pelos lábios da Verdade em carne... ouçam-na: "Todo que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia". João 6:37-40.

 

A BASE DE NOSSA SEGURANÇA
A base da nossa segurança é a fidelidade de Deus a seu Filho. "Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor". 1 Coríntios 1:9. De acordo com o concerto, Jesus Cristo teria companheiros. Pelo chamado de Deus (o chamado eficaz do Espírito pela Palavra) fomos primeiramente admitidos na comunhão com Cristo, e o objetivo final é nossa presença com Ele na glória. E isto é garantido pela fidelidade de Deus, que nos confirmará no fim (1 Coríntios 1:8), pois os chamados serão justificados e glorificados. Os que Ele chamou e justificou estão seguros enquanto Deus for fiel à Sua Palavra para com o Filho. Livrar-se da correção depende da boa conduta do crente, mas a certeza da glória se baseia na fidelidade de Deus para com Seu Filho.
"Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nos meus juízos, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara, e a sua iniqüidade com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade. Não quebrarei a minha aliança, não alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez jurei por minha santidade que não mentirei a Davi. A sua descendência durará para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim". Salmo 89:30-36.
Que firme fundamento para nossa fé! Nossa segurança não jaz em nossa fidelidade a Deus, mas na fidelidade de Deus ao Seu Filho. ALELUIA!

 

DEUS É FIEL A SEUS SANTOS
Deus fez promessas aos crentes pobres, fracos e entristecidos que creram no Senhor Jesus Cristo e Ele, fielmente, cumprirá cada promessa que fez. "Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento". Romanos 11:29. Isto significa que Deus é fiel às Suas promessas do concerto, e não falhará na glorificação dos que chamou. Todas as promessas de Deus em Cristo são "sim" (certas) para que cada crente possa dizer "amém" à glória de Deus. 2 Coríntios 1:20.

 

PRESERVAÇÃO
Deus é fiel na preservação de Seu povo. "Porque o Senhor ama o juízo e não desampara os seus santos, eles são preservados para sempre". Salmo 37:28. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que, mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai". João 10:27-29. Aquele que é preservado não tem o poder para guardar-se a si mesmo. Os santos são fracos, mas são guardados pelo poder de Deus. 1 Pedro 1:5. A promessa de Deus ao crente é a vida eterna. E isto não significa existência eterna, mas favor ou justificação eterno para que ele nunca mais fique debaixo da condenação. João 5:24.
"E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará". 1 Tessalonicenses 5:23-24. Aqui jaz a completa santificação e livramento do pecado e isto pela dependência do crente na fidelidade de Deus. Os chamados não são apenas justificados, mas também glorificados, pois Deus é fiel. Deus nunca chamaria os pecadores com o chamado eficaz de vida eterna para depois deixá-los pelo meio do caminho que leva à glória. A obra de Deus para com Seus santos é perfeita. Aqueles que fugiram da tempestade da ira divina, têm a Palavra de Deus, e Seu juramento como base de esperança, estas duas coisas sendo imutáveis, nas quais Deus não pode mentir.

 

DISCIPLINA
Deus é fiel ao disciplinar Seus filhos. "Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste". Salmo 119:75. Aqui Davi submete-se à disciplina de Deus e a aceita como justa e boa. Na teologia de Davi não havia lugar para sorte nem chance. Ele cria que tudo o que acontecia, era ordenado por Deus. Suas aflições foram grandes, mas ele via a mão de Deus em todas elas, e acreditava serem para o seu próprio bem. Ele ainda acrescenta que Deus era fiel em mandá-las. Deus estava operando para o bem de Davi, e sabia o que ele necessitava. Deus é tão fiel aos Seus em discipliná-los quanto em preservá-las. Deus não é um Eli indulgente e infiel. Ele não permitirá que Seus filhos pequem sem serem disciplinados. "O que faz uso da vara odeia seu filho; mas o que o ama, desde cedo o castiga". Provérbios 13:24.
Devemos louvar a Deus por Sua fidelidade em nos açoitar, a fim de levar-nos de volta a Si mesmo e às veredas da obediência. Os santos têm certas tendências das ovelhas e são propensos a se desviarem. Deus é o fiel pastor que sabe usar a vara para levar-nos de volta ao rebanho. Ouça a Davi, novamente: "Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra". Salmo 119:67. E a doutrina permanece a mesma, seja no Velho ou no Novo Testamento. Em Hebreus 12:11, lemos: "E, na verdade, toda correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela". Temos esta gloriosa verdade escrita por um dos puritanos, Thomas Washburn (1606-1687):
À medida que o santo cresce na sabedoria da verdade quanto a Deus e ao homem, ele repudiará a si mesmo e admirará mais e mais a Deus. Quando a verdade a respeito de Deus e do indivíduo se interiorizarem, então faremos o que é justo, amaremos misericórdia, e andaremos em humildade diante de Deus. Miquéias 6:8.
Ó, quanto nós, Seus filhos comprados com sangue, devemos ser fiéis Àquele que jamais faltará em fidelidade para conosco! Isto é o que Ele requer de nós como mordomos de Seus bens. Pouco importará quando morrermos, se tivemos riquezas e honras neste mundo, mas importará grandemente se fomos fiéis ao nosso Redentor. Que a fidelidade de Deus produza em nós, fontes donde corram águas de fidelidade em Seu serviço glorioso.

Sabedoria de Deus

"Ó Senhor, quão variadas são as tuas obras! Todas as coisas fizeste com sabedoria". Salmo 104:24. Malaquias nas conta dum remanescente que pensa no Seu nome. Malaquias 3:16. O homem que pensa corretamente sobre Deus não pode estar muito longe da verdade em suas doutrinas. Mil erros surgem por causa de conceitos errôneos sobre Deus.
A sabedoria pertence a Deus como Espírito inteligente que é. Este atributo é mais que "conhecimento". Ele pressupõe o conhecimento e o dirige da melhor maneira possível. Existem homens que sabem tanto que são considerados enciclopédias ambulantes, mas não têm o saber necessário para aplicarem este conhecimento todo. Isto é o que significa quando dizemos que alguém tem conhecimento de livros, mas não tem bom senso. Tal homem sabe muito, mas não tem sabedoria. Mas Deus é conhecedor de tudo e é o todo-sábio.

 

A SABEDORIA É UMA PERFEIÇÃO PESSOAL EM DEUS.
Um ser não sábio, não pode ser o verdadeiro Deus. Mesmo Pitágoras, um filósofo mundano disse: "Não há homem sábio, somente Deus". E Jó declarou: "Com Ele está a sabedoria e a força". Jó 12:13. "falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; e ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; Ele dá sabedoria aos sábios e a conhecimento aos entendidos". Daniel 2:20-21. Ele é chamado três vezes o único Deus sábio. Romanos 16:27; 1 Timótio 1:17; Judas 25. Os anjos quando comparados a Ele, são atribuídos com loucura. Jó 4:18. Seu saber é insondável. Romanos 11:33.

 

A SABEDORIA SE APRESENTA NOS DECRETOS DE DEUS.
Os propósitos e os decretos de Deus são chamados de Seus conselhos. "Os teus conselhos antigos são verdade e firmeza". Isaías 25:1. As resoluções e determinações dos homens que são as mais sábias são formadas após deliberações maduras e consultas. "Não havendo sábios conselhos, o povo cai; mas na multidão de conselhos há segurança". Provérbios 11:14. Mas os conselhos de Deus não precisam de consulta, e Suas determinações não conhecem deliberações. Sendo naturalmente e infinitamente sábio, Ele não requer tempo para deliberar; nem necessita de pessoa a quem consultar. Romanos 11:34; 1 Coríntios 2:16.
Os conselhos de Deus são imutáveis. Não há necessidade de mudanças, pois foram formados em sabedoria. "Muitos propósitos há no coração do homem, mas o conselho do Senhor permanecerá". Provérbios 19:21. "Que anuncia o fim desde o princípio, e desde a antigüidade as coisas que ainda não sucederam; que diga: Meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade". Isaías 46:10. Deus pode declarar o fim desde o princípio, e da antigüidade o que há de acontecer e nada pode impedir Seu conselho nem mudar Sua vontade. Veja Hebreus 6:17-18.

 

A SABEDORIA DE DEUS É MANIFESTA NA CRIAÇÃO.
"Em sabedoria os fizeste todos". Olhamos o céu estrelado e vemos uma maravilhosa exposição de sabedoria. O homem, após séculos de observações das estrelas a olhos nus, e após décadas de estudos telescópicos, é ainda um calouro na astronomia. Olhamos os céus donde vêm as chuvas e as neves e vemos que Deus sabiamente distribuiu na terra. Sobre toda a terra vemos sinais que testificam do saber de Deus: gado sobre mil montes, pastos cheios de rebanhos, vales vestidos de ervas para as bestas e os homens. Olhamos as entranhas da terra e vemos carvão de pedra, petróleo, ouro, todos distribuídos para o uso dos homens. Verdadeiramente todas as Suas obras O louvam!

 

SUA SABEDORIA É VISTA NA PROVIDÊNCIA.
Existem estações que retornam; tempo de semear e tempo de ceifar, frio e calor, verão e inverno, dia e noite; todos são evidência dum saber sobrenatural. Este mundo não funciona por um acaso caprichoso, nem por destino, nem por lei da natureza; ele é dirigido pelo seu Criador. Ele Se assenta sobre o círculo da terra, e ordena todas as coisas para Sua honra e glória. Romanos 11:36. Pode-se definir como a superintendência de Deus sobre a Sua criação. É Deus fazendo acontecer o que Ele propôs que deveria acontecer eternamente. O propósito é a determinação de Sua vontade; a profecia é a declaração de Sua vontade e a providência é a execução de Sua vontade.
A providência é misteriosa, pois é a expressão de sabedoria infinita. Um ser finito não pode compreender os caminhos dum Deus infinito, portanto, Seus juízos são insondáveis e Seus caminhos são inescrutáveis. Romanos 11:33.

 

A SABEDORIA DE DEUS É DEMONSTRADA EM SUA OBRA DA REDENÇÃO HUMANA.
Paulo diz que em nossa redenção por Cristo, Deus abundou para conosco em toda sabedoria. Efésios 1:8. Foi em sabedoria que a graça primeiramente idealizou um meio de salvar o homem rebelde. A salvação não foi o plano do homem. E quando planejada, e claramente revelada por Ele na Sua Palavra, pareceu loucura aos olhos do homem. 1Coríntios 2:14. O saber de Deus é visto:

A. Na descoberta da pessoa de nosso Redentor. Temos aqui um pecador, qualquer pecador! Ele quebrou a lei de Deus; rebelou-se contra o governo divino; tentou destronar o juiz de toda terra. Que deveria ser feito com este pecador? A justiça diz que ele deve ser cortado; que merece morrer. A verdade diz que o homem ou ela terão de perecer, pois ela já declarou que o salário do pecado é a morte. A santidade diz que ela odeia os que praticam a iniqüidade. A misericórdia, em voz suave e suplicante, apela: "Poupe-o". O quê? Estarão os atributos divinos em conflito? Sim! Se a sabedoria não tivesse vindo, trazendo um como Jesus Cristo, dizendo: "Livra-o, para que não desça à cova; já achei resgate". Jó 33:24. Quando o homem estava condenado justamente, foi a sabedoria que disse: "Pus o socorro sobre um que é poderoso". Salmo 89:19. Quem senão Deus, infinito em sabedoria, poderia ter descoberto um Redentor tão apropriado quanto o que temos em Jesus Cristo? Nosso Redentor não era um homem pecaminoso, nem anjo santo, mas o Filho de Deus, que em tudo é qualificado para nos salvar. E a descoberta de tal Pessoa deve ser atribuída somente à sabedoria de Deus. Ainda que todos os homens fossem convocados, e ditos por Deus que poderiam ser redimidos se achassem a pessoa própria, e se os anjos santos tivessem sido consultados sobre o assunto; eles nunca teriam sido capazes de proporem alguém que fosse capaz de tal obra. Medite sobre estas palavras profundas de Jonathan Edwards:
"Quem pensaria numa trindade de pessoas na Divindade; uma sustendo os direitos da Divindade, outra tornando-se Mediador e outra aplicando a redenção? Quem teria pensado em uma maneira para satisfazer a lei, lei que ameaçava com a morte eterna, sem que o pecador sofresse esta pena? E quem jamais pensaria numa Pessoa divina sofrendo a ira de Deus? E se alguém tivesse, como imaginaria um meio como essa Pessoa poderia sofrer, sendo que a natureza divina não pode sofrer?"

B. A sabedoria de Deus apresenta-se nas pessoas escolhidas para a redenção. A redenção não é universal. Não há redenção para o Diabo e seus anjos. Se a redenção fosse universal, então a salvação seria do mesmo modo algo universal. Apocalipse 5:9 é explícito e conclusivo quanto à verdade da redenção particular, mesmo entre os homens: "E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação". Cristo redimiu certas pessoas. Não podemos entender porque uma pessoa foi escolhida e outra não, pois todos por natureza são filhos da ira e do barro. Efésios 2:3; Romanos 9:21. A graça que faz a distinção é um profundo mistério, mas é uma doutrina Bíblica. Nosso Senhor imortalizou a sabedoria de Deus na graça que distingue, quando disse: "Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve". Mateus 11:25.

C. A sabedoria de Deus pode ser vista no tempo da redenção. O Redentor veio na plenitude do tempo... o tempo concordado entre o Pai e o Filho. Quatro mil anos da história da humanidade demonstraram claramente a necessidade dum Salvador. É uma verdade inexorável que "sem o derramamento de sangue, não há remissão do pecado". Hebreus 9:22. E todo o sangue sobre os altares judaicos foi sem valor, "porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire o pecado". Hebreus 10:4. Não foi pelo sangue de animais, que os pecados dos santos do V. T. foram perdoados, mas foi pela paciência de Deus. Romanos 3:25. O sangue de animais somente tipificava e prenunciava o sangue do Cordeiro de Deus... o único sangue que podia ser o justo fundamento da redenção.
Quando o mundo dos gentios estava coberto ainda de trevas, superstição, ignorância e iniqüidade de todo tipo; quando a imoralidade, a formalidade, a hipocrisia e o desprezo prevaleciam entre os judeus; foi então que Cristo disse: "Eis que venho".
Verdadeiramente, os julgamentos de Deus são profundos. Tiago diz: "Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada". Tiago 1:5.

O Amor de Deus

Henrique Drummond diz que o amor é a coisa maior do mundo. E do nosso ponto de vista o amor é a coisa maior em Deus. Sem amor Sua justiça nos condenaria; Sua santidade nos afastaria de Sua presença e Seu poder nos destruiria. O amor é a única esperança dos pecadores e nossa maior preocupação deve ser a descoberta do amor de Deus para conosco.
Quanto à Sua natureza moral, diz-se que Deus é duas coisas: luz e amor. "Deus é luz". 1 João 1:5. Nas Escrituras as trevas simbolizam o pecado e a ignorância, e a "luz" é símbolo de santidade e de entendimento. "Deus é amor". 1 João 4:8. Luz e amor são perfeições que se equilibram na Sua natureza. Sendo que Deus é luz, Seu amor não é fraqueza de boa índole nem indulgência de boa natureza. Porque Deus é luz, Seu amor é um amor santo, e não um simples sentimento. O amor de Deus nunca entra em conflito com Sua santidade. Desde que Ele é luz, nunca o pecado de Seu povo é desculpado, "Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho". Hebreus 12:6.
O amor de Deus pode ser definido como um princípio eterno de Sua natureza pelo qual Ele é movido a conferir bênçãos eternas e espirituais. O amor é a causa que move todos os Seus atos de misericórdia e graça. O amor de Deus é a prova de que todas as coisas operam para o bem final do Seu povo; ele é a base de toda a Sua atividade de redenção.

