Início » Estudos » Estudos Bíblicos
Sexo

“Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará”. Hb 13.4

O crente, antes de mais nada, precisa ser moral e sexualmente puro (cf. 2Co 11.2; Tt 2.5; 1Pe 3.2). A palavra “puro” (gr. hagnos ou amiantos) significa livre de toda mácula da lascívia. O termo refere-se a abstenção de todos os atos e pensamentos que incitam desejos incompatíveis com a virgindade e a castidade ou com os votos matrimoniais da pessoa. Refere-se, também, ao domínio próprio e a abstenção de qualquer atividade sexual que contamina a pureza da pessoa diante de Deus. Isso abrange o controle do corpo “em santificação e honra” (1Ts 4.4) e não em “concupiscência” (4.5). Este ensino das Escrituras é tanto para os solteiros, como para os casados.

No tocante ao ensino bíblico sobre a moral sexual, vejamos o seguinte:
(1) A intimidade sexual é limitada ao matrimônio. Somente nesta condição ela é aceita e abençoada por Deus (ver Gn 2.24 nota; Ct 2.7 nota; 4.12 nota).
Mediante o casamento, marido e mulher tornam-se uma só carne, segundo a vontade de Deus. Os prazeres físicos e emocionais normais, decorrentes do relacionamento conjugal fiel, são ordenados por Deus e por Ele honrados.

(2) O adultério, a fornicação, o homossexualismo, os desejos impuros e as paixões degradantes são pecados graves aos olhos de Deus por serem transgressões da lei do amor (Êx 20.14 nota) e profanação do relacionamento conjugal. Tais pecados são severamente condenados nas Escrituras (ver Pv 5.3 nota) e colocam o culpado fora do reino de Deus (Rm 1.24-32; 1Co 6.9,10; Gl 5.19-21).

(3) A imoralidade e a impureza sexual não somente incluem o ato sexual ilícito, mas também qualquer prática sexual com outra pessoa que não seja seu cônjuge. Há quem ensine, em nossos dias, que qualquer intimidade sexual entre jovens e adultos solteiros, tendo eles mútuo “compromisso”, é aceitável, uma vez que não haja ato sexual completo. Tal ensino peca contra a santidade de Deus e o padrão bíblico da pureza. Deus proíbe, explicitamente, “descobrir a nudez” ou “ver a nudez” de qualquer pessoa a não ser entre marido e mulher legalmente casados (Lv 18.6-30; 20.11, 17, 19-21; ver 18.6 nota).

(4) O crente deve ter autocontrole e abster-se de toda e qualquer prática sexual antes do casamento. Justificar intimidade premarital em nome de Cristo, simplesmente com base num “compromisso” real ou imaginário, é transigir abertamente com os padrões santos de Deus. É igualar-se aos modos impuros do mundo e querer deste modo justificar a imoralidade. Depois do casamento, a vida íntima deve limitar-se ao cônjuge. A Bíblia cita a temperança como um aspecto do fruto do Espírito, no crente, i.e., a conduta positiva e pura, contrastando com tudo que representa prazer sexual imoral como libidinagem, fornicação, adultério e impureza. Nossa dedicação à vontade de Deus, pela fé, abre o caminho para recebermos a bênção do domínio próprio: “temperança” (Gl 5.22-24).

(5) Termos bíblicos descritivos da imoralidade e que revelam a extensão desse mal.
(a) Fornicação (gr. porneia). Descreve uma ampla variedade de práticas sexuais, pré ou extramaritais. Tudo que significa intimidade e carícia fora do casamento é claramente transgressão dos padrões morais de Deus para seu povo (Lv 18.6-30; 20.11,12, 17, 19-21; 1Co 6.18; 1Ts 4.3).
(b) A lascívia (gr. aselgeia) denota a ausência de princípios morais, principalmente o relaxamento
pelo domínio próprio que leva à conduta virtuosa (ver 1Tm 2.9 nota, sobre a modéstia). Isso inclui a inclinação à tolerância quanto a paixões pecaminosas ou ao seu estímulo, e deste modo a pessoa torna-se partícipe de uma conduta antibíblica (Gl 5.19; Ef 4.19; 1Pe 2.2,18).
(c) Enganar, i.e., aproveitar-se de uma pessoa, ou explorá-la (gr. pleonekteo, e.g., 1Ts 4.6), significa privá-la da pureza moral que Deus pretendeu para essa pessoa, para a satisfação de desejos egoístas. Despertar noutra pessoa estímulos sexuais que não possam ser correta e legitimamente satisfeitos, significa explorá-la ou aproveitar-se dela (1Ts 4.6; Ef 4.19).
(d) A lascívia ou cobiça carnal (gr. epithumia) é um desejo carnal imoral que a pessoa daria vazão se tivesse oportunidade (Ef 4.22; 1Pe 4.3; 2Pe 2.18; ver Mt 5.28 nota).


COMO VENCER O VÍCIO DO SEXO? (1 Tessalonicences 4:1-8)
áviciados em drogas, cigarros, bebidas, jogos, há viciados em sexo...

 

INTRODUÇÃO
· O que é um vício: “Defeito grave que torna uma pessoa ou coisa inadequada para certos fins ou funções. Conduta nociva”. (Aurélio)
· Assim como há viciados em drogas, cigarros, bebidas, jogos, há viciados em sexo.
· O sexo hoje virou uma indústria, cuja finalidade é formar e manter viciados, para no fim, alguns lucrarem.
· Os apelos sexuais estão nos outdoors, na Tv, na internet, nos livros, nas revistas, nas festas populares. Há apelo sexual nas propagandas de cigarro, carro, shampo, perfume, colchão, telefone, etc.
· Tudo isso leva à formação dos viciados, dos que alimentam-se dessa indústria e alimentam a essa indústria. Os viciados são os consumidores de filmes, fitas, revistas, livros, são os clientes do sexshop.
· Há viciados em sexo dentro e fora da igreja, homens e mulheres, solteiros e casados.
· A Bíblia fala de um homem viciado em sexo na sua juventude, tinha 1.000 mulheres, e o sexo era a sua primeira poesia. (Cantares 1:1)

1. O QUE É VÍCIO DO SEXO?
· A nossa sociedade, ao que tudo indica, está obcecada pelo sexo. Trata-se de um assunto de interesse central nos “campus” das faculdades e na televisão, nas revistas, anúncios de todo tipo, literatura, música, teatro, cinema, arte, conversa popular e até nos negócios, política e igreja. Seria necessário que o indivíduo fosse um eremita a fim de evitar os estímulos para o despertar do sexo em nossos dias. Aquilo que Deus criou para o prazer e intimidade tornou-se pervertido – o principal exemplo do pecado e enfermidade moral que caracteriza os seres humanos modernos.

