Início » Estudos » Estudos Bíblicos
Pentateuco

INTRODUÇÃO

            A palavra Pentateuco vem de penta – cinco, e teuxosvolumes ou livro; daí o seu significado: obra de 5 tomos, livros ou rolos, pois este era o formato dos livros de então. O nome se originou com a famosa e primeira tradução do AT, chamada, Septuaginta, feita do hebraico p/ o grego no 3ºséc. antes de Cristo.
            Os judeus chamam  de “Torah” ou “Lei”, sendo essa obra o código legislativo da nação.
            Sua visão foi feita pelos eruditos hebreus trabalhando em Alexandria, no preparo da versão grega chamada Septuaginta, já mencionada. Nesse tempo a obra de Moisés, escrita por inspiração divina, foi dividida em 5 livros ou partes e seus respectivos nomes foram dados de acordo com seu conteúdo; nomes mantidos até hoje.
            Formam o Pentateuco, os 5 livros de Moisés, os primeiros da Bíblia: Gênesis – Bereshith, Êxodo – Shemoth, Levítico – Mayykra, Números – Bemidhar e Deuteronômio – Devarim.

 

> GÊNESIS. Palavra grega que significa origem. Neste livro estão registrados as origens do universo, do gênero humano e dos demais seres e coisas criadas, e a formação e história do povo de Israel até a sua ida p/ o Egito.
> ÊXODO. Palavra latina, que significa saída dos israelitas do Egito, a passagem pelo Mar Vermelho; fala dos 10 Mandamentos e a peregrinação do povo no deserto durante 40 anos à terra Prometida.
> LEVÍTICO. Levi era um dos 12 descendentes de Jacó. Esta livro trata do culto religioso dos hebreus, pondo em relevância o trabalho sacerdotal dos levitas, separados que foram por Deus p/ o serviço do santuário.
> NÚMEROS. Livro denominado assim, por causa dos recenseamentos e séries de números neles contidos. Este livro trata dos 2 recenseamentos do povo de Israel, ambos repletos de números. O primeiro, quando Israel achava-se junto ao Sinai; o segundo, à entrada da Terra Prometida, ao final dos 40 anos de peregrinação. Retratando também as lutas que os israelitas enfrentaram perante os povos que ocupavam as fronteiras da Palestina ou Terra prometida.
> DEUTERONÔMIO. Este livro significa “Segunda Lei” é uma forma condensada de tudo aquilo que foi tratado nos livros do Êxodo, Levítico e números. Foi escrito p/ a nova geração, p/ aqueles que nasceram durante a peregrinação pelo deserto. Foram Leis que deveriam ser obedecidas quando o Povo entrasse na Terra Prometida.

 

            Tudo o que nos é dado saber sobre as origens do Universo e de tudo o que nela existe, bem como o início e evolução da revelação divina ao homem, centralizado no plano da redenção, acha-se registrado no Pentateuco – Torah. Estão registrados os mais antigos acontecimentos da História, dentre os quais se destacam: As origens do povo hebreu, suas tradições, a entrega da Lei, o culto divina, e outros.

AUTORIA DO PENTATEUCO

            Moisés (Ex 24.4; Nm 33.2; Dt 31.9, 24.26; Mc 12.19; Lc 20.28 e Jo 1.17). Hebreu, filho de hebreus, e , após ser miraculosamente salvo das águas do Nilo por mãos da “filha” do Faraó. Moisés foi instruído em toda a ciência do Egito, o que certamente muito contribuiu na sua tarefa de escrever o Pentateuco, sob a inspiração divina (Hb 8.5; Jo 5.46; 9.29; Ed 7.6).
            Portanto, a nossa mais sincera oração a Deus é no sentido de que , ao longo do estudo sobre o Pentateuco, você receba a multiplicação de conhecimento bíblico, o que dúvida o fará mais útil à obra de Deus.