 

CARATERÍSTICAS DO AMOR DE DEUS
1. Seu amor é eterno. "Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí". Jeremias 31:3. Aqui o segredo da atração do pecador a Deus é explicado. Ele atrai porque Ele ama. "Bem-aventurado aquele a quem escolhes, e fazes chegar a ti". Salmo 65:4. O amor que nos comprou, também nos procurou, e trouxe-nos a um lugar de segurança, até mesmo ao Propiciatório... Jesus Cristo. Nunca houve tempo quando Deus não amasse Seu povo, e nunca haverá tal dia. Ele nos amou tanto antes de sermos salvos quanto após sermos salvos, "em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores". Romanos 5:8.

2. Deus é imutável. Deus não muda nem pode haver mudança em Seu amor. "Como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim". João 13:1. O amor de Deus por Seu povo não teve princípio e, bendito seja Seu nome, ele jamais terá fim. É como o próprio Deus, de eternidade a eternidade. O argumento principal de Paulo pela segurança do salvo é que nada pode nos separar do amor de Deus... nada na sepultura do passado, nada nos perigos do presente nem nada no ventre do futuro. O amor de Deus não é sujeito a mudança.
O amor de Deus não varia, nem conhece final; donde corre, sempre corria, do trono manancial.

3. O amor de Deus é soberano. Isto é auto-evidente. Deus é soberano, consultando Seu próprio prazer majestoso, e operando todas as coisas conforme o conselho de Sua vontade. Portanto, segue-se que Seu amor é soberano. Ele, por Si mesmo, escolhe os objetos de Seu amor. Se ama a Jacó e odeia a Esaú, quem O critica? Se ama o pecador caído e odeia o anjo caído, quem interrogará o Seu direito de agir de tal maneira? Se é verdade que Ele "compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer". Romanos 9:18. "Quem és tu, que a Deus replicas"? Romanos 9:20.
Nada há no pecador que faça Deus amá-lo; ninguém pode reivindicar o direito do amor divino; Seu amor é soberano e de graça. O que existia no pecador que atraísse o coração de Deus? Absolutamente nada! A verdade é que tudo merecia Sua ira; tudo pelo que talvez me odiasse. O único motivo de Sua atração por nós foi Seu querer, Seu desejo.

4. O amor de Deus é eficaz. Isto é óbvio, pois é o amor do Todo-Poderoso. Grande é o significado de ser amado por Deus. Muitas vezes somos amados pelos que não podem nos ajudar. Eles não têm a capacidade de fazerem por nós o que desejariam fazer. Tal amor é insuficiente pela falta de poder para torná-lo eficaz. Dario amava a Daniel, mas não tinha o poder para salva-lo. Mas nós somos amados pelo Todo-Poderoso, a quem nada é difícil. Os objetos do amor de Deus são eternamente seguros. Aquele que se assegura do amor de Deus, assegura-se também duma morada celestial.
A pergunta fundamental é esta: Como posso saber se Deus me ama? Como posso estar certo de que tudo opera para o meu bem? A resposta: Certifique-se de que ama a Deus. Meu amor por Deus evidencia o Seu amor por mim. "Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro". 1 João 4:19. Seu amor em nós criou nosso amor por Ele. "O amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus". João 4:7.

 

MANIFESTAÇÕES DO AMOR DE DEUS
Deus é amor e Ele manifesta o que Ele é. Não existem atributos divinos vãos em Deus. Não há tal coisa como amor secreto. O amor se mostra exteriormente, quer seja de Deus, quer seja do homem. O amor é um princípio ativo e vivo da vida.
1. O amor de Deus pelo pecador manifestou-se na dádiva de Seu Filho. O amor doa. O amor dá de que tem de melhor. Deus amou de tal maneira que deu Seu Filho unigênito. Cristo amou à igreja de tal maneira que deu-Se a Si mesmo por ela. Efésios 5:25 . O Bom Pastor dá a Sua vida pelas Suas ovelhas. João 10:11. Como um judeu típico, Nicodemos pensava que Deus amava somente aos judeus, mas nosso Senhor lhe disse que Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê (judeu ou gentio) não pereça, mas tenha a vida eterna. Até serem ensinados de outra maneira, os próprios apóstolos de Cristo pensavam que o rebanho estava entre os judeus, mas o Senhor os corrigiu dizendo: "E dou minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor". João 10:15-16. As ovelhas para os judeus estavam num rebanho, uma circunscrição cerimonial que os distinguia dos gentios. As ovelhas para os gentios não tinham sido sujeitas às leis cerimoniais. Ao salvar as ovelhas entre os judeus, Cristo as tirou do rebanho (judaísmo), e as fez um com as ovelhas entre os gentios que ouviram Sua voz, havendo assim somente um rebanho e um Pastor. Todo o povo de Deus é um em Cristo, pois, "não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus". Gálatas 3:28. Isto não ensina que não existe esferas diferentes no serviço de Deus, mas antes que todos são salvos por uma salvação comum.

2. O amor de Deus é manifesto no novo nascimento. Por natureza somos filhos da ira; mas por um nascimento sobrenatural nos tornamos filhos de Deus. "Não são os filhos da carne que são filhos de Deus". Romanos 9:8. João diz: "Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus". 1 João 3:1. Não somos apenas chamado filhos, mas somos feito filhos de Deus pelo novo nascimento. Somos filhos dum chamado divino: o chamado eficaz que vem com o novo nascimento.

3. O amor de Deus é manifesto na disciplina. A disciplina é uma expressão e prova de amor. "Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho". Hebreus 12:6. Aqui está a prova de que nenhum filho de Deus é perfeito. Todos precisam de açoite. A palavra corrigir significa; treinar um filho, criá-lo, e a palavra açoitar significa surrar. Os filhos necessitam de treino e açoites, e o amor de Deus nos dará o que necessitamos. A correção vem da mão amorosa dum Pai sábio: a condenação vem dos lábios retos dum Juiz santo e justo. Quando os santos são confrontados por causa do pecado, eles são corrigidos por um Senhor para não serem depois condenados com o mundo. 1 Coríntios 11:32. A correção não é prazerosa, mas é proveitosa; ela multiplica os frutos de retidão e nos faz participar da Sua santidade. Hebreus 12:10-11.

 

VÁRIOS ASPECTOS DO AMOR DE DEUS
Alguns teólogos falam de vários tipos de amor divino, mas preferimos pensar de um princípio divino com várias emoções, de acordo com o objeto que há de receber Seu amor. Apreciamos o que Dr. Kerfoot tem a dizer sobre este assunto:
"Se o objeto do amor é amável, então a emoção de amor é complacência. Se o objeto precisa de bondade ou beneficência, a emoção é benevolência. Se o objeto encontra-se em estado de angústia, a emoção é de compaixão ou piedade, etc. Do mesmo modo que o princípio fundamental do fogo é o mesmo seja qual for a matéria consumida, assim o amor divino sempre se baseia no mesmo princípio".

1. Quando o amor de Deus atua sobre Si mesmo ou sobre criaturas inocentes, este é um amor de complacência. É este o aspecto de Seu amor para com Seu Filho em quem Se compraz, e em quem sempre se deleita. Seu amor pelos anjos é do mesmo tipo, um amor de complacência e deleite.

2. Quando o amor de Deus é para com o pecador, como objeto que precisa de misericórdia, então é manifesto em forma de piedade e compaixão. Os santos eram por natureza filhos da ira, mas Deus que é rico em misericórdia, por causa de Seu amor para conosco, nos vivificou juntamente com Cristo. Efésios 2:3-5. Em misericórdia Ele desperta o pecador morto para a vida, e esta maravilhosa misericórdia é resultante de Seu grande amor. O grande amor pelos pecadores resulta em misericórdia e graça abundante. Uma prostituta suja, embriagada que enchia o ar com gritos e palavras obscenas, era arrastada pela rua por dois policiais. De repente uma linda senhorita bem vestida saiu e a beijou. Num momento de lúcido espanto, a vil criatura perguntou estupefata: "Por que me beijou?" "Por amor", respondeu a jovem. Será tal exemplo de amor uma surpresa? Então lembre-se que a distância moral entre Deus e o pecador é muito além desta; mas Ele ainda curva-Se para dar o beijo da reconciliação.
Que grande amigo é meu Jesus. Tão santo, bom e terno! Sem outro igual, é o Seu poder e o seu amor supremo. Para esta ovelha sem vigor, olhou com simpatia; e sua tão bondosa mão, serviu-me então de guia.

A Vontade de Deus

Em todos os seres inteligentes existe uma vontade... homens, anjos e Deus têm vontades. No homem, a vontade é a faculdade da mente pela qual é feita uma escolha duma ação futura a qual determinamos. No querer um homem tem o propósito da ação em vista.Na vontade encontra-se a causa do ato; se fosse de outra maneira, ele seria uma simples máquina ou autômato. Se pego uma arma e mato outro homem, a vontade operou antes da mão; o propósito vem antes do ato. Mas se alguém me segura e outro põe em minha mão uma arma, forçando meu dedo contra o gatilho, este ato não foi meu, não escolhi nem quis cometê-lo. Em tal ato não seria um ser responsável, antes uma simples máquina ou instrumento de outra pessoa.
Em Deus, a vontade é o atributo pelo qual Ele determina e executa acontecimentos futuros. Sua vontade inclui tudo o que sucede, portanto todo acontecimento é providencial e não acidental no que concerne a Deus. Ele age em tudo conforme o Seu querer. Efésios 1:11. Os passarinhos não caem sem o conhecimento de Deus.
O dicionário define providência como acontecimento divinamente ordenado. Bem sabemos que os acontecimentos são seqüenciais, isto é; interligados quanto ao tempo, e um acontecimento provoca outro. Segue, portanto que se os acontecimentos são ordenados, as seqüências dos mesmos também o são. É comum ver os acontecimentos como providenciais e acidentais. Até os crentes têm a tendência de classificar certos atos como providências ou acidentais. Eles associam a providência com o que é bom, e acidentes com o que é mal. Lembro-me da ocasião quando a família Rickenbacker foi socorrida milagrosamente após ter caído no mar em seu avião. Os Rickenbackers consideraram o resgate como providencial, mas o autor considera o acontecimento todo como providência. Devemos ver a providência divina agindo tanto nas nossas aflições quanto nas nossas bênçãos. Jó falava dos dois estados quando disse: "O Senhor o deu, e o Senhor o tomou". Jó 1:21. E quando sua esposa queria que ele amaldiçoasse a Deus e morresse, ele disse: "Como fala qualquer doida, assim falas tu; receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal"? Jó 2:10. E quando todos os seus bens deste mundo foram perdidos, vendo nisto a mão de Deus, disse: "Ainda que ele me mate, nele esperarei". Jó 13:15.
A vontade de Deus inclui as ações perversas dos homens pecadores, mas isto não lhes tira a culpa. Talvez não entendamos, mas as Escrituras declaram tal fato e nós devemos acreditar nelas. As Escrituras não foram escritas para a confirmação do nosso raciocínio, mas para a sua correção. No dia de Pentecostes, Pedro, falando sobre Cristo, disse: "A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos". Atos 2:23. E noutra ocasião falou que Herodes, Pilatos, os gentios e o povo de Israel juntaram-se para fazer o que antes tinha sido determinado pela mão e pelo conselho de Deus. Atos 4:27-28. Talvez nós não possamos compreender como Deus pode determinar um pecado a ser praticado, sem se tornar o autor do pecado, mas o fato permanece que o maior dentre os pecados, a crucificação do Filho de Deus, foi divinamente determinado.

 

DISTINÇÕES NA VONTADE DE DEUS
Os teólogos fizeram muitas distinções na vontade de Deus, algumas falsas, outras desnecessárias, mas uma distinção é de fato manejar corretamente a Palavra da verdade. Esta é a distinção entre a Sua vontade de decretos e Sua vontade de preceitos, ou, em outras palavras, Sua vontade de propósito e Sua vontade de mandado. Sua vontade de propósito é sempre efetuada, mas Sua vontade de mandado muitas vezes é deixada sem ser efetuada. A vontade de propósito não pode ser mudada, pois isto significaria a destronização de Deus; a vontade de mandado é muitas vezes violada, pois os homens estão em rebelião contra Deus. Se a vontade humana for maior que a divina, então a primeira prevalecerá e Deus será destronizado. Se a rebelião humana puder subjugar o governo divino, segue-se que não há verdadeiramente um Ser supremo. Para melhor distinguirmos estes dois tipos de vontade, consideraremos cada um deles separadamente.

 

A VONTADE DIVINA DE PROPÓSITO
1. Ela é eterna. Deus não está formando novos propósitos, pois Seus conselhos são desde a antigüidade. Isaías 25:1. Seu propósito em Cristo é tido como eterno. Efésios 3:11. O que será, será, portanto, "Conhecidos são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas obras". Atos 15:18.

2. Ela é eficaz. A vontade proposital de Deus é sempre cumprida. Deus não é homem para ocupar-Se com pensamentos de "ah, se fosse". Não existem meros desejos Seus que não possam ser cumpridos. Isaías 14:24-27. Por exemplo, lá no passado da eternidade, Deus quis ou determinou a morte de Seu Filho, e séculos após o começo dos tempos vemos Deus dirigindo as livres ações dos homens pecaminosos para efetuar tal acontecimento. Ainda mais, Ele predestinou e predisse os detalhes... quando, onde, e como Seu Filho morreria. Encontramos portanto nos quatro evangelhos referências onde diz que isto ou aquilo aconteceu para que as Escrituras se cumprissem.

3. Ela é imutável. Deus nunca muda Sua vontade de propósito. Existem somente dois motivos que fazem alguém mudar de idéia ou de vontade; deve ser porque se vê que o que foi proposto não é sábio, ou porque o que foi proposto não pode ser cumprido. Mas nenhum destes dois motivos é aplicável a Deus. Ele fez Seus planos em onisciência, e os executará em onipotência.

A oração não muda a vontade de Deus, mas muda as coisas. As mudanças trazidas pela oração fazem parte da vontade proposital de Deus. O Espírito de Deus faz intercessão pelos santos de acordo com a vontade de Deus. Romanos 8:27. As orações respondidas são feitas na energia do Espírito Santo. Pode-se orar sem o Espírito e receber o que desejou, mas não seria em resposta a oração feita. Dois generais inimigos podem orar pela vitória na batalha vindoura, mas ambos não poderiam estar orando no Espírito Santo, e é possível que nenhum dos dois estivesse. Em toda oração verdadeira um pensamento está implícito ou expresso: Não seja feita a minha vontade, mas a Tua.
"Cristo, bom Mestre eis meu querer: Tua vontade sempre fazer; faze-me forte para resistir duras fraquezas que possam vir. Cristo, bom Mestre eis meu querer: mais santidade de vida ter; faze-me firme ó Cristo, meu Deus, para não deixar a senda dos céus. Cristo, bom Mestre, eis meu querer: todas as minhas faltas vencer; faze-me rijo para lutar, Para a vitória sempre ganhar".

4. A vontade proposital de Deus foi a causa da nossa salvação. Sou um homem convertido ou salvo. Nascido de novo. O que ou quem está atrás desta grande salvação? O que ou quem foi que efetuou a minha conversão? Qual a explicação desta tremenda mudança que houve na minha vida? Por detrás de toda ação existe uma vontade. Fui eu que quis transformar a mim mesmo? Em João 1:12 lemos que os crentes recebem o poder de se tornarem filhos de Deus, e o versículo seguinte explica sua fé nestas palavras: "Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus". A fé salvadora não se origina em nossos pais, nem em nós mesmos, nem em outro homem qualquer; mas é dom de Deus. Tiago 1:18 diz: "Segundo a sua vontade, nos gerou pela palavra da verdade".