O vício do sexo é todo comportamento ou relacionamento sexual contínuo antes ou fora do casamento e atitudes sexuais não convencionais, dentro do casamento. Cito algumas:
u. Masturbação ou sexo solitário, que pode passar de um autoconhecimento para uma prática que persiste mesmo após o casamento. Quando uma pessoa casada prática o sexo solitário está sendo egoísta e não está interagindo com a satisfação também do cônjuge.
v. O olhar com intenção impura, quase que por impulso – Mt. 5:28
A mania de olhar impulsivamente para uma mulher que passa. Jesus adverte para o adultério na mente. Os nossos pensamentos não são passivos, eles brotam em forma de atitude e comportamento.
w. A impulsão para ver pornografia na revista, Tv, internet, fitas, etc.
O vício sexual leva a pessoa a buscar cenas cada vez mais picantes. A internet mostra cenas que fazem da revista Playboy uma revista para freiras comparadas ao que ali está.
x. A impulsão para ouvir e falar – O telesexo
Tem gente ganhando muito dinheiro para pronunciar algumas frases sexuais. Homens e mulheres estão se excitando em ouvir certas frases.
y. A pedofilia – impulsão por sexo infantil.
A polícia do mundo inteiro está alarmada com o grande número de pessoas viciadas em cenas de sexo com crianças.
z. Bestialidade – Sexo com animais. Já no Velho Testamento esta prática era condenada (Êxodo 22:19).

2. PORQUE O VÍCIO DO SEXO É PREJUDICIAL?
Há conselheiros que orientam que uma pessoa deve extravasar toda sua imaginação sexual. Através de práticas sexuais, sejam elas quais forem. O que eles diriam a um pedófilo?
“A vida é sexo” – Concordaria Freud. No entanto por duas razões simples não se pode praticar o sexo sem disciplina e dentro de uma anormalidade:

a.PORQUE A NOSSA SEXUALIDADE FOI CRIADA E ABENÇOADA POR DEUS?
O sexo foi criado por Deus e é bom. Deus criou o homem e a mulher com capacidade de intimidade sexual. Deus chamou os seres humanos sexuais de “muito bom” (Gênesis 1:31). A relação sexual entre marido e mulher não é tão somente “tolerada” mas abençoada por Deus. Karl Barth chegou a chamar a sexualidade de “a semelhança de Deus em nós”.
Por outro lado o sexo sem disciplina, como conseqüência de um vício, distorce o plano de Deus para o casamento. Ouçamos Judd Marmor
“A sexualidade sadia busca o prazer erótico no conteúdo da ternura e afeição; a sexualidade patológica é motivada por necessidades de confirmação ou alívio de fontes de tensão não-sexuais. A sexualidade sadia parece tanto dar como receber prazer, as formas eróticas não têm equilíbrio, dão ou querem receber em excesso. A sexualidade é discriminativa com relação ao parceiro; os padrões neuróticos no geral tendem a não fazer discriminação. A periodicidade da sexualidade sadia é determinada em primeiro lugar pelas tensões eróticas repetidas no contexto da afeição. Os impulsos sexuais neuróticos, por outro lado, são provocados menos pelas necessidades eróticas que elas tensões não-eróticas e têm portanto maior tendência a terem padrões de ocorrência compulsivos.”

b.PORQUE O SEXO SEM DISCIPLINA É DESTRUIDOR?
· A sexualidade doentia distorce o plano perfeito de Deus para os seres humanos. Collins nos afirma que ela destrói a intimidade e a comunicação entre os casais. Também escraviza os solteiros, fazendo-os escravos de um vício destruidor.

· Dentre os vários prejuízos do sexo sem disciplina cito alguns:
- A crise de consciência – Muitos não São capazes de prosperar espiritualmente, de abençoar as pessoas e têm um sentimento de indignidade.
- A escravidão – O viciado em sexo gasta sua imaginação, seu tempo e seu dinheiro para manter seu vício, que como qualquer vício, exige sempre mais.
- Casamentos machucados – O vício leva o casamento para um “enojamento sexual”. Não há saúde conjugal quando um dos cônjuges não tem disciplina sexual. A internet trouxe para o quarto o que antes estava estampado somente nas bancas de revistas. Há um número excessivo de divórcio diante de tal indisciplina. Segundo Masters e Johnson 50% dos casamentos ocidentais são prejudicados por alguma forma de disfunção sexual.Um exemplo do prejuízo para o casamento é citado pelo Dr. Willian John B. Júnior é que o parceiro que se estimula sozinho, principalmente pelo que vê, atinge o calor para o ato sexual sem que a esposa que se excita por toques e palavras esteja no mesmo clímax, daí a crise no ato sexual e no relacionamento.
- Enfraquecimento da “instituição” do casamento – Com a prática indisciplinada do sexo tem se tornado mais comum a “coabitação” e o “ficar” do que a consolidação do casamento: Ouçamos o psicólogo Gary Collins
“O sexo fora do casamento está se tornando mais comum e mais amplamente aceito à medida que avançamos para o final do século vinte. A coabitação, a prática de homens e mulheres solteiros viverem juntos com plenas relações sexuais, mas sem intenção de casar-se está aumentando de popularidade. A filosofia hedonista do “playboy” (homens e mulheres) vem se tornando cada vez mais aceita, enquanto o intercurso sexual pré-conjugal e extra-conjugal parece estar aumentando”.
- A depravação moral da sociedade – A sexualidade sem disciplina tem produzido desvios como a homossexualidade, o estupro, o exibicionismo, a pedofilia, a bestialidade e até o sexo entre crianças com pouco mais de 07 anos de idade.