 

Gênesis - Bereshith

TÍTULO:  Palavra grega que significa origem.  Neste livro estão registradas as origens do universo, do gênero humano e dos demais seres e coisas criadas, e a formação e história do povo de Israel até a sua ida para o Egito.
TEMA:  Este livro é bem definido pelo seu título, Gênesis, que significa “princípio”, porque é a história do princípio de todas as coisas – o princípio do céu e da  terra, o princípio de todas as formas de vida e de todas as instituições e relações humanas.  Tem sido chamado o “Viveiro” das gerações da Bíblia pelo fato de nele se encontrarem todas as grandes doutrinas referentes a Deus, ao pecado e à salvação.

AUTOR:  Moisés

ESFERA DE AÇÃO:  Da criação até à morte de José, abrangendo um período de 2.315 anos, de cerca de 4004 a 1689 antes de Cristo.

CONTEÚDO:  O conteúdo de Gênesis gira em torno de nove fatos principais:  Israel – A obra da criação (1,2) ;  II – A queda (3) ; III – a 1ª civilização (4) ; IV – O dilúvio (5 – 9); V – a dispersão das nações (10,11); VI- Abraão (12 – 25); VII- Isaque (17 –35); VIII – Jacó (25-35); IX – José (37- 50).

 

A OBRA DA CRIAÇAO

“ No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1)

 

            No primeiro versículo de Gn. Moisés exprime em resumo a obra criadora de Deus, que vem detalhadamente exposta nos versículos seguintes.  É o dogma fundamental da religião, oposto a todos os falsos sistemas filosóficos e a todas as falsas religiões.
            O mundo não é eterno, foi criado.  A harmonia da criação está a nos dizer que, antes dela, houve um poder dinâmico que a gerou, e, portanto, esta coisa – o mundo- teve um princípio.  O Ser que a gerou, é o eterno Deus.  Em João  1.1 lemos:  “ No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era DeusO apóstolo confirma Gênesis: “ No princípio ... Deus”.  Então Deus foi o princípio, a causa primária de tudo o que existe.
            A ciência moderna afirma que este mundo formou-se há milhões de anos.  Pode ser verdade.  A Bíblia não contra diz isso, porém, ela se limita a dizer:  “No princípio...”.  Deus criou o universo, mas não entra em detalhes ao se revelar ao homem, sobre quando e como criou.  

 

OS AGENTES DESSE “ PRINCÍPIO”

            “...criou Deus...” (A palavra “criou”, encontra-se apenas três vezes no capítulo 1º de Gn (vv1, 21, 27).  Os eruditos ao exporem este assunto, mostram a diferença no texto original entre o que Deus “criou” e o que Deus “fez”.  Assim, os mares foram feitos das águas já em existência (vv.9, 10).  O sol e a lua foram “feitos aparecer” através das espessas nuvens no quarto dia da semana da recriação.  Porém, Gn. 1.1 é enfático, abrange todo o cosmo.
            Gn 1.2 diz: “A terra, porém, estava sem forma e vazia...”  A palavra  “estava” é também traduzida por “veio a ser”, dando assim a idéia de que, originalmente, a terra não era sem forma e vazia.  Em Is 45.18 diz o Senhor:  “...que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu; que não a criou para ser um caos, mas para ser habitada...”  Portanto, se Gn 1.2 declara que no princípio a terra era sem forma e vazia (um verdadeiro caos), deve ter acontecido algo com ela, talvez um cataclismo, levando-a a esse estado.  Se isto é fato, deduzimos que houve um grande espaço de tempo entre os fatos registrados no versículo 1º e os registrados no versículo 2º, períodos esses tão longos que deixam motivos para especulações nas formações geológicas, o leva alguns escritores a afirmarem ter havido um extenso período entre a criação propriamente dita e a formação do homem na terra.

“...e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas”.  Gn 1.2
   
A expressão  “pairava por sobre as águas”, leva-nos a pensar num pássaro que sobre o seu ninho está chocando os ovos, até que nasçam os filhotes!  “Águas” não significa os oceanos e os mares como conhecemos hoje, mas a condição gasosa da matéria existente antes dele.  Note que o Espírito Santo, “...se movia sobre a face das águas...” e não “dentro” dessas águas, o que indica que Deus é um Ser próprio separado do seu trabalho.