 

A VONTADE DIVINA REVELADA NA BÍBLIA
1. A vontade revelada refere-se ao que Deus já prescreveu como nossa regra de pensamento e conduta. A vontade de Deus é expressa em toda lei divina. No Éden foi a vontade de Deus que determinou que tipo de lei seria dada a Adão e Eva. No Sinai, Deus não consultou Moisés nem os filhos de Israel a respeito das leis às quais seriam sujeitos. Numa democracia o povo faz suas próprias leis pela escolha de representantes que servem em câmaras de legislação. Isto cria grupos de pessoas que querem fazer legislação a favor de certos grupos de pessoas, porque os homens são egoístas; não amam ao seu próximo como a si mesmo. Mas em nossa relação com Deus, não tratamos com uma democracia, mas com uma teocracia. Na vontade divina revelada na Bíblia, temos a soberania da autoridade. Na vontade divina de propósito temos a soberania do poder.

 

2. É a vontade divina de mandado e não a de propósito que os homens são responsáveis a realizar. Foi Sua vontade de propósito que trouxe Cristo ao mundo, mas esta não foi Sua vontade de mandado. Ao crucificar a Cristo, os homens estavam cumprindo o propósito de Deus, mas não estavam obedecendo-a, como uma ordem divina. Não pode haver pecado ao se fazer o que Deus ordenou. Pedro nos diz que eles mataram Cristo com suas mãos perversas; portanto não estavam obedecendo à ordem de Deus. O que Deus propõe é o fator determinante; o que Ele manda é nossa responsabilidade. Para os homens é fácil ver esta distinção em tudo, menos na religião. Alguém que vê somente um lado da verdade diz: "Se é da vontade de Deus que eu seja salvo, Ele me salvará; portanto não vou me preocupar". Mas este mesmo alguém, nem sequer sonharia agir da mesma maneira em outro caso qualquer. Em relação a colheita deste ano, a vontade divina de propósito determina a ceifa, mas Sua ordem é cultivar, plantar e ceifar. A vontade divina de propósito determina se nós viveremos ou morreremos, Tiago 4:15, mas a Sua vontade de ordem é que obedeçamos às leis da saúde. Ninguém deixa de comer porque crê que a vontade divina de propósito determina se vai viver ou morrer. A vontade proposital de Deus determinará o resultado duma guerra, mas seria loucura nos sentar e dizer: "Se for da vontade de Deus que ganhemos esta guerra, ganharemos, ao contrário seremos derrotados; portanto não vamos fazer nada e deixemos de lutar". A vontade proposital de Deus determina o resultado do nosso testemunho por Cristo. "Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas". Eclesiastes 11:6. "Porque assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não torna, mas rega a terra, e a faz produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra, que sair de minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei". Isaías 55:10-11. É a vontade de ordem divina que semeemos à margem dos ribeiros de águas, que preguemos o Evangelho a toda criatura, e Sua vontade de propósito cuidará dos resultados e realizará os Seus desejos.

 

É a vontade divina de propósito que determinará se serei salvo ou não, mas é tolice sentar e dizer que se for um dos eleitos serei salvo; portanto não preciso interessar-me no caso. A vontade divina de mandado é que eu me arrependa e confie, e esta é a responsabilidade de cada um. Temos ordem de confirmar nosso chamado e nossa eleição. 2 Pedro 1:10. Temos ordem de entrar pela porta estreita. Lucas 13:24. O homem que não se interessa por sua alma e não se importa com sua salvação; se persistir em tal atitude, findará no lago de fogo; pois aquele que não crê será condenado. Muito da vontade divina de propósito pertence à vontade secreta de Deus, e as coisas secretas lhe pertencem, mas o que Ele já revelou e ordenou pertence a nós. Deuteronômio 29:29.

Soberania de Deus

"Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos". Salmo 135:6. "Mas nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou". Salmo 115:3. Escrevemos sem temor consciente nem favor dos homens. Procuramos escrever cada capítulo como se o Senhor estivesse presente pessoalmente, observando e julgando o que escrevo. Cremos que o leitor honesto concordará que tudo aquilo que já escrevemos e ainda estamos escrevendo, é para a honra de Deus nosso Criador e legislador. Tentamos magnificá-lO aos olhos do leitor, mostrando que grande Deus temos para amar, temer, servir, e adorar.
O autor é um batista tradicional sem afetação nem conceitos modernos. Ele já viveu no espírito, e aprendeu muito com homens tais como Paulo, Augustinho, Bunyan, Gill, Fuller, Carey, Judson, Spurgeon, Graves, Jeter, Boyce, Strong, Caroll e Mullins. Ele está em comunhão com aqueles que escreveram nossas várias Confissões de Fé, como a de Londres, a de Filadélfia, e a de Novo Hampshire.

Começamos nossa carreira de cristão, como muitos, nos ensinos do Arminianismo, mas com uma experiência interior que nos fez suscetível aos ensinos do Calvinismo. É preciso que se saiba que há dois e somente dois esquemas ou sistemas de graça divina, inalteravelmente opostos um ao outro e mutuamente exclusivos. Os dois sistemas representam as duas únicas maneiras de se olhar ao assunto da graça. Quer ou não usar o nome, isto não altera o fato de termos que ser Calvinistas ou Arminianos em nossas idéias quanto a este assunto. O Calvinismo defende a verdade que a salvação é do Senhor. O Arminianismo atribui a salvação aos méritos humanos. O primeiro defende a graça irresistível, o segundo defende a bondade inerente do ser humano.
Os cinco pontos do Calvinismo são: eleição incondicional ou predestinação, redenção particular, depravação total, necessitando de graça; chamada eficaz ou graça irresistível e preservação ou perseverança dos salvos. E o autor não hesita em aliar-se a todos os cinco pontos. E sua aceitação dos mesmos não o faz negar a responsabilidade do homem nem ser negligente em seus esforços missionários.
Se pudermos julgar pelas suas confissões de fé ou suas afirmações públicas, os líderes do Arminianismo são os Católicos, os Metodistas, os Discípulos de Campbell, os Batistas de livre arbítrio (seita diferente da maioria dos batistas), e muitos outros grupos menores. Julgando pelos mesmos princípios, os líderes do Calvinismo são os Batistas Missionários, os Batistas Anti-missionários, os Episcopais, os Presbiterianos, as igrejas reformadas e outras seitas menores. A verdade é, sem dúvida, muitos pregadores dos grupos Calvinistas, afastaram-se de sua fé histórica, e não mais ensinam o que juraram ensinar. Em muitos casos o credo é calvinístico e o pregador arminiano.

 

A SOBERANIA DIVINA É UMA GRANDE DOUTRINA
Algum tempo atrás lemos sobre alguém que pediu pelas "grandes doutrinas". Bem, a doutrina da soberania de Deus é uma grande doutrina. Ela é quase grande demais para tentarmos definir. Mas os dois textos no início deste capítulo (como também muitos outros) afirmam esta verdade. O pregador Spurgeon deleitava-se em proclamar esta grande doutrina e podia proclamá-la tão bem quanto qualquer outro que conhecemos. O leitor fará bem em considerar diligentemente o seguinte parágrafo escrito por esse príncipe entre os pregadores:
"Não existe atributo de maior conforto aos Seus filhos que o da soberania de Deus. Nas condições mais adversas, em provações mais severas, eles crêem que a soberania ordenou as aflições, que a soberania os governa, e que a soberania os santificará. Ao mesmo tempo não há doutrina tão odiada pelos mundanos, doutrina tão maldita, quanto esta grande, estupenda, tão certa doutrina da soberania de Deus. Os homens permitem que Deus esteja em qualquer lugar menos no Seu trono. Permitem que Ele esteja em Sua instituição de caridade dispensando esmolas e outorgando bênçãos. Eles permitem que fique em sua oficina modelando mundos e fazendo estrelas. Eles permitem que Ele sustente a terra e os pilares dela, ou os luminares dos céus, ou que Ele governe sobre as ondas do incansável mar; mas quando Deus ascende ao Seu trono, Suas criaturas rangem os dentes e quando proclamamos um Deus entronizado e Seu direito de fazer como bem quiser com os seus, dispor de Suas criaturas se quiser sem consultá-las sobre o assunto, então é que somos desprezados e amaldiçoados, então é que os homens se fazer de surdos, pois o Deus entronizado não é o Deus que amam. Mas é o Deus entronizado que amamos pregar. É no Deus entronizado que confiamos".
Ó, se encontrássemos um Spurgeon hoje para alcançar as multidões com esta verdade que honra a Deus e torna o homem humilde! Deus não é nada mais que um homem grande, para muitos, e para muitos nem isto Ele é. Na antigüidade Deus reclamou a um Israel apóstata: "pensavas que era como tu". Salmo 50:21. Este é o problema hoje, o conceito do povo em relação a Deus é humano demais. E acreditamos que isto é responsável pela grande irreverência em muitas congregações dos dias atuais. "Deus é muito formidável na assembléia dos santos, e para ser reverenciado por os todos que o cercam. Ó Senhor Deus dos Exércitos, quem é poderoso como tu, Senhor, com a tua fidelidade ao redor de ti?! Tu dominas o ímpeto do mar; quando as ondas se levantam, tu as fazes aquietar". Salmo 89:7-9.

 

O SIGNIFICADO DE SOBERANIA
Define-se a Soberania de Deus como o exercício de Sua supremacia. Deus é o Ser supremo e independente. Somente Ele, em todo o universo, tem o direito e o poder de fazer absolutamente o que Lhe agrada. Não há perigo de Deus perder Seu trono, nem precisa da permissão de ninguém para reinar. Ele é o único que tem o direito de agir para Sua própria glória. A soberania de Deus significa que Ele faz o que Lhe arada. Deus tem controle sobre tudo de acordo com Sua vontade e para o louvor de Sua glória. Ele até faz com que a ira do homem O louve, e aquele que não O louva, Ele não permite. Salmo 76:10.
Não há alternativa entre um Deus absoluto e soberano e Deus nenhum. Certo homem escreveu que acreditava que Deus era soberano, mas não absoluto. Certa senhora falou sobre dois seres supremos. Mas cremos num Deus soberano, cuja vontade não está sujeita ao veto de Suas criaturas. Em seu poema: "Sempre Haverá Deus". Albert Leonard Murray O descreve como Soberano.

Não se pode destruir Seu templo.
Nem Seu trono dinamitar,
Nem bombardear Sua cidade.
Nem o que é dEle roubar.
Não se pode leva-lO cativo.
Nem surdo e cego O tornar.
Nem ameaça-lO para que Se renda.
Nem Suas idéias mudar.
Não se pode causar-Lhe pânico.
Nem Seus suprimentos bloquear.
Nem feri-lO com mentiras.
Nem o Seu reino tomar.
Mesmo que o mundo se acabe,
Sua verdade, eterna será.
Suas leis são poderosas.
Um pai Ele será.
Podem vir guerras e lutas,
Desprezo e perseguição.
Deus sempre existirá.
Sabemos com convicção.

 

SOBERANIA NA CRIAÇÃO
Deus agiu como Soberano em Sua obra da Criação. Ele não criou nada por necessidade, mas unicamente por Seu prazer soberano. E, ao criar, era livre para fazer o que era do Seu agrado. Não criou por causa das criaturas, pois a criatura deve existir para seu Criador e não o Criador para a criatura. Pv 16:4. Rm 11:36. Ap 4:11.

 

SOBERANIA NA ADMINISTRAÇÃO
Deus é Rei Soberano em Seu universo. Ele está no controle de tudo, de todos, dos demônios e de Satanás. Ele reina em todo lugar como Lhe apraz. Não precisa pedir conselho a ninguém. Controla e dirige o reino da natureza. As Escrituras raramente usam a expressão "chove", antes lemos que Deus manda a chuva. Mt 5:45. At 14:17. Jó 28:26.
A Bíblia não atribui o retorno das estações às leis da natureza; entretanto ela diz que Deus muda os tempos e as estações. Daniel 2:21. Jó não falou de sua doença como sendo a causa de morte, mas olhou para Deus e disse: "Porque eu sei que me levarás à morte e à casa do ajuntamento determinada a todos os viventes". Jó 30:23. Em face de muitos inimigos que procuravam tirar-lhe a vida, Davi clamou ao Senhor dizendo: "Os meus tempos estão em tuas mãos". Salmo 31:15.

E existem exemplos do controle de Deus e Sua direção sobre as criaturas irracionais. Ele fechou a boca dos leões para que não ferissem a Daniel. Ele fez o galo cantar no exato momento em que disse que o faria. Ele fez as vacas deixarem as crias, algo contra as leis da natureza, e dirigirem-se a Israel levando a arca de Deus. 1 Samuel 6:12.
Deus também controla os homens, sejam eles bons ou maus, individual ou coletivamente. Sobre os ímpios, Ele exerce o poder de refrear. Ele não permite que façam tudo o que a sua natureza gostaria de fazer. Deus disse a Abimeleque: "Eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso não te permiti tocá-la". Gênesis 20:6. Quantas vezes se diz que Deus não infringirá no livre arbítrio do homem. Mas se Deus não houvesse controlado o coração de Abimeleque, esse rei pagão teria ofendido a Sara. Sim, "Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do Senhor; que o inclina a todo o seu querer". Provérbios 21:1. Deus estava controlando e dirigindo a vontade de Ciro, rei da Pérsia, quando ele ordenou a construção do templo em Jerusalém. Esdras 1. Deus estava controlando e dirigindo Tito e seu exército na destruição de Jerusalém. A Bíblia o chama de "seus exércitos" em Mateus 22:1-7.

 

SOBERANIA NA SALVAÇÃO
Com isto queremos dizer que Deus não era obrigado a salvar Suas rebeldes criaturas. Este Seu propósito de salvar foi completamente uma dádiva para o louvor de Sua graça. Ele poderia mandar todo pecador ao inferno e continuar sendo absolutamente justo. A salvação não pode ser de graça e por dádiva ao mesmo tempo. Romanos 4:4. A soberania na salvação também implica que Deus salva quem Ele desejar. "Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer". Romanos 9:18.
"Não foi por obra minha, nem de minha escolha, mas Tu, Senhor por graça, trouxeste-me à tua vinha".

 

SOBERANIA NA CURA FÍSICA
Cremos sinceramente na cura divina, mas não temos paciência nem respeito por homens que se dizem curadores divinos. Toda cura é divina seja com ou sem remédio. Geralmente Deus usa o método de abençoar o meio da cura que temos, mas às vezes Ele cura sem a medicina. Ainda mais, Ele cura alguns e deixa outros na cama de enfermidade ou os leva mesmo à morte. Jó 30:23. Ele é soberano tanto no como, quanto em quem é objeto de Sua cura.
Nos dias dos milagres públicos, Paulo tinha o dom de curar, mas nem sempre podia exercer este dom. Em Atos 19:10, lemos de milagres trazidos pelas mãos de Paulo, de maneira que pessoas foram curadas por lenços tocados por seu corpo; mas em 2 Timóteo 4:20, lemos que ele teve que deixar Trófimo doente em Mileto. Isaías passou uma receita duma pasta de figos para a enfermidade de Ezequias e Deus abençoou sua cura. Paulo receitou um pouco de vinho para o estômago de Timóteo.
Deus cura a quem, de maneira como, e quando, Ele quer. Um doente que é salvo deve orar, "Se for da tua vontade, Ó Deus, cura-me". Talvez seja da Sua vontade que esteja doente para o seu bem e para Sua honra e glória. Talvez Ele queira deixar o espinho na carne para o louvor da suficiência de Sua graça.
Mesmo a ordem e a segurança da criação dependem da soberania divina. Se Deus não estiver no controle, operando segundo o conselho de Sua vontade, então uma crise desastrosa jaz à nossa frente!