3. COMO VENCER O VÍCIO DO SEXO?
· É preciso compreender e aceitar o fato de que o sexo só é sadio e prazeroso dentro do casamento e de forma a dar prazer aos dois. Se não aceitarmos este princípio não há predisposição para cura. O normal é que os cônjuges concordem , no entanto o acordo pode ser prejudicial, se mal orientado.
· É preciso entender como “anormal”, “antinatural” e contrário ao padrão moral de Deus o sexo sem disciplina e dentro de um sistema de vício. Veja em anexo a plena satisfação dentro do ato sexual. Grande parte dos desvios sexuais dentro do casamento acorre como uma reação e não satisfação do ato sexual dentro do casamento.
· É preciso entender que a vida não é só sexo. Deus criou o mundo diversificado e multiforme para que nossa vida seja abundante e feliz. Aprender novos valores como orar, ler a Bíblia, cantar, ir à igreja, viajar, etc, podem mudar o nosso foque de tensão.
· É preciso manter uma disciplina e vigilância para não alimentarmos nosso vício. O apóstolo Paulo orienta não dispormos nada para a carne (Romanos 13:14). Começamos a disciplinar nossos pensamentos. A melhor maneira de matar a cobra é quando ela é ainda um embrião. A vitória começa nos pensamentos (Filipenses 4:8). Jesus nos manda vigiar os nossos olhos (Mateus 6:22-23).
· É preciso buscar uma vida de santidade pessoal.
Qualquer um de nós tem a possibilidade de ser uma pessoa que viva uma vida santa e agradável a Deus.
Qualquer um de nós pode ter uma experiência religiosa que permite uma santidade pessoal.
“Como todas as outras coisas, o sexo deve ser entregue à direção divina. Deve estar sujeito à sua direção e propósitos. O sexo não deve ser o primeiro; Deus, sim, deve vir em primeiro lugar. Se o sexo subir aos arreios e tentar guiar sua vida, certo levará você para o abismo. Deus é que, é Deus, e não o sexo. Assim, você deve deliberadamente entregar nas mãos de Deus sua vida sexual, e daí planejar usá-la unicamente segundo a direção divina. Uma renúncia tal porá fim à tirania e poder do sexo. E desde que Deus controle o sexo, já você não terá mais a responsabilidade de controlá-lo.
Se você não renunciar a Deus o sexo, este ficará em suas mãos, e terá você que controla-lo; mais se o renunciar, já estará removido o centro, de você para Deus. Assim, a tensão desaparecerá. E isso significa que você já não viverá mais em tensões e em lutas, pois sentir-se-á entregue, renunciado, moderado e confiado a Deus”. Stanley Jones
· O princípio da educação sexual tem que ser baseado em caráter.

CONCLUSÃO - A Bíblia nos informa que Satanás veio para matar, roubar e destruir (João 10:10). Ele tem a tarefa de matar a alegria do sexo dentro do casamento, de roubar a saúde sexual proposta por Deus e de destruir as pessoas através de doenças sexualmente transmissíveis, destruir o casamento e tudo o que Deus projetou para a família. Cabe a cada um de nós confessarmos os nossos pecados e recebermos o perdão e a capacitação de Deus para. Viver uma sexualidade sadia e dentro do plano de Deus. É preciso também uma reação familiar e social à industria sexual que se alimenta de quem se vicia do seu produto.


Fornicação: A Defesa do Sexo Endeusado

Os desejos sexuais não devem ser objeto de ódio ou de vergonha.  Podemos, e devemos, celebrá-los como um dom precioso.  Deus é o autor deles (Gênesis 1:27; 2:22-24) e os declarou bons (Gênesis 1:31).  O nosso Criador projetou o sexo não apenas para aumento do prazer físico e do bem-estar dos cônjuges no casamento, mas também para facilitar a expressão de seu carinhoso compromisso.  Se o sexo, feito na intimidade do casamento, pode ser puro e santo (veja Hebreus 13:4; Romanos 13:1), não devemos imaginar que o nosso desenvolvimento espiritual seja mais bem atendido se negarmos a importância dos atos físicos do amor.  O apóstolo Paulo admoesta sem rodeios aos casais:  "Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência" (1 Coríntios 7:5).

Lamentavelmente, todas as boas dádivas de Deus para o homem, dentre as quais o sexo, foram tristemente corrompidas.  As intimidades sexuais, tão proveitosas dentro da estrutura protetora do amor e do compromisso do casamento, podem voltar-se contra o homem de modo destrutivo, quando este permite que elas ultrapassem seus verdadeiros limites.  O Espírito Santo tem o hábito de falar desse "sexo solto" como "fornicação".  O termo em geral identifica toda perversão da capacidade sexual humana em intercurso ilícito, de natureza heterossexual, homossexual ou bestial. O adultério, o sexo antes do casamento, o incesto, a sodomia, o lesbianismo, etc. não passam de formas específicas de fornicação.

Ao contrário da opinião equivocada de alguns, a fornicação não tém a distinção de ser o primeiro nem o maior pecado.  O orgulho maligno chega muito mais perto dessa desonra.  No entanto, o preço que a fornicação tem exigido do homem, no que diz respeito à solidão, à infelicidade e à angústia, é tão desanimador que mal podemos imaginar suas conseqüências.

Quem pode descrever com a devida propriedade a degradação terrivelmente dolorosa da concubina levita que morreu ao segurar à porta do hóspede de seu marido, em Gibeá, após ter sido estuprada e abusada pelos homens da cidade de noite até a manhã (Juízes 19)?  Quem pode contar os lares desintegrados e os filhos abandonados, ou medir a dor e as cicatrizes profundas que brotam desses "casos" impensados em nossos dias?  E quem pode imaginar completamente os efeitos devastadores do abuso incestuoso de crianças em nossos dias?  A culpa e a autodiscriminação impiedosamente dominam a mente e destroem a paz e a alegria.  A angústia do que comete o erro e da vítima bradam lamentavelmente.

Paulo não apenas considera a fornicação um daqueles atos "manifestos" da carne, mas também o põe no topo da lista "carnal" de Gálatas 5:19-21 e raramente escreve a seus irmãos de várias regiões do mundo sem alguma admoestação especial para que a evitem (veja Romanos 13:13; Efésios 3:3-4; Colossenses 3:5; 1 Tessalonicenses 4:3).  Ele insistiu com os coríntios para que "fugissem da fornicação", explicando que "qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo" (1 Coríntios 6:18).  As intimidades sexuais fora do compromisso de amor do casamento contradizem ao propósito para o qual o corpo foi criado.  Por serem contra a natureza, não podem deixar de ter conseqüências prejudiciais sobre o homem em geral.