 

A SEMANA DA CRIAÇÃO (Ex 20.11)

            Moisés passa a descrever as diferentes fases da ação divina que estende-se por seis dias, dos quais, três para a formação dos espaços habitáveis e outros três para a obra do povoamento, e descansou no sétimo dia.  A ordem da criação é a seguinte:

PREPARAÇÃO E SEPARAÇÃO- 1º Dia – Luz / 2º Dia – Ar, Água / 3º Dia – Terra, Plantas
COMPLEMENTO E TÉRMINO- 4º Dia – Luzeiros / 5º Dia – Aves, Peixes / 6º Dia – Animais, Homem
7º Dia - Descanso

 

FORMAÇÃO DO HOMEM

Note agora a diferença da expressão: “haja luz”, “produza a terra”. Em resumo, o verbo usado nestas frases e asah (hb). Em latim:Fiat (seja feito). Na criação do homem, surge o mesmo verbo, porém no plural: “...façamos...” (v.26). chegamos a esta conclusão: até aqui, tudo “foi criado”, mas, quanto ao homem, este foi não somente criado, mas também “formado” ou “gerado”, sendo o resultado da cooperação da Trindade, vista na forma plural de “façamos”.

 

A QUEDA

Não pense que se trata de uma árvore estranha e feia.
Gn 3.6 “...boa para se comer, agradável aos olhos”

Deus criou o homem puro e bom. Com todas as qualidades indispensáveis a uma vida feliz na terra mas Deus também dotou-o de liberdade de escolha (Gn 3).

  1. A possibilidade de tentação – A árvore da ciência do bem e do mal foi posta no jardim a fim de que o homem fosse experimentado e aprendesse a servir a Deus por sua livre vontade.
  2. A sutileza da tentação – A serpente conseguiu por uma dúvida na mente de Eva (Gn 3.1).
  3. A escolha do homem – Desobediência à voz divina, transgressão que significou o repúdio à autoridade de Deus, a disputa acerca de Sua sabedoria e o desprezo à Sua glória.
  4. Conseqüência dessa escolha – Reprovação, condenação, maldição e expulsão por parte de Deus. Deus não pode negar a Si mesmo. Assim o homem caiu.
  5. Profecia divina logo após a queda – Prova inconfundível do amor de Deus: o homem seria redimido do seu pecado (Gn 3.15) faz a 1ª alusão ao Redentor que havia de vir “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

 

PRIMEIRA CIVILIZAÇÃO

1º. A história de Caim mostra como o pecado tornou-se hereditário e conduziu ao primeiro homicídio 1Jo 3.12).
2º. A história de Abel ensina-nos como aqueles que participam da culpa e do pecado de Adão podem ser aceitos na presença de Deus – por meio da oferenda de um sacrifício expiatório.
3º. A primeira civilização. Caim tornou-se o fundador de uma civilização que incluiu uma agricultura, manufaturas e artes. O caráter dessa cidade foi marcado pela violação da lei do matrimônio e pelo espírito de violência (4.19-24).
4º. Nascimento de Sete. Abel morreu, Caim foi rejeitado; a promessa de redenção passou ao terceiro filho de adão, Sete (4.25,26).

 

O DILÚVIO

            Havia agora 2 classes de homens no mundo, os ímpios, caimitas (Caim “filhas dos homens” - Gn 6.2), e os piedosos, setistas (Sete “filhos de Deus” – Gn4.25,26). A linhagem escolhida de Sete perdeu a sua separação e uni-se pelo matrimônio com os caimitas. Resultado: um estado de impiedade na terra que exigia o juízo de Deus.
            Doa descendentes de Sete somente a família de Noé permaneceu fiel a Deus. Noé tornou-se o escolhido por meio de quem a promessa de redenção continuou o seu curso até o seu cumprimento (5.29; 6.8).
            Em Gn 5 temos uma genealogia (o registro dos antepassados de alguém). Começa em Adão e termina em Noé. Encontramos muitas genealogias na Bíblia. O propósito principal na maioria delas, como a deste capítulo, é conservar um registro da linhagem da qual virá o descendente prometido: Cristo (Gn 3.15).