Longanimidade de Deus

O estudo mais impressionante e grandioso feito pelo homem é o da Divindade. A contemplação das perfeições divinas aquecerá as profundezas do coração, contanto que sejamos, naturalmente filhos Seus, nascidos do Seu Espírito. Deus é uma Pessoa perfeitamente equilibrada. Todos os Seus atributos operam harmoniosamente para o louvor de Sua glória. Cada um de nós, por causa do pecado, é de uma maneira ou de outra desequilibrado. Por natureza somos semelhantes ao filho pródigo que teve que tornar a si, antes que dissesse: "Levantar-me-ei e irei a casa de meu Pai". O pecado é uma forma de insanidade. Na conversão recebemos uma mente sã. Todos os atributos divinos são perfeitamente harmoniosos, fazendo dEle o grande e glorioso ser que é e sempre será. Deus é tão grande que só podemos estudar uma de Suas perfeições ou atributos de cada vez.
Deus não pode ser achado pela busca humana. Pode-se atravessar os céus límpidos e subir às alturas desconhecidas, mas não encontrará a Deus que "estende os céus como cortina". Isaías 40:22.
Pode-se viajar pelos mares todos e rodear o globo sem encontrar Aquele que se assenta sobre o globo da terra e que mediu as águas na palma de Sua mão. Pode-se estudar as flores e os insetos e ainda ser ignorante do Deus que os criou. Pode-se levar amostras de Suas obras ao laboratório e examiná-las, sem vir a conhecer o Criador, aquele que sendo conhecido é vida eterna. Deus não pode ser encontrado através dos sentidos físicos.
Todas as obras de Deus testemunham de Sua existência, mas nada dizem de Seu caráter nem perfeições morais. Suas obras nos dizem que Ele é (existe), mas nada dizem do que Ele é. Deus, em Seu caráter, só pode ser encontrado onde Ele já se revelou, isto é na Sua Palavra, a Bíblia. Os céus declaram Sua glória e o firmamento mostra a obra de Suas mãos, mas não falam dEle como legislador moral. No estudo do que a Bíblia diz a respeito dEle, vemos que o atributo da paciência ou longanimidade pertence à Sua natureza.

 

DEUS SE REVELOU A MOISÉS
Quando Deus deu as tábuas da lei a Moisés pela segunda vez, Ele desceu sobre o monte e proclamou o Seu nome, isto é, Ele descreveu Seu caráter no governo moral. Foi isto o que Deus disse a Moisés: "O Senhor, o Senhor Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade". Êxodo 34:6. Deus não Se revelou em forma física, antes revelou Suas perfeições como Espírito. Quando Israel pecou ao murmurar contra Deus, e Deus ameaçou exterminá-lo e fazer de Moisés uma nação maior, Moisés como mediador típico, rogou pelo caráter de Deus que lhe fora revelado no monte. Foi isto o que Moisés disse a Deus: "Agora, pois, rogo-te que a força do meu Senhor se engrandeça, como tens falado, dizendo: O Senhor é longânimo, e grande em misericórdia". Números 14:17-18. Deus como governante moral é paciente ou longânimo.

 

LONGANIMIDADE
A longanimidade de Deus é uma qualidade da natureza divina que O faz tardio ao tratar com Seus inimigos. Deus não tem um ataque de ira quando provocado. A palavra hebraica, que às vezes é traduzido como "longânimo" ou às vezes "tardio em se irar," significa literalmente "com nariz longo" ou "respirar". Ira é indicada pela respiração rápida e violenta pelas narinas e o oposto é a longanimidade ou tardio em irar-se. Um touro bufante é um emblema de ira colérica. Mas Deus não Se assemelha a um touro, pronto a atacar, na obra do julgamento. Deus não Se apressa a punir Seus adversários. Ele não é como um ditador cruel e nervoso, impaciente para ver Seus inimigos mortos ao romper do dia. Deus é paciente com os rebeldes e esta paciência pertence a Sua natureza. Uma redenção geral ou universal não é necessária para acertar as contas pela longa demora da punição duma raça perversa e rebelde. O diabo, como também o homem, desprezou a Deus em todos os tempos, e ainda continua a desprezá-lO, não porque Cristo morreu pelo diabo, mas porque Deus é longânimo. Deus está esperando julgar, não quando Sua paciência Se esgotar, mas quando o cálice da iniqüidade do mundo se encher. A hora do julgamento fica por conta da Sua vontade e não depende de maneira alguma da Sua paciência. Ele é infinito em paciência e o julgamento não será um ato de impaciência, mas de severa justiça.

 

O PODER DO AUTOCONTROLE
A longanimidade pode ser definida como o poder divino do autocontrole. Era isto que Moisés queria dizer com as palavras: "que a força do meu Senhor se engrandeça, como tens falado, dizendo: ‘O Senhor é longânimo’". O grande poder de Deus é visto não somente ao controlar de Suas criaturas, mas a Si mesmo também. Deus não é rápido para Se irar; Ele não perde a cabeça. Ele tem pose perfeita e equilibrada. Ele não conhece a impaciência. Sua justiça, certamente é implacável, mas Ele não tem pressa em julgar Seus inimigos. Ele espera em perfeita paciência para vingar Sua honra e satisfazer Sua justiça. A. W. Pink diz: "A paciência divina é o poder que Deus exerce sobre Si mesmo, fazendo-O a suportar os perversos e demorar a puni-los". E Charnock, um dos mais nobres puritanos, disse: "Os grandes homens ao mundo são ligeiros em se irar, e não tão prontos a perdoar uma injúria, nem suportar um ofensor, como a um de nível mais perverso. É o desejo de poder sobre si próprio que faz o homem agir de modo inconveniente quando provocado. Um príncipe que controla a si mesmo é rei sobre si mesmo como também de seus súditos. Deus é tardio em Se irar por causa da grandeza de Seu poder. Ele tem tanto poder sobre Si mesmo quanto sobre Suas criaturas".

 

ILUSTRAÇÕES
Há muitas ilustrações sobre a paciência divina na história bíblica como também na observação dos acontecimentos em geral. A paciência de Deus já foi observada através de séculos de rebelião satânica e humana.

1. No tempo de Noé, a longanimidade de Deus foi grande. Lemos que a paciência de Deus esperou nos dias de Noé. 1 Pedro 3:20. Aqueles foram dias de perversidade, mas Deus foi tardio em puni-los. Mesmo após ter anunciado Seu plano de destruição do mundo, Ele esperou cento e vinte anos para cumprir Seu propósito de mandar o dilúvio. Aqueles eram dias quando a imoralidade sexual reinava; dias quando as ameaças divinas eram ignoradas; dias de zombaria ao pregador da justiça de Deus; mesmo assim Deus esperou para puni-los, pois Ele é o Deus paciente.

 

2. O período inteiro da época do Velho Testamento foi um tempo de longanimidade divina. Em Romanos 3:25, vemos que os pecados desse período foram remidos sob a paciência de Deus. Os pecados dos salvos do Velho Testamento foram tolerados até que Cristo viesse pagar pelos mesmos. Deus não puniu os pecados deles, pois estava esperando puni-los na pessoa de Cristo. Os pecados deles foram remidos antes de serem pagos. Foi assim: Cristo, na eternidade passada, tornou-Se o penhor daqueles que Lhe foram dados pelo Pai no concerto eterno, concordando em assumir a natureza humana, pagar seus débitos, satisfazendo assim a justiça divina pelos seus pecados. Isto foi anunciado imediatamente após a queda do homem. Gênesis 3:15. Mas passaram-se quatro mil anos antes da plenitude dos tempos, quando, Cristo, o penhor de um testamento melhor, viesse para obter a redenção das transgressões que se encontravam debaixo do primeiro concerto (testamento). Hebreus 9:15. E todo este tempo intermediário foi de paciência ou longanimidade. Deus não Se irou de maneira a executar o julgamento sobre os pecadores, pois isto reservara para o Seu Filho, o penhor. E enquanto esperava pela vinda do penhor para a satisfação da justiça, Ele ordenou os sacrifícios de animais, que não podiam satisfazer a justiça nem remir o pecado.

 

3. O tratar de Deus com Faraó é outro exemplo de Sua longanimidade. Paulo defende Deus contra críticas em seu tratar com Faraó quando diz: "E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para perdição". Romanos 9:22 . A vontade divina a que se refere esta passagem é a de propósito. A vontade divina de propósito, em relação aos vasos da ira, tem a finalidade de demonstrar Sua ira e poder no julgamento dos mesmos, mas em longanimidade Ele os tolera até que pelos Seus próprios pecados sejam merecedores da destruição.
"Quantas vezes os homens se surpreendem pelo fato de Deus tolerar tanto mal quanto existe no mundo. Porque Deus não corta duma vez aos transgressores? A resposta é que Ele os suporta para a Sua própria glória e Ele será glorificado na condenação destes. Aos mortais, que sofrem de miopia, parece que seria melhor se Deus cortasse na infância os que pela Sua previsão visse como continuadores na iniqüidade. Mas Deus os suporta mesmo até a velhice e mesmo até aos limites extremos da iniqüidade para a honra e glória de Seu nome". Robert Haldane.

 

4. O tratar de Deus com Paulo demonstra Sua paciência com os "vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou". Romanos 9:23. Paulo mesmo nos explica tal fato: "Mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, que sou o principal, Jesus Cristo mostrasse toda a sua longanimidade, para exemplo dos que haviam de crer nele para a vida eterna". 1 Timóteo 1:16. Dentre todos os judeus incrédulos, a conversão de Saulo de Tarso parecia ser a menos provável, pois antes era blasfemador, perseguidor e injurioso. 1 Timóteo 1:13. Mas no propósito divino ele era um vaso de misericórdia dantes preparado para glória, e no tratar com o mesmo Deus nos dá um padrão de Sua longanimidade.

E Pedro estava pensando nestes vasos de misericórdia quando explicou a demora do retorno do Senhor. Ele explica que não é por Deus relaxar em Sua promessa da segunda vinda, "mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se". 2 Pedro 3:9. Mas certamente nesta referência é a Sua vontade de propósito que nenhum dos são chamados "nos" pereçam. O "nos" deste texto é o mesmo "amados" do versículo um e são distintos dos "escarnecedores" do versículo três. E o versículo quinze pondera esta interpretação: "E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor". A longanimidade de Deus opera na salvação dos vasos de misericórdia. É assim: Nós que somos salvos, éramos por natureza filhos da ira, do mesmo modo que os outros, e precisávamos nos arrepender. Se Cristo houvesse retornado antes de nos arrependermos, teríamos perecido. Quando Ele retornar, o dia de salvação será findo, e começará o julgamento, e se Ele tivesse vindo cinco ou dez anos passados, muitos dos que agora são salvos teriam perecido em seus pecados e a vontade de Deus teria sido frustrada. Sabemos que isto não pode acontecer nunca.

 

A PACIÊNCIA DE DEUS É GRANDEMENTE MALTRATADA E ABUSADA
O exercício deste atributo leva os homens a pecarem com mais audácia. "Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal". Eclesiastes 8:11. Os homens confundem a paciência de Deus com a crença de Sua não existência. Pelo fato de pecarem e não serem imediatamente punidos, concluem que não existe um legislador moral a quem darão conta. Um fazendeiro pensava ter provado a não existência de Deus. Tomou certa porção de suas terras para uma experiência. Preparou o solo num domingo, plantou num domingo, todo o cultivo foi feito aos domingos e no primeiro domingo de outubro ele colheu uma ceifa maior desta porção de terra do que de todas as outras. O fazendeiro, então, escreveu ao editor dum jornal mandando os resultados da experiência, escarnecendo da idéia dum Deus. O editor respondeu com poucas palavras, mas acertadamente: "Lembre-se de que Deus não ajusta as contas no primeiro domingo de outubro".
Bob Ingersol pensava ter demonstrado a não-existência de Deus dando cinco minutos contados para matá-lo. Quando um grande pregador da Inglaterra ouviu sobre isto, replicou: "Será que este senhor americano pensa em esgotar a paciência de Deus em cinco minutos"?
Se o crente não entender este atributo da longanimidade de Deus, ele ficará frustrado por Deus não esmiuçar nem exterminar tanta maldade quanto existe. Bendito seja o Seu nome! Certamente tudo isso acontecerá, mas Deus espera em Sua longanimidade pelo amadurecimento de Seus propósitos. Enquanto Ele espera, alguns se preparam para a justa destruição e outros por Sua graça, estão sendo modelados a serem vasos de glória. Em humildade e gratidão digamos como o poeta:
"Senhor, muito temos maltratado Teu amor, longo tempo passamos no pecado, nossos corações sangram em ver, com dor, quão rebeldes fomos".

A Santidade de Deus

"Ó Senhor, quem é como tu entre os deuses? quem é como tu glorificado em santidade, admirável em louvores, realizando maravilhas?" Êxodo 15:11.
Estamos vivendo em dias de indolência mental, moral e espiritual, portanto um tempo de pensamentos superficiais em relação a Deus e aos assuntos eternos. Os atributos divinos foram dispensados mesmo nas escolas teológicas, em troca de matérias secas, desinteressantes e sem valor. A idéia prevalece que o estudo correto da humanidade é o próprio homem mesmo. No pensamento popular, o Deus que opera maravilhas e de quem respiramos o fôlego, foi eclipsado pelo homem. É uma época nervosa, incômoda e de temor, e mesmo a atmosfera parece estar carregada de inimigos do espírito quieto, meditativo e estudioso.

 

O ATRIBUTO BÁSICO OU FUNDAMENTAL
A santidade de Deus é a pureza e a retidão de Sua natureza. Ele é por necessidade e por essência santo. Seu próprio ser, a única fonte e padrão do bem; portanto, eticamente o que Ele quiser é justo e reto. Não há padrão para Deus; Ele é por si mesmo, o padrão do que é reto. Deus não se encontra debaixo duma lei de santidade; Ele, por si mesmo, é a lei de santidade.
O atributo de santidade dá glória e harmonia a todos os outros atributos Seus. Sem santidade, a sabedoria e o conhecimento seriam por astúcia e pretensão. Sem a santidade, Seu poder seria tirania, opressão e crueldade.
Este atributo é enfatizado acima de todos os outros. Há certos atributos que nós preferimos, por benefício próprio derivado dos mesmos. Estimamos o amor de Deus, Sua mercê e Sua graça, antes da Sua justiça, Sua ira e Seu furor. Mas na Bíblia, a santidade tem preeminência acima de todos os demais. (1) Nenhum outro atributo é mencionado com tanta solenidade e freqüência pelos anjos. Isaías 6:3; Apocalipse 4:8. (2) Deus separa este atributo como penhor de Seus juramentos. "Uma vez jurei pela minha santidade que não mentirei a Davi". Salmo 89:35. Veja, Hebreus 6:17. Aqui jaz um forte argumento para a segurança do salvo: Deus diz com efeito: "Darei minha santidade como penhor pela tua segurança. Se Eu deixar de te guardar; cessarei então de ser santo".
A santidade de Deus é a beleza e glória do Seu ser. Ele é "glorioso em santidade". Lemos também da "beleza da santidade". Quando fotografamos uma pessoa, fotografamos a parte mais bela, o rosto, o qual é de grande excelência e que lhe distingue a personalidade. Portanto, quando Deus é retratado na Bíblia, Ele é visto neste atributo como sendo a perfeição mais bela. O poder são Suas mãos; a onisciência, Seus olhos; a misericórdia, Suas entranhas; a eternidade, Sua duração e a santidade, Sua beleza. O homem já foi muito longe da santidade de Deus por causa da sua natureza pecaminosa, e isto é pecado. Tem-se em vista Sua santidade ao dizer que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Ao pecar, o homem foi privado da glória ou santidade de Deus.

 

A TRINDADE SANTA
A santidade pertence igualmente às três pessoas da divindade. Elas participam da mesma natureza comum e indivisível. O Espírito é geralmente chamado de Espírito Santo. Nosso Senhor Jesus Cristo dirige-se ao Pai pelo título afetuoso de "Pai santo". João 17:11. O Senhor Jesus é chamado "o Santo de Israel" mais de trinta vezes, só no livro de Isaías. O próprio Satanás lhe disse: "Bem sei quem és, O Santo de Deus". Marcos 1:24. O Espírito Santo é o autor de santidade nos homens. O homem em seu estado natural e decaído é moralmente caótico; seu entendimento é obscurecido, e ele é deformado e feio espiritualmente. O Espírito Santo é a Pessoa divina que o restaura à normalidade; Ele traz ordem e beleza ao caos; Ele expulsa as trevas e difunde a luz espiritual por meio do Evangelho. O homem salvo deve ao Espírito Santo a luz que ele tem quanto às coisas espirituais.