Na raiz desse mau uso destruidor do sexo reside a alienação do homem em relação a Deus. 
Desesperadamente só, o homem busca compensar a sua perda numa busca desesperada por amor e aceitação.  O desejo sexual, agora desprovido de amor puro, torna-se uma cobiça impessoal, egoísta.  Assim, aquilo que Deus determinou ser um servo a manifestar o amor, torna-se um tirano que o suprime.  E o corpo padece da desonra enquanto isso se dá (Romanos 1:24).  Mas tenha esperança, meu amigo, há saída para os fornicadores!

A vitória sobre a fornicação (mesmo a do tipo homossexual) ocorre sobretudo no coração e na mente.  Aí se deve lutar e vencer.  A luta começa com uma profunda aceitação da responsabilidade pessoal (veja Romanos 1:21-26; 1 Coríntios 5), com um arrependimento genuíno (2 Coríntios 7:9) e com uma determinação sincera de deixar o sexo pervertido e todas as formas de perversidade e se agarrar em Deus (Atos 2:38; 17:30).

Somente com a plena reconciliação com Deus, podemos ter esperança de banir a solidão da alienação e quebrar o encanto do sexo endeusado (2 Coríntios 5:20; 1 Coríntios 6:9-11).  Com o amor e a reverência cada vez maiores por Deus, devemos lançar-nos completamente sobre a graça de Deus.  Paulo afirma:  "Andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne" (Gálatas 5:16).  Não há promessa de triunfo sobre a fornicação se for esse exclusivamente o nosso objetivo.  Essa vitória é obtida no coração disposto a realizar toda a vontade de Deus.  Aí aprendemos o amor que recebe o prazer sexual com gratidão, mas não o venera.


Sexo e Casamento
Hoje o sexo é incentivado em todas as áreas e meios de comunicação. Mesmo nas escolas, que tem por finalidade preparar o jovem para exercer a cidadania, têm ensinado os mesmos a praticarem “sexo seguro”, usando meios de prevenção.
Prega-se, no mundo, que sexo é bom e faz bem... e é verdade. Sexo é bom e faz bem, porém na esfera adequada do casamento. Esta esfera é agradável, honrosa e digna diante de Deus e dos homens.
Mas, o que é casamento? Pode se ter relações sexuais antes do casamento? Os jovens cristãos, pressionados pela massa do mundana, o curso deste mundo, sofrem muitas vezes por não saberem onde se colocarem nesta situação. Sexo, sem casamento está cada vez mais comum. Mas nem tudo que é comum, é normal. O normal são duas pessoas de sexos diferentes, se apaixonarem, desenvolverem o amor mútuo tendo a permissão dos pais, e se unirem através do casamento, diante dos homens e de Deus, se tornando uma só carne.

Vamos considerar a situação normal, de acordo com a Bíblia, a Palavra de Deus.
Em primeiro lugar o casamento tem dois momentos:
1º Quando é reconhecido pelos homens, através do contrato de união civil (certidão de casamento) que é necessário, visto que em Romanos 13, devemos estar sujeitos a toda forma de autoridade e leis. 2º Quando um homem e uma mulher se unem (sexualmente) eles se tornam uma só carne diante de Deus, e isto não pode ser separado.
”Por isso, deixa o homem pai e mãe e se UNE à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.” Gn 2:24
íblia foi o de Adão e Eva. Não houve cerimônia religiosa, tampouco contrato civil, visto não haver lei ainda. Mas indiscutivelmente eles se tornaram uma só carne, sendo assim casados, de acordo com Efésios 5:31 quando Paulo usa a passagem de Gênesis 2:24 para finalizar sua analogia do casamento (Ef 5:22-33).
Então de acordo com a Bíblia, a união de corpos, ou seja, a união sexual é o casamento. Uma vez que um casal se uniu sexualmente, diante de Deus eles são uma só carne e não se pode separar o que Deus uniu.
”De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” Mt 19:6
Sem contrato civil não há casamento legal diante dos homens, mas para Deus, o casamento ocorre quando há união de corpos. É bom ficar claro.
Se nos unimos com outra pessoa além de nosso cônjuge, isto é adultério. E tais pessoas não têm herança em Deus

”Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas” 1Co 6:9
Tomemos como exemplo a Rúben, o primogênito de Jacó, que tinha por direito de nascença (a primogenitura) herdar todos os bens de seu pai. Mas por profanar o leito dele, perdeu seu direito a herança (Gn 49:3-4). Sexo, fora da esfera adequada reprova. Mas o casamento é agradável a Deus que criou homem e mulher e os colocou num jardim, para serem felizes cumprindo o propósito eterno de Deus. E o Senhor ainda diz:
”Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.” Hb 13:4
Portanto, é do desejo do Senhor Deus que o homem se case, cresça, se multiplique! E para isto Ele preparou a esfera adequada, um jardim... o casamento.
 