            Façamos um resumo dos principais acontecimentos desses capítulos:

1º. Genealogia de Noé (cap.5).
2º. Construção da arca (cap.6).
3º. Entrada na Arca (cap.7).
4º. Saída da Arca (cap.8).
5º. Pacto com Noé, o Arco-Íris (cap.9).

 

DISPERSÃO DAS NAÇÕES

            Depois do dilúvio os descendentes de Noé, liderados por Ninrode (10.8-10), levantaram-se em rebelião contra Deus, e como manifestação disso erigiram-se a Torre de Babel. Era seu propósito organizar uma “liga de nações” contra Deus. Deus destruiu esse plano, confundindo e espalhando por diversos países.
            Não se sabe a finalidade exata da torre em si, mas uma coisa sabemos, que o plano deles foi um ato de rebelião contra Deus. Evidentemente o propósito de Deus era que os descendentes de Noé se espalhassem e ocupassem os diferentes pontos da Terra (At 17.26; Dt 32.8).

 

ABRAÃO

            É interessante observar que os primeiros 11 capítulos do Gênesis abrande mais ou menos 2000 anos – espaço igual a todo o restante da Bíblia.
            O Espírito passa ligeiramente por sobre todos esses acontecimentos até chegar a Abraão. Aí detém-se e dedica mais espaço a essa pessoa do que aos 2000 anos da história da humanidade anterior. A razão é evidente: O “pai dos que crêem” desempenha um papel importante na história da redenção.
A promessa de Gn 3.15 passou a Abraão. Deus o separou do seu ambiente pagão, a além de promessas pessoais, lhe fez as seguintes promessas pessoais, lhe fez as seguintes promessas nacionais e universais: (12.1-6).

  • Que lhe seria dada uma terra (Canaã).
  • Que seria o pai de uma nação (Israel).
  • Que por meio dessa nação todas as nações seiam abençoadas.

Em outras palavras, o Redentor prometido em 3.15 viria de uma nação descendente de Abraão.
Um estudo da vida de Abraão revelará que ela é uma vida de fé – fé que foi demonstrada desde a época em foi chamado até quando lhe foi ordenado que sacrificasse seu filho, Isaque. Sua vida é uma ilustração do tipo de pessoa que receberia a benção prometida em 12.3, é uma profecia da verdade, que a salvação seria pela fé (Gl 3.8; Rm 4).

 

ISAQUE

Nasceram 2 filhos a Abraão – Ismael e Isaque. Isaque foi o escolhido como herdeiro da promessa.
A vida de Isaque é quieta e sossegada e muito diferente da de seu pai, ele foi, no entanto, como foi seu pai, um homem de fé e um instrumento de benção. Note que a promessa lhe é repetida (cap.26).
Aprenda 6 seguintes fatos referentes a Isaque:

  • Seu nascimento prometido a Abraão e Sara (15.4; 17.19).
  • Amarrado sobre o altar de sacrifício (22.9).
  • Abraão escolhe uma esposa p/ ele (24).
  • Deus lhe aparece e renova o pacto feito com seu pai (26.2-5).
  • Enganado por Jacó (27.18).
  • Sua morte (35.28,29).

 

  • JACÓ

Nasceram a Isaque 2 filhos – Esaú e Jacó. Esaú foi rejeitado e Jacó foi escolhido como portador da benção (25.23). O caráter desses 2 filhos revela-se pela atitude ante essa promessa (25.29-34).
Aprenda os acontecimentos importantes da vida de Jacó.