 

A MANIFESTAÇÃO DA SANTIDADE DIVINA
1. A santidade de Deus apresenta-se na criação. Não houve falha na criação ao sair de Suas mãos. Tudo era belo e glorioso. "E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom". Gênesis 1:31. E outra vez, "Justo é o Senhor em todos seus caminhos, e santo em todas suas obras". Salmo 145:17. De acordo com nosso conhecimento, existem dois tipos de seres morais: os anjos e os homens, os quais foram criados moralmente santos. Mas o pecado manchou Sua obra, de maneira que nada permanece como foi criado, senão talvez os santos anjos. O homem está arruinado e decaído, filho da ira por natureza. E a criação inteira geme com dores esperando ser liberta da maldição do pecado. Romanos. 8:22.

2. Deus é visto em Sua santidade como Legislador. Um Deus santo nos deu uma lei que é justa, santa, e boa. Outra norma qualquer seria incoerente com Sua santidade. Não temos ordem de sermos tão sábios e fortes quanto Ele, mas temos a ordem que devemos ser santos como Ele é santo. 2 Pedro 1:15.

3. Há uma demonstração da santidade divina na redenção. Sua natureza santa não Lhe permite olhar ao pecado com a mínima tolerância. A salvação não se efetua ao custo de Sua santidade. O Redentor teve que sofrer a pena merecida pelo pecador, pois a ira é o exercício de Sua santidade. O desprezo de Deus pelo pecado é manifesto tanto na salvação quanto será manifesto no julgamento. A única diferença é que na redenção, a culpa do pecador é transferida ao Salvador. A ira que desceu sobre Cristo no Calvário teve origem na santidade de Deus.
4. A santidade apresenta-se na conversão do pecador. O novo ser é criado em retidão e verdadeira santidade. Efésios 4:24.

5. A santidade será mostrada na glorificação do crente. Quando nossa salvação for consumada, seremos restaurados à santidade de Deus. Não teremos Seu poder nem Sua sabedoria, mas teremos Sua santidade. O salmista disse: "Eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar". Salmo 17:15. Esta semelhança será tanto moral quanto física, e a semelhança moral de Deus será Sua santidade. O crente, lutando contra o pecado enquanto aqui na terra, regozija-se na esperança da glória de Deus. Romanos 5:2. O pecado é um grande fardo para o crente; a salvação é a restauração da santidade original da criação.

6. A santidade de Deus se apresentará em toda a sua pureza no dia do julgamento. Porque Deus é santo, Sua ira será veemente. Contemplar Sua face santa será demais para os pecadores. Clamarão às rochas e montanhas, para que caíam sobre eles, escondendo-os da face d'Aquele que se assenta sobre o trono, e da ira do Cordeiro. Apocalipse 6:16.

 

EXORTAÇÃO À SANTIDADE
As Escrituras são abundantes em exortações à santidade. "Sede santos, porque eu sou santo". 1 Pedro 1:16. Somos exortados a levantarmos mãos santas em oração. 1 Timóteo 2:8. É dever nosso, seguirmos a santidade, sem a qual nenhum homem verá a Deus. Hebreus 12:14. E outra vez, "Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados". Efésios 5:1. Todas estas exortações à santidade são dirigidas aos crentes, e nos mostram que não somos pessoalmente santos. Somos santos em Cristo agora; e seremos santos pessoalmente quando glorificados, pois nossa glorificação será nossa santidade individual.
O princípio de imitação é conhecido universalmente como efeito de amor intenso ou de profunda admiração por uma pessoa. Nós nos tornamos parecidos com aqueles com quem nos associamos. Os pagãos são de profunda iniqüidade, pois seus deuses são representados como seres vulgares e viciosos. Conta-se que Platão queria ver todos os poetas exilados por figurarem seus deuses em seus poemas, como seres viciosos e corruptos, encorajando assim o povo a cometer crimes.

 

TEMPO DE SER SANTO
Os crentes, na busca pela santidade, devem tomar tempo para meditarem na santidade de Deus. Leva tempo para alguém tornar-se santo. O pecado não pode ser dissipado por um só gesto ou uma olhada de vez em quando ao bem e ao belo. Meditar sobre a santidade de Deus promoverá um espírito humilde e manso, que é de grande apreço a Deus. Comparar-nos a nós mesmos produzirá orgulho e altivez, mas quando nos preocupamos em pensar na santidade do Salvador, seremos possuídos pela reverência e temor divinos. "Que tocha gloriar-se-á de sua luz quando diante do sol"?
O templo dos Incas em Cuzco, Peru era composto de três muros; um ao norte, um ao sul, e um ao oeste. O lado que olhava ao leste ficava aberto. Os muros encontravam-se bem rebocados e revestidos com ouro batido. Este povo adorava o sol, e seus cultos eram da seguinte maneira: eles vinham ao templo pouco antes do raiar do sol e ficavam na abertura do templo que dava para o sol com as costas viradas para ele. Diante deles havia dois espelhos de ouro. O sol levantava-se às suas costas, e muito antes de o verem o sol, viam seus reflexos no muro ao oeste, sendo assim banhados pelos raios do sol. Seus rostos e corpos eram iluminados por este brilho áureo. Do mesmo modo, a concerto do Evangelho é um espelho pelo qual podemos olhar, sem véu, a glória do Senhor Jesus Cristo, e a tempo seremos conformados a Sua imagem. "Mas todos nós, com o rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor". 2 Coríntios 3:18. Ocupar-nos com a santidade do Senhor nos levará de um grau de santidade a outro.

Providência de Deus

O politeísmo, o triteísmo, o dualismo, o monoteísmo e o ateísmo são termos religiosos que expressam várias crenças da humanidade em relação a Deus. O politeísmo é a doutrina de muitos deuses; o triteísmo é a crença que existem três deuses; o dualismo é o ensino que diz que a terra está sujeita a duas forças opostas; o monoteísmo é a crença em um só Deus e ateísmo ensina que não existe Deus. Estas diversas crenças testificam o triste fato da depravação do homem, e provam que a mente humana encontra-se obscurecida ao que diz respeito ao Deus verdadeiro. Se eu não fosse um crente com a Bíblia para me guiar, provavelmente seria um dualista. Ao redor de mim vejo um mundo em conflito. Vejo duas forças opostas, uma para o bem, a outra para o mal. Ou talvez fosse um ateísta como resultado de minha razão, pois aparentemente não existe um ser supremo. Ninguém parece estar no domínio, antes, muitas forças parecem estar competindo para o controle do mundo. Cada vez que uma pessoa começa a raciocinar, independentemente das Escrituras, ele faz a pergunta: Se existe um Deus que é bom e Todo poderoso, porque Ele não triunfa sobre o mal? Por que este Deus não mata o diabo? Porque Ele não faz cessar as guerras? E assim por adiante, infinitamente.

O crente crê porque tem consigo a Bíblia e uma experiência interna certa. E Deus é o autor de ambos. A Bíblia é a revelação objetiva ou externa de Deus e a experiência é Sua revelação interna. A Bíblia, sem a experiência interna (experiência da salvação) jamais fará de alguém um crente. Ao mesmo tempo, uma experiência religiosa que não concorda com a Bíblia é falsa e perigosa. Saulo de Tarso era religioso, muito antes de ser crente, e pensava ser seu dever fazer muitas coisas contrárias a Cristo. As pessoas podem ser sujeitas ao espírito do maligno tanto quanto ao Espírito Santo. Paulo julgava os tessalônicos como sendo eleitos de Deus, "Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo". 1 Tessalonicenses 1:5. Como crente, possuidor da Bíblia, sou monoteísta, crente no único e verdadeiro Deus vivo que é o Supremo Absoluto.

As religiões monoteístas são: o judaísmo, o Islamismo, e o cristianismo, e todos os três possuem, pelo menos em parte, a Bíblia. Portanto, aparentemente ninguém será monoteísta sem a Bíblia. O homem é um ser religioso por intuição, mas ele não é monoteísta por intuição. A idéia de um só Deus é doutrina revelada somente na Bíblia. Os atenienses cultos e educados dos dias de Paulo criam na pluralidade dos deuses. E muitos dos intelectuais do nosso século foram ao extremo oposto, dizendo que não existe Deus. Assim vemos que as crenças dos homens vão de muitos deuses a nenhum Deus.

 

QUEM CONTROLA O MUNDO?
Existem quatro opiniões distintas quanto aos acontecimentos deste mundo - quatro teorias sobre como tudo veio a existir. Há a opinião que diz que tudo acontece segundo as leis fixas da natureza. Os que crêem desta maneira são os racionalistas que não crêem em nada que não possa ser explicado pelos fundamentos naturais. A fé deles vem pelo microscópio ou pela observação do tubo de ensaio. Há também a opinião que diz que tudo acontece pela sorte ou pelo azar. De acordo com esta teoria nada é fixo e é tão possível que uma coisa aconteça quanto outra. A terceira idéia é que tudo acontece pela força impessoal do destino. E finalmente, há o ponto de vista cristão ensinando que tudo o que acontece é pela providência de Deus. De acordo com esta idéia, o Criador é o Administrador.

 

DEFINIÇÃO
Pode-se definir a providência como o governo de Deus sobre Sua criação. O governo de Deus nos negócios do mundo é assunto de grande importância para o crente, pois com uma visão apropriada da Providência, o crente aprenderá a procurar e ver o coração e as mãos de Deus em todas as experiências. Ele não falará como os filisteus incircuncisos quando disseram: "Isto nos sucedeu por acaso". 1 Samuel ¨6:9. Mas como Jó, ele dirá: "O Senhor o deu, e o Senhor o tomou". Jó 1:21.
Deus não Se encontra desocupado. O Salvador disse: "Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também". João 5:17. Deus está sempre a postos. Ele não é como o jogador de futebol que precisa descansar e planejar as táticas para o segundo tempo. Ele não é como o fazendeiro que necessita de descanso e alimento para poder trabalhar no dia seguinte. Ele não é como o lutador que precisa ser massageado e tratado entre um round e outro. Nosso Deus jamais conheceu o cansaço ou a emergência. Ele nunca Se encontra exausto de idéias; Ele é o único Ser qualificado para governar Sua criação.
Existem muitos que talvez pensem que Deus poderia melhorar Seu modo de governar o mundo. Os homens talvez propusessem mudanças. Muitos talvez pensem que é tempo de renovar. Alguns, talvez, aconselhassem a morte de Satanás, e que homens como Hitler fossem postos de lado e substituídos pelos que amam a paz. Deus é o Todo-Poderoso e está no controle, Se quisesse, Ele poderia fazer tudo isto e muito mais, mas ninguém vai Lhe dizer o que fazer. Ele faz tudo segundo o conselho de Sua própria vontade. Efésios 1:11.

Se Deus não está governando o mundo, quem está? Pelo que é aparente, talvez disséssemos que fosse o diabo. Ou talvez disséssemos que o mundo é controlado pelos políticos, ou mesmo pelos grandes empresários. Não há dúvida de que a intenção de Hitler era a de governar o mundo, para que todos contribuíssem para sua própria glória e a de sua raça superior. É óbvio que há muita competição pelas posições de autoridade. O desejo de poder é evidente por toda parte. Admite-se que o Diabo e os homens têm seus lugares e fazem suas obras, mas acima de tudo, Deus está no Seu trono fazendo com que mesmo a ira dos homens O louve. Salmo 76:10. Os homens decretam, mas Deus anula.
Se o Criador não governasse o mundo, qual seria o motivo? Seria por um destes dois motivos: porque Ele não quer, ou porque é incapaz. O homem que pensa terá que admitir que Deus está governando o mundo, pois se não está, Ele estaria desinteressado ou teria perdido Seu controle sobre a criação. Os homens perdem o domínio sobre as obras de suas próprias mãos. Um homem pode ser morto pelo avião que ele mesmo constrói. Ele se envenena com os medicamentos que produz. Uma mãe pode ser envergonhada por um filho ou filha, nascido dela. Mas Deus não corre nenhum perigo por causa de Sua criação. Jamais será envergonhado por qualquer de Suas criaturas, pois todos quantos se Lhe opõem serão envergonhados e arruinados eternamente.

 

O TIPO DE MUNDO QUE DEUS ESTÁ DIRIGINDO
Entenderemos e apreciaremos melhor a Providência divina se olharmos ao mundo que Deus controla. Há neste mundo um Diabo, e o Diabo tem mais popularidade entre os cidadãos de que mesmo Deus, o Criador do mundo. Satanás é chamado "o deus deste século" e o "príncipe deste mundo". No alvorecer da história humana, nossos primeiros pais por vontade própria, se rebelaram contra Deus e se tornaram aliados de Satanás. Transferiram sua lealdade do Deus da verdade ao pai da mentira. Jesus Cristo disse aos hipócritas de Sua época que eles tinham por pai ao diabo, e que faziam sua vontade. E Paulo nos diz que os perdidos deste mundo têm suas mentes vedadas pelo deus deste mundo. 2 Coríntios 4:4.
Porém, é preciso lembrar que Satanás opera pela tolerância de Deus. Ele é tolerado, mas não apoiado por Deus. Suas atividades são limitadas e ordenadas para fins divinos. Ele teve que obter permissão de Deus antes que afligisse Jó ou cirandasse a Pedro.
O mundo que Deus dirige está cheio de homens e mulheres depravados. Todo homem, à parte da graça de Deus, é inimigo de Deus. Paulo diz que a mente carnal despreza a Deus. Romanos 8:7. Ninguém, senão os renascidos, ama ao verdadeiro Deus. 1 João 4:7. Ouça o que veio dos lábios do Deus em forma humana: "Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem". Mateus 15:19-20.
O mundo que Deus controla está cheio de anjos caídos e de espíritos demoníacos. Paulo diz que os sacrifícios dos ímpios são feitos aos demônios e não a Deus. 1 Coríntios 10:20. E em Efésios 6:11, Paulo nos exorta a vestirmos a armadura completa de Deus: "Porque não temos de lutar contra a carne e o sangue, mas, sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais". Efésios 6:12.
Agora já devemos ser capazes de ver que Deus não está dirigindo este mundo da mesma maneira que o dirigiria se não houvesse outros nele, a não ser as pessoas boas, pessoas que O amassem, e se deleitassem na Sua vontade. Nossas prisões não são dirigidas do mesmo modo que nossos orfanatos. A terra não está sendo dirigida como se fosse o céu, embora seja Deus quem dirija a ambos.

 

A NATUREZA DA PROVIDÊNCIA
1. ELA É MISTERIOSA. Tudo parece estar em desordem e confusão. O mundo parece ser um grande campo de batalha de vontades opostas, sem ordem nem plano, tudo é só conflito. Aparentemente, não há ordem no movimento das abelhas de cá para lá, mas se examinarmos o mel, veremos um plano, um arranjo e ordem. Do mesmo modo que as abelhas guardam o mel para tempos de necessidade, mas são colonizadas pelo homem para o seu proveito próprio, assim também os homens planejam e trabalham, mas ao mesmo tempo estão sob o domínio da infinita sabedoria de Deus para Sua própria honra e glória.
Deus nos diz que não podemos entender o Seu tratar conosco. O salmista diz que os julgamentos de Deus são profundezas grandes. Paulo declara que Seus julgamentos são insondáveis e Seus meios além da nossa compreensão. A providência é misteriosa e causa perplexo, pois o Deus da Providência é além da compreensão das nossas mentes finitas. Portanto Seus meios são profundos demais para o nosso entendimento. Temos que acreditar no que Ele diz e crermos que Ele é sábio demais para errar, e bondoso demais para afligir aos Seus filhos sem motivo. Estamos num tempo de perplexidade e muitos corações clamam: "Por que Deus não faz alguma coisa"? Bem, querido coração, Deus está fazendo algo, mas nós não entendemos os Seus meios. Temos que andar pela fé que Ele não falha em Suas obras. Lembre-se, estimado leitor, que Deus tem a chave de todos os problemas da vida.