 Sexo entre não-casados

.......Tentarei apresentar os requisitos bíblicos que condenam a prática sexual fora do casamento, ou seja, que limitam a intimidade sexual ao matrimônio.
.......Gênesis 2.24 diz que homem e mulher se tornam uma só carne quando se casam, ou seja, quando deixam pai e mãe e vão viver juntos. A prescrição divina para o casamento é de um só homem e uma só mulher unidos pelos laços do casamento. Não há como admitir a relação sexual, que é a maior intimidade entre um homem e uma mulher, sem que haja o mútuo compromisso, diante de Deus e dos homens, de consolidação da vida a dois.
.......A simples intenção de casar-se, ainda que com o vínculo do noivado, não abre a possibilidade para que os enamorados iniciem, já, a prática sexual. "Deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e SERÃO OS DOIS UMA SÓ CARNE". Aqui está a consumação do casamento. Somente mediante o matrimônio homem e mulher tornam-se uma só carne, e assim podem desfrutar das delícias do ato sexual.
.......Houvesse a exceção para o sexo livre, estaríamos diante de uma situação em que o homem, bem intencionado, praticaria o sexo com sua namorada. Passado algum tempo, se o casamento, por qualquer motivo, não se efetivasse, ele passaria a namorar outra moça com as mesmas "boas" intenções, e também praticaria sexo com esta. Não é outro o costume da sociedade depravada.
.......Em Cantares 4.12, lemos: "Jardim fechado és tu, irmã minha, esposa minha, manancial fechado, fonte selada". Nota da Bíblia de Estudo Pentecostal: "As três figuras de linguagem deste versículo salientam a verdade de que a jovem sulamita permaneceu virgem e sexualmente pura até casar-se. Manter a virgindade e a abstinência sexual é o padrão bíblico da pureza sexual para todos os jovens, do sexo masculino e feminino. Violar este padrão santo de Deus é profanar o espírito, o corpo e a consciência, e depreciar o valor do ato da consumação do casamento". (cf Ct 2.7; 3.5).
.......Jesus disse: "Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo: Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já cometeu adultério com ela" (Mt 5.27-28). Jesus referiu-se à mulher com a qual o homem não é uma só carne. Qual seria a intenção impura? A intenção de com ela praticar o ato sexual. Nesta palavra estaria aberta a possibilidade de o homem fazer sexo com a sua namorada? Nem com a sua namorada, nem com a mulher de outro homem.
.......O entendimento é que a proibição do adultério (Êx 20.14) abrange a imoralidade e todos os demais pecados sexuais. O adultério era punido com pena de morte (Lv 20.10); (Dt 22.22).
.......O adultério acarreta conseqüências permanentes e graves (2 Sm 11.1-7; 12.14; Jr 23.10,11; 1 Co 6.16-18); o adúltero levará o opróbrio disso por toda a vida: "O que adultera com uma mulher tem falta de entendimento; o que tal faz destrói a sua alma; açoites e ignomínia encontrará, e o seu opróbrio nunca se apagará" (Pv 6.32,33).
.......A imoralidade dentro da igreja não pode ser tolerada: “Já por carta vos escrevi que não vos associeis com os que se prostituem” (1 Co 5.1-13).
......."Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas. Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo, mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo" (1 Co 6.12,18).
.......Em Atos 15.29, em algumas versões da Bíblia, aparece a palavra fornicação: "Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Bem vos fará". De acordo com o dicionário da Bíblia, fornicação significa relações sexuais ilícitas.
.......Conforme o dicionário Aurélio, fornicar significa "praticar o coito; copular". Deus não iria proibir a prática sexual entre casados. A fornicação se estabelece entre não casados. Namoro não é casamento.
......."Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne para descobrir a sua nudez" (Lv 18.6-30; 20.11,17,19-21). A única interpretação que podemos fazer desses versículos é que proíbem, explicitamente, "descobrir a nudez" ou "ver a nudez" de qualquer pessoa a não ser entre marido e mulher legalmente casados. Tal proibição inclui, também, as carícias íntimas, ainda que não consumado o ato sexual propriamente dito.
.......O "domínio próprio" faz parte do fruto do Espírito, "e os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências". Entre as obras da carne estão a prostituição, a lascívia e a impureza (Gl 5.19-24).
.......Vejamos alguns exemplos de tradução da palavra grega "porneia":
Prostituição"Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria; por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência" (Cl 3.5-6. V.1 Ts 4.3; 2 Co 12.21; Mt 15.19).
Impureza"Fugi da impureza [prostituição]" (1 Co 6.18; Ef 5.3).
Relações sexuais ilícitas, uniões ilegítimas, imoralidade sexual, prostituição - Dependendo da versão utilizada, a palavra porneia é traduzida dessa forma. A Bíblia de Jerusalém usa a expressão "uniões ilegítimas" nos versículos de Atos 15.20, 29; 21.25. Em Mateus 5.32 e 19.9, usa o termo "fornicação".
.......Deus considera legítima a prática do sexo entre namorados, sem o vínculo conjugal? Vejamos o que Paulo diz: "Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido" (1 Co 7.2). O apóstolo indica o leito conjugal como única forma de evitar-se o relacionamento ilegítimo, seja usado o termo fornicação, impureza ou prostituição. Ou seja: para que não cometam impurezas sexuais, casem-se. Mais adiante (v.9) ele arremata: "Se não podem conter-se, casem-se; porque é melhor casar do que ficar ardendo em desejos [abrasar-se]". Então, a única forma de darmos curso aos desejos sexuais é no matrimônio: "Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula, pois aos devassos [os que se dão à prostituição] e adúlteros Deus os julgará" (Hb 13.4). Logo, se os namorados não se sentem seguros na guarda da virgindade; se não há como conter os impulsos sexuais, melhor será que se casem.
......."Se não podem conter-se..."– Esta condição revela a obrigatoriedade da abstinência sexual antes do matrimônio. Com essas palavras Paulo adverte os solteiros da necessidade de continuarem virgens. "Casem-se" – esta é a única forma de o crente satisfazer seus desejos sexuais.
.......Não se encontra na Bíblia nenhuma palavra que dê apoio a uma relação sexual fora do casamento. O conselho do apóstolo é que as "viúvas mais jovens se casem, tenham filhos, administrem suas casas, e não dêem ao inimigo nenhum motivo para maledicência. Algumas, na verdade, já se desviaram, para seguir a Satanás" (1 Tm 5.14). Embora se saiba que o assunto diga respeito a um caso específico na igreja de Corinto, a ênfase está no aconselhamento para que se casem.
......."Esta é a vontade de Deus para a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra; não no desejo da lascívia, como os gentios, que não conhecem a Deus" (1 Ts 4.3-5). Paulo compara a prostituição à lascívia. A palavra grega "epithymia" é traduzida com o significado de "desejo incontrolado" (Lc 22.15); "concupiscência" (Rm 1.24; 7.8; 13.14; Gl 5.16, 24; Ef 4.22; 1 Pe 4.3; 1 Jo 2.16,17), "inclinações da carne", (Ef 2.3), "paixões carnais e mundanas" (Rm 6.12; 2 Tm 2.22; 3.6; Tt 2.12; 3.3). E, como vimos anteriormente, "porneia" é traduzida como "prostituição", "imoralidade", e "relações sexuais ilícitas". Logo, não cabe o argumento de que a prostituição se refere tão somente ao comércio do sexo.
.......Com o título "Padrões de Moralidade Sexual", a Bíblia de Estudo Pentecostal assim se define em alguns tópicos:
......."A imoralidade e a impureza sexual não somente incluem o ato sexual ilícito, mas também qualquer prática sexual com outra pessoa que não seja seu cônjuge. Há quem ensine, em nossos dias, que qualquer intimidade sexual entre jovens e adultos solteiros, tendo eles mútuo "compromisso", é aceitável, uma vez que não haja ato sexual completo. Tal ensino peca contra a santidade de Deus e o padrão bíblico da pureza".
......."O crente deve ter autocontrole e abster-se de toda e qualquer prática sexual antes do casamento. Justificar intimidade premarital em nome de Cristo, simplesmente com base num "compromisso" real ou imaginário, é transigir abertamente com os padrões santos de Deus. É igualar-se aos modos impuros do mundo e querer deste modo justificar a imoralidade. Depois do casamento, a vida íntima deve limitar-se ao cônjuge. A Bíblia cita a temperança como um aspecto do fruto do Espírito, no crente, isto é, a conduta positiva e pura, contrastando com tudo que representa prazer sexual imoral como libidinagem, fornicação, adultério e impureza. Nossa dedicação à vontade de Deus, pela fé, abre o caminho para recebermos a bênção do domínio próprio: temperança (Gl 5.22-24)”.
.......O sexo livre, descomprometido, interessa ao diabo, que tenta por todos os meios invalidar o casamento instituído por Deus. O diabólico plano do Movimento Nova Era trabalha nesse sentido, pois ensina a criação de colônias ou núcleos onde todas as mulheres pertencem a todos os homens, e os filhos são criados pela comunidade. Nos anos 60, os hippies deram o primeiro passo nesse sentido.
.......Devemos ser guiados não pelo ensino do sistema mundano, pelo deus deste século, pelo modus vivendi dos devassos, incautos, incrédulos e inimigos da Palavra: "E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Rm 12.2). O crente deve andar na contramão dos desobedientes. Tentar ajustar a Palavra aos nossos pecados é um sinal de rebeldia e falta de compromisso com Deus. Devemos, ao contrário, ajustar a nossa vida ao padrão da Palavra de Deus, como submissos à Sua soberana vontade.
......."Não imitareis os costumes do Egito, onde habistastes, nem os da terra de Canaã, para a qual vos conduzo, nem andareis segundo os seus estatutos. Praticareis os meus juízos, e guardareis os meus estatutos, para andares neles. Eu sou o Senhor vosso Deus" (Lv 18.3-4).
.......Sabemos que a depravação está sem limites; que as crianças, desde a tenra idade, passam a receber uma enorme carga de mensagens eróticas; que elas chegam aos doze, treze ou catorze anos com grande desejo de se iniciarem no sexo; sabemos que a televisão, principalmente – afora teatros, livros, revistas, danças e músicas profanas -, ensina e estimula o relacionamento sexual entre não casados. Mas sabemos também que já saímos do Egito; que as vestes do velho homem caíram na caminhada; que agora não somos nós que vivemos, mas Cristo vive em nós; que fomos resgatados por elevado preço para um viver santo; para que possamos dizer com Paulo:
......."A minha ardente expectativa e esperança é de em nada ser confundido, mas ter muita coragem para que agora e sempre, Cristo seja engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte, pois para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro" (Fp 1.20-21).