  • Comprou a primogenitura de seu irmão (25.33).
  • Enganou seu pai (27.18-27).
  • A fuga p/ Padã-Arã (27.43-28.5).
  • A visão e Israel voto (28.10).
  • Suas transações com Labão (31).
  • A luta com o anjo (32.24).
  • Reconciliação com Esaú (33).
  • Descida ao Egito e o encontro com José (46).
  • Sua morte e sepultamento (49.33 - 50.13).

Jacó é o verdadeiro pai do povo escolhido, porque nasceram-lhe 12 filhos, os quais se tornaram os cabeças das 12 tribos.

 

JOSÉ

A história de José, um jovem de 17 anos, o favorito de seu pai, Israel. A quem este último abertamente manifestava seu afeto e apreço, assim causando a inveja dos outros filhos, José também foi favorecido pelo Senhor, que lhe revelou por sonhos que reinaria sobre os outros membros da sua família. Isso enfureceu a seus irmãos, que o venderam p/ o Egito onde, depois de muitas adversidades, tentações e anos de espera p/ o cumprimento das promessa, foi elevado a vice-governador da terra. Quando vieram seus irmãos p/ comprar cereais e se inclinaram diante dele, seus sonhos as realizaram.
Guarde este ligeiro resumo da vida de José.

  • Amor por seu pai (37.3).
  • Invejado por seus irmãos (37.4).
  • Vendido aos Ismaelitas (37.18-36).
  • Favorecido pelo seu senhor (39.7-19).
  • Tentado pela esposa de seu senhor (39.7-19).
  • Encarcerado por Potifar (39.20 - 41.13).
  • Elevado por Faraó (41.1-44).
  • Não reconhecido por seus irmãos na 1ªvez que vieram (42.7 – 44.34).
  • Revelado a seus irmãos no 2º encontro (45.1-15).
  • Reunido a seu pai, Jacó (46.28-34).
  • Sua morte (50.22-26).

 

Êxodo - Shemoth

TÍTULO: Palavra latina, que significa saída. Neste livro está registrada a saída dos israelitas do Egito, a passagem pelo Mar Vermelho; fala dos 10 Mandamentos e a peregrinação do povo no deserto durante 40 longos anos a Terra Prometida.
TEMA: Em Gênesis lemos acerca do princípio da redenção. No livro do Êxodo lemos acerca do progresso da redenção. Em Gênesis a redenção é efetuada através de indivíduos; em Êxodo, é efetuada através de uma nação inteira Israel. A idéia central do livro é a redenção pelo sangue. Em torno dessa idéia concentra-se a história de um povo salvo pelo sangue. Essa redenção se apresenta suprindo todas as necessidades da nação. Oprimido pelos egípcios, Israel necessita de libertação. Deus provê essa libertação. Tendo sido salva, a nação necessita de uma revelação de Deus p/ orientá-la na conduta e no culto de sua nova vida. Deus lhe dá a Lei. Convencidos do pecado pela santidade da Lei, os israelitas sentem a necessidade de purificação. Deus provê os sacrifícios. Tendo uma revelação de Deus, o povo sente a necessidade de culto. Deus lhe dá o tabernáculo e estabelece um sacerdócio.
AUTOR: Moisés.

ESFERA DE AÇÃO: 400 anos é o tempo que separa o último verso de Gênesis e o primeiro do Êxodo, naquela época o número de hebreus era de aproximadamente 600.000 homens.
            Os acontecimentos registrados em Êxodo abrangem um período de 216 anos, cerca de 1706 a 1490 antes de Cristo. Começa com um povo escravizado habitando na presença da idolatria egípcia e termina com um povo redimido habitando na presença de Deus.

CONTEÚDO: Trataremos agora de obter um aspecto geral do livro do Êxodo, considerando-o como um todo. Aprenda o seguinte esboço:

  1. Israel no cativeiro (1 e 2).
  2. Israel redimido (3 – 15.22).
  3. Israel viajando ao Sinai (15.23 - 19).
  4. Israel recebendo a Lei (20 - 23).
  5. Israel em adoração (24 - 40).

 

+ Topo.