 

2. A PROVIDÊNCIA É MINUCIOSA E EXATA. Ela abrange todas as coisas, tanto as pequenas quanto as grandes. Já se explicou a Providência como a atenção de Deus concentrada em toda parte. O homem é finito e tem limites tais que sua atenção só pode ser concentrada em uma coisa, em um lugar, de cada vez. Deus é infinito em espaço, poder e saber e, pode assim Se concentrar em tudo, em todo lugar. Sua providência é microscópica como também telescópica. Deus se interessa pelos cabelos da nossa cabeça e pela queda do passarinho. Um pregador, certa vez, chamou a atenção de sua congregação, que a Bíblia diz que os seus cabelos são numerados, mas parecia que muitos nem pensavam que suas cabeças eram numeradas.

 

(1) Deus está no controle da matéria inanimada. As Escrituras abundam em ilustrações a este respeito. Deus disse: "Haja luz, e houve luz". E outra vez: "Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca. E assim foi". Pela Palavra de Deus as águas do Mar Vermelho se separaram e se levantaram como muralhas, voltando ao estado natural ao serem ordenadas. Pela Palavra de Deus a terra abriu sua boca e engoliu Coré e seus companheiros de rebelião. Pela Sua Palavra as chamas da fornalha babilônica não tocaram Seus servos fiéis. Os elementos da terra estão sob Seu controle. Ele faz chover. Ele traz a fome. Ele dá a ceifa ou a nega.

 

(2) Deus tem poder sobre as criaturas irracionais. Ele criou as feras e as trouxe para serem nomeadas por Adão. Ele fez entrar na arca de Noé dois de cada espécie imunda para a conservação das espécies, e sete pares de cada animal limpo para prover os sacrifícios que Noé faria. Seu controle sobre a vida irracional foi demonstrado nas pragas que caíram sobre o Egito. Ao Seu mandado as nuvens de moscas invadiram os lares egípcios, ao passo que os lares hebraicos não conheceram tal praga. Pela Sua vontade o Egito encheu-se de rãs e de gafanhotos. Daniel foi lançado na cova dos leões, mas a boca deles foi fechada e não tocaram em Daniel. Deus abriu a boca da jumenta para repreender a Balaão. Jonas não queria ser missionário ao estrangeiro, embarcando, portanto, num navio para Társis. Deus levantou os ventos e quando os marinheiros lançaram Jonas às águas, Deus já tinha preparado um grande peixe para transportá-lo à Nínive. E fez com que o peixe o vomitasse na praia. Foi pela vontade de Deus que o galo cantou três vezes no momento exato que Deus avisara a Pedro do que haveria de acontecer. "O Senhor tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu trono domina sobre tudo". Salmo 103:19.

 

(3) O controle de Deus estende-se aos homens... a todos os homens, ao bom e ao mau. Não é difícil ver que Deus controla o bem; difícil é ver Seu controle sobre tudo e todos, sobre o mal tanto quanto sobre o bem.
Deus permite o pecado porque Ele pode subjugá-lo para Sua honra e glória. Deus não é o autor do pecado, mas é Ele que o controla e governa para cumprir a Sua vontade. Agostinho tem uma ótima palavra concernente a isto: "O pecado dos homens procede deles mesmos; que ao pecar eles cometem esta ou aquela ação, mas é Deus que controla as trevas de acordo com seu prazer".
Deus não é a força causadora, mas diretora nos pecados dos homens. Os homens são rebeldes, mas não estão fora do Seu controle. Os decretos divinos não são a causa da necessidade do pecado dos homens, mas são os limites e a direção predeterminada e prescrita das ações pecaminosas dos homens. Um irmão inglês, P. W. Heward, diz o seguinte sobre este assunto: "Os desejos para pecar são dos homens; o homem é culpado. Mas o Deus onisciente impede estes desejos de produzirem ações indiscriminadamente. Deus faz com que estes desejos tomem certos caminhos dirigidos por Ele. As inundações de perversidade vêm dos corações dos homens, mas não têm permissão de cobrir a terra; são controladas nos canais das determinações divinas, e os homens sem saberem, são assim limitados de maneira que nenhum til do propósito divino falhe. Ele traz os dilúvios dos perversos para dentro de Seus canais a fim de virarem o moinho de Sua vontade".

 

UMA DOUTRINA PRÁTICA E DE CONFORTO
É uma alegria saber que Deus, nosso Pai celestial, está governando este mundo. A verdade que encontramos em Romanos 8:28 não seria possível, se Ele não estivesse no controle. Ele pode e assegura que tudo opera para o bem de Seus filhos.
Qual a pressa, se Deus é o guia? Por que preocupar-se se Deus auxilia?
Vejamos esta ilustração: Temos um fazendeiro que possui uma grande fonte em suas terras.. uma corrente de água que destruirá suas terras se deixada a sós. A corrente pode ser dirigida por cursos ou pode ser parada por um tampão no olho d’água. Esta fonte pode ser de benefício se a água for controlada. As águas são captadas por um curso feito pelo fazendeiro, e as mesmas águas que o ameaçavam agora o servem. Através de canos e tubos ele leva a água a sua casa e ao estábulo A água é levada para as plantações nos tempos de seca. Qualquer que seja a necessidade a água pode ser encanada para servir à esta necessidade. Do mesmo modo, o coração humano é uma fonte de iniqüidade. Se Deus não o controlasse, Seus propósitos seriam destruídos e Seu governo seria derrubado. Portanto, Ele faz passar a corrente por canais e tubulações do Seu propósito. E o que Ele não usa para sua glória é restringido. "Certamente a cólera do homem redundará em teu louvor; e o restante da cólera tu o restringirás". Salmo 76:10.
Um canal da fonte do pecado foi ao Calvário. O pecado humano é visto no seu estado mais grave quando os homens cravaram o Senhor da glória sobre o madeiro. E, mesmo assim, o propósito de Deus foi cumprido. A morte do Filho perfeito de Deus exigia grande abundância de pecado, mas o coração do homem superabundava em pecado e foi igual à exigência. Deus, portanto, guiou o ódio humano em tal direção. Ele acertou todos os detalhes a respeito da morte de Cristo. Ele haveria de ser crucificado entre dois criminosos… Suas vestes seriam divididas entre os soldados... Seu manto seria o preço de uma aposta... vinagre e fel ser-lhe-iam dados para beber... Seus ossos não seriam quebrados... e tudo aconteceu segundo os planos e profecias de Deus. Atos 4:27-28 voltam à mente: "Porque verdadeiramente contra o teu santo Filho Jesus, que tu ungiste, se ajuntaram, não só Herodes, mas Pôncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel; para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se havia de fazer". Que multidão perversa e poderosa! Mas nada fizeram que não tinha sido determinado por Deus.

Sim, querido filho de Deus, nosso Pai é quem governa. Nossos tempos e nossa vida estão em Suas mãos.

 

A Providência Divina II
No capítulo anterior, procuramos definir e explicar a providência divina, e mostrar que Deus reina em todo lugar e em tudo.
Deus descansou de Sua obra de criação não por estar cansado, mas porque estava satisfeito com Sua criação e podia declarar tudo como sendo bom. Seu descanso não significava cessação de Seu trabalho, mas satisfação com Sua obra. Desde a criação Ele está trabalhando no sustento e administração da criação. Veja Colossenses 1:17; Hebreus 1:3; Efésios 1:11.

 

AS DUAS ALTERNATIVAS CONSIDERADAS
Se Deus não está no governo de Sua criação, ou é por falta de vontade ou por falta de poder. Examinemos estas duas alternativas separadamente.
1. Se Deus não quer governar o mundo é porque perdeu o interesse por ele, e o mundo seria assim um projeto abandonado. Nenhum crente pode aceitar tal idéia. A voz das Escrituras está contra tal pensamento. Será que Deus daria Seu Filho para morrer por um mundo em que não tinha interesse?

2. A idéia de que Deus não tem poder para governar o mundo não encontra base nas Escrituras. Cremos, entretanto, que esta é a idéia aceita por muitos, isto porque não acreditam ou não conhecem o Deus das Escrituras. Quantas vezes ouvimos alguém falando que Deus tenta fazer isto ou aquilo! Tal idéia coloca Deus na posição de algum garoto deixado pelo cavalo num lugar deserto. Mas a Bíblia, em lugar nenhum, apresenta um Deus distraído ou incapaz. "Ele tem poder" é a canção das Escrituras.
Os três jovens hebreus quando diante da ira dum rei pagão, disseram: "Eis que nosso Deus, a quem servimos, é que pode nos livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei". Daniel 3:17.
Quando Dario falhou em livrar Daniel dos leões, ele veio à cova e clamou: "Daniel, servo do Deus vivo, dar-se-ia a caso que o teu Deus, a quem tu continuamente serves, tenha podido livrar-te dos leões"? Daniel 6:20. E Daniel respondeu da cova dizendo: "O meu Deus enviou seu anjo e fechou a boca dos leões para que não me fizessem dano". Daniel 6:22.
Aos judeus que pensavam ser necessário somente o parentesco terrestre com Abraão, Jesus Cristo disse: "mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão". Mateus 3:9.
Paulo disse aos anciãos Efésios em Mileto: "Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados". Atos 20:32.
Tiago nos diz que "Há um só legislador que pode salvar e destruir". Tiago 4:12.
E na última bênção Judas diz: "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo sempre. Amém". Judas 24:25.
As duas alternativas anulam a necessidade ou força da oração. Não adianta orar a um Deus que não se interessa por Sua criação, nem a um Deus incapaz de livrar-nos.

 

COMO DEUS ESTÁ GOVERNANDO O MUNDO
No governo deste mundo Deus não está Se manifestando aberta nem publicamente. Ele está governando em providência secreta e misteriosa.
1. No governo deste mundo Deus está dando a Satanás uma oportunidade de revelar-se e de mostrar o que ele faria se pudesse. Que faria Satanás se pudesse? Ele faria exatamente o que tenta fazer. Isto é, usurpar o lugar e as prerrogativas de Deus no governo. No passado distante ele disse: "E subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte" Isaías 14:13. Provavelmente, Satanás era o mais belo e exaltado entre os da primeira criação. Se alguém devia satisfazer-se com a sua posição este devia ser Satanás. Mas ele exaltou-se por causa de sua beleza e desejava mais autoridade. Ele cobiçava o poder de Deus e procurava tomar nas suas mãos as rédeas do governo.

2. Em providência Deus permite ao homem revelar e demonstrar o que ele faria se tivesse o poder. Que fez o homem? Ele tentou exaltar-se como Satanás e ser como Deus no que diz respeito à autoridade. No Jardim do Éden havia duas árvores que simbolizavam duas importantes verdades. Havia a árvore da vida, simbolizando que o homem não é todo-suficiente, antes depende de Deus em tudo; e havia a árvore da ciência do bem e do mal, simbolizando a verdade que o homem não é soberano, que ele não faz o que bem quer, que ele não determina para si o que é bem e o mal, mas que esta determinação é de Deus. Esta árvore era um lembrete solene que Deus é o Senhor da criação. Deus determinou o que Adão e Eva podiam ter, e não eram eles que determinavam por si mesmo. Deus tinha dito, "Podem usar isto, mas não aquilo. Sua vida e felicidade dependerão da obediência à minha palavra".
Mas Satanás entrou no jardim e disse a Eva que Deus mentira; a verdade sendo que se fizessem o que Deus ordenara não fazer, seria para seu bem. Comer do fruto proibido seria a abertura dos seus olhos (olhos do entendimento), para assim saberem por si mesmos o bem e o mal. Não estariam acorrentados a Deus na questão do bem e do mal. Ele lhes disse que seriam como deuses, sabendo (determinando) o que era bem e o que era mal.
A Bíblia nos diz que Eva foi enganada por Satanás. Ela creu na mentira dele e transgrediu a autoridade divina. Ela acreditou que grande ganho viria ao comer do fruto proibido.
Temos aqui o relato divino do primeiro pecado: "E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela". Gênesis 3:6. Desta história tão simples, mas trágica, aprendemos a definição de pecado. Pecado é competir com Deus pela Sua autoridade. João diz que pecado é a transgressão da lei de Deus, e a lei de Deus é Sua palavra sobre qualquer assunto. Pecado é deixar de lado a Palavra de Deus como a lei de minha vida, e fazer o que desejo. Após este passo fatal de Adão e Eva, Deus disse: "Eis que o homem é como um de nós, sabendo (determinando) o bem e o mal". Gênesis 3:22. Isto só pode significar que o homem tornara-se semelhante a Deus em espírito e alvo. Ele tinha o espírito de independência e seu alvo era competir com Deus pela soberania, para fazer assim o que era reto aos seus próprios olhos. Ele determinaria para si mesmo o que era reto.

Quantas vezes ouvimos alguém dizer: "Que mal há nisto"? ou talvez, "não vejo mal algum nisto", quando aquilo a que se refere é expressamente condenado na Bíblia. Que mal havia em Adão e Eva comerem do fruto proibido? Porque Deus disse: "Não comerás dela"! Que mal havia em Moisés bater na rocha em Cades? O mal era porque Deus tinha lhe ordenado falar a rocha. Que mal havia em Uzá estender a mão sobre a arca para equilibrá-la? O erro jazia no fato de Deus ter dito que somente os sacerdotes deveriam carregar a arca, e as mãos humanas não deveriam tocá-la. Que mal havia em Saul poupar o rei Agague com as melhores ovelhas quando destruiu os amalequitas? O erro jazia em que Deus havia ordenado o aniquilamento de tudo. Quando Saul desculpou-se dizendo que havia guardado as ovelhas e o gado para sacrificá-los, Samuel replicou: "Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros". 1 Samuel 15:22. Ao tentar assinalar motivos aos mandamentos de Deus, muitos deles são baseados na Sua vontade soberana, isto é, eles têm sua base no soberano prazer de Deus. Certo é que Deus tem motivo em tudo que Ele ordena, mas como Soberano absoluto, Ele não tem por necessidade revelá-los às Suas criaturas.

 

A PROVIDÊNCIA É PREVENTIVA
Ao governar o mundo, Deus impede muito pecado que em outro caso seria cometido. Quando pensamos na terrível quantidade de pecado, no grau a que chegou e nos seus terríveis efeitos, somos aptos em pensar que pecados piores não poderiam ser extraídos do coração, a fonte do pecado. Mas Deus exerce uma força reprimidora contra os perversos para que não cometam todos os pecados a eles possíveis. Deus disse a Abimeleque: "Eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso não te permiti tocá-la". Gênesis 20:6. Se este rei mundano tivesse sido deixado aos seus próprios intentos, ele teria prejudicado a Sara. Um jovem que ocupava uma posição importante e que lidava com muito dinheiro foi tentado a roubar, pois nunca seria descoberto. Mas no dia exato em que havia planejado o roubo, encontrou sobre a carteira um cartão com o versículo: "Não ajunteis tesouros na terra". Mateus 6:19. Ele foi impedido de realizar o que planejava, e sempre via este incidente como um ato da Providência para que não roubasse aquele dinheiro. E sem dúvida o autor, como também o leitor, pode lembrar-se de vezes quando também fomos restringidos de executarmos os desígnios de nossos corações.

 

PROVIDÊNCIA É PERMISSIVA
Deus permite que homens perversos manifestem o mal que há em seus corações. Em 2 Crônicas 32:31, lemos que Deus deixou Ezequias "para tentá-lo, para saber tudo o que havia no seu coração". No Salmo 81:12-13, vemos Deus falando sobre Israel: "Portanto eu os entreguei aos desejos dos seus corações, e andaram nos seus próprios conselhos. Oh! se o meu povo me tivesse ouvido! se Israel andasse nos meus caminhos"! Veja ainda Atos 14:16; Romanos 1:24,28. Certa mulher que havia sido caluniada, protestou quando alguém disse que Deus havia permitido tal coisa para seu próprio bem. Ela disse que fora Satanás que inspirara o falso acusador. Ela precisava aprender que Deus havia permitido Satanás agir.