 

Homens, mulheres e Deus
É fácil deixar que nossas próprias idéias e pressuposições culturais influenciem a nossa compreensão dos textos bíblicos. Por exemplo, a idéia de que os homens são chamados para liderar a igreja e as mulheres, somente para segui-la dominou a maneira de pensar sobre os sexos por séculos, apesar do grande número de mulheres líderes que Paulo saudou no último capítulo de Romanos. Apesar também do fato de que ele se refere a Febe, que levou a epístola a Roma, como ministra. Ele usa exatamente a mesma palavra em grego para ela (diaconisa) que usa para descrever o seu próprio ministério e o ministério de Timóteo. Não nos ajuda que os tradutores tenham, com freqüência, enfraquecido o signifi cado desta palavra usando simplesmente serva, no caso de Febe.
Precisamos de ajuda da Bíblia para compreender os planos de Deus para todas os aspectos da nossa vida, inclusive o relacionamento sexual. Por todo o mundo, as mulheres são muito vulneráveis à violência sexual. Tanto o estupro (a violação) quanto a agressão acontecem em grade escala hoje em dia. Mesmo dentro do casamento, pode haver violência, muitas vezes, justifi cada por alguns cristãos mal orientados, que acham que as esposas devem se submeter aos maridos, inclusive no relacionamento sexual. São Paulo, entretanto, tinha idéias muito diferentes.

 

Leia 1 Coríntios 7:2-7
Esta passagem desafia as nossas atitudes para com o relacionamento sexual entre um homem e uma mulher. Em primeiro lugar, Paulo coloca-a firmemente dentro do compromisso do casamento. Depois, o casamento é sempre entre um homem e uma mulher. Estas duas provisões já protegem as mulheres.
Porém a parte mais radical é quando Paulo fala sobre sexo entre o marido e a mulher. A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido – nada que cause surpresa até agora. O que causa surpresa é a próxima frase. O marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher. Isto é realmente surpreendente. Esta é a única passagem em que Paulo usa realmente a palavra autoridade dentro do relacionamento do casamento, e ela deve ser totalmente mútua. Os maridos e as mulheres devem tratar os corpos uns dos outros com respeito e consideração. Se este ensinamento bíblico fosse seguido no relacionamento sexual por todo o mundo, seria o fi m de tanta miséria humana, violência sexual e epidemias relativas ao sexo.

  • O que esta passagem nos diz sobre a opinião de Deus sobre as pessoas terem mais de um parceiro sexual?
  • Por que esta visão bíblica protege as mulheres?
  • O que acontece com a idéia da desigualdade entre os sexos nesta passagem?
  • Quais são os princípios fundamentais de Paulo no relacionamento sexual entre marido e mulher?
  • O que impede que a igreja por todo o mundo coloque em prática esta visão para os homens e as mulheres?