 

A PROVIDÊNCIA É DIRETIVA
Deus guia os atos pecaminosos dos homens de maneira a cumprir Seu propósito. Quando Deus permite sair o mal que jaz no coração humano, Ele dirige seu curso em uma direção, e não em outra, para o cumprimento de Seu propósito. Desta maneira os atos pecaminosos dos homens tornam-se os atos santos de Deus. Os irmãos de José pecaram ao vendê-lo como escravo, mas por causa duma providência dominante, ele pôde dizer-lhes: "Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por Pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito". Gênesis 45:8. O que fez tal ato ser pecaminoso fora o motivo. José lhes diz novamente: "Vós bem intentastes mal contra mim, porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida". Gênesis 50:20.

 

A PROVIDÊNCIA É DETERMINANTE
Deus determina os limites atingidos pelas paixões vis de Suas criaturas e a medida de suas conseqüências. Deus determinou os limites a que Satanás podia operar na aflição de Jó. "E disse o Senhor a Satanás: Eis que tudo quanto ele tem está em tua mão; somente contra ele não estendas tua mão". Jó 1:12. E concernente ao segundo desafio de Satanás para com Jó, Deus disse: "Eis que ele está na tua mão; porém guarda a sua vida". Jó 2:6.
Isto serve de ilustração do que temos em 1 Coríntios 10:13: "Mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que possais suportar".

 

O ALVO DIVINO
Qual é o alvo ou propósito divino em Sua administração? Qual a finalidade de Seu governo? Para o prazer, ou ganho de quem este mundo está sendo dirigido? Quais serão os resultados finais e manifestos do governo divino?

 

NEGATIVAMENTE
1. O objetivo da providência divina não é o prazer e ganho do diabo. Se olharmos aos acontecimentos deste mundo com vista curta, poderemos pensar que Deus está lisonjeando o diabo; que sua diplomacia é a de apaziguar a Satanás. O diabo parece ter muito poder. Pedro o assemelha a um leão faminto à procura de presa. Ele aparentemente está obtendo sucesso. Mas olhando ao destino final do diabo, vemos que Deus não está governando para o prazer nem ganho de Satanás. Vá a uma fazenda e veja os porcos que estão a engordar. De início talvez pensemos que a fazenda toda está centralizada para o benefício destes porcos. Nada fazem senão comer e descansar, tudo o que os porcos desejam. Mas siga estes porcos ao matadouro e mudará o seu modo de pensar.
2. O mundo também não está sendo governado para a satisfação dos homens. Deus faz com que tudo opere para o bem dos Seus filhos, mas não para o bem de toda a humanidade, como um todo. Vejamos estes fatos: milhões de pessoas nascem em miséria, vivem em miséria, morrem em miséria, e passarão a eternidade na miséria do inferno. Do mesmo modo milhões nascem em pecado, vivem em pecado, morrem em pecado, e passarão a eternidade num inferno de pecado. Seremos tão audazes quanto a isto ao afirmamos que se Deus está governando o mundo para o bem da humanidade, Ele está falhando miseravelmente? Pense os milhões de jovens que estão lutando nas guerras hoje, não por escolha própria, mas por causa de circunstâncias que estão além de seu controle. O alvo de Deus não é a alegria da raça humana. Se fosse não haveria cidades bombardeadas e queimadas; não haveria mulheres chorando, crianças famintas, homens sangrando e moribundos nos campos de batalha.

 

POSITIVAMENTE
Deus está governando o mundo para o bem máximo; com a finalidade mais nobre e grandiosa. Que bem é este? Qual seria o alvo supremo de Seu governo? O que seria de mais importante no universo? Quem é o ser mais importante do universo? Estas perguntas nos encaminharão à resposta que procuramos para a pergunta: Qual a finalidade do governo divino.
1. O bem máximo não é o prazer nem o ganho do diabo. Ele é inimigo de Deus e do bem. Ele não é pessoa mais importante, e seu bem estar nem sequer faz parte do objetivo de Deus.

2. O bem máximo não é o bem-estar da raça humana. O homem é o centro da criação, mas comparados a Deus todos os habitantes são como nada. Daniel 4:35. Paulo, falando de si mesmo e Apolo como obreiros de Deus, confessou que eram nada. 1 Coríntios 3:7.

3. O bem supremo, o alvo máximo do governo divino é a glória de Deus. Chegamos a esta conclusão seguindo duas maneiras de pensar: primeiramente, o dever do homem, e em segundo lugar, o testemunho das Escrituras.
(a) O dever principal do homem deve ser o mesmo que o alvo de Deus. O que Deus exige do homem é igual ao Seu alvo de governo. Deus não requereria uma coisa do homem ao mesmo tempo em que Ele tivesse outra finalidade em Sua administração. Uma ilustração: Nosso governo exigiu um esforço de todos os nossos cidadãos para uma vitória na Segunda Guerra, e o que o governo exigiu dos cidadãos era igual a seu objetivo: vitória na guerra. Assim, o dever principal do homem é glorificar a Deus. "Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para glória de Deus". 1 Coríntios l0:31. Veja também Colossenses 3:23; 1 Coríntios 6:20. Devemos colocar Deus em primeiro lugar em nossas orações. Sua glória vem antes das nossas necessidades. Mateus 6:9.
(b) As Escrituras declaram que o alvo divino ao dirigir este mundo é a glória de Deus. Apocalipse 4:11 diz que todas as coisas existem para o prazer de Deus. Romanos 11:36 nos dá esta verdade em palavras maravilhosas: "Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas: glória, pois a ele eternamente. Amém". Weymouth traduz assim: "Tudo procede dele, existe por Ele, e para Ele. A Ele seja a glória eternamente! Amém". Dr. Robertson, em "Palavras Pitorescas," diz: "Com estas três preposições Paulo atribui o universo com todos dos fenômenos que concernem a criação, redenção, e providência a Deus, como fonte, o agente, e o alvo". Ele diz também que Alford apresenta esta doxologia dos versículos 33 a 36 como o "apóstrofe mais sublime que existe mesmo dentro das páginas desta inspiração".

Deus é a única Pessoa em todo o universo que tem a direito de agir para Sua própria glória. Sua glória é a regra de todas Suas ações, e Sua glória é a regra da conduta humana. Sim, o dever principal do homem é glorificar a Deus e ter comunhão com Ele eternamente.
Salvação não é principalmente para o nosso bem, mas para sua glória. Em Efésios 1:5 lemos: "E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor e glória de sua graça". E em Efésios 1:11: "Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade, com o fim de sermos para louvor de sua glória". Deus está salvando pecadores para que Ele possa mostrar taças de Sua graça a um universo espectador nos tempos vindouros. Efésios 2:7.
Se o autor conhece o mínimo de seu próprio coração, existem duas coisas com que ele está completamente satisfeito. Em primeiro lugar ele está satisfeito com o que Jesus Cristo fez por ele na cruz do Calvário, quando pelo sacrifício de Si mesmo, Ele tirou toda a nossa culpa. Nós nos encontramos satisfeitos porque Deus Se satisfez com o sacrifício. Não temos outra teoria para redenção, senão a de "satisfação" seja qual for o nome dado a esta. Em segundo lugar, estamos satisfeitos com a providência de Deus em nossa vida. O caminho não tem sido sempre plano nem agradável, mas cremos que os caminhos de Deus foram proveitosos e para o nosso bem.

O Silêncio de Deus

"Até quando, ó verdadeiro e santo dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? E foram dadas a cada um compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram". Apocalipse 6:10-11.
"Virá o nosso Deus, e não se calará; um fogo se irá consumindo diante dele, e haverá grande tormenta ao redor dele". Salmo 50:3.
A primeira das passagens acima nos dá o clamor das almas mártires que João viu debaixo do altar do templo celestial. Seus apelos são para justiça contra os seus assassinos. Aqui temos prova de que a alma não existe numa forma inconsciente durante o período intermediário. Estas almas estão conscientes. Elas clamam pelo julgamento da terra.
Em resposta aos seus clamores, eles recebem vestes brancas; sinal de que seus clamores pelo julgamento dos ímpios são justificados. Enquanto vivo, o santo deve orar pelos seus inimigos, mas após a morte ele ora contra seus inimigos. Estas almas mártires são avisadas que devem esperar pelas outras almas que serão mortas pela causa de Cristo. Tudo isto indica que esta dispensação de misericórdia findará em cruel perseguição dos filhos de Deus. Parece que os dias de martírio estão tanto no futuro quanto foram no passado para os santos. E ninguém sabe quando será chamado para confirmar sua fé com seu próprio sangue. Quem sabe se num futuro breve veremos algum decreto do governo que nos provará para ver se obedeceremos a Deus ou ao homem?
O próximo trecho é seqüência deste. Veremos nele o tempo quando o clamor dos mártires será ouvido e a vingança será executada. Nosso Deus virá, e não permanecerá em silêncio; um fogo devorador virá diante dEle e haverá tempestade em seu redor. O trecho fala do tempo quando a longanimidade de Deus findará, e Cristo vem com julgamento, mesmo em chama ardente, vingando-se dos que não conhecem a Deus e não obedecem ao evangelho. 2 Tessalonicenses 1:8.

 

O PROBLEMA DUM DEUS SILENCIOSO
Queremos significar com o termo, "silêncio de Deus", que Deus não está Se manifestando publica e abertamente como fez em outros tempos. Isto é, Ele não está operando milagres em público como antigamente. O dicionário diz que milagre é um acontecimento que não pode ser atribuído às forças da natureza, sendo, portanto, atribuído à força sobrenatural. E nós indicamos com o termo milagre público, em milagre que prova sem sombra de dúvida a existência de Deus. Robert Anderson diz que desde os tempos apostólicos não houve milagre público que provasse a existência de Deus. Um céu silencioso é o maior mistério de nossa existência. Um céu em silêncio é a maior prova à fé dum santo. O ateu não crê na possibilidade de milagres, pois ele não crê na existência dum Deus pessoal e poderoso. O problema do crente é a ausência de milagres. Como crente num Deus pessoal, poderoso, e que ama, ele não entende porque os milagres não são comuns em nossos dias.
Se existe um Deus, porque Ele permite as coisas serem como as vemos hoje? Por que Ele não se ergue e põe abaixo o erro e a rebelião desta terra? Por que Ele permite que os ímpios oprimam aos justos? Se há um Deus Todo-Poderoso, por que Ele não age? São estes os clamores de mães que vêem seus filhos na miséria das guerras. Como pode um Deus bondoso e poderoso ficar em silêncio diante de tal desprezo dos inimigos e do clamor de Seus filhos? Se há um Deus Todo-Poderoso e pessoal por que sofrem os justos, ao passo que os perversos prosperam? Em face destas questões é que os ímpios estabelecem suas vidas e os crentes enchem-se de frustração e perplexidade.
Nos dias de Moisés Deus estava abertamente operando milagres de maneira que mesmo os perversos mágicos egípcios tinham que confessar: "Isto é o dedo de Deus". Êxodo 8:19. E nos dias do ministério de Cristo aqui na terra, os milagres eram comuns e nem sequer eram questionados pelos Seus adversários. Seus milagres O fizeram famoso, mas não ganharam nenhum verdadeiro adepto. Em João 2:23 lemos que "estando ele em Jerusalém pela páscoa, durante a festa, muitos vendo os sinais que fazia, creram no seu nome. Mas o mesmo Jesus não confiava neles, porque a todos conhecia; e não necessitava de que alguém testificasse do homem, porque ele bem sabia o que havia no homem". Os que confiavam pelos sinais que viam não eram de confiança.
Os milagres continuaram através dos dias dos apóstolos, mas tornavam-se mais raros ao fim da era apostólica. O dom de milagres foi divinamente entregue e distribuído entre os membros das primeiras igrejas.

 

A AUSÊNCIA DE MILAGRES PÚBLICOS HOJE
É óbvio que não temos os milagres públicos hoje, pelo menos não da mesma inconfundível maneira como em outros tempos. Sei que hoje alguns dizem ter a capacidade de operar milagres de cura e de falar em línguas (geralmente seus limites são estes dois), mas algo está tão manifestadamente faltando nestes seus ditos milagres que encontramos logo muita desconfiança. E quando investigados há lugar para interrogação, que não era o caso nos dias de Cristo e dos apóstolos.
Há um problema com o silêncio de Deus. Quando Pedro encontrava-se na prisão esperando a morte, Deus mandou um anjo para livrá-lo. E Paulo foi milagrosamente libertado em Filipos. Mas desde estes tempos milhões de santos já foram martirizados, e seus clamores pelo livramento não foram ouvidos até o momento presente. Os céus acima são como metal que reflete os pedidos.
Nos dias da escravidão de Israel, Faraó disse: "Quem é este Senhor a quem ouvirei"? Deus aceitou o desafio desta monarca soberba e demonstrou Seu poder de maneira terrível; mas nos dias presentes os homens desafiam a Deus e até mesmo ridicularizam a idéia dum Deus pessoal; e os céus nada dizem. Carlos Smith e outros ateus teóricos quase desgastaram todas as palavras más condenando a religião, negando a Deus, e empilhando os abusos contra a Bíblia; e a todos estes ataques, Deus continua em silêncio.

 

EXPLICAÇÃO DO SILÊNCIO DIVINO
O silêncio de Deus, diante de Seus desafiadores que O querem combater, pode ser explicado. O silêncio de Deus aos Seus filhos suplicantes tem explicação. Qual é a explicação?

 

RESPOSTAS NEGATIVAS
1. Não é por falta de poder que Deus permanece no silêncio. Ele nunca se encontra incapacitado diante da oposição. Não há crise com Deus. "O que a sua alma quiser, isso fará". Jó 23:13. Ele pode livrar Seus filhos de todos os perigos. Com fé podemos cantar:

 

2. Não é por falta de interesse. O Pai celestial é o mais sábio e o melhor dentre os pais. Ele nunca comete erro no cuidar de Seus filhos.
Recebemos a ordem de colocar todos os nossos cuidados sobre Ele, sendo que Ele cuida de nós. Quando clamamos a Ele em nossas angústias, e Ele não responde como queremos que Ele responda, não pense que Ele não se importa. É por causa de Seu cuidado por nós que muitas vezes não recebemos o que pedimos. Ele é mais sábio do que nós em nossos pedidos. É o nosso amor e interesse em nossos filhos que nos fazem negar certos pedidos. Quando estamos doentes e pedimos que Deus nos cure, e isto não acontece, fiquemos certos que é melhor estarmos doentes. Deus nos ensina certas coisas na cama da enfermidade que de outra maneira jamais aprenderíamos. Algumas lições são melhores aprendidas com enfermidades do que com saúde. A Bíblia é um livro mais doce no quarto do doente que na oficina. Se orarmos pelo nosso livramento dos nossos inimigos, e Ele não livra, é para que o ouçamos Ele dizer: "Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é reino dos céus". A maior honra que a perversidade pode prestar à justiça é persegui-la. É dom de Deus podermos sofrer pelo Seu nome. Spurgeon escreve: "Não por nenhuma falta pessoal, mas simplesmente por causa do caráter temente a Deus, que os Daniéis de Deus são desprezados: mas são abençoados pelo que parece ser uma maldição".

 

3. Não é por falta de conhecimento da parte de Deus. A onisciência de Deus é uma das verdades mais preciosas ao crente. Um dos mais belos salmos de Davi é o Salmo 139:1-3, onde é celebrada a onisciência de Deus: "Senhor, tu me sondas, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos". Eis aqui uma ótima prova para minha espiritualidade. Será que me alegro no fato de que Deus conhece tudo ao meu respeito? É bom saber que Deus sabe do nosso desprezo e de nossa luta contra o mal. Ele sabe que Seu povo tem fome e sede de justiça, e Ele prometeu encher os Seus com retidão e justiça. Certamente Ele nos encherá de justiça, pois foi Ele que provocou em nós tal sede. Um dia todo santo será perfeito como deseja ser.

 

4. O silêncio de Deus não indica Sua ausência no trono. Deus ainda está no trono. Ele ainda opera todas as coisas segundo o conselho de Sua vontade. Mas Ele não está ainda governando abertamente diante do público. Ele está por detrás do palco dirigindo o drama da história humana. Seu reino é secreto e não público. Ele governa por intermédio da providência e esta é misteriosa. Seus julgamentos são insondáveis e além da nossa compreensão. Romanos 11:33. O dedo de Deus está operando no dia de hoje, mas o mundo não vê. Ele está operando milagre no presente século, mas não de forma pública.

 

5. O silêncio de Deus não é por falta de fé por parte do Seu povo. Este não é o motivo para a ausência de milagres ao público nos dias atuais. Muitas vezes ouvimos dizer que se o povo de Deus tivesse hoje a fé de Pedro e de Paulo, veríamos também milagres públicos. Não cremos nisto. Não estamos argumentando que temos a fé que devemos ter, mas este não é o motivo para a falta de milagres. Os milagres foram objetos de testemunho a Israel como uma nação, e quando o Evangelho passou dos judeus para os gentios os milagres cessaram. Os milagres tinham como propósito confirmar a Jesus como o Messias. Os milagres eram a carteira de identidade de Cristo. Mencionaremos um caso como ilustração: Um dia um leproso veio ao Senhor e o louvou dizendo: "Se queres, bem podes limpar-me". O Senhor o curou com um toque, e advertiu que não dissesse a ninguém, mas que fosse ao sacerdote para ser pronunciado limpo. Marcos 1:44. Desta maneira ele estaria testificando, pelo sacerdócio, que havia um dentre eles que podia curar a lepra, sendo portanto o sacerdote. Mesmo com todos os milagres que testificavam da presença do Messias, a nação rejeitou o Cristo (o Messias) no Seu ministério pessoal e no ministério de Seus apóstolos: e assim cessaram-se os milagres.

 

RESPOSTAS À QUESTÃO DE MANEIRA POSITIVA
1. A natureza ou tipo de obra divina no século presente não requer milagres. Se fossem necessários, fique certo de que os teríamos. Ele é tão capaz de operar milagres nos dias de hoje quanto era nos dias dos apóstolos. Este é o dia de salvação, e os milagres não são necessários à fé. Isto é, milagres públicos, como o homem rico queria que fossem operados. Quando levantou os olhos do Hades e viu a Abraão rogou que mandasse Lázaro levantar-se dos mortos para pregar aos seus cinco irmãos que ainda viviam num mundo de incredulidade. Ele contendia que se alguém se levantasse dentre os mortos eles se arrependeriam. Mas a resposta foi que se eles recusavam a mensagem de Moisés e dos profetas... se não acreditavam na Palavra de Deus… não seriam convencidos da verdade ainda que alguém se levantasse dos mortos. Lucas 16:27-3. A fé vem pelo ouvir, e ouvir pela palavra de Deus. Romanos 10:17. Os milagres não são necessários para se haver fé. Uma certa senhora, que acreditava em muitas teorias contrárias às Escrituras, vendo a firmeza de D. F. Sebastian, grande homem de Deus, tentando convencê-lo disse: "Se pudesses ver o que já vi, crerias da mesma maneira que eu creio". Este homem perspicaz e grande servo de Deus, prontamente respondeu: "Se pudesses ouvir o que já ouvi, crerias como eu creio".

 

2. Os milagres não são necessários para provar o amor de Deus pelos pecadores. Não temos direito algum de pedir milagres de Deus como prova de Seu amor para conosco. Mesmo assim tal pedido seria prova de nossa incredulidade. Temos Sua Palavra de que Ele ama aos pecadores, e se tomarmos o lugar de pecador e confiarmos no Salvador que Ele providenciou, teremos certeza de que Ele nos ama. Deus já provou com grande evidência o Seu amor para com os pecadores na dádiva de Seu Filho para morrer por eles, e se Ele operasse um milagre para provar o mesmo, isto seria prêmio para a incredulidade. Os milagres nunca salvaram ninguém, mesmo nos dias quando eram comuns. Judas viveu com Cristo e viu a maioria de Seus milagres, porém, não foi salvo. Onde a maioria de Suas grandes obras foi feito, o povo era repreendido pela sua incredulidade. Está escrito concernente ao povo de Jerusalém: "E, ainda que tinha feito tantos sinais diante deles, não criam nele". João 12:37.

 

3. Os sinais ou milagres públicos, geralmente são associados ao julgamento. Os sinais do Egito foram milagres de julgamento. E os grandes sinais vindouros serão associados com o julgamento da terra. Quando Deus estiver pronto para julgar este mundo perverso, Ele começará a operar milagrosamente. O dedo de Deus será novamente visto sobre a terra. "Nosso Deus virá e não permanecerá em silêncio". Ele se manifesta agora aos Seus, eles vêem Sua mão milagrosa em seus a fazeres, mas Deus se esconde dos incrédulos. Sua Palavra satisfaz aos Seus filhos e Ele não pretende satisfazer à curiosidade néscia dos incrédulos através de milagres.

 

4. A Bíblia revela que haverá sinais ou milagres públicos nos últimos dias desta dispensação, mas serão do diabo e não de Deus. Nosso Senhor, falando sobre os sinais de Sua vinda, disse que falsos cristos e falsos profetas levantar-se-iam e mostrariam grandes sinais e maravilhas: de maneira que se fosse possível, até os eleitos seriam enganados. Mateus 29:24. A palavra "sinal" na passagem é a mesma que geralmente traduz-se como milagre. Em Apocalipse 13 lemos que o falso profeta fará grandes prodígios e maravilhas, e que ele fará descer fogo do céu sobre a terra à vista dos homens, e enganará aos que vivem sobre a terra por estes sinais. Em 2 Tessalonicenses 2:9, lemos que a vinda do "homem do pecado" será após as obras satânicas de poder e sinais (milagres) e de maravilhas mentirosas. Se alguém está atualmente operando milagres, tal dom é de Satanás e não de Deus, e é sinal do fim dos tempos.
Há um clamor no dia de hoje no setor religioso pelo miraculoso, o sensacional e o espetacular. Isto é porque o povo está cansado da Palavra de Deus. O povo que busca milagres como sinal ou prova do favor e da presença de Deus estão se colocando em boa posição para ser enganado. O que é sobrenatural não é necessariamente divino.

 

ESTE NÃO É O DIA DE JULGAMENTO
Este é o dia da salvação e não de julgamento. Este é o dia da paciência de Deus. A única pessoa com direito de julgar é Cristo, e Ele está sobre o trono da graça, em amor e graça, enquanto espera o fim dos tempos. Quando Ele romper novamente o silêncio, será com palavras de ira, e serão derramados os julgamentos que cobrirão o mundo. "Nosso Deus virá e não permanecerá em silêncio". Ele hoje Se encontra silencioso, neste dia da graça, quanto à Sua manifestação pública, mas breve vem o dia quando falará em Sua ira aos Seus inimigos para serem Seu pedestal. Ele já falou Sua última palavra de desprazer. Salmo 2.

 

UM CÉU SILENCIOSO!
Sim, mas este não é o silêncio dum Deus fraco e vencido. Um céu silencioso! Certamente, mas não é o silêncio dum Pai calado e indiferente. Um céu silencioso! Certamente, mas não o silêncio dum Pai que esquece os Seus filhos. É um silêncio que prova e promete que para o mais vil pecador ainda o caminho para o céu está aberto. É a segurança de que ainda vivemos no dia da salvação. Quando o crente esmorece e o ímpio se revolta, e homens pedem a Deus que Ele rompa o silêncio e mostre Sua mão sobre a terra, pouco sabem o que isto implica. Isto significará o fim da misericórdia; significará o fim do reino da graça; significará o fim do dia da misericórdia; será o fechar da porta da arca da salvação; significará o romper do dia da ira… o dia da revelação do justo julgamento de Deus.
"Conhecendo o terror do Senhor", como Paulo, persuadimos aos homens. Porque existe ira, avisamos aos homens para que escapem da ira vindoura. Sabendo que não há outro nome pelo qual somos salvos, rogamos que os homens confiem no Senhor Jesus Cristo.
Deus nos falou pelo Seu Filho. Temos a mensagem de Seu Filho na Bíblia. Ela nos diz que vida eterna está em Jesus Cristo. Ela nos diz que o Filho foi punido para que o pecador não perecesse. Despreze esta mensagem, rejeite o Filho, e quando Deus falar novamente, ouvirá Sua voz em tom de julgamento.

As Alianças de Deus

"Pois, se aquela primeira aliança fosse perfeita, não seria necessário procurar lugar para outra... Chamando “nova” esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido está a ponto de desaparecer." (Hb. 8:7,13)

 

Aliança = Acordo bilateral de obrigação mútua entre as partes. No A.T., Deus celebrou uma aliança com Israel. Foi exclusivamente o Senhor, porém, quem estabeleceu as condições do acordo. Em troca da lealdade e da obediência dos israelitas, ele prometeu que os protegeria, os amaria e lhes concederia a sua presença. A segunda ou Nova Aliança (Hb. 8.7,13) “Pois, se aquela primeira aliança fosse perfeita, não seria necessário procurar lugar para outra... Chamando “nova” esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido está a ponto de desaparecer.” (NVI), trouxe salvação ao povo de Deus mediante o derramamento do sangue de Jesus.
São oito as principais Alianças de significado especial que explicam o resultado dos propósitos de Deus para com o homem. São:

 

1. EDÊNICA (Gn. 2.16) “E o SENHOR Deus ordenou ao homem: “Coma livremente de qualquer árvore do jardim.” (NVI);
Esta aliança exigia as seguintes responsabilidades da parte de Adão:

  • propagar a raça
  • sujeitar a terra ao homem
  • dominar sobre a criação animal
  • cuidar do jardim e comer os seus frutos e ervas
  • abster-se de comer de um único fruto, da árvore do conhecimento do bem e do mal, com a penalidade da morte por desobediência.

 

2. ADÂMICA (Gn. 3.15) “Porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça,e você lhe ferirá o calcanhar.” (NVI);
Esta aliança condiciona a vida do homem caído – condiciona o que tem de permanecer até que, na dispensação* do reino, “a própria criação será redimida (resgatada pagando resgate pelo sangue de Jesus) do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” – (Rm. 8.21).
*Dispensação = é um período de tempo no qual o homem é testado na sua obediência a alguma revelação específica da vontade de Deus.

 

3. NOÉTICA (Gn. 9.16) “Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna entre Deus e todos os seres vivos de todas as espécies que vivem na terra.” (NVI);
Esta aliança reafirma as condições de vida do homem caído conforme anunciadas pela Aliança Adâmica, e institui o princípio do governo humano para reprimir a expansão do pecado, uma vez que a ameaça do juízo divino na forma de outro dilúvio foi removida. Os elementos da aliança são:

  • o homem torna-se responsável pela proteção da santidade da vida humana. através de um governo ordeiro sobre o homem individual, até a pena capital (Gn. 9.5-6 compare com Rm. 13.1-7);
  • nenhuma maldição adicional é anunciada sobre a terra, nem o homem deve temer outro dilúvio universal (Gn. 8.21; 9.11-16);
  • a ordem da natureza é confirmada (Gn.8.22; 9.2);
  • a carne dos animais é acrescentada à dieta do homem (Gn. 9.3-4). Presume-se que o homem fosse vegetariano antes do dilúvio;
  • uma declaração profética é anunciada sobre os descendentes de Canaã, um dos filhos de Cão, de que seriam servos dos seus irmãos (Gn. 9.25-26);
  • faz-se uma declaração profética de que Sem terá um relacionamento peculiar com o SENHOR (Gn. 9.26-27). Toda a revelação divina é através de homens semitas, e Cristo, segundo a carne, descende de Sem.
  • uma declaração profética é anunciada de que de Jafé virão os grandes povos (Gn. 9.27). O governo, as ciências e as artes, generalizando, vieram e têm sido jaféticos, de modo que a história é o registro incontestável do cumprimento exato destas declarações.

 

4. ABRAÂMICA (Gn. 12.2) “Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção.” (NVI);
A Aliança abraâmica conforme constituída e confirmada tem três aspectos:

  • a promessa de uma grande nação
  • quatro promessas pessoais foram dadas à Abraão: a. seria pai de numerosos descendentes; b. receberia bênçãos pessoais; c. receberia honras pessoais; d. seria canal de bênçãos. Como exemplo de fé piedosa e proeminentemente através de Cristo, a semente de Abraão.
  • promessas aos gentios de abençoa-los ou amaldiçoa-los.

A Aliança abraâmica revela o propósito soberano em cumprir, através de Abraão, o Seu programa para Israel, providenciando em Cristo o Salvador para todos aqueles que crêem. O cumprimento final repousa sobre a promessa divina e o poder de Deus mais do que sobre a fidelidade humana.

 

5. MOSAICA (Ex. 19.5) “Agora, se me obedecerem fielmente e guardarem a minha aliança, vocês serão o meu tesouro pessoal dentre todas as nações. Embora toda a terra seja minha...” (NVI);
A Aliança Mosaica, dada a Israel em 3 divisões, cada uma essencial às outras juntas formando a Aliança Mosaica, isto é:

  • os mandamentos, expressando a vontade de deus;
  • os juízos, regulando a vida social de Israel;
  • as ordenanças, governado a vida religiosa de Israel. Esses três elementos formam “A LEI”

 

6. CANANITA ou PALESTINIANA (Dt. 19.5) “Por exemplo, se um homem for com o seu amigo cortar lenha na floresta e, ao levantar o machado para derrubar uma árvore, o ferro escapar e atingir o seu amigo e matá-lo, ele poderá fugir para uma daquelas cidades para salvar a vida.” (NVI);

 

7. DAVIDICA (II Sm. 7.16) “Quanto a você, sua dinastia e seu reino permanecerão para sempre diante de mima; o seu trono será estabelecido para sempre.” (NVI);
A Aliança Davidica, sobre a qual o futuro reino de Cristo, “o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi” (Rm. 1.3) devia ser fundamentado, dava a Davi:

  • a promessa da posteridade na casa de Davi;
  • um trono simbólico de autoridade real;
  • um reino, ou governo sobre a terra;
  • certeza de cumprimento, pois as promessas a Davi “serão estabelecidos (as) para sempre”.

 

8. A NOVA ALIANÇA (Hb. 8.8) “Deus, porém, achou o povo em falta e disse: “Estão chegando os dias, declara o Senhor, quando farei uma nova aliança com a comunidade de Israel e com a comunidade de Judá.” (NVI).
A Nova Aliança, a última das oito grandes Alianças das escrituras, e:

  • “melhor” do que a Aliança Mosaica, não moralmente mas em eficácia (Hb. 7.19 compare 8.3-4);
  • está estabelecida sobre promessas melhores (isto é, incondicionais). Na Aliança Mosaica Deus diz, Se... (Ex. 19.5); Na Nova Aliança Deus diz, “Eu Farei...” (Hb. 8.10-12);
  • sob a Aliança Mosaica, a obediência brotava de temor; sob a Nova Aliança, ela brota de um coração e uma mente dispostos;
  • na Nova Aliança garante a revelação pessoal do SENHOR a cada crente;
  • ela assegura esquecimento completo dos pecados;
  • ela repousa sobre uma redenção consumada, através de Cristo Jesus.
A Nova Aliança repousa sobre o sacrifício de Cristo e garante bênção eterna, sob a Aliança Abraâmica, de todo aquele que crê.

 

+ Topo