Na Bíblia Sagrada vamos encontrar as passagens que sustentam as convicções doutrinárias divergentes sobre o tema Divórcio e Novo Casamento.

Irei transcrevê-las:
1 Coríntios 7:39, diz: " A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive;
mas, se falecer o marido fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor. "


Evangelho de Mateus 5:31 e 32, diz: " Também foi dito: Qualquer que deixar sua mulher, dê-lhe carta de desquite (divórcio).
Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério. "


Evangelho de Mateus 19:9, diz: " Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. "

Antes de entrar nas considerações, farei uso do dicionário:
Entender os significados básicos das expressões auxilia na compreensão.

. Adultério: Infidelidade conjugal. Relação sexual de pessoa casada com outra que não seja seu cônjuge.
. Adúltero: Que pratica adultério.
. Fornicação: Relação sexual de pessoa não casada, com pessoa casada ou não.
O adultério é o pecado de pessoas casadas com outras que não são seus próprios cônjuges.
. Prostituição: Entregar à devassidão por dinheiro, comércio habitual ou profissional do amor sexual; corromper, desmoralizar; deixar-se corromper por suborno de favores.
Degradar, aviltar, desonrar. Entregar-se sexualmente por dinheiro ou por vantagens materiais.
. Devassidão: Qualidade de quem ou do que é devasso. Depravação dos costumes. Libertinagem, desregramento da conduta.
Liberdade excessiva contrária a decência, ao pudor. Dissoluto. Vulgarizar.
. Degradar: Destituir de grau, dignidade ou cargo, de maneira infamante.
. Envilecer: Tornar vil, desprezível, aviltar, desonrar; vender por importância vil; baratear; Perder o valor.
. Corromper: Perverter física e moralmente; alterar, adulterar; subornar, peitar; apodrecer, deteriorar, perverter, depravar.
. Adulterar: Alterar, falsificar, corromper.
. Profanar: Desrespeitar o caráter sagrado; tornar impuro, ofender, macular, transgredir, violar.

Devemos meditar com atenção quando estamos considerando as coisas da Bíblia, porque há a interpretação pelo Espírito Santo, conforme o que Deus quer trazer ao entendimento pela Sua Palavra inspirada e, a "outra interpretação", natural, científica.

Vejamos a passagem da carta do Apóstolo Paulo aos Romanos, todo o capítulo 7, mas neste momento destacarei os versículos 1, 2, 3 e 4 - já me antecipo que não estarei tirando texto de contexto, estarei SIM, confirmando o contexto.
Os versículos 1, 2, 3 e 4:
" Não sabeis vós, irmãos (pois que falo aos que sabem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem por todo o tempo
que vive?
Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, está-lhe ligada pela lei; mas, morto o marido, está livre da lei do marido.
De sorte que, vivendo o marido, será chamada adúltera, se for doutro marido; mas, morto o marido, livre está da lei, e assim não será adúltera, se for doutro marido.
Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo para que sejais doutro, daquele que ressuscitou de entre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus. "


Agora, repito 1 Coríntios 7:39, diz: " A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive;
mas, se falecer o marido fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor. "

A Palavra de Deus sempre traz o paralelo:
JESUS CRISTO - IGREJA « - » MARIDO - ESPOSA.
Essa base sustenta qualquer meditação nas coisas ligadas ao assunto relacionamento marido - esposa.

Quando o Apóstolo Paulo considerou em Romanos 7:1,2,3 e 4, entrou diretamente em 1Co 7:39.

Quando Jesus veio para a sua esposa, Israel que vivia pela Lei, ela recusou.
Jesus estabeleceu a nova Lei, a Nova Aliança, o Novo Testamento, mas sua esposa, Israel, rejeitou-o.

A partir do momento que Israel / Igreja / Esposa do Cordeiro, rejeita seu legítimo esposo, passa a ser adúltera, ou seja, vive com outro homem que é a Lei do Velho Testamento.
Israel continua vivendo pela Lei do Velho Testamento e não pela Graça.
Como uma esposa adúltera. Que se prostitui com outro homem, A LEI.

Assim, começa a nascer a verdadeira Igreja, a Noiva do Cordeiro, pela fé pelo Espírito de Deus.

Por isso Paulo diz que, morto o marido, está livre da lei do marido (v.2) e, no versículo 4 acrescenta:
Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo para que sejais doutro, daquele que ressuscitou de entre os mortos, a fim de que demos fruto para Deus.

No livro do profeta Isaías, capítulo 1, versículo 21, diz:
" Como se fez prostituta a cidade fiel! ela que estava cheia de retidão! A justiça habitava nela, mas agora homicidas. "

No livro do profeta Jeremias, capítulo 3, versículo 8, diz:
" E vi, quando por causa de tudo isto, por ter cometido adultério a rebelde Israel, a despedi, e lhe dei o seu libelo de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas foi-se e também ela mesma se prostituiu. "

No livro do profeta Miquéias, capítulo 1, versículo 7, diz:
" E todas as suas imagens de escultura serão despedaçadas, e todos os seus salários serão queimados pelo fogo, e de todos os seus ídolos eu farei uma assolação, porque do preço da sua prostituição os ajuntou, e em recompensa de prostituta se volverão. "

Agora, podemos ligar a expressão prostituição, de que falam os textos no Evangelho de Mateus 5:31 e 32 e 19:9, escritos acima.

Jesus divorciou-se da Velha Israel da Lei e casou-se com a Nova Israel da Graça.

A Velha Israel da Lei tornou-se prostituta, pertencendo a outro marido, A LEI.

Nos dias de hoje, se uma congregação, ministério ou individualmente, estiver se prostituindo espiritualmente com o mundo, andando conforme o mundo, fazendo abominações em negócios, políticas, conforme os moradores da terra (expressão muito usada por Deus); se estiverem debaixo do jugo da Lei do Velho Testamento, é um povo espiritualmente prostituído e, se não arrependerem do caminho errado, receberão carta de divórcio do Senhor.

Há aqueles que já se perderam e os que estão perdidos que podem voltar.

Quando um líder ministerial usa a Igreja de Jesus Cristo para barganhar troca de favores em negócios, política etc, ele está submetendo o Corpo - Igreja à prostituição.

Por isso a Igreja não deve se submeter em política, servindo de palanque, mesmo se o candidato é crente.
Aquele que se une a uma igreja que o Esposo deu carta de divórcio por causa da sua prostituição, faz com ela um só corpo.

Nessa igreja, aparentemente, tudo está normal, mas a graça de Cristo, já perdeu.

 

Conversa franca sobre Sexo

Vivemos atualmente em uma cultura obcecada pelo sexo. As empresas de publicidade aproveitam esta força para atrair o público e vender seus produtos. Este interesse universal está sendo hoje explorado em detrimento da cultura e da sociedade. Vemos a decadência na perda da virtude e no endurecimento da sensibilidade moral dos jovens. Todo pecado começa na mente. Os pensamentos provocam ações. Os pensamentos estimulam as emoções e estas debilitam a vontade. A vontade responde às insinuações dos pensamentos e das emoções.

A Bíblia está cheia de ensinamentos sobre sexo. Por que tantas pessoas caem em pecados sexuais? Temos muitas e muitas razões para poder dar uma resposta mediante a esta pergunta, no entanto, dentre tantas, as razões ou motivos que são mais encontrados entre os jovens hoje em dia são:

 

1) Covardia: diante da “pressão da turma”, alguns jovens caem neste pecado. Os “amigos” lhes dizem: “você não é homem”; “todo mundo faz”; “para que se guardar”; “somente você ainda não fez”. E por covardia, medo, pressão da turma ele acaba fazendo sexo logo para acabar com essas gozações para consigo.

2) Avançar demais nas carícias: começam inocentemente tocando aqui e ali e quando menos se percebe os toques já são mais ousados e em lugares que antes eles sequer se atreveriam a tocar. Ao começar a avançar demais nas carícias ele percebe que não consegue mais parar e se envolve em sensações que não saberá mais como refrear e acaba por praticar o ato sexual.

3) Sentem-se apaixonados: alguns jovens praticam o ato sexual simplesmente pelo fato de que estão apaixonados por uma determinada pessoa e consideram isso um bom motivo para terem sexo. Afirmam que logo irão se casar mesmo, então por que adiar isso. Um tremendo erro, pois paixão nunca deve ser colocada como uma boa razão. Paixões passam. E paixões desenfreadas são como uma criança rebelde que precisa de disciplina e correção e não que sua vontade seja satisfeita.

4) Por ser excitante: quando o jovem entra em ação com as facetas desta misteriosa força criada por Deus, ele acaba se esquecendo de toda restrição moral por se sentir completamente envolvido num “torvelinho” de emoções surpreendentes e perturbadoras, e essas emoções o arrastam para o inevitável ato sexual. O corpo corresponde ao excitamento e isto lhe vem como extremamente agradável e prazeroso. Logo mais tarde, descobre que tais emoções podem ser desastrosamente artificiais.

5) Ignorância: em muito dos sentidos, esta é a causa básica de muito dos tropeços e dos fracassos de nossa juventude. Porém, em se tratando de sexo, aparentemente todos acabam aprendendo de um jeito ou de outro. A ignorância aqui é que após se envolverem não conseguem mais parar. Acham que podem refrear este instinto quando quiserem, porém, na hora, percebem que não é bem assim.

6) Rebeldia: muitos adolescentes e jovens por serem extremamente rebeldes descaradamente ou abertamente resolvem praticar o ato sexual. Não se preocupam com o que outros pensam, querem apenas satisfazer o desejo de sua carne.

 

Muitos perguntam: É ou não é permitido ter relações sexuais antes do casamento? A resposta é um sonoro NÃO! A existência de um desejo não justifica sua satisfação ilimitada. Há limites e estes limites são fixados por Deus até mesmo na natureza criada por Ele. O sexo foi feito para ser expresso e experimentado. As relações sexuais são lógicas mas o sexo dever usado com responsabilidade. Seu lugar segundo o plano de Deus é dentro do matrimônio.

Amigo leitor! A única coisa que você aprenderá através da prática do sexo antes do casamento é que os resultados da rebelião contra a vontade de Deus são sempre amargos. A única e desagradável lembrança que permanecerá gravada em seu subconsciente será a sordidez do seu egoísmo. Você terá mesquinhamente usado o corpo de outro ser humano para satisfazer o seu ego enfermo e irá arrepender-se disso até o túmulo (2Tm 2.22).

“Se alguém não tenta enquanto é solteiro, não fracassará ao casar-se? Como um jovem pode saber se é capaz de ser um esposo(a) se não pratica antes?” Perguntas como estas e semelhantes a estas são feitas ao milhares e muitos a fazem com certa sinceridade, outros apenas para darem uma desculpa para a prática da relação sexual antes do casamento. Veja como Satanás é por demais astuto (2Co 11.14,15).

Deus nos criou e nos moldou de tal maneira que o jovem e a jovem poderão desfrutar deste dom maravilhoso de Deus, o sexo, no matrimônio.

 

E os comprometidos? E aqueles que já são noivos? Por meio de várias das pesquisas realizadas, a grande maioria dos compromissos que são desfeitos se rompem precisamente porque uma das partes está com sentimentos de culpa por terem cometido o ato sexual. Suas consciências foram contaminadas por meio das levianas e frívolas atitudes sexuais de um para com o outro. Essa consciência e essas atitudes provocam o rompimento do compromisso. O fato de se estar noivo não é motivo para ter relações sexuais entre si (Gl 5.21; Hb 13.4).

 

A pureza é bela! Um dos maiores presentes que se pode levar para um casamento! A beleza da santidade de um jovem deve ser se guardar para seu cônjuge e praticarem o ato sexual apenas na noite de núpcias.

 

O jovem ambiciona ter um casamento feliz e sonha com um bom noivado e um casamento melhor possível. O rapaz sonha com uma moça de boa educação, bonita, de convicções firmes. Acima de tudo, a noiva dos seus sonhos é pura. Já a moça, sonha com um rapaz maduro, que seja um bom líder espiritual, puro e que tenha um bom caráter. Quem ama, espera!

Graças a Deus por tais sonhos e lembre-se: quem ama, espera (1Co 7.1-5).

 

+ Topo